segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Peter Balamanja e a Filosofia da Liberdade para o desenvolvimento

Uma nova filosofia da libertação! Peter Edward Nthawira Balamanja nasceu no Zomba, Nyasaland, (para onde o pai se refugiara de Moçambique 9 anos antes do seu nascimento) em 8 de Junho de 1934. Foi educado até 8ª classe. Em 1956 alistou-se na polícia da Rodésia do Norte (Zâmbia) e lá se casou com Marry, futura mãe de seus três filhos. Em Julho de 1960 deixou a Polícia, regressou à terra natal para entrar no Nyasaland District Council onde serviu até 1962, ano em que escreveu uma carta para autoridades da Rodésia do Sul (Zimbabwe) para onde seguiu em Outubro de 1962 a fim de fundar, com John Zuza, o Kilimani Freedom Party (KFP) de tendência federativa, com outros nacionalistas: John Zuze, Peter Zuhay Geofrey, Richard Danken Yotamu, Eduardo António Mulira, Kazipute Jeke, António Charlie, Daniel Kenneth, Jaime Basikold, Afiki Gwenje e António Chagundika. Com cerca de 28 anos de idade, inicia a sua filosofia da libertação «unidade para a libertação». Segundo ele, existiam muitos grupos, associações e organizações que uma vez unidos poderiam, no mais curto espaço de tempo, libertar o país. Afirmando que «o véu que cobria a vergonha do meu povo se rasgou em Moçambique» fez um apelo «Salazar must go, Balamanja must rule». Com Mineje Jack Ntundumula Banda, Sutalani Laima, Fernando Kalichi e Bernardo Chumba, decidem mudar o nome do partido para Mozambique African National Congress (MANC).
O poder das suas palavras e a sua mensagem de «Unir para Libertar» congregaram em seu redor um número cada vez maior de seguidores. O facto de os seus discursos denunciarem frequentemente as injustiças sociais e cumplicidade dos regimes da época para esmagar as liberdades individuais, tornou-o alvo de uma hostilidade crescente tanto do regime colonial português como do regime rodesiano que arquitectaram uma Lei que permitisse a sua prisão e deportação. Acompanhado por uma multidão de seguidores, Balamanja prometeu libertar os moçambicanos do jugo colonial português, causando grande agitação nas hostes políticas. Preso juntamente com o seu vice, Mineje Jack Ntundumula Banda, à luz de uma lei que ainda não tinha sido debatida no Parlamento (ACT 1963) por ordem das autoridades rodesianas, a 26 de Maio de 1963, dois dias depois foi entregue à Portugal, força ocupante daquela época. Foi julgado e condenado a 7 anos de prisão. Os sobreviventes da prisão levaram o MANC a juntar-se a outras quatro forças políticas para dar origem ao COREMO, sob liderança de Paulo Gumane. Da prisão seguiu para Zâmbia, onde continuou com as actividades políticas.
Na sua «Carta da Liberdade» defendia que a «a liberdade e o desenvolvimento caminham juntos de tal forma que quanto maior for a liberdade maiores será o estágio do desenvolvimento»- Nesta ordem de ideia, concluía que o subdesenvolvimento era consequência da ausência da liberdade. Defendia a necessidade de formar o homem académica e militarmente e pedia ajuda para o efeito. Desejava que os líderes fossem humildes a humildades no seu trato para com o povo e nunca tivessem vergonha de pedir conselhos aos líderes já maduros. Permitia a venda de bebidas alcoólicas nos seus comícios porque isto era parte da liberdade. A independência tinha que ser conseguida num curto espaço de tempo para evitar deixar o povo no sofrimento permanente. Além do homem, defendia o uso de animais para actos de sabotagem, por exemplo, atear com o fogo ao gato molhado na gasolina e introduzi-lo numa fábrica. A longo prazo, uma vez alcançada a independência previa a eliminação das barreiras fronteiriças entre Niassalandia, as duas Rodésias e Moçambique formando uma grande federação,
GostoMostrar mais reações
Joanguete Celestino Grande pesquisa! traga-nos mais estorias
GostoResponder13 h
Domus Oikos Grande pesquisa, sim senhor há muito que rescrever a história de Moçambique.
GostoResponder32 h
Marcos Manejo Pakhonde Pakhonde Quase que nunca teria ouvido falar deste mocambicano Tetranacional. Alias, nenhum historiador teria dito que coremo, foi resultante da fusao de tantos partidos incluindo o tal MANC. Aqui esta o Poder de um verdadeiro historiador.
GostoResponder32 h
Francisco Wache Wache Quanto maior for a liberdade maior será o estágio de desenvolvimento. Tem mensagem aí para nos
GostoResponder22 h
Gabriel Muthisse Parabéns, Eusébio Eusébio A. P. Gwembe. Nunca tinha ouvido falar deste Movimento.

Houve também em Lourenço Marques um ANC, liderado por um senhor de apelido Chembene, lá para a década 30 do século XX. Tratou-se de um movimento que congregava personalidades que, depois, acabaram concentrando a sua militância ou no Centro Associativo, ou na Associação Africana, organizações cívicas que eram permitidas pelo regime colonial.
GostoResponder22 h
Eddy Waku Lombëla Parabems irmão, se a pá te permitir cave mais fundo e nos traga mais história verdadeira d moçambique e da região....
Patricio Bernabé Nguema "Permitia a venda de bebidas alcoólicas nos seus comícios porque isto era parte da liberdade".Gostei do trecho....Parabens Dr por mais um elemento da nossa historia.
Fernando Narcisio Narcisio É mais uma pagina pra nossa hostoria.. Visto que nunca si abordou este assunto em muitos artigo do interce nacional... Parabens Dr. Eusébio A. P. Gwembe.. Pela saudavel pesquisa
Gabriel Muthisse Talvez, Eusebio Eusébio A. P. Gwembe, fosse importante esclarecer que trazer novos factos da história de um país é uma actividade normal e óbvia dos historiadores. Não se trata de desvalorizar o que outros historiadores fizeram no passado. Nem se trata de negar todas as páginas da nossa história já conhecida. Com o labor do Eusébio Gwembe e outros historiadores, o nosso conhecimento de história será ampliado. E, mesmo aquilo que julgamos conhecer poderá ser visto a partir de ângulos e perspectivas novas. Isso se faz em todos os países do mundo. É por isso mesmo que se formam historiadores nas universidades
GostoResponder11 h
Hermes Sueia Parabéns caro Gwembe............sem comentários!!!!
Siachukeni Lucas Assim sim. Mostrando a ver feira verdade da nossa história
Luiz Gaby Pesquisando encontraremos verdades. Parabens Guembe
Antonio A. S. Kawaria Ainda vamos ler sobre a história de Moçambique.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook