domingo, 6 de março de 2016

Renamo acusa polícia de prisões arbitrárias no centro do país

A Renamo denunciou neste sábado que a polícia realizou quatro "detenções arbitrárias" de elementos do movimento em Chimoio, centro do país.

Em declarações à Lusa, António Muchanga, porta-voz da Renamo, disse que a polícia efectuou na sexta-feira à noite quatro detenções de membros do partido no bairro Bloco 9, na cidade de Chimoio, que ficaram presos no comando provincial da Polícia em Manica.
"A polícia invadiu e capturou às 20:00 horas (menos duas horas em Portugal) na sua casa em Chimoio Elias Tomás Vinte, Dom Luís Maganzange, Filipe Mapossa e um quarto membro do partido, que residiam nas casas próximas daquela onde o presidente (da Renamo, Afonso) Dhlakama vivia quando estava em Chimoio", disse António Muchanga.
"Se calhar, só querem fazer horas, para depois irem matar à noite", declarou o porta-voz da Renamo, acrescentando que a polícia não apresentou nenhuma razão para as detenções daqueles membros do partido, "que estão na cidade sem fazer mal a ninguém".
Armando Mude, comandante da Polícia da República de Moçambique (PRM) de Manica, disse hoje, em conferência de imprensa, que há na Renamo "desinformação exagerada" por parte dos membros daquele partido, o que levou a polícia a tomar medidas para "acalmar a situação".
Este grupo de pessoas, descreveu Mude, tem anunciado que "amanhã vai haver ataque aqui, amanhã vai haver ataque ali, amanhã vamos levar a cabeça de fulano", defendendo que "[a desinformação] é outro tipo de guerra" e leva à "intimidação dos membros do Governo e do Estado".

A denúncia da Renamo acontece no mesmo dia em que um ataque atribuído pela polícia aos homens armados da oposição matou o motorista de um autocarro e um passageiro em Honde, na província de Manica.
A mesma região foi palco de confrontos na sexta-feira entre Renamo e Forças de Defesa e Segurança, que ficou com vários homens feridos.
Também na sexta-feira, o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, dirigiu um convite ao líder da Renamo para a retoma do diálogo, pedindo ao maior partido da oposição "máxima urgência" na designação dos seus representantes para preparar um encontro ao mais alto nível.
A Renamo, por sua vez, acusou o Governo de ter mobilizado 4.500 membros das Forças de Defesa e Segurança para uma ofensiva em grande escala nas províncias de Manica e Sofala, centro do país, região de forte implantação do movimento.
A situação político-militar em Moçambique tem vindo a deteriorar-se, com acusações mútuas de ataques armados, raptos e assassínios de dirigentes políticos.
Nas últimas semanas, foram registados ataques a colunas de veículos civis escoltadas pelos militares atribuídos à Renamo, em dois troços da principal estrada do país, na província de Sofala, centro de Moçambique.
Apesar de o chefe de Estado moçambicano e o líder da Renamo, Afonso Dhlakama, reiterarem a sua disponibilidade para o diálogo, o processo negocial entre o Governo e o principal partido de oposição mantém-se bloqueado há vários meses.
AYAC (HB) // ATR
Lusa . 06.03.2016

Ataque contra autocarro no centro do país provoca dois mortos

Listen to this post. Powered by iSpeech.org
Um ataque de homens armados contra um autocarro em Honde, província de Manica, centro de Moçambique, provocou neste sábado dois mortos e oito feridos, disse a PRM.
"Um grupo de cinco a sete bandido armado disparou contra um machimbombo [autocarro] que levava passageiros de Chimoio para Tete, da companhia transportadora Nagi Investiment. Atingiram com gravidade o motorista, que perdeu os sentidos, largou o volante e entrou pela mata dentro cerca de 200 metros", descreveu em conferência de imprensa o comandante provincial da Polícia da República de Moçambique (PRM) em Manica.
Segundo Armando Mude, o ataque ocorreu entre as 08:30 e as 09:00 locais contra um autocarro cheio, com entre 60 e 70 passageiros, no distrito de Barue, na estrada N7, entre Honde e Chiuala, e um passageiro morreu, ao qual se juntaria um segundo óbito, o do próprio motorista, que perdeu a vida no centro de saúde de Catandica.
Oito pessoas ficaram feridas, das quais seis já tiveram alta e duas permanecem hospitalizadas, mas, de acordo com o comandante da polícia, sem gravidade.
Uma testemunha ouvida pela Lusa confirmou o ataque, relatando que o autocarro não travou quando um homem na estrada fez um sinal de paragem e, logo depois, um segundo abriu fogo.

"O ataque foi onde os homens [da Renamo, Resistência Nacional Moçambicana] fizeram um controlo para vasculhar carros. O machimbombo não parou quando fizeram sinal e talvez isso criasse desconfiança para ser atacado", contou um morador, descrevendo que o autocarro se despistou e embateu numa árvore.
Armando Mude diz não ter dúvidas de que o ataque foi realizado por homens armados da Renamo, pelo "modus operandi", e também devido à ameaça do movimento de oposição de assumir o controlo de várias estradas no centro de Moçambique, incluindo a N7.
"São eles, não temos dúvidas quanto a isso", referiu o comandante da PRM, acrescentando que, logo após a emboscada, os atacantes "nem tiveram tempo de revistar o machimbombo ou fazer o saque da bagagem dos passageiros.
Dali, puseram-se em fuga e desapareceram pela montanha acima, relatou.
Armando Mude disse que, após o ataque, a situação ficou calma em Honde, até pela curta proximidade, cerca de dois quilómetros, de efectivos policiais, e decorria hoje à tarde uma operação de perseguição aos suspeitos.
"Há uma perseguição muito forte, as forças de defesa e segurança estão ao encalço, e, neste momento, é provável que estejam nas mãos da polícia muito deles [atacantes]", declarou Mude, assegurando que "um trabalho de fundo vai culminar com o desaparecimento deles naquele troço e vão desistir".
Este ataque acontece um dia depois de o Presidente moçambicano ter dirigido um convite ao líder da Renamo para a retoma do diálogo, pedindo ao maior partido de oposição "máxima urgência" na designação dos seus representantes para preparar um encontro ao mais alto nível.
A carta, segundo a nota da Presidência, decorre da reunião, a 24 de Fevereiro, do Conselho Nacional de Defesa e Segurança, que determinou a continuação dos esforços do chefe de Estado para a retoma do diálogo com o líder do maior partido de oposição.
No mesmo dia, em comunicado enviado à Lusa, o gabinete do presidente da Renamo, Afonso Dhlakama, acusou o Governo de ter mobilizado 4.500 membros das Forças de Defesa e Segurança para uma ofensiva em grande escala nas províncias de Manica e Sofala, centro do país, região de forte implantação do movimento.
Na mesma região de Honde, militares das forças governamentais moçambicanas ficaram feridos na sexta-feira em confrontos com homens armados da Renamo, disseram à Lusa vários moradores.
A Lusa testemunhou ao princípio da tarde a chegada de vários militares feridos ao hospital 1.º de Maio, na cidade de Chimoio, capital provincial de Manica, numa viatura da Unidade de Intervenção Rápida (UIR).
A Polícia em Manica não confirmou nem desmentiu à Lusa estes confrontos.
HB/AYAC// ATR
Lusa . 06.03.2016

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook