terça-feira, 8 de agosto de 2017

Ontem tivemos um grupo que defendia tudo e mais alguma coisa, mas hoje mudou da cor da pele de forma instantânea como um autêntico camaleão.


Passaram mais de 24 horas após a publicação daquela que eu considero uma das fotos mais comentadas e partilhadas nesta rede no presente ano, o momento que ilustra o encontro entre o Presidente da República e o Presidente da Renamo.
De tudo o que já se disse, pouco posso acrescentar sobre um acto que para mim renova a esperança da Paz no país. Contudo, me preocupam alguns comentários que tentam criar heróis isolados desta realização. Por exemplo, a habitual TVM dedicou nas últimas 24 horas espaços continuados de "hosanização" da figura do Presidente da República.
São aqueles analistas habituais (e alguns newcomers/recém-chegados) que de forma insistente tentam vangloriar a figura do Chefe de Estado como o único arquitecto da Paz por causa deste encontro. São os mesmos cidadãos que ontem diziam que as conversações da paz só podiam decorrer na "capital política" do país, Maputo.
Recordem-se, a Procuradora-Geral da República chegou a defender em plena Assembleia da República que a Renamo devia ser ilegalizada. Houve ainda quem defendesse uma eliminação política de Dhlakama e outros que diziam que não se devia negociar duas vezes com o mesmo bandido.
Admitamos, há comentários dispensáveis que só atrapalham o ambiente animador de Paz que se está a tentar criar no país. A ida do Presidente da República a Gorongosa foi uma acção que encontrou muitos de surpresa, uma demonstração de que é preciso criar distância desses que se colocam sempre na frente para comentar/defender as acções do chefe, mesmo sem serem solicitados.
Ontem tivemos um grupo que defendia tudo e mais alguma coisa, mas hoje mudou da cor da pele de forma instantânea como um autêntico camaleão. É preciso dizer, de uma vez por todas, que esses "pseudo-ANAlistas" estão a mais no processo da paz, só atrapalham.
Porém, de fotos e apertos de mãos os moçambicanos não têm memória curta e já viram esse tipo de "flashs", aguardemos pelos resultados concretos e palpáveis. Aliás, o Presidente da República não está a fazer nada a mais do que prometera no dia 15 de Janeiro de 2015.
GostoMostrar mais reações
Comentar
Comentários
Joaquim Gove
Joaquim Gove Concordo com o Dercio Dércio Tsandzana sobre os discursos e comentários (alguns sempre falso-proféticos), e alguns pontos mais, incluindo a "hosanizaçao"!

Sobre este último, a "hosanizaçao", julgo até certo ponto merecida. Olha que não é sempre (forma
l e protocolarmente - se é que assim pode ser dito) que um Chefe de Estado desloca-se ao encontro de uma figura hierarquicamente subalterna, para acomodar as demandas deste. Para mim é a primeira vez vivência tal situação. Não é sempre que um Chefe de Estado, pensando na paz e bem-estar do povo toma iniciativa ou cede à exigência de contactos quasi-informais (como por telefone) com uma figura hierarquicamente subalterna (quiçá, que se pode dizer rebelde) para tratar assuntos da nação.

Então acho que é preciso reconhecermos algo de especial esta figura, a do Presidente da República, é de carácter e características raras. Hosana, sim, sem retirar ou diminuir mérito algum, se é que existe, do Afonso Dlakhama, líder da Renamo.! 

Muito especial ainda é o modo no qual faz isto: no silêncio e serenidade da seriedade que atribui ao processo.

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.