sexta-feira, 9 de setembro de 2016

RENAMO: Para quando a sua ilegalização?!…


Listen to this post. Powered by iSpeech.org
LINGA LINGA por Francisco Rodolfo
Não restam dúvidas que os moçambicanos são um povo pacífico, sob todos os pontos de vista.
A prova da sua passividade é demonstrada pelo facto de terem perdoado a RENAMO e Afonso Dhlakama, após 16 anos de guerra de destruição.
Como se não bastasse a seguir veio mais uma guerra em que Afonso Dhlakama queria empurrar Armando Emílio Guebuza, então Presidente da República de Moçambique, para um 2º mandato, para ver se fica Dhlakama “exigiria” como fez a Chissano o lugar de Vice-Presidente da República num GUN (Governo de Unidade Nacional), numa estratégia de “adeus à democracia”…
Depois da tomada de posse de Filipe Jacinto NYUSI, Candidato da FRELIMO, em eleições supervisionadas pela SADC, UA (União Africana), pela EU (União Europeia) e outras organizações com a AWEPA, Afonso Dhlakama não compareceu à tomada de posse, realizado no dia 15 de Janeiro de 2015, perante signatários de todo o mundo, com a alegação de que: “fui roubado…”
Nunca, curiosamente, reclamou nos prazos determinados na Lei Eleitoral, que Armando Emílio GUEBUZA mandou “carimbar” pela Assembleia da República, que foi uma proposta da RENAMO e Afonso Dhlakama.
Dhalakama disse peremptoriamente: “NYUSI não vai governar”…
É evidente que Dhlakama foi perdoado pelos moçambicanos depois de ter desencadeado mais escaramuças e só parou quando os seus Deputados da Assembleia da República, se viam na contingência de ficar de fora e não tinha outra saída, se não dizer: “chefe volta e vem recensear”.
Mas os moçambicanos dentro da sua passividade perdoaram mais uma vez Afonso Dhlakama e RENAMO deram amnistia (todavia não esqueceram).
Por isso, assinou-se o Acordo da Cessão das Hostilidades, que fez agora em 5 de Setembro deste ano, mas foi violado por esse Afonso Dhlakama, que alguns representantes da Embaixadas, não mugem nem tuge sobre o seu comportamento belicista, deixando o “tio Afonso” numa boa.
Como se compreende que Afonso Dhlakama vai até à população guardar armas sem ser denunciado: a RENAMO actua usando como sempre ao táctico de terror.
É o que foram ensinados por Ken Flawer, da Rodésia do Ian Smith que ensinava para “ desestabilizar Moçambique”, porque para os rodesianos e os portugueses que saíram daqui no tempo dos “FICOS”, “Moçambique deveria ser uma terra queimada.” Doa a quem doer…
É evidente que a PAZ relativa que se viveu durante os cerca de 20 anos, foi quebrada porque os sul-africanos do apartheid, logo após a tomada do poder pelo ANC (de Nelson Mandela) e a RENAMO ficaram à espera de melhor oportunidade.
Querem as forças da “direita” desorganizar, não só Moçambique, mas também o Zimbabwe e África do Sul e outros para que os recursos desta Zona da SADC sejam entregues a governos dóceis.
Daí que alguns embaixadores estão a abertamente a sabotar o “Governo de Moçambique” desinformando a situação de Moçambique nos seus países, por confiar na informação dalgumas organizações ditas de “Pesquisas” e por alguma Imprensa (verdadeiros pasquins) que não querem nada com o desenvolvimento de Moçambique. Algumas dessas organizações chamadas de pesquisa recebem em dólares americanos e euros todos seus malfadados estudos, que de estudo só garantem o “financiamento” para denegrir o Governo de Moçambique, do Presidente da República Filipe Jacinto NYUSI.
Se todos os moçambicanos querem a PAZ e Dhlakama, quer a guerra a pergunta que a população se põe é:
RENAMO: Para quando a sua ilegalização ?!…
A RENAMO está a deixar Moçambique ingovernável. Até quando? A táctica agora é de assassinato (num autêntico terrorismo) aos chefes dos Postos Administrativos e aos chefes da Polícia e membros da FRELIMO, conforme as notícias recentes que vem de Nampula.
Não obstante a passividade dos moçambicanos, temos que acabar com esta situação. É tempo…
Queremos a AZ verdadeira e duradoira para esta “Pátria Amada” que acaba de comemorar 42 anos dos “Acordos de Lusaka”, no dia 7 de Setembro de 2016, cujas cerimónias Centrais decorreram em Pemba, Cabo Delgado, liderados pelo Presidente da
República e Presidente da ACCLN (Associação dos Combatentes de Luta de Filipe NYUSI
PONTO CERTO – 09.09.2016

1 comentário:

Chuphai disse...

Ha momentos que mesmo nao querendo falar mal, a pessoa perde lucidez e diz: Voce lambebotas mesmo!

Windows Live Messenger + Facebook