segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Lázaro Kavandame e o nacionalismo maconde



Lázaro Kavandame e o nacionalismo maconde
Devido a situação social, politica e económica em transformação, numa zona considerada atrasada, nasceu no planalto dos macondes a “Linguilanilu”, Sociedade Algodoeira Voluntária de Moçambique (SAAVM) organizada por um grupo de habitantes do planalto, cujos dirigentes principais foram: Lázaro Nkavandame, Raimundo Pachinuapa, João Namimba e Cornélio João Mandanda. “Linguilanilu” “e palavra Kimakonde, e pode significar: cooperativa, associação, unidade ou mesmo entreajuda.
Lazaro Kavandame (possivelmente nascido entre 1908-12) era filho do capitão mor Cavandame. Em 1943 foi a Tanzânia onde ficou 5 anos. Quando regressou a Moçambique foi baptizado a ponto de o prelado da diocese do Porto Amelia ter dito que era exemplar e um dos melhores que tinham. Porem, não era muito instruído embora soubesse ler e escrever maconde. Era calmo, nunca se exaltava, toda a gente o respeitava nos seus dizeres. Não procurava ser bem visto, era humilde, respeitoso e o dinheiro não lhe interessava. Quando regressou pediu as autoridades portuguesas para as ajudar a evitar a saída dos moçambicanos que iam para a Tanzania. O plano dele consistia em fundar uma cooperativa agrícola de algodão em Imbuho, com cinco rapazes. Na visão de Kavandame, os rapazes não estavam satisfeitos com pano e comida como salario. Era tempo de terem uma casa, uma bicicleta, cadeiras e mesa.
A 20 de Agosto de 1958, Lázaro e seus associados fez pedido formal à administração da circunscrição dos macondes. O parecer do administrador foi negativo mas o governo-geral, contra o parecer do administrador local, legitimou a existência de cooperativa. O resultado da sua acção foi que no final do primeiro ano já tinha 1500 membros e em 1959 tinha já 1379 inscritos que faziam cada um ao menos um hectar de algodão. Havia sinais de melhoria das condições de vida da população e muitos que se encontravam no Tanganyika já começavam a manifestar o desejo de regressar. O regresso de Kabrite Diwane /Faustino Vanomba, cujo final foi o trágico acontecimento de Mueda, em 16 de Junho de 1960, inseria-se neste movimento tímido dos “retornados”. Os inscritos pagavam 3 escudos de contribuição por mês que era usado para pagar algumas despesas e aos ajudantes de Lázaro que visitavam as machambas como extensionistas.
Segundo um testemunho da época, “a gestão do dinheiro era tão transparente que Lázaro não ficava com nada”. Quando uma vez viu que o caixa tinha algum dinheiro de sobra, comprou uma bicicleta nova e outra de segunda mão para os seus ajudantes extensionistas. Apercebendo-se que estava sendo vigiado, pediu que houvesse um europeu no meio deles. Isto também serviria para desmentir aos régulos e agentes da SAGAL que o difamavam como estando a cobrar ilicitamente valores de 50 escudos. Porém, sabia-se que ele nunca guardava o dinheiro sozinho, segundo o testemunho do padre Guilherme Kuypers. Em conversas com o governador Carlos Teixeira da Silva Lazaro ficou sabendo que era opinião do governador geral que ele aprendesse português e ficou combinado que iria para a Missão de Mariri, na área de Montepuez. Uma vez aprendida a Língua Portuguesa, seguiria para Lourenço Marques onde o respectıvo governador o esperava, ansioso.
Goncalo Mosse Mosse, David Parente, Fabião Nhancundele e 125 outras pessoas gostam disto.
Comentários
Mario Albano
Mario Albano Muito construtivo esta sua postagem Eusébio A. Guambe como sempre . Obrigado
9 · 23 h
Eusébio A. P. Gwembe
Eusébio A. P. Gwembe Obrıgado eu pela visita! Abraços
1 · 23 h
El Patriota
El Patriota Parabéns Eusébio. E.... obrigado
1 · 19 h
Rodrigo Carlos Guedes
Rodrigo Carlos Guedes Grande homem
3 · 23 h
Eduardo Domingos
Eduardo Domingos Entao a partir de quando começou a ter gosto pelo dinheiro, eusebio Eusébio A. P. Gwembe?
7 · 23 h
Eusébio A. P. Gwembe
Eusébio A. P. Gwembe Ate aquı aında nao conseguı descortınar os fundamentos da acusaçao Eduardo Domingos. mas tenho a pısta dos objectıvos dos acusadores
11 · 23 h
Jeck Alcolete
Jeck Alcolete Será útil partilhar essa trilha dos objectivos dos acusadores.
6 · 23 h
Antonio A. S. Kawaria
Antonio A. S. Kawaria Mano Eduardo Domingos. Boa pergunta
1 · 15 h
Almeida F. Massango
Almeida F. Massango Historia de Moçambique é isso que nos queremos
5 · 23 h
Abinelto Bié
Abinelto Bié Grande Gwembe!
3 · 23 h
Alberto Kavandame
Alberto Kavandame Com lagrimas nos olhos, leio esta publicacao que felizmente que conta e Bina pessoa que eu que sou representante directo doKavandame nao conheco. Para dizer ele vive na memoria de pessoas muito obrigado essa publicacao!
13 · 23 h
Almeida F. Massango
Almeida F. Massango Ficaram na historia ja desde que criança que ouvia falar do Kavandame na historia desse embora nao soubesse que ele teria sido e em o que contribuiu para a historia
6 · 23 h
Reghynaldo Va Elabo
Reghynaldo Va Elabo Muito interessante...
2 · 23 h
Josefina Bosco
Josefina Bosco porque o chamarão de reacionário?
fugitivo?etc
5 · 23 h
Alberto Kavandame
Alberto Kavandame Chamaram de reacionarios por motivos depreceativos com intencao de tomarem o poder.
1 · 19 h
Josefina Bosco
Josefina Bosco xi
até me lembro de cânticos k sonhavam dele. afinal
Francisco Wache Wache
Francisco Wache Wache Eusebio Andre Eusébio A. P. Gwembe. Volta. Quando começou a ideia de ele ser racionario. Traga-nos as pistas
6 · 22 h
Alberto Kavandame
Alberto Kavandame Comeca a ser reaccionarios depois da morte de Eduardo Mondlane.
1 · 19 h
Edu Humbane
Edu Humbane Aguçou a nossa curiosidade! Esse texto nao tem muito a ver com o Kavandame que aprendemos na escola!!!
8 · 22 h
Alberto Kavandame
Alberto Kavandame O mesmo Lazaro Kavandame o pai do meu pai.
Nhecuta Phambany Khossa
Nhecuta Phambany Khossa Creio que o Professor Eusébio A. P. Gwembeainda vai trazer a parte II da história, nomeadamente os actos protagonizados por Kavandame na véspera e anos depois da fundacção da Frelimo. É aqui onde se vê um outro Kavandame, com determinados interesses. Notar que existe um vídeo do Kavandame mobilizando os macondes para os interesses coloniais.
4 · 22 h
Edu Humbane
Edu Humbane Interessante. Onde achar o vídeo?
2 · 22 h
Nhecuta Phambany Khossa
Nhecuta Phambany Khossa Edu Humbane, o jornalista português Joaquim Furtado (salvo erro), no documentário "a guerra" difundiu o vídeo.
2 · 22 h
Alberto Kavandame
Alberto Kavandame Claro, quando nao haviam condicoes de continuar na luta, Kavandame viu a unica saida se entregar as autoridades coloniais, e os colonos sabendo a sua importancia no planalto usaram lhe para desmobilizar os outros macondes para desistir da guerra e que os portugueses estariam pronto para os receber.
3 · 19 h
Mario Albano
Mario Albano Temos que deixar de se quadrados caros compatriotas. O professor Eusébio esta a trazer uma parte da história. Cabe a cada tirar a lição disso, esta história de ouvir uma parte e ficar por ai...
5 · 19 h
Helio Macanga
Helio Macanga Temos que fazer uma análise crítica das coisas. Como acham k ele ia se comportar em frente a câmaras de um jornalista português? Segundo ponto, ele criou a cooperativa com Raimundo Pachinuapa. Como foi que pachinuapa ficou herói e ele demónio?
2 · 18 h
Antonio A. S. Kawaria
Antonio A. S. Kawaria Não é difícil saber que afinal a FRELIMO ou certos indivíduos da Frelimo é que deve(m) ter destruído o nacionalista. E esses gananciosos se reconhecem hoje.
2 · 15 h
Helio Macanga
Helio Macanga Se forem a prestar atenção no documento, os portugueses suspeitavam dele. Eu acho que foi luta pelo poder. Foi o mesmo que aconteceu com URIAS SIMANGO. Como é que um vice presidente na era Mondlane ficou diabolizado logo quando ele tinha que substituir Mondlane. Os que queriam substituir Mondlane sujaram a imagem dele.
3 h · Editado
Laice Faustino Nkwemba
Laice Faustino Nkwemba Mas não é esta história que a FRELIMO conta
6 · 22 h
Laice Faustino Nkwemba
Laice Faustino Nkwemba Meu bisavô
5 · 22 h
Francisco Wache Wache
Francisco Wache Wache Poste o video Nhecuta Phambany Khossa seria bom
5 · 22 h
Antonio A. S. Kawaria
Antonio A. S. Kawaria Mais novo Francisco Wache Wache, Não é difícil saber que afinal a FRELIMO ou certos indivíduos da Frelimo é que deve(m) ter destruído o nacionalista. E esses gananciosos se reconhecem hoje.
Francisco Wache Wache
Francisco Wache Wache Hummmmm. Nao nos condenem. Nos, a frelimo, somos boas pessoas,
Nhecuta Phambany Khossa
Nhecuta Phambany Khossa O jornalista português Joaquim Furtado (salvo erro), no documentário "a guerra" difundiu o vídeo.
3 · 22 h
Aderito Raul Magaia
Aderito Raul Magaia Eu também vi! Entregou se aos tugas na tentativa de entregar a FRELIMO!
3 · 22 h
José de Matos
José de Matos entregou-se aos tugas, como tantos outros, quando viu que havia um complot contra ele e a vida dele estava em perigo!
6 · 20 h
Jossias Ramos
Jossias Ramos Isso, José de Matos.
2 · 18 h
Antonio A. S. Kawaria
Antonio A. S. Kawaria Aderito, fugindo dos assassinos que nem pouparam a ninguém mesmo depois de Mocambique ter sido Estado.
3 · 15 h
Danilo Tiago
Danilo Tiago Grande serviço público meu caro Eusébio.
6 · 22 h
Júlio Mutisse
Júlio Mutisse Gwambe... obrigado. Estou a espera do próximo post sobre esta figura de que não tinha nenhuma base. Este Kavandame como evoluiu para o Kavandam que a nossa história nos ensina? Ou não foi bem assim?
8 · 22 h
Armando Cuna
Armando Cuna Júlio Mutisse responda me com franqueza: o que eh que a nossa historia nos ensina sobre estes homens senao que eles eram reaccionarios?
3 · 21 h
Júlio Mutisse
Júlio Mutisse Por isso devemos aproveitar a capacidade desta maltaEusébio para avaliarmos por nós os dados qie temos.
3 · 21 h
Armando Cuna
Armando Cuna Obrigado pela honestidade.
1 · 19 h
Muzila Wagner Nhatsave
Muzila Wagner Nhatsave Tambem quero saber a historia completa desse home , para tirar as minhas conclusoes. Meu mano gosto desta tua actitude de resgatar a historia
Muzila Wagner Nhatsave
Muzila Wagner Nhatsave noto que o que contou te aqui foi antes da sua junçao a frelimo. pois em 1958 esta ainda nao estava formada
Edson Magalo
Edson Magalo O historiador MA #Eusebio sempre atras das verdades historicas! Mta forca...
1 · 21 h
Fernando Narcisio Narcisio
Fernando Narcisio Narcisio Mais uma pagina da Nossa historia..
1 · 21 h
Jessemusse Cacinda
Jessemusse Cacinda Meu Mestre Eusébio A. P. Gwembe. Está por via destes ultimos posts sobre historia da luta pela independência. Tal como disse Danilo Tiago está sDanilo Tiago um serviço público
3 · 21 h
Andre Jorge Chifeche
Andre Jorge Chifeche Epaaaaaa nós aprendemos que foi um grande traidor. Afinal? Nossa historia distorcida a favor de um grupo.
3 · 21 h
Albertino Dengo
Albertino Dengo E disto q a noca historia precisa e nao o que tem la
1 · 21 h
Raúl Salomão Jamisse
Raúl Salomão Jamisse Grande aprendizado, no teu mural sempre sai se a ganhar...Assim como os outros quero a parte II da história do Khavandame até aonde foi considerado traidor
2 · 20 h
Max Lee
Max Lee Eu amo posts desse jovem, papo com evidências. Documentação que nem sabia que existia. Continue a enviar nos
4 · 19 h
Edson Magalo
Edson Magalo MA #Eusebio q nos traga tambm a historia dos famosos fundadores da nacao mocambicano, sobre tdo dos q ainda stao em vida!!! Pra desipar mtas duvidas q ca pairam nos mocambicanos!!!
3 · 19 h
Edson Magalo
Edson Magalo ...le-se nacao mocambicana!!
1 · 19 h
El Patriota
El Patriota Obrigado pela iluminação, Gwembe.
2 · 19 h
Gildo Nhangave
Gildo Nhangave Esta história é aberta, pensei que fosse trazer algumas razões que levaram com que fosse conhecido com o tal traidor que aprendemos na 4 classe!
2 · 19 h
Alberto Kavandame
Alberto Kavandame A verdade ainda vira brevemente!
2 · 19 h
Sergio Rodrigo
Sergio Rodrigo o descendente dos Kavandame nos narrara.
Carlos Quizado Quizado
Carlos Quizado Quizado Afinal? Entao aquela historia da 4 classe foi falsa!
1 · 18 h
Alberto Kavandame
Alberto Kavandame Amigo Quizado se es academico melhor esquecer aquela historia e se for politico frelimista siga.
Melo David Mogoa
Melo David Mogoa o desafio da abordagem e provar q foi morto pelo regime de forma injusta e tdo aqilo q alegaram sobre a pessoa dele foi injusto.
2 · 18 h
Raul Novinte
Raul Novinte Esse é e era o maconde que tanto respeito. Pois os macondes que temos hoje no poder pensam diferente do Lazaro Nkavandame e por isso lhe foi assassinado pelo regime que os macondes de hoje servem.....
4 · 16 h · Editado
Pablo Osvaldo Osvaldo
Pablo Osvaldo Osvaldo A nossa História
Nelio Raul Joao
Nelio Raul Joao Eu sempre desconfiei da nossa história, contada pelos libertadores da pátria, tudo contado a seu belo prazer....
3 · 18 h
Luis Arouca
Luis Arouca Eu tbem alinho n teu diapasão! A História de Moçambique está totalmente adulterado, tdo k se fala hj, é tdo falso, só pra recordar sobre o homem k deu o primeiro tiro ( chipande) Qual Chipande? Ele nem se quer entrou n linha d combate
3 · 17 h
Alberto Kavandame
Alberto Kavandame Chipande esteve em muitas frentes de combates mas ele peca quando nao conta a verdade! Podia merecer nosso respeito mas infelizmente indiziu se no erro por causa de ganancia!
1 · 17 h
Lyndo A. Mondlane
Lyndo A. Mondlane E como acabou reaccionario????
Raul Novinte
Raul Novinte Reaccionário é e continua ser qualquer individuo que não concorda com as doctrinas da Frelimo.... Esse nome foi usado naquele tempo... forma de dizer que a pessoa pensava diferente .....
6 · 16 h · Editado
Alberto Kavandame
Alberto Kavandame Mudou o termo reacionario e substitiu se com a expressao nao e nosso!'
1 · 13 h
José de Matos
José de Matos Grande entrevista com neto de Lázaro Kavandame 

Ala sulista da Frelimo maquinou assassinatos

contra cidadãos do norte do país

Eu nunca ouvi que houve um reacionário do sul do país. 

Lázaro Kavandame foi afastado da FRELIMO e chamaram-lhe reaccionários porque ele advogava o capitalismo e a propriedade privada. 

http://macua.blogs.com/files/cmc_n178_netokavandame.pdf
5 · 17 h
Costa Manhiça
Costa Manhiça Gostei muito da historia Gwembe falta a parte 2
3 · 16 h
Gabriel Muthisse
Gabriel Muthisse Kavandame versus assassinato de Nkankhomba= um dos grandes imbróglios que leva o primeiro a entregar-se aos portugueses.

Fazer o flash back até à crise de 1968, a relação entre Kavandame, Simango, Mondlane, Gwengere e os militantes brancos.


Ter em conta a diferença de concepções sobre a condução da guerra - guerra de guerrilhas (prolongada) ou ataque a grandes agrupamentos de tropas portuguesas, como os de Mueda e outros.

O Segundo Congresso e o fracasso da Conferência de Mtwara...

Tudo isso explica parte da história que levou à deserção deste combatente independentista.
3 · 14 h · Editado
Alberto Kavandame
Alberto Kavandame A concepcao de que quem matou Khankomba vem duma teoria falsa, sem defender Kavandame, apesar de eu ser o unico representante dele. Kankhomba foi morto na Aldeia de Nkunya pouco dias depois da morte de Capitao mor Joaquim Chipande amando dos mesmo que nao precisarei de os mencionar acho que Mutisse sabe melhor que eu, ou seja de Chipande, por simples razao como era do niassa era mal visto em mueda/cabo Delegado. O regiolismo fazia se sentir entre camaradas.
Gabriel Muthisse
Gabriel Muthisse Alberto Kavandame, Khankomba foi morto na fronteira do Rovuma, do lado da Tanzânia. Desconheço se esse local coincide ou não com a aldeia que indica.

O facto de Nkhankomba ter sido assassinado do lado Tanzaniano levou a que as autoridades deste país s
e interessassem particularmente por este crime, pretendendo julgar e responsabilizar os autores. Se tivesse ocorrido do lado moçambicano, os tanzanianos teriam ignorado o crime.

Os Chairmans tinham bloqueado a fronteira do Rovuma, pretendendo obstruir a logística à Frente de Cabo Delgado. Tudo isto no contexto da crise que se seguiu ao II Congresso e à contestação da liderança de Mondlane. A aludida Conferência de Mtwara, que fracassou, visava resolver este último problema.

Com as diferenças a prevalecer, e não havendo reconhecimento à liderança de Mondlane, os Chairmans, que haviam boicotado o II Congresso, pretendiam isolar a direcção da FRELIMO da província onde eles supunham ter muito prestígio.

Nkhankomba foi morto, à facada, quando pretendia forçar a abertura da fronteira do Rovuma
2 · 13 h
Alberto Kavandame
Alberto Kavandame Isso mesmo Nkunya fica a cerca de 30.kms da vila sede de Newala nas margens do rio rovuma, na provincia de Mtwara. Sei contar bem essa historia, porque muita coisa nao e bem contada em determento de salvaguardar imagens de pessoas. No dia da morte de kankomba, Kavandame, regressava do rio com seu Bedford para Nachingwia e teria acompanhado um grupo que vinha para o interior carregados de material de guerra. Apercebendo se desse assassinato Kavandame nao deu boleia ao Chipande e esse quem difindiu a msg de que que matou kankomba foi Kavandame.
2 · 12 h
Benjamim Muaprato
Benjamim Muaprato Caro Alberto Kavandame, pode contar bem essa historia no seu mural para melhor percebermos, que de facto acontecido nesse fatídico dia?
1 · 11 h
Pablo Osvaldo Osvaldo
Pablo Osvaldo Osvaldo Porque reacionario?
Alberto Kavandame
Alberto Kavandame Ala sulista da Frelimo maquinou assassinatos e depressao aos individuos do.norte.
Yussuf Adam
Yussuf Adam A historia da SAAVM/Liguilanilu esta contada no Nao Vamos esquecer e nos Estudos Mocambicanos do Centro de Estudos Africanos da Universidade Eduardo Mondlane. As contradicoes entre Nkavamdame e a populacao das zonas libertadas surgiram , segundo os entrevistados em varios projectos de investigacao, pela apropriacao privada por Lazaro Nkavandame dos resultados economicos da producao colectiva, da posicao de Lazaro Nkavandame sobre o papel das mulheres, etc...
1 · 14 h
Alberto Kavandame
Alberto Kavandame Segundo Bandela Macheka, um dos membros da Associacao ligwilanilo, nao houve nenhuma contradicao entre os membros, mas sim a Associacao constitui um elemento de dispertar do nacionalismo. Por duas vezes Kavandame foi preso por causa de aderencia massiva dos macondes e que o grupo nao so era economico, mas sim era politico. Chipande e Pachinuapa podia contar melhor que eu, porque eles foram integrantes de ligwilanilo.
2 · 13 h
Yussuf Adam
Yussuf Adam Sim estamos a falar de dois periodos diferentes... O da criacao da SAAVM Ligualinilu e o periodo da luta armada....
1 · 6 h
Daniel Costa
Daniel Costa Essa limpeza e ostracisação de gente do norte já tem barba branca. É tempo de se combater ferozmente.
3 · 14 h
Samuel Jose
Samuel Jose Bem,não ouvi de alguém a me falar dele mas,a verdade é:
-Lázaro Nkavandame foi grande amigo do meu falecido pai quando ele estudava no Seminário Liceal Pio II em Mariri e meu pai era pedreiro na construção deste. Quando ele estava no Mariri eu era muit
o criança e quando sumiu do Mariri para Tanzânia nunca mais lhe
vi e retornei a vê-lo em 1974 de novo no Mariri pois,eu era aluno deste Seminário.
Passados que foram 3 meses ouvi de que o Lázaro foi preso e levado para Tanzânia(Nagingweia)onde foi julgado junto com outros patriotas acusados de serem traidores.O meu pai ainda vivo,ficou muito chocado e triste ao ouvir:Nkavandame andidukuta...Nkavandame reaccionário...
De facto -Lázaro era humilde e muito calmo e calmo mesmo...espero que,os que se colocam como donos e fundadores da FRELIMO principalmente o Pachinuapa,
Chipande e outros...põem a cabeça na consciência e saibam que estão sendo muito usados pelos os sulístas e o povo lá na Província de onde são oriundos está a passar muito mal e pior falar de veteranos da guerra de libertação nacional que é penoso ao vê-los!!!
3 · 12 h
Blessed Paulo Simbe
Blessed Paulo Simbe Melo Molinho
Joao Faztudo
Joao Faztudo OS DO NORTE SOMOS CULPADOS DE OPORTUNADOS COM OS DE SUL. NÃO TEMOS UNIÃO PORQUE CADA UM QUER SER DIFERENTE DO OUTRO. VEJA SO: CHIPANDE USARAM LHE COMO O 1 CÃO A LADRAR CONTRA COLONO. HOJE DEFENDE OS DO SUL EM VEZ DO VIZINHO DELE DHLAKAMA. TODOS CNDTES SAO DO NORTE POR ISSO CHAMAM NOS DE XICONDO.
2 · 8 h
Ser - Huo
Ser - Huo Num post que devia servir para a gente aprender, interrogar, discutir a nossa HISTORIA, você encontra acima de 80% de comentarios REGIONALISTAS, pregadores do ÓDIO e do DIVISIONISMO. Epahhhh,Eusébio A. P. Gwembe, nao deixe seu mural ser um nem aquela Radio do Ruanda, usada para difundir o odio e a matanca.
2 · 5 h
Rivelino Mandlate
Rivelino Mandlate João Faztudo!!!!!!!!!!!!!
David Parente
David Parente Realmente não se deve criar ódio entre o norte e o sul. Moçambique e de todos moçambicanos. Houve políticos que criaram esses ódios entre brancos, negros e mestiços. A história de Moçambique tem sido contada de forma a proteger indivíduos que assassinaram muitos dos nossos conterrâneos apelidados de reaccionários, divisionistas e imperialistas.
Oreste Muatuca Muatuca
Oreste Muatuca Muatuca Esse Lázaro Kavandame cometeu o mesmo pecado de nascer onde é como nasceu..

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook