segunda-feira, 9 de maio de 2016

MENDES MUTENDA: UM PATO IMBECIL E IDIOTA


Mendes MutendaUM PATO IMBECIL E IDIOTA
Não se tratando propriamente de um exercício de perícia criminal à moda Matias Guente, que foi descobrir um Pato Jr. e tratou de nos dar a conhecer da existência do tal filhote de pato na última manchete do grande canal, cá está este pato barrigudo, imbecil e idiota que responde pelo nome de Mendes Mutenda e, em se tratando de um G 40 Jr, então suca daqui você pah. Muitos o conhecem, mas poucos sabem do perigo desta criatura muito menos do mal que causa a Nação. De cócoras quase, lábio abjecto, expressão senil de criatura que perdeu o brio e o carácter de tanto se dedicar ao lambebotismo no seu mais alto estado de desgraça e a toda a espécie de genuflexão vertebral dai decorrente, surge este pato sem escrúpulos em defesa do meu amigo Arsénio Henriques, assessor de imprensa do presidente Nyusi, a quem tive o privilégio de dirigir um pacato e humilde, porém irónico e mordaz pedido de resposta nesta mesma rede social face a uma proposta de actividade por mim colocada há sensivelmente um ano mas que, por fala de profissionalismo e espírito de missão a bem do serviço público, ainda não tratou de responder. Na sua reacção ao meu texto, em jeito de comentário, o pato Mendes não poupa as suas palavras e vai dizendo: “Manifestação exacerbada de ódio e inveja. Incrível descermos a este nível... baixeza só”. Isto tudo, vindo de uma figura que já atingiu de forma mais vil e doentia o topo do lambebotismo, não me afecta em nada. Atingiste-me flagrantemente pique coronário. Ou, dito em outras palavras: u pfuki nhoxi mpfana. Estás a fazer bulling comigo, meu brada. Sofri maningue isso quando estava na escola primária, por causa da mancha congénita que tenho no rosto, desde muito cedo comecei a desenvolver defesas e tu não vais aguentar pah. Sou experiente brada e não levo desaforo para casa. Arsénio Henriques, que me conhece muito bem, está neste momento a rir-se do pato barrigudo, imbecil e idiota pelo serviço que lhe presta ao tentar defendê-lo do indefensável, o que, por si só, demonstra que estamos em presença de uma figura cujo pendor asinino é de bradar aos céus. Não teria muito a discutir com o pato Mendes se este fosse um jornalista e não uma destas figuras patéticas que abundam nesses jornais propagandistas que andam por ai. Mas como se trata de um pequeno comissário político da Organização da Juventude Moçambicana (OJM), que usa o nosso sector público da comunicação social para ampliar o raio de acção desses serviços sujos de propaganda destrutiva que representa, promovendo o patrulhamento ideológico dos jornalistas a sério, só me resta deitar de barriga e mandar gargalhadas, manguitos e futsekas, enquanto vou batendo o chão com os murros cerrados. Pobre pato, qual criatura desprovida de alma e espírito. Não conseguiu vislumbrar no meu texto dedicado ao meu amigo Arsénio Henriques a discussão da coisa pública, apenas conseguiu descobrir, no meio da sátira e da ironia que nos caracteriza, aquilo que ele chama de inveja, um dos sete pecados mortais que a bíblica abomina. O pato Mendes nem para crítico literário do SISE serve, mal percebe das letras e dos códigos literários. Sofre de iliteracia, uma doença perigosa que afecta muitos doutores e provoca a crise que caracteriza o nosso sistema de educação. O sentimento de inveja ocorre quando alguém olha com mau olhar aquilo que o outro tem e acha que devia ser ele a ter porque esse outro não merece. Não há-de ser o caso e o meu amigo Arsénio, que me conhece muito bem, sabe muito bem disso. Não sou de trocar facilmente o jornalismo pela assessoria de imprensa, sobretudo pela assessoria de imprensa política, ainda por cima de uma figura tão exposta como a de um presidente da República, dado que essa função, que somente dura o mandato de cinco anos depois renovados e mais nada, geralmente mata em dois tempos o jornalista que tanto custou formar. Arsénio Henriques sabe que dificilmente voltará a ser jornalista a sério, salvo embora eu ressalve a dúvida metódica de que talvez, querendo ainda o ser, ele possa se esforçar um dia para voltar a ser. Sabe o Arsénio que não troco jornalismo por nada, muito menos por assessoria de imprensa presidencial. Eu? Não, senhor! Não é função que se lhe inveje, portanto tire o cavalinho da chuva pato Mendes, aliás, sai você da lama, nós não somos patos. O que o pato Mendes não viu, na minha abordagem, é que lá reside a inquietação de um pacato cidadão devido ao mau funcionamento do serviço público ao mais alto nível do Estado, um Estado que, quando abordado pelo cidadão, remete-se ao silêncio, limitando-se a mandar manguitos ou futsekas. O Arsénio mandou-me manguitos. É de tanto se dedicar ao concubinato nos corredores do GAB com a mais alta hierarquia que o pato Mendes, também conhecido por G-40-de-charneira, não consegue arranjar tempo para estudar o jornalismo como deve ser a fim de perceber que um jornalista a sério não vê uma nomeação de um jornalista para o cargo de assessor de imprensa do presidente da República como se tratando de uma progressão na carreira de jornalista, tratando-se, pois, de um assassinato técnico do jornalista, que se traduz num jornalista profissionalmente falido. A assessoria de imprensa ao Presidente da República é um cargo de confiança política, ou seja, atribui-se a um jornalista politicamente fiável. Eu não sou um jornalista politicamente fiável. Nem quero ser um jornalista politicamente fiável. Se alguma vez isso acontecer, então já terei deixado de ser jornalista. O grande problema é que os jornalistas de hoje em dia têm a durabilidade de um mandato político e mais nada, ou seja, durante um mandato inteiro dedicam-se a lamber as botas do partido, a conquistarem a tal confiança política, na expectativa de um dia virem a ser designados para cargos dessa natureza no mandato a seguir, se lhe calhar a sorte. É por isso que andam bem aprumados, quase que ajoelham nos pés do entrevistado quando se trata de um governante. Dito de outro modo, são jornalistas-pastilha-elástica-ou-usa-e-deita-fora. É para isso que se criam laboratórios como o infame e vergonhoso G 40, onde se atafulham jornalistas, pseudo-analistas-e-comentadores-políticos e todo o tipo de lixo da mesma merda que depois se dedicam religiosamente ao lambebotismo nas nossas rádios e televisões públicas, a fim de que, depois, sejam designados para altos cargos do Estado, quais prémios dados pelos serviços lambebóticos prestados, não se preocupando com o atentado que isso representa à segurança do Estado, a Constituição da República e ao Estado de Direito e Democrático. Não digo que tenha sido propriamente esse o caso de Arsénio Henriques, mas não coloco as minhas mãos no fogo, aliás, no fumo, mas não há fumo sem fogo, diz o Zé povinho. Emília Moiane, amor da minha vida, sim, sou fã dela, mulher de quem diria o pato Mendes, no seu jeito de poeta barrigudo, imbecil e idiota, “Eva, my love, ainda havemos de tomar posse”, enquanto directora do GABINFO, dir-se-á, facilmente, mesmo injustamente, que ascendeu a tal cargo graças as funções de chefia editorial que vinha exercendo na televisão pública e aos encontros de coito combinado dos ilustres quarenta patos que vinha moderando, violando pornograficamente o princípio do contraditório, um princípio sacrossanto para um jornalista que se preze. Pobre Emília, tem sido injustiçada pelas más-línguas. Um valoroso jornalista latino-americano, conhecido por praticar o jornalismo de denúncia de forma activa e responsável, teria sido convidado por um proeminente candidato de um partido da oposição que, segundo ele, caso ganhasse as eleições, iria nomeá-lo ministro de um pelouro qualquer, ao que o jornalista respondeu negativamente, por entender que, caso isso acontecesse, seria o seu fim como jornalista. Entre nós, os jornalistas preferem lamber as botas do poder político até a língua rasgar-se pelo meio e as botas abrirem fendas a custa de um cargo que lhes vai matar como jornalistas em apenas cinco anos de mandato. C’est la politique de ventre, diriam os franceses. Pswa quiri ntsém, diria a minha avó. Coisas de barriga. Ou a crónica dos patos barrigudos. Não sei se o pato Mendes percebe isso, tratando-se de uma espécie aviaria de quem se diz não ter lá um grande cérebro muito menos massa cinzenta para descodificar as palavras. Se o pato idiota e imbecil não percebe isso, então podemos continuar a conversa na sua barraca ali no bairro Indígena, um lugarzinho bem arejado. Sabes que gramo maningue de uns bons copos. Se o Arsénio Henriques puder estar presente, ajudará a malta a pagar as contas, assim como nos ajudará a compreender os contornos destas tristes cenas de frelijornalistas e frelianalistas e frelicomentadores políticos que, entretanto, deambulam entre os gabinetes de propaganda do partido e as rádios e televisões públicas. Ele tem muito para nos contar. Já agora, peço para dizeres a dona Emília, caso a encontres por ai, para parar de barrar os jornalistas de entrarem nas conferências de imprensa do conselho de ministros só porque eles perguntam sobre a dívida pública. Para terminar, mesmo sem dar por concluído o debate, aconselho-te a não responder a esta encíclica porque vou-te vasculhar até aos tomates, tal como nos filmes: tem V. Excia o direito de se manter calado ou qualquer coisa que disser pode ser usada contra ti. Juro palavra de polícia. Pato!
Flavia Gumende, Lourdes Fraga, Fernando José and 44 others like this.
Comments
El Patriota
El Patriota Mendes, meu caro. És chamado aqui...
112 hrs
Remove
Alexandre Zerinho
Alexandre Zerinho Haha eh chamado a não responder..
111 hrs
Remove
Kim Fausto Naftal
Kim Fausto Naftal Kkkkkkkkkkkkk. Awenna!?
12 hrs
Remove
José de Matos
José de Matos Factual!
112 hrs
Remove
Alves Talala
Alves Talala Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, aqui estah o grande Armando Nenane com sua "caligrafia" polida.
112 hrs
Remove
El Patriota
El Patriota Encíclica??? Buakakakakakakakakakaakaka. Sejamos razoáveis Armando....
112 hrs
Remove
Francey Zeúte
Francey Zeúte Isto e' demasiado forte para uma digestão em pouco tempo.
12 hrs
Remove
Julio Lacitela
Julio Lacitela Armando Nenane, se de cada vez que dum quintal um cao ladra e apanhas pedra nao chegas ao seu destino. "Barking dogs don't bite"
12 hrs
Remove
Eugenio Mabunda
Eugenio Mabunda .
12 hrs
Remove
Momade Ali
Momade Ali Nenane....Hi maka muni, ja????
11 hrs
Remove
Rogerio Antonio
Rogerio Antonio Hehehehhehehe “PATO BARRIGUDO”………………….Mas penso que é uma chamada de atenção muito séria que o Mendes deveria acatar, porque sinceramente falando, o Mendes exagera pah!
611 hrs
Remove
Euclides Flavio
Euclides Flavio Eishhh... Isto esta a me provocar PURGANTE, nauseas, diareias, coco de pera com feijoada e xima, ao mesmo tempo estou com vomitos. Enquanto isso da boca sai uma lombriga que parece cobra...

Estou mal pessoal. Algum medico por aqui?
111 hrs
Remove
Rogerio Antonio
Rogerio Antonio kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
11 hrs
Remove
Armando Nenane
Armando Nenane Ja o tinha dito antes, mas nada importa repetir: a minha conta eh um deposito de lixo!
11 hrs
Remove
Euclides Flavio
Euclides Flavio Kkkkkkkkkkk
11 hrs
Remove
Fled Nock
Fled Nock Kkkkkkkk golpes verbais.
10 hrs
Remove
Nelsoncarlos Tamele
Nelsoncarlos Tamele Kakakakakakkakakakakakkaaka.... Cambe mayi wona!
110 hrs
Remove
Xidakua Francisco
Xidakua Francisco kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk chega boss Armando Nenane
10 hrs
Remove
Mario Jacinto
Mario Jacinto Para terminar, mesmo sem dar por concluído o debate, aconselho-te a não responder a esta encíclica porque vou-te vasculhar até aos tomates, tal como nos filmes: te
10 hrs
Remove
Nico Voabil
Nico Voabil Sim senhor.
Armando Nenane a mostrar que tem os dois tomates no lugar. Kkkkkkkkkkkkkkkkkk
110 hrs
Remove
Jorge Antonio Calane Kito
Jorge Antonio Calane Kito MAIVAVOU
10 hrs
Remove
Kuyengany Produções
Kuyengany Produções Novo hino Nacional
Pátria (Tra)mada

Na memória de África e do Mundo
Pátria endividada pelos que ousaram roubar
Moçambique, o teu nome é criminalidade
O Sol de Junho para sempre acusara

(2x)

Moçambique nossa pátria falida
Pedra a pedra destruindo o futuro
Milhões de pobres, um só ricasso bandido Armando
Oh pátria tramada, vamos te vender

Povo desnutrido do Rovuma ao Maputo
Colhendo os frutos podres da corrupcao e da guerra
Decresce o sonho ondulando na bandeira
E vai lavrando na incerteza do amanhã

(2x)

Moçambique nossa pátria privatizada
Pedra a pedra destruindo o futuro
Milhões de pobres, um só ricasso bandido Chang
Oh pátria tramada, vamos te vender

Ladroes brotando pelo chão do teu suor
Pilhando pelos montes, pelos rios, pelo mar
Nós juramos por ti, oh Moçambique
Gebuza tirano nos irá escravizar

(2x)

Moçambique nossa pátria vendida
Pedra a pedra destruindo o futuro
Milhões de pobres, um só ricasso bandido Armando
Oh pátria tramada, vamos te vender
210 hrs
Remove
Filomeno Filipe Cosme
Filomeno Filipe Cosme Este hino deve ser publicado para todo povo, e deve ser entoado em todos os momentos marcantes; alias em todos os locais visitados pelos camaradas.
19 hrs
Remove
Kuyengany Produções
Kuyengany Produções A Pátria Chama por Nós
8 hrs
Remove
Jorge Antonio Calane Kito
Jorge Antonio Calane Kito Concubinato? Ishi para dizer que o Muchanga nao mintiu quando falou de chá temperado com calcinha.
110 hrs
Remove
Machassel Machassel
Machassel Machassel Yuuuuu mamané....
9 hrs
Remove
Loku Cust
Loku Cust epa. Vamukumili nwa mpfundlana
8 hrs
Remove
Edson Chichongue
Edson Chichongue "Quando estiver a tomar banho num riacho e de repente chega um demente leva sua roupa e corre em direcção à aldeia. Melhor é gritar a partir do rio e solicitar alguém para lhe dar outra roupa que arriscar segui-lo. Porque as pessoas na aldeia não vão poder saber quem é demente" - palavras de um amigo meu. Mendes Mutenda, não precisas de te pronunciares.
8 hrs
Remove
Armando Nenane
Armando Nenane o poeta dos manguitos nao anda nos rios, eh quem nem aquele maluco dos semaforos, que passa a vida a mandar manguitos para os automobilistas....
18 hrs
Remove
Nelsoncarlos Tamele
Nelsoncarlos Tamele Kkkkk... Nenane nao leva desaforos memo!
2 hrs
Remove
Ariel Sonto
Ariel Sonto Quando crescer, quero escrever como tu, pah. Ora bolas.
17 hrs
Remove
Custódio João Sabonete
Custódio João Sabonete Eish, esta foi forte.
5 hrs
Remove
Lopes Silica Jr.
Lopes Silica Jr. De cócoras quase, lábio abjecto, expressão senil de criatura que perdeu o brio e o carácter de tanto se dedicar ao lambebotismo no seu mais alto estado de desgraça e a toda a espécie de genuflexão vertebral dai decorrente
14 hrs
Remove
Lopes Silica Jr.
Lopes Silica Jr. Ei caraças
4 hrs
Remove
Simon Citty
Simon Citty Kakakakakakkak melhor manter se calado...
1 hr
Remove
Fred Joaquim
Fred Joaquim Dedo na ferida

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook