terça-feira, 4 de outubro de 2016

O ate breve de Prakash Ratilal aos accionistas da Mocambique Capitais


O ate breve de Prakash Ratilal aos accionistas da Mocambique Capitais
--------------------------------------------------------------------------------------
Sobre o nosso sonho
Meus Companheiros e Companheiras de longa Marcha, mas de curta história!
Agradeço terem sido meus pares nesta tentativa de criar um banco com maioria moçambicana. Erguemos, pusemos a funcionar com qualidade, mas não concluímos a obra. Neste período, convosco aprendi e convosco dirigi um processo lindo. Juntos criamos um fruto chamado Moza! Foi curta a história. Mas foi muito intensa! Ficará na nossa memória!
Meus Caros
O Moza foi intervencionado porque não conseguiu capital para ocorrer às alterações (em alta) dos rácios de capital, introduzidas nos últimos meses, sucessivamente, pelo banco central. Por outras palavras, não resistiu à longa incerteza (2 anos) depois da Resolução do BES nem às alterações drásticas que estão a ocorrer em Moçambique a afectar a economia e as finanças das empresas e de particulares, cujo futuro de curto prazo também é incerto. Claro que o futuro de Moçambique daqui a 9/12meses será certamente bom!
O Moza Banco, fruto bem sucedido (ao longo de 8 anos) da visão, da dedicação e da ousadia de alguns moçambicanos e amigos estrangeiros, demonstra hoje boa vitalidade. O banco tem bons pilares, bons sistemas e canais electrónicos e uma equipa técnica de jovens de alto gabarito, com elevada ética e competência.
Em apenas 6 anos (dos 8 de existência) já assumia o 4o lugar no meio de grandes bancos, que tinham casa-mãe na Europa e na Africa do Sul. O Moza não tinha casa-mãe.
À medida que o credito vencido foi aumentando no banco e os levantamentos dos depósitos iam ocorrendo, faltou capital por parte dos moçambicanos e faltou capital por parte do Novo Banco, que sendo banco de transição, não podia aportar novo capital. A não realização de capital gerou falta acentuada de liquidez, tornando o Banco num potencial de perturbação no mercado, com efeitos sistémicos!
A intervenção foi assim a melhor forma de defender os interesses dos depositantes. Não foram detectadas falhas graves na gestão do Moza. Nenhum Administrador, incluindo o PCA e o PCE, têm processos disciplinares. Ninguém foi inibido do exercício de funções bancárias! O problema residiu no plano dos accionistas que não aportaram capital. A entrada de um terceiro parceiro foi tardia.
Meus caros,
Nenhum de nós aprendeu a gerir 2 incertezas em simultâneo: futuro incerto do Novo Banco e futuro incerto de Moçambique no curto prazo. Fizemos o melhor e no essencial creio que fizemos bem! !
Mas, a nossa vida em conjunto não terminou. O Moza Banco não foi liquidado. Foi intervencionado. Vamos concentrar-nos na recuperação máxima do capital investido pelos accionistas da Moçambique Capitais. Muitos confiaram na nossa integridade.
Em retribuição a estes gestos de confiança é nosso dever, é nossa responsabilidade tudo fazer para recuperar o máximo dos valores investidos.
Caros,
Não devemos desanimar.
Ousamos, ganhamos, mas não chegamos ao fim! Mas, estamos unidos, estamos com a alma limpa!
Quem ousa tem a chance de ganhar ou de perder. No caso do Moza, nao deu para ganhar tudo. Ainda que com obra incompleta, o Moza vai continuar a brilhar...
Quem nao ousa, esse, nunca terá a chance de ver o brilho, nem meio-brilho.
E o Moza brilha, porque ousamos! Ousamos porque à volta de uma ideia forte, valiosa e integra, foram aglutinadas pessoas com valor, que transformou a ideia em algo concreto e verdadeiro! Algo Soberbo, algo marcante! Cada um de vós deu a sua contribuição para o DNA do Moza que incorpora também valores éticos e de competência e cultura de bom atendimento!
Entramos numa fase nova com a cabeça erguida e ainda com energia. Estamos coesos. Devemos continuar juntos.
Vamos baixar um pouco o ritmo. Re-equacionar tudo e com a experiência acumulada, voltar a criar algo nosso, pequeno, sustentável e sem turcos nem moicanos! Pessoalmente, entre outras coisas, vou parar um pouco a velocidade/intensidade e conviver um pouco mais com os netos e a família!
Obrigado pela vossa reiterada confiança e empenho. Cada um de vós é grande.
Obrigado de fundo do coração.
Prakash
GostoMostrar mais reações
Comentar
9 comentários
Comentários
Anginho Macassa Recuar não significa perder!
GostoResponder17 h
El Padrinho Bravo!
GostoResponder7 h
Cremildo Macamo É de indivíduos com essa lucidez que o Moz precisa, que olham para cada obstáculo como desafio, que transferem a ideia em algo tangível.
Todos tem ideias, mas poucos, muito poucos são os que tem a capacidade e atrevimento de materializar suas ideias. D
igo, muitas das ideias nunca são no mínimo discutidas, porque os idealizadores são incapazes de se despir de seus complexos, diria, temem suas ideias.
Essa ideia foi concretizada, tem continuadores pois viu-se algo valioso nela. 
Outras ideias iguais são bem vindas, reestruturem e voltem mais experientes. 
Abraço
GostoResponder37 h
Nelson Scott Marcelo Mosse, falamos do efeito BES no Moza! Levou o seu tempo!
GostoResponder17 h
Carlos Viegas Nunes O Moza ficou sem capital porque seus maiores depositantes decidiram retirar o dinheiro de um dia para o outro ! Agora esse dinheiro em meticais so pode circular em moçambique !!! Foi parar onde ?
GostoResponder2 h
KingKinho Vasquinho A crise veio para ficar mais bancos estao a caminho
GostoResponder1 h
Arlindo Cossa Gostei...
GostoResponder1 h
Benedita Felix Cumbane muita força
Edson Mambo Camarada Prakash, foi bom enquanto durou, nós ja nao estamos no tempo de amor a patria, ser banco nacional ou maioria mocambicana, ou nao, nao é isso que nós povo queremos, queremos bancos que nos transmitam confianca. Entendo que criaram a mocambique capitais confiando outras fontes individuais que hoje secou, isso sim

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook