quarta-feira, 20 de abril de 2016

Empréstimo de USD 285 milhões - FMI cancela segunda tranche

-”É provavelmente um dos piores casos de entrega de dados errados por parte de um Governo que o FMI viu num país africano nos últimos tempos”
-”Tudo o que é desembolso para Moçambique está suspenso”, fonte do FMI em Maputo ao mediaFAX/SAVANA
O Fundo Monetário Internacional (FMI) cancelou o pagamento da segunda tranche, no valor de 155 milhões de dólares, do empréstimo que tinha acordado no final do ano passado com Moçambique, no total de 285 milhões.
De acordo com o jornal britânico Financial Times, que cita uma fonte interna do FMI, em
Washington, a decisão terá sido tomada na sequência do cancelamento da visita ao país, esta semana, na qual era previsível que fosse dada a autorização para o pagamento da segunda parte do empréstimo acordado no final do ano passado.
“É provavelmente um dos piores casos de entrega de dados errados por parte de um Governo que o FMI viu num país africano nos últimos tempos. Eles esconderam deliberadamente de nós pelo menos mil milhões de dólares, possivelmente mais, em empréstimos escondidos”, disse esta fonte do FMI ao Financial Times.
“Moçambique está à beira de uma crise financeira se as autoridades não tomarem medidas para lidaram com os riscos actuais”, vincou a mesma fonte, acrescentando que os doadores internacionais, responsáveis pelo financiamento de cerca de 25% do Orçamento, podem também seguir o mesmo caminho e cancelar os pagamentos de 350 a 400 milhões de dólares.
“Aí Moçambique enfrentaria uma crise orçamental e uma crise na balança de pagamentos”, concluiu a fonte do FMI citada pelo Financial Times.
Maputo também confirma
Em Moçambique, o medi a - FAX/SAVANA contactou nesta terça-feira a delegação do FMI em Ma puto. Uma fonte bem colocada, que pediu protecção da sua identidade, também confirmou a suspensão dos desembolsos de fundos para Moçambique até ao esclarecimento cabal das dívidas do país.
Recorde-se que uma delegação de alto nível do governo moçambicano, chefiada pelo Primeiro-Ministro, Carlos Agostinho do Rosário e integra ainda o ministro da Economia e Finanças, Adriano Maleiane e o governador do Banco de Moçambique, Ernesto Gove, está em Washington nos EUA para prestar esclarecimentos sobre as dividas ocultas do estado.
Assim, de acordo com a fonte do FMI, em Maputo, a decisão da retomada ou não dos desembolsos está refém da avaliação que a direcção daquela instituição da Brettons Woods, fará aos esclarecimentos do governo moçambicano.
O FMI cancelou na sexta-feira uma missão prevista para esta semana a Moçambique devido às revelações de empréstimos alegadamente escondidos no âmbito do caso dos “títulos do atum”, anunciou a directora do Departamento Africano , Antoinette Sayeh.
“O empréstimo em causa ascende a mais de mil milhões de dólares e altera consideravelmente a nossa avaliação das perspetivas económicas de Moçambique”, disse Sayeh, na sede do FMI, em Washington.
Observando que não se pode fazer julgamentos ao Governo moçambicano antes de haver mais informação e admitindo que o próprio executivo tenha sido apanhado de surpresa, o parceiro internacional, contactado pela Lusa, disse ser igualmente cedo para tirar conclusões sobre os danos no nível de confiança dos doadores: “Depende da forma como as coisas vão ser geridas por ambas as partes”, comentou.
Além do FMI, também o director do Banco Mundial para Moçambique disse à Lusa que a revelação de um novo empréstimo no âmbito do caso Ematum pode afectar aumentar o risco de endividamento excessivo e afectar os recursos disponibilizados pela instituição no futuro.
“É importante lembrar que Moçambique é um país beneficiário da Associação Internacional de Desenvolvimento (IDA) e tem um risco moderado de sobre-endividamento.
Qualquer potencial análise em baixa da estabilidade da dívida poderá afetar o montante global dos recursos disponíveis para os próximos anos”, explicou Mark Lundell.
Logo após o Governo moçambicano ter realizado uma reestruturaçãobem-sucedida dos chamados “títulos do atum”, que implicou uma garantia do executivo em 2013 a um empréstimo de USD850 milhões, o Wall Street Journal noticiou, há duas semana, a existência neste caso de um segundo encargo escondido, de que os investidores na operação de recompra de títulos de dívida da Ematum não foram informados, no valor de USD622 milhões.
Na primeira reação ao caso, o ministro da Economia e Finanças de Moçambique, Adriano Afonso Maleiane, negou a existência de empréstimos escondidos e disse que “houve alguma confusão” no âmbito do financiamento da Ematum.
“Houve alguma confusão e acabou colocando Moçambique num barulho sem necessidade.
Tudo aquilo que tem a garantia do Estado, está garantido. Nós assumimos tudo o que havia sido assumido pelo Governo. Essa é a tranquilidade que eu continuo a   dar aos investidores”, disse Maleiane na sext a-feir a pa ssada à agência Lusa, durante a sua passagem pelos encontros de primavera do FMI e Banco Mundial.
(Lusa med iaFAX/SAVANA)
MEDIAFAX – 20.04.2016

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook