quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Ministério da Defesa prepara limpeza dos pensionistas-fantasma das FAA


Angola: 


Luanda – O ministro da Defesa, João Lourenço, defendeu, durante uma visita à delegação provincial de Luanda da Caixa de Segurança Social das Forças Armadas Angolanas, que a prova de vida dos pensionistas vai constituir um "apertar do cerco" aos beneficiários fantasma deste serviço.
Fonte: NJ
Com a prova de vida dos pensionistas das Forças Armadas Angolanas (FAA), e depois de, através desse processo de verificação da legalidade dos pagamentos em curso, terem sido limpas as listas dos "fantasmas", o Estado vai poder poupar muito dinheiro, lembrou o ministro.
João Lourenço afirmou mesmo que o país tem estado a gastar "avultados recursos" com pensões que não deveriam estar a ser pagas, sendo este processo importante para que passe a ser possível que estas reformas sejam pagas apenas a quem reúna as condições legais para isso.
"A partir de agora, com a prova de vida que vai ter início a 03 de Novembro, em Luanda, e que depois se estenderá para as restantes províncias do país, pensamos que passarão a receber a sua pensão apenas aqueles que merecem e reúnem as condições para serem considerados pensionistas", afirmou Lourenço, citado pela Angop.
O ministro da Defesa sublinhou ainda que, apesar de ser em Luanda que estão concentrados a grande maioria dos pensionistas das FAA, as outras províncias também sentem este problema dos fantasmas e que, por isso, a prova de vida será alargada posteriormente ao resto do país.
Mas João Lourenço deixou ainda a promessa de que os antigos elementos das FAPLA que não estão inseridos no sistema de pensões sê-lo-ão quando for possível, lembrando que muitos dos que se encontram nessa condição, o devem ao facto de haver muitos que recebem e não deviam, estando a desfrutar desse benefício indevidamente.
Recorde-se que há menos de duas semanas, dezenas de pensionistas protestaram junto a estas mesas instalações da segurança social das FAA, em Luanda, porque há anos que estão a receber apenas 50 por cento da pensão a que dizem ter direito, apontando precisamente os recebimentos indevidos como uma das razões para isso.
A Caixa de Segurança Social das Forças Armadas Angolanas gasta mensalmente mais de nove mil milhões de kwanzas em mais de 50 mil pensões, não havendo, até ao momento, uma estimativa fiável sobre o número de pagamentos aos chamados fantasmas.
Mas, com a prova de vida, devem saltar das litas de pagamentos vários milhares de pensionistas que o não são, de facto, por terem falecido já ou por não reunirem os requisitos exigidos por lei para tal serem considerados.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook