segunda-feira, 9 de maio de 2016

ASSIM ACABA A FESTA DOS ARROGANTES DA FRELIMO-MOÇAMBIQUE

Comments


1
Francisco Moises said in reply to THIMBUINE...

Concordo consigo que nao se devia colocar regurgitaçoes insanas no blog. Ter que lermos asneiras que nao dizem nada e vomitam pensamentos insanos que entram em colisao com a verdade que o publico conhece nao da graça. Esta muito claro que o Viriato Caetano Dias é um moleque da matilha canina dirigente da Frelimo que tenta fazer propaganda pensando que ele pode salvar a Frelimo. Mas penso que ele deve fazer isto senao o bolso dele pode ficar vazio e a fome pode o assolar.
Ele como os outros frelimistas querem bater no Dhlakama e nao querem se aperceber que o Dhlakama esta sendo ultrapssado na sua propria Renamo e que talvez agora o velhaco/velhote e senil ja nao manda muito na Renamo do campo, senao estariamos sempre a ouvir a sua voz louca em teleconferencias que pudessem revelar o lugar onde esta e perigar outros.
Que nos ultimos dias temos visto uma nova voz que prefere enviar mensagens a Gil por e-mail e que fala de maneira consequente e abertamente advogada acabar com a Frelimo, isto parece ser uma forte indicaçao de que o ja desajeitado velhote Dhlakama perdeu o controlo que exercia na Renamo da maneira dos Kims da Corea do Norte. O que nao entendo é que os renamistas tenham deixado este homem a fazer como quer durante 37 anos -- a fazer e desfazer, a destroçar a organisaçao, a chegar a acordos que prejudicam a Renamo e fortalecem a Frelimo na sua actuaçao desgovernativa e genocidaria em Mocambique. Eu sempre tive a impressao, talvez erradamente, de que o Dhlakama é o maior ou o melhor aliado que a Frelimo tem na Renamo, embora os grandes malandros da Frelimo nao vejam isto.
Embora o apoie que artigos insanos tais como os do Viriato Caetano Dias, Inacio Natividade, e doutros propagandistas da Frelimo nao deviam ser colocados no blog visto que nao nos ensinam nada, penso que se isto acontecesse, perderiamos o aspecto fundamental de ouvirmos ou lermos o que nao nos agrada. Se isto aconecesse, a democracia sofreria.

2
THIMBUINE said...

Já nos referimos aqui neste fórum de que deviam parar de colocar escritas sem sentido deste tal senhor Viriato. Uma questão: quem esta a matar? Quem abriu e esta a esconder vala comum? Quem roubou e continua a roubar o dinheiro do povo? Por acaso senhor Viriato faz parte deste grupo pacato? Então todos vocês vão se embora. Vai defender o seu grupo de ladrões fora daqui. Achas que vais continuar a enganar as pessoas? O vosso regime vai terminar. O povo vai vencer! Vê se que o senhor não conhece a história apesar de se passar de historiador e nem vê noticiários de midia séria... Acho somente assiste a sua TVM e Rádio Moçambique, que saõ os vossos instrumentos para expalhar pragas e vossa ladroagem.
09/05/2016 at 17:31Ematum_3figurasAssim acaba a festa dos arrogantes e incompetentes: Standard & Poor’s 
a) Corte de 4 posições na notação de Moçambique, de B- para CC (10 posições abaixo do nível de investimento); 
b) Reestruturação proposta pelo governo é “equivalente a incumprimento”; c) Descida do rating para “incumprimento selectivo” possível “se considerarmos que os investidores irão receber um valor inferior ao prometido no título inicial, ou se concluirmos que a oferta é pressionada, em vez de puramente oportunista”; 
c) Rating será revisto quando a oferta for concluída com sucesso. Mody's Investors Service: a) Corte de rating, de B2 para B3, sob revisão para possível novo corte; b) Principal motor para a descida é a “deterioração da posição da balança de pagamentos e reduzida capacidade do governo para servir as suas dívidas vincendas, como evidenciado pelo declínio das reservas de moeda estrangeira do Banco de Moçambique e pela decisão do governo de iniciar uma oferta de troca de dívida para reduzir o esvaimento de reservas externas nos próximos anos”; “ambiente externo particularmente adverso” c) Reservas de moeda estrangeira caíram de 3200 mUSD em agosto de 2014 para 2.300 mUSD no final de 2015; nova descida esperada em 2016, apesar de desembolso de 165 muSD pelo FMI;


d) Atrasos nos grandes projetos de investimento, incluindo de gás natural, “são prováveis” e vão continuar a pesar sobre a balança de pagamentos; “a capacidade das empresa do setor (do gás) para financiar projetos de tão grande escala foi afetada” pela quebra de preços de venda; a própria Anadarko, a par da ENI o grande investidor no LNG moçambicano, viu o seu rating ser baixado a 18.fev, para Ba1-, com previsão “negativa”, refletindo “pressões financeiras que provavelmente afetarão os seus planos de desenvolvimento em Moçambique, pelo menos no curto prazo”; 
e) Proposta para títulos EMATUM “irá provavelmente constituir uma operação de troca sob pressão”, segundo a definição da Moody´s”; a garantia irrevogável dada pelo governo aos títulos significa que o incumprimento do pagamento dos títulos, incluindo uma troca sob pressão, seria um incumprimento da parte do governo; 
f) A operação de troca “trará provavelmente algum alívio” face às crescentes pressões na balança de pagamentos, mas também poderá “exacerbá-las”, nomeadamente “reduzindo a entrada de investimento estrangeiro”; 
g) Novas revisões em baixa (ao nível do rating do governo limitadas a um nível) possíveis “se concluído que a troca proposta para a EMATUM demonstra uma menor disponibilidade para servir a dívida vincenda”; se as perturbações na balança de pagamentos e diminuição de reservas for maior do que o esperado; 
h) Revisão em alta “improvável”; pode ser estabilizada a notação se houver evidências de que as políticas do governo vão no sentido de cumprir as suas obrigações e alcançar o ajustamento externo, de uma maneira que preserve as reservas de moeda estrangeira; Fitch (11.mar) a) Previsão para notação de Moçambique (B) em revisão “negativa” 'B', próxima revisão a 29.abr; b) Alteração devida a operação proposta pelo governo para EMATUM; “Com base nas declarações públicas feitas pelas autoridades até à data, a Fitch assume que no curto prazo irá realizar-se uma operação de troca de obrigações e que existe a possibilidade de a operação constituir um evento de incumprimento, com base nos critérios da agência”; c) Se confirmado incumprimento, descida do rating para C. 
Fonte: Briefing Diário África Monitor no 38 da Monitorius Edições".
In https://www.facebook.com/sheila.macuacua?pnref=story
1
THIMBUINE said...

O dia chegará que todos que roubaram pagarão ao povo. podem ser os seus netos vão pagar. Que dure séculos, tudo tem um fim! Neste caso, o vosso fim será desastroso.

2
Ohaawa wamacua said...

Exmo senhor Dr Mário Rafaelli – Mediador Chefe dos Acordos de Paz de Roma para Moçambique
A Imprensa nacional está anunciar em destaque sobre a sua vinda a Moçambique para ajudar encontrar a Paz.
O senhor Mário Rafaelli e A Comunidade Internacional conhecem mal a realidade interna do nosso País que tomo desde já a ousadia de lhe revelar de modo a fazer contactos com conhecimento de causa. Para facilitar aos leitores a situar bem a realidade de Moçambique vou narrar por pontos numerados.
1. Moçambique saiu da colonização Portuguesa para a colonização domestica em que o Sul do país liderado pela etnia changana coloniza as regiões Centro e norte. Um individuo que tem pensamento e consciência no lugar sente e constata no seu espirito esta realidade
2. A situação da hegemonia da etnia shangana iniciou na luta armada quando elementos do sul nos três movimentos de libertação consideraram reaccionários elementos do centro e norte que discordavam com algumas posições que os shanganes tomavam na formação da Frente de Libertação de Moçambique.
3. Depois de vencer essa ala do sul, viram-se as execuções sumarias e campanha de exclusão contra os indivíduos do centro e norte.
4. Dai as regiões do centro e norte, foram consideradas repúblicas vassalas do sul, assumindo-se como zonas apenas para exploração da matéria-prima e bens de consumo para a metrópole – Sul.
5. Isto ficou testemunhado quando viu-se que todas oportunidades de desenvolvimentos foram encaminhadas para o Sul. Logo após a independência viu-se que todos dirigentes das instituições de estado e elementos decisores foram sempre elementos do sul e isto ainda continua. Na realidade o país ficou dividido ao meio sendo a fronteira o rio save.
6. As desigualdades de desenvolvimento quer colectivo e individual são mais assentes neste país. Os indivíduos do centro e norte são chamados chingondos e servos, indivíduos sem pensamento e nem cara para merecer dignidade.
7. Volvidos 41 anos desde que saiu o colonialismo português de moçambique as zonas centro e norte ficaram mais marginalizadas do que no tempo do colono.
8. A Frelimo perdeu o controlo da gestão de moçambique e implantou males que so podem ser corrigidos com alternância governativa.
9. O nível de corrupção, espirito de clientelismo, nepotismo, exclusão e deixa anda estão altos e por consequência não há nada que se adquire sem suborno sobretudo hoje para concorrer uma vaga de formação precisa pagar e o esquema está montado a partir dos ministérios, hoje para candidatar-se a um emprego precisa pagar valores altos. Nas multi nacionais empresas quem esta la a trabalhar com posições de chefia com regalias são elementos do Sul deste país. Nas embaixadas elementos que trabalham ai são do sul com posições de grande chefia.
10. O nível de criminalidade está aumentar e a Frelimo montou esquadrões de morte contra os opositores, como relatos de raptos e assassinatos.
11. O país hoje pertence aos estrangeiros e shanganes. O nacional vive como estrangeiro na sua própria terra, com políticas muito mas e prejudiciais as iniciativas locais de desenvolvimento.
12. Hoje muitas pessoas, sobretudo na zona rural vive em pobreza extrema nas zonas centro e norte.
13. Em moçambique para indicar-se um gestor vai por amizade e fazer círculo de amiguismo para comer juntos e não por capacidade e competência de serviço. Muitos maus gestores continuam impunes a prejudicar o povo apadrinhados por seus amigos e familiares do topo. O nível de sabotagem no exercício de funções de chefia em Moçambique esta alto.
14. Não há democracia em Moçambique e a Frelimo continua a pensar que o pais é da sua pertença.
15. Nas 5 eleições que decorreram em Moçambique, a Frelimo nunca venceu, mas agarrou-se ao poder para garantir a sua sobrevivência e por medo de serem julgados os decapitadores da riqueza do povo.
16. Os senhores decisores da Frelimo oriundos do Centro e Norte nomeadamente: Aires Ali, Eduardo Mulembwe, Alberto Vaquina, Filipe Nyusi, Marcelino dos Santos, Eduardo Silva Nihia, José Pacheco, Margarida Talapa, Raimundo Pachinuapa entre outros sabem do colonialismo doméstico implantado neste país pelo Sul e os shanganes mas como estão folgados fazem de contas que nada está acontecer.
17. Volvidos 41 anos da saída do colonialismo português, a maior parte dos antigos combatentes estão muito pobres enquanto uma minoria está muito rica ate aos dentes.
18. Para ludibriar aos Moçambicanos, a Frelimo canta cegamente unidade nacional e o país uno e indivisível enquanto o país está dividido ao save desde 1975 e os shanganes estão a escravizar o centro e norte.
19. Entre viver numa exclusão extrema e ir a guerra para garantir estabilidade nas futuras gerações preferível guerra embora maléfica, porque o sul está a piorar na sua actuação de desprezo contra o centro e norte.
20. O não cumprimento do protocolo 4 da AGP serviu em grande medida como uma chamada de atenção da humilhação que a Frelimo ia fazer ao povo ao expulsar elementos da Renamo nas FADM.
21. A Renamo e seu líder Afonso Dlakama são neste momento a voz do povo oprimido pela igualdade de oportunidades entre todas etnias que constituem a identidade de Mocambique.
22. Senhor Mario Rafaeli, como se justifica que quem ganha em 6 das 11 províncias com maioria absoluta fica declarado perdedor das eleições e quem ganha em 5 com menor percentagem fica declarado vencedor e as reclamações da oposição são desprezadas?
23. Apos a fraude eleitoral, a Renamo bem aconselhada sugeriu governo de gestão, governo de unidade nacional e autarquias provinciais mas a Frelimo desprezou todas estas alternativas.
24. Na assembleia da república a Frelimo não aceita nenhuma ideia e sugestão da Oposição e impõe suas vontades. Que democracia se implantou?
25. Muitos académicos subornados pelo regime desdobram-se em campanha de desinformação para manter a Frelimo a humilhar as regiões centro e norte.
26. O senhor Mário Rafaelli deve visitar as zonas centro e norte e visitar a zona sul, dai fazer uma análise comparativa para depois saber mediar esse conflito para haver a paz.
27. O que vale haver paz no meio de muitos abusos de direitos humanos e exclusão, em que uma minoria é dona do país em detrimento da maioria?
Dito isto, o povo avança o seguinte:
a) O país deve considerar a institucionalização das regiões Federadas de modo a minimizar a humilhação do Sul contra o centro e norte.
b) Deve-se ir a governação de gestão como a Renamo propunha, ou então a Frelimo cai.
c) A Renamo arrisca-se em ser desacreditada para futuro.
Jorge Valente
Namicopo-Nampula

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook