sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Recados do economista Antonio Matabele para o novo Governador do Banco de Moçambique*





Julião João Cumbane added 2 new photos.
September 5 at 9:52pm ·







Em que estou a pensar?...


Bem, aportei no mural de Marcelo Mosse, como o tenho feito com amiúde, e lá deparei com o texto que transcrevo a seguir, cuja autoria é atribuída a António Matabel—este que estou sabendo que é um economista moçambicano.

Marcelo Mosse conta que recebeu o referido texto via email. Li, gostei e resolvi transcrever o texto aqui, com ligeiras alterações só para tornar a leitura mais fácil. O original do Marcelo Mosse pode ser visto que no endereçohttps://www.facebook.com/marcelo.mosse/posts/10208695951854645


------ INÍCIO DA TRANSCRIÇÃO ------


«Este Rogério Lucas Zandamela é moçambicano da etnia Chope. Concluiu o então chamado Terceiro Ciclo (Décima Segunda Classe) no Liceu António Enes (Escola Francisco Manyanga) em Lourenço Marques (Maputo). Iniciou o Bacharelato em Economia na Universidade de Lourenço Marques (Universidade Eduardo Mondlane), em 1976. No meso ano lectivo mudou-se do País para o exterior, onde se doutorou.«

«Foi excelente aluno da Faculdade de Economia da ULM (hoje, UEM), mormente nas disciplinas relacionadas com as matemáticas. Ele (Rogério Lucas Zandamela), o falecido Chico Salomão; o Titos Joaquim Macuacua (quadro da Empresa Maputo Sul), o José Luís Macamo (reformado do PNUD), o Dinis Rosas, o José Paulo da Fonseca Pinto Lobo (estes dois últimos em Portugal), o Cipriano Ventura Marcos Mazula, o Dinês Chandra Manmoandás (falecido), Mahomed Iquebal Jussub (ENACOMO), e João Aragão (Gani Comercial) eram autênticas "bombas atómicas" na turma, porque as suas notas em todas as disciplinas, raramente, situavam-se abaixo da marca "18". Na disciplina de Investigação Operacional discutia, sem complexos, de igual para igual, com o Professor Mota de Castro, que tinha muito domínio sobre esta matéria.«


[Os recados]

«[Rogério], os teus ex-colegas, amigos e o Povo moçambicano—sem te assumir "Messias, seu Salvador"—desejam-te feliz regresso à Pátria e esperam bastante de ti.«

«Humildade!«

«Respeita a pessoa a quem vais substituir e o bom trabalho que ela realizou! Não procures apenas pelas coisas erradas que ele—de boa ou má fé—fez ao longo dos dez anos que esteve como timoneiro do BM. Se, por ventura, encontrares coisas boas, hiperboliza-as, dando-lhes mais quantidade, qualidade e valor.«

«Nunca te esqueças que jamais será vitalício nessa cadeira que Deus e o teu Povo te deram por mandato, divino e popular. Faz desse cargo um verdadeiro e sério sacerdócio. Exerce o teu múnus governativo com muita responsabilidade!«

«O povo não te colocou nessa cadeira para fazeres o julgamento da conduta do antigo titular desse posto muito difícil e importante. Por favor, nada de perderes tempo fazendo a autópsia do desempenho do antigo Governador do BM!«

«Como sabes estás aí para fazeres a diferença pela positiva! Queremos que não haja hiatos prejudiciais para todos nós entre o que ele—o antigo Governador do BM—estava a fazer e o que esperamos, ansiosamente, que tu prossigas. Acrescenta valor ao que já está em curso! Dá-lhe mais qualidade!«

«Não te preocupes com o supérfluo porque o Povo—a caminho dos 28 milhões de habitantes—espera muito de ti! Não te apoquentes em mudar o mobiliário e as cortinas usados pela pessoa que vais substituir! Faz jus ao Doutor—por extenso—que, merecidamente, figura antes do teu nome.«

«Dá-nos uma folguinha maior! Não aumentes tão depressa as Facilidades Permanentes de Cedência (FPC), as Facilidades Permanentes de Depósito (FPD) e as Reservas Obrigatórias (RO) pelos efeitos contraproducentes que estas medidas paliativas provocam na já de si muito depauperada qualidade de vida do nosso Povo. Porque elas inibem a Formação Bruta do Capital Fixo (FBCF), de onde se obtêm recursos domésticos para o Investimento (I), sem o qual não há Crescimento (C), e sem este não teremos o almejado Desenvolvimento (D).«

«O povo já não tem forças nem para gemer! Aí junto ao Governo lembra aos nossos respeitáveis Ministros a mensagem segundo a qual o Povo quer ver, tão depressa quanto possível, a aprovação e a implementação de políticas realistas, nacionalistas, de valor universal, incentivadoras do aumento da Produtividade e da Produção nacional. Lembra-lhes ainda que a adopção cega e exclusiva de medidas fiscais e monetárias sem o condimento na esfera produtiva, tendente a fazer crescer o nosso PIB, vai tornar a nossa economia mais anémica. A falta de hemoglobina leva os corpos à falência generalizada. A vida, consequentemente, desagrega-se dos corpos anémicos. E o nosso Povo não pode morrer por causa da implementação, pelo Governo, de políticas menos eficazes, ainda que implementadas de boa fé, como é o caso vertente de Moçambique!«

«E ainda há um factor com o qual—dada a tua humilde origem—também advogas e simpatizas: temos que humanizar a Economia. Antes de a economia ser uma colectânea—sempre em equilíbrio de indicadores macroeconómicos—ela é uma ponte que deverá levar o Ser Humano a ser integralmente feliz. Ajuda-nos a humanizar a nossa economia!«

«O Banco de Moçambique tem um escol de quadros e profissionais moçambicanos de excelente qualidade e muito motivados! Aproveita-os! Trabalha com eles até à exaustão! Acarinha-os sempre, quando merecedores deste tratamento!«

«Muito diálogo—sobre o País real—com o sábio Povo sem nome e, muitas vezes, sem voz e sem ser afónico, mas com muita vontade de vencer! Ganha tempo estudando cuidadosa e atentamente:«

«1. A Constituição da República de Moçambique;«
«2. O Programa Quinquenal do Governo – PQG;«
«3. O Plano Económico e Social – PES;«
«4. A Agenda 2025 (documento que perspectiva e prospectiva o desenvolvimento de Moçambique);«
«5. O Discurso da Tomada de Posse do Presidente da República, proferido a 15 de Janeiro de 2015;«
«6. Os principais documentos produzidos pela Sociedade Civil Moçambicana.«

«Soa-me também oportuno ouvires o que pensam as entidades seguintes:«

«1. CTA – Confederação das Associações Económicas de Moçambique;«
«2. AMECON – Associação Moçambicana de Economistas;«
«3. Ordem dos Advogados;«
«4. Ordem dos Engenheiros;«
«5. Ordem dos Médicos;«
«6. Sindicatos mais representativos;«
«7. Associação Moçambicana de Bancos;«
«8. Todos os partidos políticos;«
«9. Todas as confissões religiosas;«

«E conversa também, porque vale a pena, com o sector informal, com especial destaque as chamadas "mukweristas" cuja actividade diária, bastante dinâmica, mexe com o PIB deste País. A título de exemplo, há mulheres que, diariamente, metem pela fronteira de Ressano Garcia, "camiões de 10 rodas" prenhes de mercadorias (200 Mil Meticais) para abastecerem cadeias de supermercados, mercearias, lojas e barracas. Agora multiplica 200 Mil por 20 dias vezes 12 meses .......!!!!!«

«Em minha modesta opinião—expurgado o que lá existe de mau—no sector informal está o embrião indígena do empresariado nacional de que Moçambique muito precisa. Há que trazê-lo para cima da mesa, retirando-o do "undeground"!«

«O meu pai camponês e enfermeiro indígena, que passou quase 50 anos da sua carreira profissional no mato, repetia-nos: "nunca penetres na floresta sem primeiro ouvires dos donos da terra o que lá vais encontrar".«

«Bem hajas!«

«Escrevi muito porque queremos o teu e o nosso sucesso!«

«António Matabele«


------ INÍCIO DA TRANSCRIÇÃO ------


Eu associo-me ao António Matabele, na transmissão desta mensagem para o novo Governador do Banco de Moçambique, Rogério Zandamela. Entendo que também o Marcelo Mosse. E esta deve ser a forma que este (Marcelo) encontrou para responder à minha interpelação ao seu 'post' super-especulativo.


Viva Moçambique!


---


Nota: * Tituo original de Marcelo Mosse.


PS: Nas imagens, as caras de António Matabele (à esquerda) e Rogério Zandamela (à direita)






Marcelo Mosse added 2 new photos.
September 5 at 5:04pm ·



Os recados do economista Antonio Matabele para o novo Governador do Banco de Moçambique
Este Rogério Lucas Zandamela é moçambicano da etnia Chope, concluiu o então chamado Terceiro Ciclo (Décima Segunda Classe) no Liceu António Enes (Escola Francisco Manyanga) em Lourenço Marques (Maputo). Iniciou o Bacharelato em Economia na Universidade de Lourenço Marques (Universidade Eduardo Mondlane) em 1976, em cujo ano lectivo se mudou do País para o exterior, onde se doutorou. Foi excelente aluno da Faculdade de Economia da UEM, mormente nas disciplinas relacionadas com as matemáticas. Ele, o falecido Chico Salomão, o Titos Joaquim Macuacua (quadro da Empresa Maputo Sul), o José Luís Macamo (reformado do PNUD), o Dinis Rosas, o José Paulo da Fonseca Pinto Lobo (estes dois últimos em Portugal); o Cipriano Ventura Marcos Mazula; o Dinês Chandra Manmoandás (falecido); Mahomed Iquebal Jussub (ENACOMO); João Aragão (Gani Comercial) eram autênticas “bombas atómicas” na turma, porque as suas notas em todas as disciplinas, raramente, se situavam abaixo da marca “18”. Na disciplina de Investigação Operacional discutia, sem complexos, de igual para igual, com o Professor Mota de Castro, que tinha muito domínio sobre esta matéria.
Os teus ex-colegas, amigos e o Povo moçambicano – sem te assumir “Messias, seu Salvador” – desejam-te feliz regresso à Pátria e esperam bastante de ti.
Humildade!
Respeita a pessoa a quem vais substituir e o bom trabalho que ela realizou!
Não procures apenas pelas coisas erradas que ele de boa ou má fé fez ao longo dos dez anos que esteve como timoneiro do BM.
Se, por ventura, encontrares coisas boas, hiperboliza-as, dando-lhes mais quantidade, qualidade e valor.
Nunca te esqueças que jamais será vitalício nessa cadeira que Deus e o teu Povo te deram por mandato, divino e popular.
Faz desse cargo um verdadeiro e sério sacerdócio.
Exerce o teu múnus governativo com muita responsabilidade!
O povo não te colocou nessa cadeira para fazeres o julgamento da conduta do antigo titular desse posto muito difícil e importante. Por favor, nada de perderes tempo fazendo a autopsia do desempenho do antigo Governador do BM!
Como sabes estás aí para fazeres a diferença pela positiva! Queremos que não haja hiatos prejudiciais para todos nós entre o que ele, o antigo Governador do BM estava a fazer e o que esperamos, ansiosamente, que tu prossigas.
Acrescenta valor ao que já está em curso! Dá-lhe mais qualidade!
Não tem preocupes com o supérfluo porque o Povo – a caminho dos 28 milhões de habitantes – espera muito de ti!
Não te apoquentes em mudar o mobiliário e as cortinas usados pela pessoa que vais substituir!
Faz jus ao Doutor - por extenso – que, merecidamente, figura antes do teu nome.
Dá-nos uma folguinha maior! Não aumentes tão depressa as Facilidades Permanentes de Cedência (FPC), as Facilidades Permanentes de Depósito (FPD) e as Reservas Obrigatórias (RO) pelos efeitos contraproducentes que estas medidas paliativas provocam na já de si muito depauperada qualidade de vida do nosso Povo. Porque elas inibem a Formação Bruta do Capital Fixo (FBCF), de onde se obtêm recursos domésticos para o Investimento (I), sem o qual não há Crescimento (C), e sem este não teremos o almejado Desenvolvimento (D).
O povo já não tem forças nem para gemer!
Aí junto ao Governo lembra aos nossos respeitáveis Ministros a mensagem segundo a qual o Povo quer ver, tão depressa quanto possível, a aprovação e a implementação de políticas realistas, nacionalistas, de valor universal, incentivadoras do aumento da Produtividade e da Produção nacional.
Lembra-lhes ainda que a adopção cega e exclusiva de medidas fiscais e monetárias sem o condimento na esfera produtiva, tendente a fazer crescer o nosso PIB, vai tornar a nossa economia mais anémica. A falta de hemoglobina leva os corpos à falência generalizada. A vida, consequentemente, desagrega-se dos corpos anémicos. E o nosso Povo não pode morrer por causa da implementação, pelo Governo, de políticas menos eficazes, ainda que implementadas de boa fé, como é o caso vertente de Moçambique!
E ainda há um factor com o qual – dada a tua humilde origem – também advogas e simpatizas: temos que humanizar a Economia. Antes de a economia ser uma colectânea – sempre em equílibrio de indicadores macro-económicos – ela é uma ponte que deverá levar o Ser Humano a ser integralmente feliz.
Ajuda-nos a humanizar a nossa economia!
O Banco de Moçambique tem um escol de quadros e profissionais moçambicanos de excelente qualidade e muito motivados! Aproveita-os! Trabalha com eles até à exaustão! Acarinha-os sempre, quando merecedores deste tratamento!
Muito diálogo - sobre o País real - com o sábio Povo sem nome e, muitas vezes, sem voz sem ser afónico, mas com muita vontade de vencer!
Ganha tempo estudando cuidadosa e atentamente:
1. A Constituição da República de Moçambique;
2. O Programa Quinquenal do Governo - PQG;
3. O Plano Económico e Social – PES;
4. A Agenda 2025 (Documento que perspectiva e prospectiva o desenvolvimento de Moçambique);
5. O Discurso da Tomada de Posse do Presidente da República, froferido a 15 de Janeiro de 2015;
6. Os principais documentos produzidos pela Sociedade Civil Moçambicana
Soa-me também oportuno ouvires o que pensam as entidades seguintes:
1. CTA – Confederação das Associações Económicas de Moçambique;
2. AMECON – Associação Moçambicana de Economistas;
3. Ordem dos Advogados;
4. Ordem dos Engenheiros;
5. Ordem dos Médicos;
6. Sindicatos mais representativos;
7. Associação Moçambicana de Bancos;
8. Todos os partidos políticos;
9. Todas as confissões religiosas;
E conversa também, porque vale a pena, com o sector informal, com especial destaque as chamadas “mukweristas” cuja actividade diária, bastante dinâmica, mexe com o PIB deste País. A título de exemplo, há mulheres que, diariamente, metem pela fronteira de Ressano Garcia, “camiões de 10 rodas” prenhes de mercadorias (200 Mil Meticais) para abastecerem cadeias de supermercados, mercearias, lojas e barracas. Agora multiplica 200 Mil por 20 dias vezes 12 meses .......!!!!!
Em minha modesta opinião – expurgado o que lá existe de mau – no sector informal está o embrião indígena do empresariado nacional de que Moçambique muito precisa. Há que trazê-lo para cima da mesa, retirando-o do “undeground”!
O meu pai camponês e enfermeiro indígena, que passou quase 50 anos da sua carreira profissional no mato, repetia-nos: “nunca penetres na floresta sem primeiro ouvires dos donos da terra o que lá vais encontrar”.
Bem hajas.
Escrevi muito porque queremos o teu e o nosso sucesso!
António Matabele
PS: Excerto de um texto da autoria do conhecido economista Miguel Matabele, recebido por email.
PS2: A foto de Rogerio Zandamela é da Folha de Sao Paulo, de 2002, quando o novo Governador do Banco de Moçambique era representante-residente do FMI no Brasil.

Share

240240
30 Comments
44 shares
Comments


Schauque Spirou ''Não te apoquentes em mudar o mobiliário e as cortinas usados pela pessoa que vais substituir!''... foi o que deu pra entender.. srsrsrsrsrsr
11 · September 5 at 5:09pm


Pedro M'bessa Especialmente a cadeira. Kkkkkkkkkkk
1 · September 5 at 6:03pm


Schauque Spirou É uma realidade triste essa, há gente muda até o chão da nova casa e gastam nisso milhões!
1 · September 5 at 8:57pm


Hermes Sueia PS:Num contexto de guerra será muito difícil a locomotiva económica voltar aos carris..........a PAZ era para ontem para que possamos começar o saneamento económico com o Doutor Zandamela ao leme.
3 · September 5 at 5:16pm


Nairinho Mabote Se ele conhecer a constituição vai logo riscar o ponto 9. O estado ainda é laico!
September 5 at 5:18pm


Buene Boaventura Paulo Grande texto e dicas para o nosso (novo) Governador. Se seguir por esta linha vai triunfar
1 · September 5 at 5:22pm


Muhamad Yassine Mas porque tanto assunto em relação a esse senhor?
2 · September 5 at 5:59pm


Schauque Spirou Touché. Tb acho estranho os recados que vão saltando...a começar com o palestrante de Nampula que pareceu ser uma tentativa de mandar recado.
Tentativa de domar?!
2 · September 5 at 8:59pm


El Padrinho De facto. Zandamela é um cidadão sortudo. Fala-se e se espera tanto do homem. Até parece um enviado por São Pedro, para repor a ordem nesta coutada! Eu até gosto muito dele... Mas, conhecendo os vícios do nosso sistema, não me iludo...
1 · September 5 at 10:28pm


Schauque Spirou Coutada kkkkk eishh
1 · September 5 at 10:43pm


Samuel Rangane Embora com essas dicas todas é preciso pensar numa coisa Ele como dirigente do B.M não vai trabalhar sozinho.
1 · September 5 at 6:01pm


Buene Boaventura Paulo Mas leu bem o texto?
1 · September 5 at 6:42pm


Felizarda Mazive Que seja o salvador da subida de taxas de câmbios nas nossas rendas bancárias e em tudo que o seu reflexo faz se sentir. HIKARHELE
September 5 at 6:03pm


Homer Wolf Apoiadissimo! (se as palavras aqui escrias "quiserem dizer" efectiva e integralmente o que significam),,,
4 · September 5 at 6:17pm


Victor Mambo Onboarding eh crucial para o seu sucesso. Espero que as suas ideias nao sejam sufocadas pelos politicos.
September 5 at 6:21pm


Moises Salomao Mazivila Se souber diferenciar componentes como Banco de Moçambique e Banco da Frelimo de Moçambique terá alguma chance de desenvolver um trabalho Consideravel.
September 5 at 6:23pm


António Oliveira Marcelo Mosse, o camarida ginga maningue....
September 5 at 6:23pm


Adriano Biza Eh texto com caracter muito pessoalizado, o autor poderia ter lhe procurado pessoalmente lembrar lhe que lhe conhece de muito e dar lhe sugestoes
11 · September 5 at 6:26pm


Ericino de Salema De acordo!
September 5 at 6:50pm


Schauque Spirou Muito TU e muita coisa escondida aí...um amigo não faz isto. Yuuu
2 · September 5 at 10:46pm


Belizario Cumbe "O povo já não tem forças nem para gemer" Está tudo dito@
1 · September 5 at 6:52pm


Eduardo Calane Tudo depende do que foi acordado e contextualizado para o novo Governador do Banco Central, quadro senior do FMI, ser designado para tao importante cargo em Mocambique.
Concerteza que qualidades tecnicas e outras, devem sobejar ao Doutor Zandamela...
Terminando da nossa forma bem simples mas sincera: BEM VINDO A SUA TERRA E BOM TRABALHO!!!!
2 · September 5 at 6:55pm


Sidonio Bras Nada de recadinhos. ... Se ele chegou vai esse posto foi por competência. ... cheira-me a recado de quem tem rabo preso à palha...
September 5 at 7:33pm


Adriano Senete Pode incluir na lista a Ordem dos contabilistas e auditores de Mocambique!!!??
2 · September 5 at 7:34pm


Luis Mucave Me parece algo intimidatório...recados em público tem esse condão...se tem alguma coisa que valha,procure o homem...
5 · September 5 at 7:47pm


Helio Banze ....turma de galaticos....Jose Luiz Macamo, reformado do PNUD, passou pela Oxford e depois pela Universidade de Harvard.....entao já devo imaginar a turma e o percurso dos outros.....
September 5 at 7:55pm


Jose Chilengue Steve Jobs uma vez disse: "There is no point in hiring smart people to tell them what to do. We hire smart people for them to tell us what to do". Estou plenamente de acordo com ele (o Steve).
13 · September 5 at 8:14pm · Edited


Sonia Maciel Soque infelizmente no nosso caso por mais "smarts" que sejamos na maioria dos casos temos mais impedimentos do que autoridade para o "devido" realizar ou "dizer para fazer"
1 · September 5 at 11:59pm


Lourenço Chaquice Apoiado, Chefe! ..."We hire smart people for them to tell us what to do"
1 · September 6 at 6:57pm


Silvestre Chiuone Malate Vamos sugerir aos escribas do Sô Presidente para incluírem este tipo de recados nos próximos discursos do Sô Presidente, pois muita falta faziam em cerimónias de tomada de posse!
September 5 at 8:31pm


Helder Shenga Faco votos que siga o seu conselho. Para o bem de todos.
September 5 at 8:54pm


Milton Boane Nunca sentira tamanha "importância" à figura do governador do BM. Nao é que ha crises que ensinam!
2 · September 5 at 8:57pm


Gallo Gallo Amanheceu "Saquinho"
September 5 at 9:58pm


Sonia Maciel Ola Dr. Matabele!!!! Optimos conselhos que espero o Doutor Zandamela faca bom uso e proveito!!! ....so para nomear, mais uma recomendacao...no meio de todas as Ordens que mencionou...a Ordem dos Medicos Veterinarios, que embora jovem, na representacao do Doutor e Colega Mario Mungoi, se esta tentando erguer e ter forca para avancar mesmo aos solavancos e colocar o sector Pecuario na frente! Este ja foi um orgulho nacional e foi um dos pilares no desenvolvimento agrario do Pais....(3ro Congresso da FRELIMO) hoje esta ao Deus dara com todo o potencial que tem (como no geral toda a Agricultura!!!! Nao passamos de um Pais de desnho de politicas....mas de implementacao..pouco se ve!!!! Um abraco carinhoso, Dr. Matabele!!!
September 5 at 10:15pm


Ismael Chutumia Ridículo
September 5 at 10:27pm


Carlos Viegas Nunes No mundo muito pouca gente sabe como funciona os bancos centrais e quem os controla ! Moçambique e se povo saõ mais uma vitima da mafia que os organiza - O Sr Mosse com seu texto demonstra nao saber qual o papel do governador do banco central ! Basta olhar para a monstruosa Obra da sede do banco para perceber que nao tem nada a haver com a economia real que se passa nas ruas ! E é assim em todo o mundo !
1 · September 5 at 10:49pm


Carlos E. Nazareth Ribeiro Por favor: o texto NÃO é do Marcelo Mosse!!!!
2 · September 5 at 10:50pm


Carlos Viegas Nunes Peço desculpa . Mas aplica-se a quem escreveu !
1 · September 5 at 11:32pm


Carlos E. Nazareth Ribeiro Marcelo Mosse, boa ideia esta de publicar essa "carta aberta". O autor poderia ter incluído também dois conselhos: 1-Não se deixe adormecer ao som do luxo do edifício! 2-Escute o que o CIP tem a dizer!
3 · September 5 at 10:49pm


Sonia Maciel Carlos..acho que o Dr. Matabele foi bem comedido...senao tambem nao acabava....tambem o Doutor Zandamela deve ter a oportunidade de explorar...a do CIP com certeza!!!!
1 · September 5 at 10:51pm


Carlos E. Nazareth Ribeiro O António Matabele sempre foi um diplomata, um indivíduo com charme...
1 · September 5 at 11:21pm


Brado Africano Brado Não será o salvador mais vai ajudar a resolver os problemas estruturais da nossa economia, assim espero
1 · September 5 at 11:16pm


Jose Alexandre Faia O povo já não tem forças nem para gemer" Está tudo dito......
4 · September 6 at 7:38am


Helder Morgamo Culumba ...este discurso revela aquilo somos essencialmente um povo cheio de orientações mas, sem soluções práticas.(...)
Yesterday at 9:12am
9 Comments
4 shares
Comments


Manuel Gil Uane Palmas, espero que este texto chegue ao Novo Governador que sirva de certa forma para que ele se situe melhor na nova missao que tem pela frente.
Like · 1 · September 5 at 10:40pm


Higino Rodrigues Perante colossos quem sou eu para vociferar? !
A biografia do Doutor Zandamela coloca uma fasquia bastante alta para os nossos filhos que ainda devem tentar trilhar por si à procura de seu espaço.
Like · September 5 at 11:08pm


Antolinho André O texto do sr. António Matabele, representa a verdadeira aula de sapiência se é que existe para um recém empossado. Esperamos do novo Governador um trabalho árduo embora tenha vivido quase a sua juventude fora do contexto moçambicano.
Like · 1 · September 5 at 11:39pm


Manuel Gil Uane Enquanto nao nos der motivos para desconfiar, nos confiamos em si Zandamela.
Like · 1 · September 5 at 11:44pm


Rafael Pedro

Like · 1 · September 6 at 5:50am


Yussuff Bin Pacha Rodjas Sou muito novo pra conhecer o recem-empossado, mas pela bagagem academica e o bom curriculum sobre economia e finanças que traz consigo ,é extremamente encorajador. Tenho expectativas e esperanças de que algo de bom e de melhor esteja por vir, e espero que corresponda a confiança do PR e dos 23 milhoes de compatriotas. As palavras do autor de post sao encorajadoras, e eu assino por baixo, ou seja, me alinho nesses ideais. É preciso acarinhar, acreditar, encorajar, tranquilizar os nossos dirigentes pra sairmos desse buraco. O mal está feito e ja se faz sentir em todas classes sociais de forma significativa, mas agora mais do que nunca é preciso sermos vigilantes, activos, transparentes e competentes pra seguirmos em frente.
Like · 3 · September 6 at 8:04am · Edited


Antolinho André Brilhante comentário. É preciso confiar e seguir em frente.
Like · September 6 at 7:59am


Julião João Cumbane Yussuff Bin Pacha Rodjas, a população moçambicana é actualmente (2016) estimada em 26.423.623 habitantes [http://www.ine.gov.mz/]. Desenvolve o hábito de seguir as informações estatísticas do teu país, consultando as fontes oficiais!
Like · 1 · September 6 at 8:49am · Edited


Yussuff Bin Pacha Rodjas Ta bem e obrigado pelo TPC professor JJC...
Like · September 6 at 9:23am


Marcelo Mosse E esta agora, heim?
Like · September 6 at 5:02pm · Edited


Nelson Wa Ka Maculetane Esqueceu-se de aconselha-lo a ouvir também a OCAM-Ordem de Contabilistas e Auditores de Moçambique, representado ao mais alto nível pelo Bastonário, o senhor Doutor Mário Sitoe.
Like · 2 · September 6 at 6:54pm · Edited


Rui Jose de Carvalho Epa. Estou a ficar burro, ilustres acadêmicos, peço socorro dos nossos intelectuais...
Like · September 7 at 1:51am

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook