segunda-feira, 20 de junho de 2016

Entende docente e politólogo moçambicano João Pereira Frelimo transformou-se em mera “máquina eleitoral”

Ano XVI Nº 4847 Segunda-feira 20/06/2016 Editor: Refinaldo Chilengue FUNDADO EM 10 DE FEVEREIRO DE 1997 Correio da manhã Publicidade Previsão do tempo Frase: Cm MAPUTO Segunda-feira Máxima 33 – Mínima 18 Terça-feira Máxima 24 – Mínima 18 Quarta-feira Máxima 22 – Mínima 15 Quinta-feira Máxima 23 – Mínima 14 Fonte: Canal do tempo Cont. na pág. 2 Ler mais na pág. 2 Primeiro jornal ilustrado transmitido por FAX, E-mail e entregue por estafeta no endereço desejado (só cidade de Maputo), de 2ª a 6ª-feira. Propriedade da SOJORNAL Sociedade Jornalística, Avenida Filipe Samuel Magaia, 528-3º Flat 6, Maputo Moçambique - C.P. 1756 E-Mail: correiodamanha@tvcabo.co.mz – Tel.: Redacção: 21305322/3 - Editor: 21305326 e 841404040 - Fax: 21305321/8 Os artigos de opinião inseridos nesta edição são da inteira responsabilidade dos respectivos autores e não reflectem necessariamente o ponto de vista nem a linha editorial deste jornal “Só tem convicções aquele que não aprofundou nada”. ‒ EM Cioran (1911-95), escritor e filósofo francês de origem romena Entende docente e politólogo moçambicano João Pereira Frelimo transformou-se em mera “máquina eleitoral” Considerado um dos grandes produtores de algodão em Moçambique, o Vale do Zambeze acaba de rever em baixa a colheita para este 2016, em resultado das cheias e seca que assolaram o país. Concretamente, os produtores do algodão desta região esperam colher até ao fim da presente campanha cerca de 7,500 toneladas desta cultura de rendimento, contra mais de 10 mil toneladas conseguidas em 2015, apurou o Correio da manhã de fonte segura da OLAM AVZ, concessionária responsável pela comercialização do chamado “ouro branco” no Vale do Zambeze. Refira-se que nesta região o algodão é produzido nos distritos de Mossurize, Machaze, Tambará, Vanduzi, Guro e Báruè, na província de Manica, e Mágoe, Changara e Cahora Bassa, em Tete. Esta cultura movimenta cerca de 12 mil produtores do sector familiar numa extensão de aproximadamente 19 mil hectares na presente campanha. O início da colheira e comercialização do algodão do Vale do Zambeze arranca ainda este mês (Junho), sendo que a OLAM AVZ já disponibilizou aos produtores mais de 66 mil sacos para colheita nos distritos de Manica e 46,300 em Tete, envolvendo 29 brigadas de comercialização. A OLAM comprometeu-se a pagar um valor mínimo de 15 meticais por quilograma do algodão, preço ligeiraEFEITO DAS CHEIAS E SECA QUE FUSTIGARAM MOÇAMBIQUE NO INÍCIO DESTE 2016 Vale do Zambeze revê em baixa colheita do algodão mente acima do aprovado pelo Conselho de Ministros para a presente campanha, fixado em 14,50 meticais/kg. Chineses compram menos Por seu turno, a China Africa Cotton Company, uma empresa chinesa fomentadora do algodão na província de Sofala, deverá reduzir o seu volume de compra deste produto em sete mil toneladas neste 2016. A companhia prevê adquirir somente mil toneladas na presente campanha algodoeira, contra oito mil compradas em 2015, segundo o Instituto do Algodão de Moçambique (IAM). De referir que para a presente campanha os produtores do algodão de Sofala exploraram uma área de 5,639 hectares e esperavam colher pelo menos seis mil toneladas desta cultura de rendimento, porém, devido à estiagem prolongada e chuvas tardias apenas germinaram 3,546 hectares. No geral, projecções, entretanto, para até finais deste 2016 apontam para um crescimento de produ- ção do algodão em cerca de 42%, ou seja, o sector espera atingir um volume de pouco mais de 70 mil toneladas do produto, contra 49,174 toneladas registadas na campanha anterior. (E. Arante) Segunda-feira 20/06/2016 2 Correio da manhã Nº 4847 política Publicidade Av. Filipe Samuel Magaia, nº 582, 2º andar – 4. Contacto Cel: 829380506 – 828277750 06.30 – 18.00 Cm Por um mínimo de 6000 MT/dia Cm O politólogo moçambicano João Pereira entende que as crises que Moçambique atravessa descredibilizam fortemente a Frelimo, considerando que o partido no poder há mais de 40 anos revela-se incapaz de apresentar soluções para os problemas do povo moçambicano. “Estas situações todas descredibilizaram fortemente o partido Frelimo”, disse à Lusa o professor de Ciência Política na Universidade Eduardo Mondlane, à margem de uma manifestação contra a crise política e a situação económica do país, organizada sábado em Maputo. Para o académico mo- çambicano, os valores pelos quais a Frelimo lutou pela independência foram esquecidos e, nos últimos tempos, o partido liderado por Filipe Nyusi, também Chefe de Estado, “passou de uma organização política que responde às necessidades do seu povo para uma simples máquina eleitoral”. Incapaz de responder às necessidades básicas do seu povo e sem reformas políticas que respondam ao dinamismo dos novos tempos, observou o politólogo, a Frelimo arrisca-se a perder os próximos pleitos eleitorais, na medida em que a insatisfação da população cresce gradualmente. “Se a crise económica aumentar, sem dúvida, a probabilidade de vitória é muito reduzida para a Frelimo”, afirEntende docente e politólogo moçambicano João Pereira Frelimo transformou-se em mera “máquina eleitoral” mou o académico, alertando que os níveis de abstenção eleitoral no último escrutínio revelam uma descrença na política por parte dos moçambicanos. Céptico quanto aos resultados das negociações recentemente restabelecidas entre o Governo e a Renamo, João Pereira entende que o processo para o fim da crise política e militar será demasiadamente longo, observando que, enquanto as partes não restabelecerem a confiança, Afonso Dhlakama não vai sair do mato para negociar com o Presidente da República, Filipe Nyusi. “Não sei se estas comissões vão conseguir chegar a acordos que facilitem a saída de Afonso Dhlakama”, afirmou, apontando a exigência da Renamo de governar as seis províncias onde reivindica vitória nas eleições de 2014 e a inserção de quadros do partido de Afonso Dhlakama na Polícia e no Exército como os aspectos que mais vão criar dissensos no processo negocial. “Nós ainda vamos ter momentos muito difíceis”, declarou, observando que nos próximos tempos a situação se vai deteriorar, apesar de os líderes das duas partes terem manifestado recentemente a ambição de acabar com a crise política em Moçambique. Na quinta-feira, o Presidente moçambicano disse que aceitará a presença de mediadores nas negociações entre o Governo e a Renamo, apontando o fim imediato dos confrontos como uma prioridade. O líder do principal partido de oposição moçambicano disse, na sexta-feira, que alcançou, por telefone, consensos com o Chefe do Estado moçambicano, Filipe Nyusi, sobre a paz, mas fez depender o fim dos confrontos armados de garantias de segurança. Moçambique tem conhecido um agravamento dos confrontos entre as Forças de Defesa e Segurança e o braço armado da Renamo, além de acusações mútuas de raptos e assassínios de militantes dos dois lados. O principal partido da oposição recusa-se a aceitar os resultados das eleições gerais de 2014, ameaçando governar em seis províncias onde reivindica vitória no escrutínio. (Redacção) Segunda-feira 20/06/2016 3 Correio da manhã Nº 4847 PUBLICIDADE RILs caem Segunda-feira 20/06/2016 4 Correio da manhã Nº 4847 internacional & opinião Cont. na pág. 5 Publicidade Cm r de: Adelino Buque eflexão (297) Thangani wa Tiyani * Acrise económica no Zimbabué vai de mal a pior. Em Fevereiro de 2009, o Governo abandonou o uso do Dólar zimbabueano na sequência de hiperinflação e introduziu o sistema multi-moeda para minimizar o impacto da derrapagem económica. As transacções comerciais correntes passaram a ser efectuadas em Dólar norteamericano, Rande (sul-africano), Euro e Libra britânica. Mas os agentes económicos preferiam usar o Dólar norteamericano. Cerca de 95 por cento das transacções comerciais correntes no Zimbabué são feitas em Dólar norte-americano. Escassez do USD No entanto, de algum tempo para cá, a deterioração da situação económica tem estado a provocar escassez de liquidez da nota verde nos bancos comerciais. Na semana passada, agentes económicos, incluindo bancos comerciais, apelaram para a massificação do uso do Rande, alegando que o volume das trocas comerciais entre o Zimbabué e a África é muito grande e favorece esta opção. Para os agentes económicos, o escasso USD pode ser usado para operações internacionais e electrónicas. O Governo do idoso Presidente Robert Mugabe é cauteloso em defesa da soberania zimbabueana. O recurso ao uso das moedas ocidentais era basicamente considerada uma estratégia político-económica de guerra contra os seus inimigos liderados pelo Reino Unido, antiga potência colonial. Os líderes zimbabueanos dizem que os ocidentais, revoltados com a reforma agrária, usavam a moeda como arma para destruir a credibilidade do Governo. Pedido encerramento de embaixadas Entretanto, o Parlamento zimbabueano apelou ao encerramento de embaixadas do Zimbabué no exterior por causa da crise económica. O país não tem dinheiro para pagar rendas e salários dos seus diplomatas no estrangeiro. O Presidente da comissão parlamentar para Relações Exteriores, Kindness Paradza, é citado pelo semanário African Independent como tendo afirmado nos debates que edifícios de algumas emNA ESTEIRA DA CRESCENTE FALTA DE DÓLARES NORTE-AMERICANOS NO ZIMBABUÉ Agentes económicos querem Rande nas transacções baixadas estão em precárias condições colocando em risco a vida do pessoal diplomático. O embaixador do Zimbabué no Kuwait, Grey Marongwe, disse à comissão parlamentar que o seu Governo lhe deve 127 mil dólares norte-americanos de salários atrasados de vários meses. O proprietário do edifício já deu sinal de que vai despejar o pessoal da embaixada por causa de dívidas acumuladas de sete meses que ascendem a USD 130 mil. O Zimbabué tem 43 embaixadas e cinco consulados em todo mundo. * nosso correspondente na África do Sul Enquanto escrevia esta reflexão, dois acontecimentos marcavam a actualidade desportiva do mundo: a selecção brasileira tinha sido afastada da Copa América e a selecção de Portugal tinha caído aos pés de um país estreante e sem expressão no futebol continental, ao consentir um empate a um golo. No desporto existem três resultados possíveis, como é óbvio. No entanto, as expectativas criadas em torno da estreia de Portugal no Euro/2016 eram tais que se esperava uma autêntica goleada contra a Islândia! Toda a comunicação social, ou melhor dizendo, quase toda a comunicação social portuguesa esteve virada a reportar a estreia de Portugal. O Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, e o Primeiro-ministro, António Costa, são as figuras públicas que deram ainda maior visibilidade à selecção portuguesa, desde o estágio em Portugal ao lugar de jogo em França. Da peleja russa/inglesa ao desaire de Portugal! Segunda-feira 20/06/2016 5 Correio da manhã Nº 4847 OPINIÃO & divulgação Correio da manhã Preencha este cupão de assinatura e devolva-o através do fax 21305328 Maputo Sim, desejo assinar o Correio da manhã, por fax ou e-mail, por um período de ----------------------- meses. Assinatura mensal Instituições: USD35; Embaixadas ou ONG estrangeiras USD50. O valor pode ser pago em METICAIS, EURO ou ZAR, ao câmbio oficial do dia da assinatura do contrato. O pagamento pode também ser efectuado através de depósito bancário nas contas abertas em nome da SOJORNAL Nome/Entidade: ...................................................................................................................................................................................... Morada: .........................................................................................................................Telefone: ......................................................... ____ / ____ /2016 ............................................................................................... Fax:................................................................. Assinatura EFEMÉRIDES   Os portugueses, quer em Portugal quer no estrangeiro, manifestavam confiança absoluta no sucesso de Portugal nas entrevistas feitas pelas televisões locais na estreia, até vaticinavam a Taça do Euro/2016 para Portugal. Verdade seja dita: nada indicia que não possam ganhar essa taça, no entanto, depois da estreia da selecção portuguesa, recomenda-se prudência na abordagem e nos excessivos elogios, sejam eles colectivos ou individuais. Definitivamente, Brasil é que não tem esperança nenhuma. A selecção foi afastada da Copa América e o seleccionador do Brasil, Dunga, demitido por maus resultados e, nas redes sociais, pede-se o “regresso” de Pelé à selecção para a inversão dos actuais resultados desportivos. Sabe-se que o Brasil é uma das selecções favoritas à conquista de qualquer competição em que participam. Nela militam estrelas que “cintilam” nos melhores clubes europeus, e não só. Provavelmente, o seleccionador Dunga não tenha sabido lidar com a constelação de estrelas que tinha, e deu no que deu. Se a Copa América decorre com alguma normalidade em termos de plateia e do civismo dos adeptos, o mesmo não se pode dizer do velho continente que, logo nos primeiros dias, foram reportadas cenas de vandalismo que recordam os tempos medievais com lutas corpo a corpo, com uma ligeira diferença: nesses tempos as batalhas eram travadas no descampado, enquanto agora, mais concretamente no Euro/2016, ocorreram nas cidades de Marselha e de Nice. Antes, eram arbustos e savanas, em Marselha, são prédios, cafés e restaurantes e as pelejas acontecem depois de absorverem uma boa dose de copos de cerveja e outras bebidas disponíveis no local. Como saldo destas refregas, fala-se de um cidadão inglês de aproximadamente 50 anos em estado grave, 103 detenções e algumas expulsões de França. Fala-se igualmente de condenados nas cadeias francesas, alguns órgãos de comunicação social noticiaram a hipótese de as selecções da Rússia e da Inglaterra serem excluídas do Euro, não se sabendo ao certo se se trata de uma posição oficial ou pura especulação, já que nenhuma personalidade da UEFA se pronunciou oficialmente, pelo menos que tenha visto nos ecrãs de televisão. Isto em Marselha. Em Nice, as coisas parece não terem a mesma dimensão, pois não mais se falou da confusão. Os maiores cuidados públicos neste Euro/2016 eram com os ataques do famoso Estado Islâmico ou de terrorismo nos campos de futebol e, para isso, foram criados dispositivos que pudessem controlar a situação a esse nível. Felizmente, enquanto escrevia a presente reflexão ainda não se tinha reportado nenhum incidente dessa natureza, reportou-se, sim, a morte de dois polícias nos arredores de Paris, reivindicada pelo Estado Islâmico, mas de longe se pode relacionar com o Euro/2016. De recordar que as seguranças norte-americana e a europeia davam como certos atentados de terrorismo contra alvos na África do Sul, prognóstico que levou as autoridades sul-africanas a reagirem de forma vigorosa. Não tardou que nos Estados Unidos da América acontecesse um atentado de grandes proporções equiparado aos de 11 de Setembro; fala-se em mais de 50 mortos e vários feridos, numa discoteca alegadamente frequentada por gays e provocou várias reacções internas nos states. Barack Obama deslocou-se ao local para homenagear as vítimas e voltou a falar da lei que proíbe a venda desordenada de armas no país. Caso para dizer que a Europa e a América têm segurança que vê muito longe, mas não consegue enxergar perto de si mesmo. Por tudo isto, espero, com franqueza, que a selecção portuguesa tenha outra sorte, que os adeptos ingleses e russos honrem o continente em que vivem e parem com cenas de pugilato que recorda a vida selvagem dos tempos medievais. Que a segurança americana quanto europeia não distraiam os seus cidadãos, mas que crie condições para prevenir, de facto, incidentes como aqueles que foram reportados nos últimos dias. A morte de pessoas é sempre lamentável, futebol é festa e não espaço para exibir selvajaria civilizacional! Da peleja russa/inglesa ao desaire de Portugal! Cont. da pág. 4 Principais acontecimentos registados no dia 20 de junho Dia Mundial dos Refugiados & Dia do Relógio de Sol 1791 - Luís XVI e a família real tentam abandonar a França. São detidos em Varennes. 1837 – Subida ao trono britânico da rainha Vitória, após a morte de Guilherme IV. 1961 - O Kuwait é admitido na Liga Árabe. 1965 – Golpe militar na Argélia depõe o primeiro presidente do país, Ahmed Ben Bella, que permanece em prisão domiciliária durante 15 anos. 1967 – O pugilista norte-americano Muhammad Ali, Cassius Clay, campeão olímpico e mundial de pesos pesados, é condenado pelo tribunal de Houston, por recusar a mobilização para a Guerra do Vietname. 1984 - A Polícia do Exército prende o tenente-coronel Otelo Saraiva de Carvalho, no âmbito da investigação sobre as actividades das FP-25.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook