segunda-feira, 7 de março de 2016

Justiça moçambicana investiga todos os ataques atribuídos à Renamo

Renamo_guerrilheiros2
A justiça moçambicana abriu processos para todas as ocorrências relativas a ataques nas estradas atribuídos à Renamo (Resistência Nacional Moçambicana), informou hoje em Luanda a procuradora-geral da República.
Beatriz Buchili, que realiza uma visita de trabalho de seis dias a Angola, assegurou, questionada pela agência Lusa, que "todos os ataques estão a ser investigados" e têm processos já abertos.
"Em função dessas ocorrências, vamos dar o devido tratamento", referiu a procuradora-geral da República moçambicana.
Segundo Beatriz Buchili, no informe anual que vai prestar à actual sessão ordinária da Assembleia da República, será fornecido o número exacto de processos em investigação.
"Mas em todas as ocorrências que foram feitas - porque são crimes - nós temos actuado e dado o devido tratamento", reiterou Beatriz Buchili.
A instabilidade em Moçambique tem vindo a deteriorar-se, com acusações mútuas de ataques armados, raptos e assassínios de dirigentes políticos.
Nas últimas semanas, foram registados ataques a colunas de veículos civis escoltadas pelos militares atribuídos à Renamo, em dois troços da N1, a principal estrada do país, na província de Sofala, centro do país.
Além de Sofala, há registo de mais incidentes noutras províncias do centro de Moçambique, nomeadamente em Manica, onde no sábado uma emboscada contra um autocarro provocou a morte de duas pessoas e ferimentos em oito.
A Renamo nunca confirmou nem desmentiu a autoria destes ataques.
O diálogo entre Governo e Renamo está bloqueado há vários meses, levando o líder da oposição, Afonso Dhlakama, a ameaçar tomar o poder nas seis províncias onde reclama vitória nas últimas eleições gerais.
A crise política e militar em Moçambique provocou igualmente a fuga de milhares de habitantes da província de Tete para o vizinho Malawi.
NME (HB) // VM
Lusa – 07.03.2016

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook