sexta-feira, 18 de março de 2016

O cúmulo da estupidez governamental!

Editorial
O Governo de Moçambique criou, na semana passada, uma suposta Comissão de Inquérito para investigar os relatos das atrocidades cometidas pelas Forças de Defesa e Segurança contra as populações dos distritos de Tsangano e de Moatize, em Tete, e que originaram a vaga de refugiados de guerra para o Malawi. A Comissão não trouxe nada de novo. Excluindo a sua composição, que, em si, denunciava falta de seriedade, a Comissão apenas tratou de oficializar a campanha de má-fé e irresponsabilidade que o Governo vem levando a cabo contra aquelas populações.

Se estamos bem recordados, o “Canal de Moçambique” foi dos primeiros órgãos nacionais a visitar aquele campo de refugiados, e conversou com alguns dos milhares dos moçambicanos que ali se encontram passando fome, frio e retirados o direito de viver em segurança na sua própria terra.

Todos os nossos entrevistados foram unânimes em afirmar que a Frelimo (esse é o termo que usam para apelidar as tropas governamentais) queimou as suas palhotas, violou as suas filhas, assassinou os seus irmãos e pais, e pilhou os seus bens. Todos afirmaram que abandonaram Tete por causa das atrocidades dos “homens da Frelimo”, que os acusavam de colaborar com a Renamo.

Posteriormente foram as organizações humanitárias, em relatórios, que trataram de confirmar e repetir o que o “Canal de Moçambique” já havia constatado e denunciado.
A primeira reacção do Governo foi a de desvalorizar todas aquelas informações e montar um grupo de choque para ridicularizar as declarações das populações e fazer acreditar que aquelas populações eram simpatizantes da Renamo. É como que se tivesse cobertura legal, violar, assassinar e espoliar os simpatizantes da Renamo.
Mais tarde, quando já não se podia esconder a situação, com o número de refugiados a duplicar dos anteriores cinco mil para dez mil, o Governo decidiu tirar da cartola mais um número da sua irresponsabilidade.
Preferiu criar um debate de cunho semântico sobre a nomenclatura a atribuir àquelas populações. Vimos o Governo a desenvolver um debate sobre se aquelas populações podiam ser consideradas refugiados, deslocados, fugitivos, ou membros da Renamo que pretendiam denegrir o nome de Governo de Moçambique no Malawi.
Alheia a todo este festival de irresponsabilidade, a população continua lá a dormir no chão, sem comida e sem qualquer dignidade, porque o Governo está ocupado à procura da designação política mais adequada.
Quando a Human Rights Watch e a Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) tornaram conhecida internacionalmente a catástrofe humana de Kapitse, o Governo decidiu criar uma Comissão Inquérito dirigida pelo vice-ministro da Justiça, Assuntos Religiosos e Constitucionais, Joaquim Veríssimo, coadjuvado pelo vice-ministro do Interior, José Coimbra, e da qual fazem parte técnicos da Direcção Nacional dos Direitos Humanos e do Ministério da Administração e Função Pública. Ou seja, o acusado aqui é que foi auto-investigar-se. Ora, isto não difere de que um violador esteja no Tribunal com vestes de juiz para julgar a vítima.
E os resultados não tardaram. Joaquim Veríssimo veio a público dizer que tudo o que a população contou não passa de invenção. Para Joaquim Veríssimo, são onze mil pessoas a inventarem que estão a ser perseguidas. Esta é a constatação da equipa governamental. Assassinatos, violações sexuais, pilhagem, é tudo invenção dos refugiados para denegrir o invejável bom nome do Governo de Moçambique.
Esperar por um resultado diferente deste, numa situação em que o Governo criou uma comissão de investigação à medida dos resultados que queria ouvir, é excesso de fé.
Sejamos sérios. Uma coisa é Filipe Nyusi e seus ministros ignorarem totalmente o calvário que aquelas populações vivem. É um acto que, apesar de irresponsável, compreendemos, porque este particular de se preocupar com o povo só é peculiar de quem, de facto, foi votado e sente-se no dever moral de fazer alguma coisa perante um problema que caminha para níveis de catástrofe. Mas criar uma comissão de inquérito para gozar com a situação em que aquela população se encontra, e tentar passar um certificado de estupidez a todos os moçambicanos e estrangeiros que estiveram em Kapitse, é um acto bárbaro. Pagar ao jornal “Domingo” para inventar narrativas para ilibar o Governo é o cúmulo.
Se se revelam incapazes de fazer parar e de responsabilizar as tropas governamentais pelas atrocidades cometidas e de criar solução para aquele problema, achamos que Filipe Nyusi e “sus muchachos” deviam, no mínimo, respeitar o sofrimento daquelas populações e absterem-se de qualquer acção. Investir dinheiro para financiar campanhas de ridicularização do sofrimento daquela população vai muito para além de tudo o que já por si é inaceitável. (Canalmoz/Canal de Moçambique).

Okuawatata Omahiye Senhores e senhoras teém olhos mas nao vê, teém ouvidos mas nao ouvem, sabedoria humana nunca vai vos ajudar, o mundo esta no poder de satanás e todos k kerem governar sao manifestado por ele. 1 João 5:19. Está proximo a destruição de satanás, seus governos, e os k apoião. Daniel 2:44. O homem nao foi criado para dirigir outro homem. Geneses 1:27-28. Jeremias 10:2,6-8, 23. Quem aprecia a vida teme a deus.

Serafim Alfredo Mavale Alfredo A corrupção cresce na medida em que a população se cala!! Todos nos somos chamados a lutar por uma reforma total da nossa nação, na politica, na Justica que estão altamente corropidas pelo governo Frelimo junto com seus parceiro e seguidores cegos. A Frelimo, não tem estrutura moral para continuar no poder. Temos que parar de reclamar apenas e atender os nossos deveres e direitos como um povo soberano segundo a Constituição.
Isaias Miguel Mpanguiua E canalmoz já foi nas estradas nacionais apurar a verdade sobre os atacantes dos autocarros? Pessoal. Fiquem a saber q não há amor feio e não há carcer lindo. Vejo q o canalmoz só critica um lado e parabeniza a renamo pelos actos q estão a cometer. Isso é q é o pior erro q um jornal. Vcê Canalmoz, foi no local em que tempo? Antes? No presente? Ou depois?
GostoResponder143 min
Sergio Agostinho Fumaste né? Aconselho te a abandonar as drogas, talvez assim vais acompanhar melhor a informação.
Serafim Alfredo Mavale Alfredo Por favor, fique calado!!
GostoResponder129 min
Tomás Coana Ñ misture assuntos, aqui os relatos estam em torno doque esta acontecer com os refugiados. E ñ sobre outras coisas.
Issufo Charifo Charifo Kkkkkkkkk sono nemmm?
Edy Manuel Boca fechada nao entra mosca
Rofino Manuel Vilanculo Rofino cuetado d pupulaçao.
Tomas Humbe Em algum momento o povo tornamos cumplice,nada fazemos so choramingamos e entregamos todo fardo para o lider da renamo. Este governo e um verdadeiro fantoxe so precisam do povo quando no tempo de eleicoes.
GostoResponder4 min
Moises Nhachengo E triste ser governado por indivíduos só com interesse individual mais isso vai acabar.e salientar que quem votou nos corruptos e cúmplice
GostoResponder1 h
Jerry Maquineiro Maquineiro Samora machel ja antevia q um dia apareceriam esses chupa-sangue insensíveis ao sofrimento do povo! O mesmo povo q paga os impostos hoj é tido como merda!
Aditos Nhambau Este governo n ta para o povo ,mas para um grupo de esperto ,n posso dzr uki havia consumido qdo com a cobertura da televisão deu o falso relatório k até kem recolhe no jornal podia ter feito melhor sem gastar milhões por voo, talvez por 2mtn comprar megas na vidacom podia pesquisar,o governos africanos nunca respeitam o povo se o mesmo se mostrar santo cada um pode começar a ver.
GostoResponder21 h
Juma Mussagy Abdul Mutualibo O maior problema do nosso governo é a Hipocrisia. Um governo hipócrita é capaz de tudo para sair se bem na capa sem com isso preocupar se com o sofrimento alheio. A maior arma do hipócrita é a mentira e diabolização. Chego mesmo a pensar que se naquela moldura humana que está no Malawi fosse identificado um camarada talvez aí teriam tratamento como moçambicanos. Uma vez não existir nenhum logo todos aqueles são pessoas sem terra que lhes viu nascer,são turistas que no lugar de contribuírem com divisas no Malawi contribuem com despesas para o governo do Malawi. Meus irmãos,vejam até onde nós os seres pensantes somos maus e até certo ponto piores que os irracionais. Apocalipse
GostoResponder22 h
Africa Asia O Governo é reflexo de seu povo ( tem a excepção mas são poucos)
Saide Halahala O ki quer dizer com isso?o povo e culpado?
Rofino Manuel Vilanculo Rofino o governo ta se perfumar antes do bonho
Marcelino Carlos Cossa A melhor informacao ta Faustino Igreja em malawe
GostoResponder1 h
Hidiel Da Silva Macuácua estamos a espera da Comissão chefiada pelo Custodio Duma,talvez poderá trazer mais novidades..
GostoResponder2 h
Inocente Generetion nos o povo eki Podemos tomar decisao sobre o nosso governo
Magid Manjor To cansado comentar,se o presidente foi o primeiro a regeitar,quem mais iria aceitar?estao todos capangas instruidos pra desmentir
GostoResponder12 h
JR Agogo Nyusi e todos os seus apóstolos estão doentes
GostoResponder42 h
Armando Tomas Fernando Fernando País de panza, onde assassinos se julgam sozinhos kkkk
GostoResponder12 h
Sandra Dos Corações DEVE SER UMA COMISSÃO INDEPENDENTE!
GostoResponder12 h
Betinho Benjamim Verniz Esses senhores andam AZIADOS e sem NOÇÃO do que fazem!!!
GostoResponder13 h
Teixeira Teté da Silva Cada vez mais pior essa situação.
GostoResponder2 h
Manuel Marrime Muito triste
GostoResponder2 h
Manuel Ribeiro Muinto triste
GostoResponder2 h
Juliao Gasolina Mapoda Mapoda meu Deus ate quando k xtaremox livre de praga da frelimo.
Abrao Caetano Larápios varridos.
Freitas Janeiro Cada Comissão vai dar o seu parecer mas nenhuma trará a verdade.
Mequessone Gabriel Faindane E triste a situacao em que vivemos.
Joao Alfandega PURA LOUCURA!
GostoResponder2 h
Malawene Antonio Já não sei o que é verdade que Deus tome conta do povo moçambicano.
Vandula Duarte Xta se mal

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook