sábado, 21 de maio de 2016

Uma semana após Dilma ser afastada, Bolsa afunda e dólar dispara; o que deu errado?


O mercado financeiro parecia desejar compulsivamente a saída da presidente Dilma Rousseff, reagindo euforicamente a cada notícia negativa para o governo dela. No entanto, passada uma semana do afastamento, o Ibovespa já caiu 6% e o dólar se valorizou 5% ante o real. Levando os investidores a se perguntarem: o que deu errado? 
O mercado não gostou do presidente interino Michel Temer? Os ministérios foram mal escolhidos? A economia estava pior do que se imaginava antes?  Para uma série de analistas, gestores e economistas entrevistados pelo InfoMoney, as razões vão além do cenário político e chegam até sinalizações pouco alentadoras no exterior, que revelam cada vez mais que o ajuste necessário para tirar a economia brasileira do atoleiro do momento será mais difícil do que se imaginava.  
“O mercado passou os últimos meses comprando que o Temer seria o novo [Maurício] Macri”, afirma Rodrigo Octávio Marques, sócio-gestor da Queluz Asset, referindo-se ao presidente argentino que implementou uma série de medidas para afastar o país da crise econômica que tomou conta das gestões kirchneristas. Para Marques, esse sentimento fez com que o Ibovespa se descolasse muito dos seus fundamentos, principalmente se considerarmos o movimento de queda das commodities que ocorreu paralelamente ao rali do impeachment.  
“Uma série de boas notícias e uma capacidade de gestão impressionante foram antecipados sem nem haver um movimento de transição, que é você montar uma equipe e depois planejar as medidas para resolver os problemas fiscais”, explica. Na avaliação do gestor, as tão esperadas ações concretas para combater a crise só serão votadas no Congresso depois das Olimpíadas e das eleições municipais, de modo que o curso da economia só vai começar a ser ajustado em novembro.  
Essa é a opinião também de Adeodato Volpi Neto, head de mercados de capitais da Eleven Financial. De acordo com ele, o afastamento da presidente Dilma estava sobreprecificado na Bovespa, sem levar em conta o tempo e o esforço necessários para efetivamente mudar os rumos da economia brasileira. “As mudanças precisam de um tempo que a economia não tem para esperar. Há uma urgência na mudança da meta fiscal e a equipe econômica, por enquanto, não sabe nem qual é a extensão do problema”, avalia. 
Já o economista da Leme Investimentos, João Pedro Brugger, aponta ainda outro motivo para a correção relacionado a política. Segundo ele, apesar do time montado pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, ser de competência indiscutível, ainda há indefinições sobre a viabilidade de se aprovar no Legislativo pautas tão polêmicas quanto a reforma da previdência e a trabalhista. “O [presidente afastado da Câmara dos Deputados, Eduardo] Cunha conseguindo emplacar um líder do governo ligado a ele [o deputado André Moura (PSC-SE)]  traz preocupações sobre a capacidade que esse governo terá para se articular no Parlamento. Nomes como o de Moura travam um processo posterior de aprovação de medidas”, explica.  
Vale lembrar sempre que a imagem de Temer sofre um desgaste e ele perde capital político ao se mostrar ainda muito ligado a Cunha, que é réu em processo de cassação por quebra de decoro no Conselho de Ética da Câmara. 

Não vai vir ajuda de fora 
E se aqui, o Brasil não verá o mar de rosas esperado em uma gestão Temer, lá fora também não haverá ajuda. “Pela primeira vez, o Fed reconheceu uma falha na metodologia e mostrou uma possibilidade de aumento dos juros”, afirma Adeodato Volpi Neto, lembrando da ata da última reunião do Fomc (Federal Open Market Committee), que afirmou ser possível uma elevação das taxas nos Estados Unidos em junho se os indicadores econômicos continuarem a mostrar uma melhora na atividade do país. Na terça-feira (17), o dado de inflação ao consumidor referente a abril mostrou um crescimento de 0,4% contra 0,2% esperados pelos economistas.  
O único alento dessa parte é que, de acordo com João Brugger, boa parte da surpresa desagradável com a ata foi precificada nestes últimos dois pregões. Os riscos ficam então com um possível “Brexit”, como é chamada a possibilidade do Reino Unido abandonar a União Europeia, uma desvalorização do yuan pela China e uma escalada das tensões geopolíticas. Brugger acredita que boa parte do pessimismo que determinou a queda da Bolsa nesta quinta, deveu-se à queda do avião da EgyptAir com 66 pessoas a bordo, que tem como principal suspeita de causa um ataque terrorista. “São eventos inesperados e que ocorrem com uma frequência cada vez maior”, explica o economista.  

Para onde vão Bolsa e dólar 
Com os analistas fundamentalistas consultados pelo InfoMoney, todos concordam que o cenário de curto prazo é nebuloso e os ativos devem corrigir os ganhos do rali do impeachment. Mas até onde? 
Brugger vê uma correção do Ibovespa até os 47 mil pontos para o Ibovespa, mas vê possibilidade do índice segurar no suporte dos 50 mil pontos e diz acreditar firmemente que 2016 terminará com o benchmark em 60 mil pontos. “Por ora,  se não houver nenhuma grande surpresa, medidas serão tomadas e nós vamos conseguir entregar resultados melhores”, afirma.  
Rodrigo Octávio Marques, por sua vez, vê uma correção da Bolsa até os 47.800 pontos, com o dólar podendo subir até os R$ 3,80. Mas para ele, não há grandes chances de uma recuperação muito relevante até o fim deste ano. “Há muito pouco para melhorar por enquanto. Feita essa volta até os 47.800 pontos, as notícias novas vão ficar espremidas para outubro/novembro”, pondera. Na sua opinião, o mercado já fez as suas máximas no ano e um rali de volta para a faixa entre os 55 mil e os 60 mil pontos ficou adiado para 2017. 
Entre as duas projeções está a de Adeodato, que vê a Bolsa operando entre os 47 mil e os 53 mil pontos nos próximos meses e o dólar ficando entre R$ 3,85 e R$ 3,90. “É difícil dizer como vai fechar o ano, porque há uma boa possibilidade de recuperação se o nó político for desatado”, afirma.  
“O mercado segue muito desconfortável com a falta de medidas pelo novo governo. Mas, é preciso ver com calma as contas e depois propor”, disse José Faria Júnior, diretor de câmbio da Wagner Investimentos, lembrando que neste primeiro momento, o governo está estudando e contabilizando os problemas que herdou de Dilma. “Rombo fiscal será muito maior que o previsto e, em grande parte, devido a penúria dos Estados. Além disto, sem surpresas, as centrais sindicais se colocam contra a reforma da previdência. Assim, as notícias internas, neste momento, não ajudam na continuação do movimento da queda do dólar”, completa. 
Na questão dos fundamentos gerais, o economista e diretor executivo da NGO, Sidnei Moura Nehme, destaca que o novo governo precisará de um dólar mais alto que o preço atual para conseguir ajudar o País a se recuperar. “Pode demorar um pouco, o que não será bom dado a urgência que o novo governo tem de mostrar serviço, mas inevitavelmente o preço da moeda americana retomará preços mais alinhados com a realidade da economia brasileira e sua caótica situação fiscal, colocando-se a serviço, como fator preponderante, da reativação da atividade econômica no curto/curtíssimo prazo”, disse em relatório.
Para ele, o Brasil precisa eliminar riscos efetivos ao investidor estrangeiro para que este comece a retornar ao nosso mercado, ainda que seja de forma comedida diante do quadro econômico atual. “O prenúncio de que o déficit primário esteja sendo vislumbrado em R$ 160 bilhões, após sequência de rebaixamento de ratings do país, sanciona um quadro para atuar com preço da moeda americana em patamar mais elevado”, conclui. 

E olhando só para os gráficos… 
O ponto dos 47.000 pontos também aparece como unanimidade entre os analistas técnicos consultados para essa matéria. Para eles, uma correção até mudaria a configuração de correção da Bolsa após exagerado rali do impeachment.  
Para o analista técnico André Moraes, da Clear Corretora, o Ibovespa não deve cair direto até os 47.000 pontos, principalmente após testar e não romper o patamar dos 50.000 pontos nesta sessão. 
Ele espera por um repique (como mostra o gráfico abaixo) antes de ver o índice ir em busca desse suporte. Por enquanto, o índice segue na mesma configuração pós-aprovação do afastamento de Dilma - isto é, “preso” nas bandas dos 50.000 pontos e 54.000 pontos (máxima registrada pós-aprovação do afastamento de Dilma), disse Fernando Góes, analista técnico da Clear Corretora. 
Segundo ele, o mercado precisava corrigir após rali do impeachment. “O Ibovespa veio em uma trajetória ascendente dos 37.000 pontos (fundo de janeiro) até o topo do ano nos 55.000 pontos (marcado no fim de abril). Ficou devendo alguma correção mais forte antes voltar a desenhar uma figura de alta”, comenta. 
Respeitando os 47.000 pontos, o índice poderia ganhar força para entrar em um rali em direção aos 58.000/60.000 pontos, acredita Góes. Para ele, o investidor deve esperar para entrar na Bolsa. “O ano de 2016 ainda não está morto e ainda promete ótimas oportunidades”, conclui.
Foto: Reprodução/TV Globo

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook