sábado, 7 de maio de 2016

Assassínio de Eduardo Mondlane


... Em Moçambique, António Vaz, responsável da Delegação, confirma que a PIDE/DGS «possuía uma muito razoável rede de informadores no seio da FRELIMO...»}63. Novos exemplos o demonstram. Em 1969, numa informação classificada de «totalmente segura» faz-se um inventário das armas existentes no armazém da FRELIMO, em Mitomani164. Em 1974, um informador dá conta da chegada a Dar-es-Salam de «armas mais potentes que o foguetão de 122 mm»165. A polícia desconfia que seja o míssil Strella, o que será confirmado166. Ainda um último exemplo: as circunstâncias que conduziram ao assassínio de Eduardo Mondlane.
Sabe-se hoje quem fabricou e enviou a bomba que vitimaria o presidente da FRELIMO. Terá sido Casimiro Monteiro, segundo acusação de Rosa Casaco167, secundado por Oscar Cardoso168. Mas ficamos sem saber quem informou a PIDE de que Mondlane encomendara uma «tradução francesa das Obras Escolhidas do célebre marxista russo George V. Plekhanov»169 e onde a encomendara. Sabe-se, apenas, que dificilmente se encontraria aquele autor e aquela versão linguística numa livraria portuguesa.
O inspector-adjunto da PIDE-DGS, Oscar Cardoso, tão parco noutro tipo de informações, tem neste caso o cuidado de afirmar que Casimiro Monteiro «teve a colaboração do chefe de segurança do Mondlane, o Joaquim Chissano, actual Presidente da República de Moçambique»170®. Tratar-se-á de uma provocação. Contudo, persiste a interrogação:
- Quem, dentre os elementos próximos do presidente e da direcção da FRELIMO, informou a PIDE?
O mais provável é que tenha sido Silvério Nungu, que adiante identificaremos. Nungu foi preso quando tentava fugir para Moçambique e teria morrido em resultado de uma greve da fome. A hipótese foi avançada pelo jornalista inglês David Martin, correspondente em Dar-es-Salam do jornal The Observer171. Uma coisa é certa. Tinha de ser alguém perto do presidente da FRELIMO. Mas voltaremos a falar de tudo isto no capítulo consagrado às operações, quando abordarmos mais em pormenor o assassínio de Eduardo Mondlane...
1.2. Assassínio de Eduardo Mondlane
Tentemos, agora, fazer luz sobre o assassínio de Eduardo Mondlane, presidente da FRELIMO.
1.2.1. O crime
Na manhã do dia 3 de Fevereiro de 1969, em Dar-es-Salam, Eduardo Mondlane, presidente da FRELIMO, morre, quando abria uma encomenda armadilhada contendo «a tradução francesa das Obras Escolhidas do célebre marxista russo George V. Plekhanov»23. A explosão ter-lhe-ia decepado as mãos e separado o tronco em duas partes24.
1.2.2. Cortinas defumo
Polícias e membros do regime lançam cortinas de fumo, tendentes a desviar a atenção dos verdadeiros criminosos:
O inspector Gomes Lopes, chefe da Subdelegação da PIDE/DGS na cidade da Beira, declara a um jornalista norte-americano: «Ou os russos planearam o assassinato ou se tratou duma engenhosa armadilha montada pêlos chineses»25.
O engenheiro Jorge Jardim, por seu lado, afirma que Hastings Banda, do Malawi, atribuíra a morte de Mondlane a «manobras dos agentes da China»26.
Finalmente, o professor Silva Cunha, membro dos Governos de Salazar e de Caetano, declara que ao regime interessava mais Mondlane do que Machel à frente da FRELIMO. A mesma versão seria avançada por António Vaz, chefe da delegação da PIDE em Moçambique, para quem Mondlane era o «menos mau»2'1.
1.2.3. A verdade sobre o crime
Segundo Geoffrey Sawaya, chefe dos serviços secretos da Tanzânia, no livro bomba teria sido usado material explosivo fornecido por uma empresa japonesa à Casa Praff, sita no n° 5 da rua Joaquim Lapa, em Lourenço Marques. E a PIDE teria sido ajudada no seio da FRELIMO, por Lázaro Nkavandame e por Silvedo Nungu. Nungu fora secretário administrativo do Comité Central, eleito no 1° Congresso da FRELIMO, sendo igualmente assinalada a sua presença na Direcção do Departamento de Informação e Propaganda, ao lado de Pascoal Mucumbi28. Ao que parece, morreu na prisão em resultado duma greve da fome29.
O jornal The Observer, de 7 de Fevereiro de 1972, atribui à PIDE/DGS as responsabilidades pelo crime. E declara que a polícia tanzaniana tinha como suspeitos e colaboradores da polícia portuguesa Lázaro Nkavandame e Silvério Nungu, detido quando tentava fugir para Moçambique30.
O jornal The Sunday Times, num artigo publicado em 20 de Janeiro de 1975, refere, pela primeira vez, o envolvimento de Casimiro Monteiro no crime31.
A espionagem italiana do Servizio Informatione Difesa (SDI) atribuiu o crime a uma rede envolvendo a PIDE e a AGINTERPRESS, o engenheiro Jorge Jardim, Uria Simango e Robert Leroy, espião em Dar-es-Salam. O autor material teria sido Casimiro Monteiro32.
Segundo testemunho do chefe de redacção do Notícias da Beira, o engenheiro Jorge Jardim compareceu na redacção no dia do atentado (facto, ao que parece, inédito) e aguardou várias horas pela chegada duma «.importante notícia», precisamente a notícia do atentado que vitimou Eduardo Mondlane33.
O inspector Rosa Casaco, em entrevista ao Expresso, assegura:
«Quem montou a carta foi o Casimiro Monteiro, parece que a mando do António Fernandes
O próprio filho de Casimiro Monteiro, em testemunho prestado à RTP, afirma ter sido o pai quem esteve por detrás da não desvendada morte do então presidente da FRELIMO35.
Oscar Cardoso, antigo responsável da PIDE/DGS, declarou em entrevista publicada:
«A carta armadilhada, que provocou a morte de Eduardo Mondlane, foi preparada por Casimiro Monteiro, que era de facto um grande especialista em explosivos. Mas o Casimiro Monteiro não agiu sozinho, teve a colaboração do chefe de segurança de Mondlane, o Joaquim Chissano, actual Presidente da República de Moçambique»^
Descontada a previsível provocação de quem foi instrutor da RENAMO, fica mais uma confirmação do papel de Casimiro Monteiro no crime. De resto, também o antigo operacional da CIO rodesiana, Henrick Ellert, atribui o assassínio a Casimiro Monteiro37. E o falecido marechal Costa Gomes garantiu que «quem matou o Mondlanefoi a PIDE»^.
Assim, todos os dados carreados parecem suficientes para concluir da responsabilidade da PIDE/DGS no assassínio de Eduardo Mondlane. Afigura-se, também, indubitável ter sido Casimiro Monteiro o autor material do crime. Já os instigadores são mais difíceis de discernir, embora pareça claro ter havido intervenção do chefe da delegação António Vaz e do engenheiro Jorge Jardim.
GostoMostrar mais reações
Comentar

1 comentário:

Dr Purva Pius disse...

Hello Everybody,
My name is Mrs Sharon Sim. I live in Singapore and i am a happy woman today? and i told my self that any lender that rescue my family from our poor situation, i will refer any person that is looking for loan to him, he gave me happiness to me and my family, i was in need of a loan of S$250,000.00 to start my life all over as i am a single mother with 3 kids I met this honest and GOD fearing man loan lender that help me with a loan of S$250,000.00 SG. Dollar, he is a GOD fearing man, if you are in need of loan and you will pay back the loan please contact him tell him that is Mrs Sharon, that refer you to him. contact Dr Purva Pius,via email:(urgentloan22@gmail.com) Thank you.

BORROWERS APPLICATION DETAILS


1. Name Of Applicant in Full:……..
2. Telephone Numbers:……….
3. Address and Location:…….
4. Amount in request………..
5. Repayment Period:………..
6. Purpose Of Loan………….
7. country…………………
8. phone…………………..
9. occupation………………
10.age/sex…………………
11.Monthly Income…………..
12.Email……………..

Regards.
Managements
Email Kindly Contact: urgentloan22@gmail.com

Windows Live Messenger + Facebook