sexta-feira, 29 de abril de 2016

Carta de Intenções, Memorando entre Fundo Monetário Internacional e República da Moçambique

Página 1
Fundo Monetário Internacional
FMI
PressRelease:
18 de dezembro de 2015
Notificação de Email
a sua assinatura
República de Moçambique: Carta de Intenções, Memorando ofEconomic
e FinancialPolicies e TechnicalMemorandum de Entendimento
December2 de 2015
A Carta followingitemisa de Intentof thegovernmentof Republicof
Moçambique, whichdescribesthepoliciesthatRepublicof
Mozambiqueintendstoimplementinthecontextof itsrequestforfinancial
supportfromtheIMF.Thedocument, whichisthepropertyof Republicof
Moçambique, isbeingmadeavailableontheIMF websitebyagreementwith
o membro como um servicetousersof o FMI site.
Carta de Intenção
Maputo, Moçambique
02 de dezembro de 2015
Ms. Christine Lagarde
Diretor administrativo
Fundo Monetário Internacional
Washington, DC 20431
EUA
Caro Lagarde:
Desde o final de 2014, a economia moçambicana tem sido cada vez mais afetadas pelo declínio
preços internacionais das commodities, resultando em diminuição das receitas de exportação e FDI, significativa
depreciação do metical e perda de reservas internacionais. Apesar dos desafios graves, a
perspectivas de crescimento é robusto e a inflação permanece baixa, e o Governo de Moçambique é
tomar medidas políticas para lidar com os choques externos, nomeadamente através de ajuste fiscal e
aperto da política monetária. Para apoiar o nosso esforço, estamos solicitando uma dezoito
mês facilidade de crédito standby (SCF) arranjo para complementar o Instrumento de Apoio à Política
(PSI) para aumentar as reservas e fornecer um sinal forte da nossa intenção de manter
estabilidade macroeconómica. O principal objectivo do arranjo SCF será para aliviar a
saldo externo de pagamentos choques, e através do reforço da estabilidade macroeconómica, a
atingir as metas do governo sobre a redução da pobreza e crescimento inclusivo.
O Governo de Moçambique solicita a conclusão da quinta avaliação ao abrigo do PSI e
a aprovação do acordo de SCF. Nós também solicitar a modificação de três avaliação
critérios de Dezembro de 2015 para explicar o ambiente alterado e nossa revista
projecções macroeconómicas: o declínio substancial das reservas internacionais líquidas em meio à forte
equilíbrio das pressões de pagamento, o impacto do desconto da tesouraria das empresas privadas
títulos para limpar IVA reembolso atraso sobre o crédito líquido ao governo, e os efeitos da
aumento da exigência de reserva em dinheiro de reserva. Solicitamos também (i) para definir critérios de desempenho
e as metas indicativas para 2016 o final de Junho, e as metas indicativas para o final de março, final de Setembro,
e no final de dezembro, (ii) para reagendar dois referência estrutural existente e definir novo estrutural
benchmarks para 2015-16, em parte refletindo as complexidades na implementação de estruturas
benchmarks. Em apoio a este pedido, estamos transmitindo o Memorando em anexo do
Políticas Económicas e Financeiras (MPEF), que analisa a execução do programa
suportado pelo actual PSI e estabelece os objectivos políticos e os critérios de avaliação e
metas indicativas para o curto e médio prazo.
O Governo é da opinião de que as políticas definidas no MPEF são adequadas para atingir o
objectivos do programa PSI / suportado-SCF. Estamos prontos para tomar quaisquer outras medidas que
pode tornar-se adequado para esta finalidade.
2
O Governo vai consultar com o FMI na adopção destas medidas-a seu próprio
iniciativa ou sempre que o director-geral solicita uma tal consulta-in antes de qualquer
revisão das políticas contidas no MPEF, de acordo com as políticas do Fundo em tais
consulta.
O Governo irá fornecer o FMI, com informações como o FMI pode pedir para ser capaz de
avaliar os progressos realizados na implementação das políticas económicas e financeiras e atingir a
objectivos do programa.
O Governo autoriza a publicação desta carta de intenções, seus anexos ea
relatório de notação associada.
Atenciosamente,
Anexos: Memorando de Políticas Económicas e Financeiras
Memorando Técnico de Entendimento
/ s /
Adriano Maleiane
Ministro da Economia e
Finança
/ s /
Ernesto Gouveia Gove
Governador
Banco de Moçambique
3
Memorando de Políticas Económicas e Financeiras (MPEF)
02 de dezembro de 2015
1.
Este MPEF (i) descreve a evolução e desempenho do Governo de recentes
O programa económico ao abrigo do Instrumento de Apoio à Política de três anos (PSI) até à data, e
(ii) elabora sobre as intenções políticas económicas e estruturais. Baseia-se no MPEF
subjacente à Quarta PSI revisão do mês de Junho de 2015.
EU.
Evolução recente da economia e desempenho ao abrigo do
Programa
2.
Em 2015, o desempenho da economia moçambicana tem-se mantido robusto.
No entanto, a economia está a enfrentar no curto prazo crescentes desafios decorrentes da menor
os preços das commodities, subjugado temporariamente os investimentos directos estrangeiros, e afiada
valorização do dólar norte-americano internacionalmente.
O crescimento econômico moderado em 2015. O PIB real cresceu 6,3 por cento no primeiro
semestre de 2015, em comparação com uma média de 8 por cento no mesmo período nos últimos dois anos
anos. Esta desaceleração foi parcialmente impulsionado pelas inundações no início de 2015 e mais lento
execução de despesas fiscais, devido ao atraso na aprovação do orçamento, embora o crescimento
nos sectores da agricultura e manufatura foi melhor do que o previsto. setor de mineração
o crescimento desacelerou para 17 por cento no primeiro semestre de 2015 de 29 por cento no primeiro semestre
de 2014, refletindo os menores preços das commodities internacionais e restrições de transporte
que impediu a intensificação da produção e exportação de carvão. O desempenho também
enfraquecido nos sectores do comércio e de transporte devido ao impacto das inundações na
os fluxos de tráfego de pessoas e mercadorias ao longo da rodovia norte-sul no início de 2015.
Inflação e política monetária. Nos últimos nove meses, a inflação manteve-se estável
e baixa, com uma taxa de ano-a-ano de 2,4 por cento em setembro de 2015. A baixa inflacionária
pressão reflete o aumento da oferta interna de alimentos, a queda no mercado internacional
os preços das commodities e da taxa de câmbio relativamente estável do Metical vis-à-vis o
Rand Sul Africano. Gestão de liquidez de som no sistema bancário e inalterados
preços administrados foram outros factores chave da inflação baixa em setembro.
Taxa de câmbio. Desde o último trimestre de 2014, a taxa de câmbio do Metical de dólares tem sido
sob pressão por causa do fortalecimento do dólar nos mercados internacionais, a
ampliação do déficit em conta corrente agravada pela queda nos preços das commodities,
e continuamente forte demanda interna por moeda estrangeira, inclusive para externa
o pagamento da dívida e as importações de combustíveis. Pressões de depreciação foram agravadas pela menor
ajuda externa e do investimento directo estrangeiro no contexto de uma política incerta
ambiente que se seguiu às eleições no final de 2014.
4
Conta corrente externa. No primeiro semestre de 2015, o déficit em conta corrente excluindo
megaprojetos deteriorou-se para US $ 2,2 bilhões de US $ 1,2 bilhões em relação ao mesmo período
no ano passado, devido a um aumento de 17 por cento nas importações e de uma ausência de mais-valias fiscais
entradas que continham o déficit em conta corrente no primeiro semestre de 2014. À luz da
ambiente internacional, as exportações tradicionais, que se mantiveram estáveis, não poderia fornecer
um contrapeso. Incluindo as operações dos megaprojectos, o déficit em conta corrente
deteriorou-se apenas ligeiramente. O total das exportações diminuiu 4,2 por cento, para $ 1800000000 reflectindo
o impacto dos preços mais baixos das commodities, inclusive para areias pesadas, carvão e gás. Total
as importações caíram 4,5 por cento para US $ 3,5 bilhões, em decorrência de importações de megaprojetos em declínio
abruptamente em linha com uma desaceleração nas suas actividades de investimento. Este abrandamento do investimento é
dirigindo um declínio no IED e outros fluxos de financiamento que pesam sobre o equilíbrio externo.
IDE, desembolsos de ajuda / empréstimos, reservas. Fluxos de IED para o país registrou um ano-on-
declínio ano de 17 por cento no primeiro semestre de 2015, principalmente relacionados com a desaceleração da
investimentos na indústria de mineração, especialmente gás e carvão. Influxos de ajuda externa diminuiu
14 por cento no primeiro semestre do ano. Como resultado, as reservas internacionais líquidas declinaram
para US $ 2,2 bilhões ao final de setembro de 2015 (correspondente a cerca de 3,9 meses de cobertura
das reservas internacionais brutas de actuais importações de bens e serviços não factoriais
excluindo os megaprojectos).
Execução do orçamento.
As receitas foram ligeiramente abaixo do objectivo do programa. Entre outros fatores, esse
desempenho deveu-se (i) a verificação e controles contínuos sobre o lucro anual
declarações de pessoas físicas e jurídicas; e (ii) aumento do controle dos projectos de investimento
benefícios fiscais pela Direcção dos Impostos (DGI).
Despesas atingiram 84,5 por cento do programa no primeiro semestre. este entendimento
execução é explicado pela aprovação tardia (final de Abril de 2015) do orçamento do Estado de 2015. Dentro
nos primeiros quatro meses do orçamento operacional foi executado em conformidade com o
princípio da duodécimos (definição de limites máximos de despesas mensais iguais a 1/12 do anterior
orçamento do ano), e do Orçamento de Investimento foi executado somente para projetos registrados no
2014, que continuaram durante o exercício financeiro de 2015.
O défice orçamental foi inferior ao esperado de 0,3 por cento do PIB como externamente-financiado
despesas diminuíram 50,7 por cento, devido a atrasos nos desembolsos de ajuda e da tarde
aprovação do orçamento. Donativos e empréstimos desembolsos representaram 45,3 por cento e 40,3
por cento, respectivamente, dos valores inicialmente cometidos durante o ano.
3.
o desempenho do programa
Metas quantitativas através final de Setembro de 2015: O desempenho do programa em
final de Junho é mista. Três critérios de avaliação (CA) sobre o crédito líquido ao governo (CLG),
Reservas Internacionais Líquidas (RIL) e atrasados ​​externos e uma meta indicativa (IT) sobre
receitas do governo foram perdidas, enquanto todas as outras ACs foram atendidas. O desvio em
NCG refletiu fatores pontuais e é esperado para ser temporária: o governo fez uma
5
pagamento fixo de cerca de US $ 100 milhões (0,6 por cento do PIB) para abastecer os distribuidores
compensar passado sob-pagamentos, que refletiram sub-orçamentação. Isto, em conjunto
com um desconto rápida do volume de títulos públicos recebidos pelas empresas como
reembolsos de créditos pendentes de IVA (MT 8,4 mil milhões), empurrada crédito líquido ao
governo (CLG) acima da meta no final de junho. O alvo NIR foi perdido por um pequeno
margem no final de Junho, reflectindo em parte a perda de avaliação. A meta indicativa de reserva de dinheiro
foi recebida em setembro de 2015. O não cumprimento da meta indicativa NIR por um substancial
montante no final de Setembro reflete pressões da BP continuação incluindo menor exportação
rendimentos, maior do serviço da dívida externa, e as mudanças negativas da valorização cambial
resultante de um dólar americano mais forte. Coordenação imperfeita com os credores e um legado
lapso de gestão da dívida causou pequenos atrasados ​​externos, mas estes pagamentos em atraso, desde então,
foram resolvidos.
Indicadores de referência estruturais (SB): O final de Junho de SB sobre a inclusão no projecto de orçamento de 2016
uma regra fiscal sobre a utilização de receitas excepcionais foi cumprido. O SB sobre a operacionalização do
uma aplicação informática para pagamento de IVA, ISPC, impostos de renda corporativos e pessoais
através dos bancos não foi cumprida, embora um progresso considerável foi alcançada e este SB foi
conheci até o final de novembro. O benchmark final de Julho sobre a emissão de diretrizes orçamentárias
tornando obrigatória a avaliação técnica pela Comissão de Avaliação de Investimento para
novos projectos de investimento público a ser incluído nos 2016 e subsequentes orçamentos de uma
valor de US $ 50 milhões ou mais foi cumprido. O SB, sobre a utilização de t-títulos como garantia
em dinheiro operações de mercado não foi cumprida até o final de setembro como previsto. No entanto, o
problemas de TI relacionados foram resolvidos e projectos de regulamentos relacionados foram aprovados pela
Conselho BM eo SB foi plenamente satisfeitas em novembro de 2015. Os valores de referência restantes
para dezembro de 2015 e janeiro 2016 estão a avançar conforme o planejado e se espera que sejam
conheceu.
II.
Políticas macroeconômicas
Objectivos económicos A.
4.
Perspectivas económicas para 2015-19.
A política macroeconômica. A política fiscal será voltada para a promoção forte e
crescimento inclusivo, preservando a sustentabilidade e apoiar o ajustamento externo.
A este respeito, o déficit fiscal global deverá diminuir a partir de 6 por cento do PIB em
2015 para 4 por cento do PIB em 2016 e permanecer neste nível a médio prazo.
A cobrança de receitas deverá manter-se forte no período e as despesas são
deverá diminuir em 1,4 por cento do PIB em 2016 e estabilizar em torno de 32-33 por cento
do PIB a médio prazo. Acesso a financiamentos não concessionais será limitada a
projetos que não podem ser financiadas através de empréstimos concessionais, não ponham em perigo a dívida
sustentabilidade e têm sido sujeitas a uma análise custo-benefício rigorosa. Política monetária
será consistente com o desenvolvimento global da economia, enquanto o preço assegurando
estabilidade e manutenção de níveis de reservas adequados.
6
O crescimento do PIB em 2015 deve chegar a 7 por cento, embora existam riscos de deterioração que
pode justificar uma redução adicional de cerca de 0,7 pontos percentuais, dependendo do
desempenho na segunda metade do ano.
1
Revisões em baixa pode ser necessária se o
performances mais fracas dos sectores mineiro, comércio, financeiro, transportes e turismo
continuar até o final do ano. No entanto, o crescimento irá acelerar em direcção ao
Intervalo 7-8 por cento durante 2016-2020, apoiada pela agricultura, construção e financeira
serviços, e liderou expandindo a produção de carvão e construção de LNG
projetos.
Inflação. Baseado em acontecimentos recentes, a inflação deverá aumentar para cerca de 5 por cento
até o final de 2015 (2 por cento em termos médios), devido à recente adaptação de algum
preços administrados e depreciação do metical, embora permaneça abaixo do ano-
-alvo a-ano de 5,5 por cento. Em 2016-17, a inflação deverá subir um pouco para o nosso
objectivo de médio prazo de uma média anual de 5-6 por cento ao ano.
Conta corrente externa. O balanço de pagamentos 2015-17 permanecerá caracterizada
pelo impacto negativo dos preços persistentemente baixos de commodities internacionais, que mantém
exportações subjugado. Nossas medidas de ajustamento macroeconómico são, assim, concebido para
manter a sustentabilidade, contendo as importações não-megaprojectos. Novos fluxos de investimento para
infra-estrutura de carvão e de processamento de LNG instalações, que poderia começar em 2016, espera-se
para sustentar a posição externa mais longe, incluindo a médio prazo. Estes
medidas vão travar o declínio das reservas internacionais e devolvê-los a um caminho de progressiva
expansão. Por fim de 2015, espera-se uma taxa de cobertura de reserva bruta de cerca de 4,2 meses de
as importações de bens e serviços excluindo os megaprojectos projetada. Depois baixo em
no primeiro semestre de 2016, o rácio deverá recuperar para 4,5 meses no final de 2016 e
ainda mais para 4,9 no final de 2017.
A política fiscal. O déficit fiscal global continuará a diminuir em 2016 para apoiar externa
ajuste a 4 por cento do PIB. O défice orçamental deverá manter-se ao mesmo
nível a médio prazo.
B. Política monetária e cambial
5.
A orientação da política monetária será menos acomodatícia no último trimestre de 2015
e manter-se apertada em 2016. Dada uma perspectiva aumento da inflação (impulsionado em parte pela depreciação do
o metical), o Banco de Moçambique (BM) já começou a apertar sua política monetária
posição na reunião do Copom em outubro. Ele continuará a intervir no
mercados interbancários de modo a assegurar crescimento da base monetária consistente com a nossa estabilidade dos preços
ajustes objectivo e as políticas para preservar níveis adequados de reservas internacionais líquidas.
A BM vai dedicar esforços para a contenção do crescimento da base monetária em torno de 12 por cento em 2016.
O BM também estará pronto para monitorar os riscos internamente e no exterior, e para tomar as medidas adequadas
ações para manter a estabilidade global dos preços.
1
Para ser prudente, o programa baseia-se no pressuposto de um crescimento mais conservador.
7
6.
Continuamos comprometidos com um regime de taxa de câmbio flexível. A BM permitirá ao
taxa de câmbio para ajustar livremente a evolução dos padrões de fluxos comerciais e financeiros.
7.
As autoridades moçambicanas continuam comprometidos com suas obrigações nos termos do artigo
VIII, seções 2, 3 e 4 do Convênio Constitutivo do Fundo. O BM continuará a
acompanhar a aplicação dos novos regulamentos de câmbio, suas normas de execução,
bem como o funcionamento do mercado de divisas, com vista a evitar que práticas
poderia revelar-se incompatível com os princípios do artigo VIII. Vamos manter o pessoal do FMI informado sobre
quaisquer desenvolvimentos que poderiam correr contra esses princípios. O Banco de Moçambique
confirma que irá garantir que as taxas de câmbio em que o banco central vende estrangeira
troca aos bancos comerciais para as importações de petróleo, ou quaisquer taxas de câmbio oficiais utilizados pelo Banco de
Moçambique para quaisquer outras operações à vista, e as taxas do mercado interbancário, não vai desviar-se
mais de dois por cento em um determinado momento e tomará todas as medidas necessárias para o efeito.
C. Política Fiscal
8.
A execução orçamental em 2015. Vamos executar o orçamento 2015 consistente com a
programa. Em particular, irá compensar o pagamento de subsídio de combustível de MT 3,8 bilhões, reduzindo
gastos em outras categorias.
9.
Objetivos da política fiscal. Em 2016, o governo vai garantir que ele défice global fiscal
após donativos cairá para 4 por cento do PIB, enquanto o superávit domésticos atinge primárias
1,6 por cento do PIB. As receitas devem chegar a 26,2 por cento do PIB, um aumento de
1 por cento do PIB em comparação com a meta de 2015. Este aumento das receitas deverá resultar
a partir de: um bom desempenho em taxas comerciais internacionais (derivado a partir da combinação de um
maior volume de importações de bens em dólares e uma taxa de câmbio mais depreciada vis-à-vis
o dólar dos EUA), o aumento do gás em espécie royalties, bem como as reformas administrativas em áreas-chave, por
instância, impostos de selo para bebidas alcoólicas e cigarros, tarifas alfandegárias comuns e especiais de consumo
funções. Despesas deverão diminuir 1,4 por cento do PIB, para 33,9 por cento do PIB
consistente com a trajectória de consolidação a médio prazo que foi estabelecido no início de 2015.
10.
Outlook receita. Vamos continuar os nossos esforços para melhorar o desempenho das receitas através
reformas na administração fiscal e aduaneira. O orçamento do Estado para 2016 não considera os fluxos
de impostos ganho de capital, no entanto, se eles são relatados durante o exercício, o artigo 5 do
Lei do Orçamento autoriza o governo a usá-los para a realização de despesas de investimento,
a redução da dívida e atenuar os efeitos das emergências.
11.
A política de despesas. Mesmo que as despesas deverão diminuir para 33,9 por cento
do PIB, o orçamento continuará a contribuir para a redução da pobreza, priorizando o recurso
alocação a infra-estrutura econômica e social, o capital humano ea diversificação do público
bens e serviços, e reformas do setor público.
Política de salários. Vamos reduzir a massa salarial de 0,2 por cento do PIB em 2016, em comparação
a 2015. Este objectivo será alcançado através de medidas para conter a pressão sobre os salários, tais
como: (i) a implementação da "Prova de Vida" para todos os funcionários e agentes do Estado, e
8
(ii) A limitação da nova contratação, excluindo a saúde, educação, agricultura e polícia
setores.
Reforço da protecção social. Programas de protecção social estão previstos para chegar
em torno de 0,5 por cento do PIB em 2016, que cobrirá 507,902 beneficiários, ou 16 por cento
maior do que 2.014.
Subsídios para produtos petrolíferos. Os subsídios pagos em 2015 ascenderam Mt 3,8 bilhões, ou
0,6 por cento do PIB que seriam contabilizados no orçamento executado de 2015. o
governo está considerando uma reforma do mecanismo de preços de combustível e uma racionalização
dos subsídios aos combustíveis. A preços internacionais do petróleo atuais, não existem subsídios aos combustíveis. No
Enquanto isso, o governo considera que não há subsídios aos combustíveis serão necessários em 2016. Se
eram necessários subsídios, o governo vai tomar medidas orçamentais de compensação para
alcançar o seu objectivo orçamental.
Outros subsídios. Vamos continuar a alocar recursos para subsidiar os preços dos não combustíveis, tais
como trigo, farinha e transporte para minimizar o custo de vida da população. Portanto,
esperamos gastar cerca de 0,4 por cento do PIB em subsídios aos preços não-combustíveis e
empresas.
Tarifas de energia elétrica. A proposta de tarifário revista ainda está sob consideração pela
Governo. Prevê-se que a nova tarifa se tornou efetiva em novembro.
Contrato de desempenho EDM. O contrato de desempenho não foi assinado em julho como
previsto, devido à necessidade de financiamento elevado para projectos de investimento, o que não pode ser
assegurado pelo orçamento. O contrato de desempenho está sob revisão pela empresa e
é esperado para ser assinado em Junho de 2016.
III.
As reformas estruturais Finanças Públicas
Planejamento de Investimentos e Gestão da Dívida
12.
Public Investment Management. Emitimos orientações orçamentais através de um aviso a todos
ministérios para tornar obrigatória a avaliação técnica para projectos de investimento superiores
US $ 50 milhões nos orçamentos de 2016 e subsequentes em julho de 2015 (quarta revisão estrutural
benchmark). Também desenvolvemos o manual para seleção de projetos a serem incluídos no Integrated
Programa de Investimento (PII) e esperamos organizar actividades de formação para os ministérios na
O uso deste manual. O Governo continuará a melhorar a gestão do investimento público,
inclusive através de uma análise mais detalhada da relação entre investimento público e da dívida
sustentabilidade. Além disso, as instituições responsáveis ​​pela concepção e implementação de público
projectos de investimento serão reforçadas de modo que a escolha ea projecto de investimento público
avaliação está de acordo com boas práticas.
13.
Fortalecimento da gestão da dívida pública: Apesar do efeito negativo do dólar americano
apreciação sobre os rácios da dívida em relação ao PIB, a dívida externa de Moçambique permanece sustentável ea
risco-país da vulnerabilidade da dívida continua a ser moderado. Revisamos nossa Gestão da Dívida
9
Estratégia com a assistência técnica do Banco Mundial e do FMI, que incluem considerações sobre
como ajudar o desenvolvimento dos mercados de capitais nacional. Esta estratégia foi apresentada ao
Gabinete em novembro de 2015. O plano de 2015 doméstica endividamento foi concluído ao final de Junho de 2015.
Os relatórios anuais da dívida incluem a análise do custo e do risco associado à dívida pública
carteira.
14.
Garantir a política de gestão. Os projectos que beneficiam de garantias são regularmente
monitorados pelo Ministério da Economia e Finanças para minimizar o risco de inadimplência. Nós construímos
um banco de dados para gerenciar todas as garantias e pretendemos desenvolver a capacidade de avaliar a probabilidade
e impacto de potenciais padrão desta exposição com a assistência técnica do Banco Mundial
e do FMI. Uma lista completa de todas as garantias pendentes tenha sido comunicada ao FMI.
Gestão Financeira Pública (PFM)
15.
Cobertura de despesas e monitoramento. Fizemos progressos na cobertura do
sistema integrado de gestão financeira (e-SISTAFE). Ao final de Agosto de 2015, a quota de
despesas pagas através do e-SISTAFE directamente ao beneficiário atingiu 70,7 por cento do total
gastos da meta de 70 por cento para 2015. A cobertura deve chegar a 75 por cento em
De 2016.
16.
Registro de tempo real dos compromissos. A reforma está prevista para permitir uma maior
controlo da execução orçamental através de uma maior eficiência no uso do e-SISTAFE. implementamos
os procedimentos estabelecidos no Diploma Ministerial nº 210/2014, de 9 de Dezembro, para o salário
processamento e pagamento a todos os funcionários e agentes do Estado, observando as três fases de
execução de despesas em junho de 2015. Estamos realizando campanhas de formação e sensibilização para
os usuários do e-SISTAFE para facilitar a implementação da gravação em tempo real obrigatória de
o compromisso ea verificação das despesas para todas as unidades que operam no e-SISTAFE até ao final de
Jun 2016 (indicador de referência estrutural) ..
17.
Gestão de folha salarial. Continuamos comprometidos com a expansão do e-Folha para todos os Estados
agências e instituições que têm e-SISTAFE. Até ao final de Setembro de 2015, do total de
302.800 funcionários e agentes do Estado registradas no e-CAF, 270.612 tiveram seus salários e vencimentos
processados ​​e pagos por e-Folha, o que corresponde a 89,3%. De Julho a Setembro 2015,
realizadas 245.607 provas de vida no país, correspondendo a 81,1% dos funcionários públicos e
Agentes do Estado registrado no e-CAF.
18.
A gestão de caixa. Continuamos comprometidos com a ampliação da utilização da única do tesouro
conta (CUT). Concluímos a identificação e avaliação das contas mantidas fora do
CUT, a fim de reduzir o número de contas bancárias fora do corte (Circular No. 02 / GAB-
MF / 2014). Um novo Orçamento Circular foi emitida em novembro de 2015, para assegurar que todas as receitas são
transferidos para a CUT, incluindo receitas próprias das instituições orçamentais.
19.
Âmbito do setor público. A revisão da Lei do SISTAFE, que está prevista para
lugar até Dezembro de 2016 alargar o âmbito do setor público e torná-lo compatível com
padrões internacionais. Além disso, uma nova lei que define o estatuto de fundos públicos e
10
entidades autónomas foi elaborado e está sob revisão e deverá ser submetido a
Gabinete em maio de 2016.
20.
Gestão do risco fiscal. A Direcção Nacional de Estudos Económicos e Financeiros
foi estabelecida na nova estrutura do Ministério da Economia e Finanças. a Direcção
incorpora uma unidade de gestão do risco fiscal e será responsável para lidar com todo o risco fiscal
assuntos relacionados. Nós redigiu a declaração inicial dos riscos fiscais com assistência técnica do FMI e
publicou no site da MEF, em Novembro de 2015 (4ª revisão referência estrutural para
Outubro 2015). A declaração destacou os riscos gerais para o orçamento decorrentes da possível
mudanças nas premissas macroeconômicas, e os possíveis riscos associados às garantias estatais,
PPP e amplo setor público ou do setor público participaram corporações para. Nós permanecemos
compromete-se a implementar as recomendações do relatório de avaliação 2014 transparência fiscal
com a assistência técnica do FMI.
21.
Regra fiscal de receitas excepcionais. Influxo Grande e regular de receita dos recursos naturais
de GNL está prevista para começar em uma década. Mas esperamos que os impostos de ganho de capital adicional
associado com transações envolvendo transferências de participações acionárias em grande recurso natural
projetos pode ocorrer nos próximos anos. Para assegurar o uso desses recursos apenas para público
investimento, o pagamento da dívida e emergências nacionais
2
, A regra fiscal acima será incluído no
a lei 2.016 orçamento. Pretendemos desenvolver um quadro fiscal de médio prazo e um fiscal formais
governar a (i) informar as decisões de poupança e investimento futuras, (ii) gerir a volatilidade, e (iii) endereço
preocupações esgotabilidade antes significativa receitas materializar recursos naturais.
22.
Despesas Públicas e Responsabilidade Financeira (PEFA). Realizou-se o PEFA
avaliação deste ano com base na metodologia atual PEFA usando informações ao longo do período
2012-2014 e comparando os resultados com o último exercício PEFA de 2011. As principais conclusões do
relatório sugeriu que Moçambique está a ser bem sucedido na consolidação de progressos alcançados em
Reformas da GFP desde 2010, particularmente nas áreas de execução do orçamento, contabilidade, e-SISTAFE
cobertura do sistema, relatórios e auditoria interna e externa. Ao mesmo tempo, o relatório
melhorias recomendadas, especialmente no domínio dos contratos públicos.
administração da receita
23.
Administração do IVA. Os 2015 orçamento previsto receitas do IVA numa base líquida. Dentro
Além, atrasos de IVA de exercícios anteriores no montante de 8,2 mil milhões Mt foram securitizadas.
Estes foram dois componentes-chave da reforma do IVA. No entanto, a implementação do IVA net
sistema encontrou algumas dificuldades, que levaram à acumulação de novos pagamentos em atraso
projetada em 6,5-7000000000 Mt até o final de 2015, dos quais parte são reivindicações de anos antes de 2015. Para
prevenir estes problemas na execução do orçamento de 2016, vamos criar no TSA um
dedicado subconta para pagar os reembolsos do IVA, até ao final de Dezembro de 2015. Esta conta será regularmente
reabastecido por um montante equivalente ao montante dos créditos recebidos. Além disso, para calcular
2
Em caso de restrições de caixa graves temporários gerados por falhas inesperadas em apoio ao orçamento, inesperados
depósitos poderiam ser usados ​​em uma base temporária.
11
coleções líquidas do IVA, vamos ajustar coleções brutas de IVA pela quantidade de pedidos de reembolso recebidos
menos quaisquer reivindicações que foram rejeitadas.
24.
Implementação de e-imposto. O registo dos contribuintes para o novo sistema eletrônico
avançado consideravelmente, atingindo até agora 76 por cento de todos os contribuintes de IVA mais do que o 65 por cento
da meta para o final de Dezembro de 2015. O sistema de coleta e-imposto para o IVA e ISPC atualmente
abrange 19 das repartições fiscais. O progresso foi registrado para o lançamento dos contribuintes on-line '
portal ligado a um e-fiscal, que deverá estar totalmente operacional até ao final de 2015.
25.
Pagamento de impostos através dos bancos. Fizemos progressos para facilitar o pagamento de impostos através de
bancos de desenvolvimento de uma aplicação informática e assinar acordos com 13 bancos comerciais. o
processo de reforma inteira foi finalizado até o final de novembro de 2015. (indicador de referência estrutural)
26.
Modernização da Autoridade Tributária (AT) para melhorar a arrecadação. Nós
avaliou a administração da receita usando a ferramenta de diagnóstico TADAT com a assistência técnica
do FMI e um relatório foi concluído em maio de 2015. As recomendações do TADAT
diagnóstico foram incluídos no Plano Estratégico 2015-2019 AT. As principais deficiências estão relacionadas com
a integridade da base de dados de contribuintes registados, e os atrasos na apresentação de declarações fiscais.
Gestão de Recursos Naturais
27.
Iniciativa de Transparência nas Indústrias Extractivas (EITI). O 6º Relatório deverá ser
concluída no final de Dezembro de 2015 e irá abranger informações sobre a indústria de extracção e dos
pagamentos feitos pelas empresas do setor de mineração, petróleo e gás, bem como a receita arrecadada
por agências governamentais, no período de 1 de Janeiro de 2013 e 31 Dezembro de 2013 e 01 de janeiro
De 2014 e 31 de Dezembro de 2014. O 6º Relatório EITI será a base para a próxima Validação de
Moçambique como País ou não compatível com a EITI.
28.
Mineração e hidrocarbonetos Legislação. O Regulamento da Lei de Minas foi aprovado
pelo gabinete em Outubro de 2015 e do Regulamento da Lei do Petróleo foi aprovada em
Novembro 2015.
29.
Fortalecimento do Regime Mineração e Hidrocarbonetos Tax. Os regulamentos da
regimes de mineração e hidrocarbonetos fiscal que beneficiaram de assistência técnica do FMI foram
apresentado ao Conselho de Ministros e aprovado em Outubro de 2015.
30.
Desenvolvimento de liquefação de gás natural. Depois que o Decreto-Lei foi aprovado para
operacionalizar o desenvolvimento de plantas de liquefação de gás natural na Bacia do Rovuma,
negociações continuam para alterar os contratos de exploração, produção e concessão (EPCC), como
solicitado pelos concessionários da Área 1 e 4. No que diz respeito à Concessionária para a Área 1,
as negociações estão em fase final, e acordo preliminar foi alcançado sobre as modalidades
para o financiamento da participação da ENH, a quantidade de gás a ser reservados para uso doméstico
propósitos e da estrutura das atividades de marketing. Um acordo de unitização para a exploração de
a maior campo de gás que atravessa as áreas 1 e 4 (Prosperidade / mamba) também foi atingido.
12
O governo espera que o progresso recente permitirá que as concessionárias para as áreas 1 e 4 a
chegar a uma decisão final de investimento em 2016.
Empresas Públicas e Empresas com Participação dos Estados
31.
Reforçar a supervisão das empresas públicas .
2014 Relatórios e contas financeiras auditadas da maior Estado 8 Pertencentes
Empresas (SOE) foram publicados, eo relatório de síntese sobre as operações e fiscal
riscos de todas as 14 empresas estatais foi elaborado, está sob harmonização e, em seguida, será submetido ao
do Conselho de Ministros.
A proposta de Lei sobre o Sector Empresarial do Estado, com foco na
empresas onde o Estado tem uma participação inferior a 100 por cento, foi submetido à
Ministério das Finanças no final de 2014, em seguida, será apresentado ao Conselho de Ministros pelo
Fim de Março de 2016.
Em relação ao processo de consolidação da carteira Unidos das empresas, em outubro
2015 as seguintes atividades foram concluídas (i) Venda de ações do Estado reservado para
gestores, técnicos e trabalhadores em 4 empresas estatais, (ii) a preparação para a venda de estado
participação em mais 2 entidades estão em estágios avançados, (iii) 4 estão na fase de obtenção de
a aprovação de Ministros respectiva linha, (iv) 6 estão em processo de negociação com a iniciativa privada
investidores.
O novo software para relatar informação financeira sobre as empresas estatais tornaram-se
operacional em julho de 2015, com a informação financeira das empresas-piloto. desde julho
IGEPE é monitorar e gerenciar os desafios da mudança do processo anterior
de apresentar informações financeiras para o atual (software - SIMAP). Nesta fase, uma
número significativo de empresas estatais apresentaram a sua informação financeira relativa a 2014
e 2015 (segundo ciclo de submissão). Note-se que cada ciclo tem 4 meses.
gestores de carteira foram treinados na ferramenta SIMAP com vista a melhorar a
monitoramento da carteira de estado e melhorar seu desempenho.
32.
EMATUM. O plano de negócios EMATUM foi revisto e está sob consideração pela
Ministério da Economia e Finanças. O trabalho está em andamento para reestruturar a dívida EMATUM. Uma ação
plano que visa melhorar a rentabilidade da EMATUM será adotado até o final de abril 2016
(Indicador de referência estrutural).
IV. Políticas do Sector Financeiro
Melhorar o funcionamento do mercado de câmbio
13
33.
O BM irá melhorar o mecanismo de intervenção no mercado MCI por negociação
câmbio de moeda estrangeira a uma taxa que reflecte melhor as condições do mercado interbancário. De
Novembro, pelas suas intervenções no mercado, a BM vai intervir nos preços que o
os bancos comerciais estão realmente negociando.
Fortalecer a Política Monetária Formulação e Implementação
34.
Enquadramento da política monetária. O BM continuará a reforçar a política monetária
estrutura e melhorar a capacidade analítica e de comunicação na política monetária
processo, incluindo, melhorando seu modelo de previsão da inflação com técnica de tomada de decisões
assistência do FMI.
35 .
Inflação modelo de previsão. Sob o novo sistema de previsão, duas rodadas de previsão
foram implementadas e refinamentos modelo estão no lugar. Como complemento, a BM é
trabalhando em problemas de comunicação com vista a melhorar o grau de política monetária
transparência e comunicação com mercados e ao público.
36.
O BM tem feito progressos consideráveis ​​no sentido de melhorar a sua liquidez
quadro de gestão. Todos os passos recomendados pela missão de assistência técnica para
melhorar as previsões de moeda em circulação e fluxo de caixa do governo, bem como o aprofundamento
os mercados monetários foram totalmente observadas dentro do tempo considerado. Ele inclui (i) compilação de
um novo banco de dados no âmbito da nova planilha de gestão de liquidez; (Ii) a utilização efectiva do novo
liquidez previsão de planilha; (Iii) recolha de dados sobre fatores relacionados ao Governo e Notas
e moedas em circulação; e (iv) iniciar contatos com o MEF com o objetivo de tornar mais eficaz
o mecanismo de partilha de informação. Inicialmente, o horizonte de previsão de liquidez será delimitada
um dia e, como a precisão das previsões do modelo melhora, o horizonte de tempo será
alargada.
38.
Gestão do mercado monetário. O restante ele testa na plataforma SAP direção
permitindo o uso de T-bonds como garantia no mercado monetário (indicador de referência estrutural para o final de
Setembro) foram concluídas em setembro. A alteração regulamentar que permite o uso de T-
títulos como garantia foi emitida em novembro de 2015 no âmbito da BM Aviso nº 8 / GBM / 2015.
A equalização do tratamento fiscal entre transacções interbancárias garantidos e não garantidos está em
implementação desde maio de 2015, sob o (indicador de referência estrutural Lei nº 19/2013 para o final de
Janeiro 2016). Esperamos que essa medida para ajudar a aumentar o nível de atividade comercial na
mercado monetário, especialmente para as transações seguras.
Supervisão do sector financeiro
39.
Os testes de estresse e os empréstimos inadimplentes (NPLs). Os termos de referência para os dados
processo de cobrança no âmbito do quadro de testes de estresse foram elaboradas e incorporadas
no Plano de Inteligência de Negócios do Banco. A BM realizou novas rodadas de testes de estresse
exercícios em junho e setembro de 2015. Os últimos resultados indicam que o maior sistema bancário
vulnerabilidades incluem elevada concentração de crédito e amortecedor de capital insuficiente para lidar com
falha potencial dos maiores tomadores. O sistema também é vulnerável ao risco de liquidez de financiamento,
como as fontes de recursos estão concentrados em grandes depositantes. Outras vulnerabilidades estão associados
14
com o impacto negativo sobre a morosidade da depreciação da taxa de câmbio do Metical de dólares em casos
em que os mutuários não são exportadores. No entanto, o rácio de morosidade geral permanece relativamente baixa, de 4,3 a
final de Setembro.
40.
Supervisão baseada no risco e implementação de Basileia II. Todas as inspecções previstas para o
primeiro semestre de 2015 foram finalizadas. Além disso, uma instituição estava sujeito a uma inspecção ad-hoc.
Como para o segundo semestre de 2015, a inspecção de um banco com elevada relevância sistémica é
andamento. Duas instituições de pequeno e um médio foram objecto de uma inspecção com base em cada
perfil de risco do banco. O processo vai continuar ao longo do ano, em uma base regular.
41.
Plano de Contingência do Sector Financeiro. O projecto de relatório do Banco Mundial sobre os resultados da
exercício de simulação tem sido discutido com o BM num workshop realizado em setembro de 2015. Como
o resultado da oficina, uma proposta conjunta BM-Banco Mundial para elaborar um plano de acção
abordar as questões observadas durante o exercício de simulação e melhorar a legal e
quadro operacional da gestão de crises foi proposto. A aprovação do Plano de Acção por
Conselho de BM está prevista em finais de Março de 2016.
42.
Fundo de Seguro de Depósito (DIF). No primeiro semestre de 2015, as instituições participantes eo
Governo já depositaram a contribuição inicial (105 milhões de MT), em nome da
Fundo. Em agosto de 2015, o Conselho de BM aprovou o Relatório Steering Committee do FGD. o
Comitê Gestor vai fazer mais esforços para trabalhar com KfW para garantir a sua contribuição a fim
para iniciar a operação do FGD.
Desenvolvimento do Sector Financeiro
43.
Desenvolvimento do Sector Financeiro . Os principais objectivos do sector financeiro
Estratégia de Desenvolvimento (FSDS) 2013-2022 são os seguintes: (i) manter a estabilidade do sector financeiro; (Ii) aumento
acesso a serviços e produtos financeiros, eliminando constrangimentos estruturais da economia,
especificamente aquelas que limitam a intermediação financeira e acesso aos serviços financeiros; e
(Iii) aumentar a oferta de capital privado para apoiar o desenvolvimento do sector privado.
Promover a inclusão financeira. A oficina de consulta pública sobre o Nacional
Estratégia de Inclusão Financeira (FINS) ocorreu em julho de 2015, que permitiu ao BM
coleta de contribuições para os projectos de FINS das partes interessadas . Os projectos de FINS foi ainda mais
submetido à revisão por pares e discutidos durante o Par Estratégia de Inclusão Financeira
Grupo de Aprendizagem (FISPLG) sob a Aliança para a Inclusão Financeira (AFI) fórum, realizada em
Maputo, em Setembro de 2015. O processo de abranger a contribuição de ambos
reuniões no documento, bem como as experiências aprendidas de outros países, é
em curso, antes da sua apresentação ao Gabinete (indicador de referência estrutural para o final de
Dezembro) . O aviso de recirculação de fundos está em processo de submissão ao Conselho
para apreciação.
Estabelecer agências de registo de crédito (CRB ). A Lei sobre a criação do crédito privado
Registro agências foi aprovada pelo Parlamento em Julho de 2015. A sua implementação de
regulamento deverá ser aprovado em finais de Março de 2016.
15
Promoção de serviços bancários móveis . O Aviso nº 6 / GBM / 2015, que estabelece as regras
relativa à protecção dos fundos da emissão de moeda electrónica foi aprovado em Julho
2015, aguardando sua publicação no Diário da República.
Promoção da concorrência no sector bancário. O projecto de comunicação na lista e
denominação dos preços e comissões para os produtos e serviços financeiros foi
concluído em Dezembro de 2014 e está prevista para ser apresentada ao Conselho BM para
aprovação Dezembro de 2015.
Capital de Desenvolvimento de Mercado. A Stock Exchange (BVM) tem vindo a implementar um
programa de educação financeira.
Quadro de garantias móveis . Trabalho de preparação sobre o projecto de lei está em curso.
(Indicador de referência estrutural para novembro 2015 proposto para ser reprogramada a março de 2016).
Sistema de pagamento
44.
As reformas do sistema de pagamentos
Desenvolvimento da rede de pagamentos a retalho (SIMO). A partir de 15 de outubro de treze bancos fora
de dezoito anos foram ligados à rede de pagamento eletrônico nacional único.
Estão em curso trabalhos nos restantes cinco bancos com o objetivo de completar a transição,
Fim de Abril de 2016, dentro do cronograma de migração estabelecidos no Aviso 02 / GBM / 2015.
Ambiente de negócios
45.
Melhorar o ambiente de negócios :
A plataforma de e-BAU tem como objetivo a prestação de serviços de qualidade on-line para todos os segmentos da sociedade,
com maior enfoque na comunidade de cidadãos e das empresas, por meio da automação e re-
uso de dados e sistemas, melhorando a prestação de serviços e do ambiente de negócios em
o país. Então, eles foram integrados na plataforma electrónica oito (8) Single Serviço
mesas nas províncias de Maputo City, Província de Maputo, Gaza, Inhambane, Sofala,
Nampula, Tete e Cabo Delgado. Esta acção irá ter um impacto sobre a redução de
procedimentos, custos e tempo.
Como resultado direto da implementação da Plataforma, o número de dias para o licenciamento
da atividade econômica foi reduzida de quinze dias e atualmente pode ser feito dentro
três dias em média para todos os e-Baus informatizados.
A revisão da Política e Estratégia para a Indústria está em fase de consulta pública
por sua harmonização e submissão ao Conselho de Ministros até ao final de Dezembro de 2015. O
Estratégia para Pequenas e Médias Empresas foi apresentado ao Conselho de Ministros em novembro
2014, e preconiza a realização de consultas com as partes interessadas para posterior
16
submissão ao Comité Económico. O processo de interoperabilidade entre
instituições foi produzido e está sendo testado.
Por julho 2016 esperamos (i) Integrar os e-Baus ausentes na Plataforma Eletrônica
(setores de Comércio, Indústria e Turismo simplificado em Manica, Zambézia e Niassa);
(Ii) Entre o sistema de aplicação on-line; e Integrar todos orgânicos Capital Provincial,
incluindo os municípios que intervêm no processo de licenciamento, a Electronic
Plataforma de e-BAU todo o país.
Monitorização do programa
46.
Os critérios de desempenho / avaliação de propostas e metas indicativas até
Dezembro 2016 são apresentados na Tabela 1. As Tabelas 2, 3 e 4 incluem uma lista de existir e
benchmarks estruturais propostas e medidas políticas correctivas. a 6
º
avaliação do PSI é
prevista para ser concluída até 15 de junho de 2016 (conforme especificado no MPEF datado de 12 de junho de 2015).
17
Tabela 1: Critérios de avaliação / desempenho e as metas indicativas
Fim de Março
Final de Junho
Final de Setembro
End-Dec
Indicativo
Alvo
atuação
Critério
Indicativo
Alvo
Indicativo
Alvo
Prog.
Adj.
Real
estado
Prog.
Adj.
Real
estado
Prog. proposto
Proj.
Proj.
Proj.
Proj.
Critérios de avaliação para o final de Junho / Dezembro
O crédito líquido ao governo central (teto cumulativo)
-2826
1074
8047
NM
-3785
...
18387
NM
4895
11.999
-940
-1876
-4889
-1526
Estoque de moeda de reserva (teto)
58230
58230
56575
M
61938
61938
61.489
M
64411
69850
66443
64815
69612
78232
Estoque de reservas internacionais líquidas do BM (piso, R $ mil íons)
2.550
2521
2.470
NM
2.650
...
2.173
NM
2.889
2.025
1925
2.000
2075
2.250
valor presente de nova dívida externa contraída ou garantida pelo governo central ou pelo BM ou selecionados
empresas estatais com vencimento de um ano ou mais (teto que cobrem o período 18 de dezembro de 2015
(Data de bordo) até 31 de dezembro, 2016, mil íons de US $)
2
...
...
...
...
...
...
...
...
...
180
180
180
180
180
Nova dívida externa não concessional contraída ou garantida pelo governo central ou pelo BM ou selecionados
empresas estatais com vencimento de um ano ou mais (limite cumulativo ao longo da duração do
programa, mil íons de US $)
2
1.500
1.500
1.498
M
1.500
1.500
1.498
M
1.500
...
...
...
...
...
Estoque da dívida externa de curto prazo contraída ou garantida pelo governo central (teto)
2
0
0
0
M
0
0
0
M
0
0
0
0
0
0
Atrasados ​​de pagamentos externos do governo central (teto, R $ mil íons)
2
0
0
0,3
NM
0
0
1.0
NM
0
0
0
0
0
0
metas indicativas
A receita pública (piso cumulativo)
3
70093
70093
68211
NM
110230
...
108516
NM
151.000
151.000
35289
81164
128804
176444
despesas prioritárias (piso cumulativo)
3
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
...
Fontes: Autoridades moçambicanas e estimativas staf do FMI.
1
Para definição e ajustadores, consulte a Secção de Monitorização do Programa do Memorando de Política Económica e Financeira e Memorando Técnico de Entendimento.
End-Sept
Indicativo
Alvo
2016
End-Dec
avaliação
Critério
Final de Junho
avaliação
Critério
2015
3 alvos wil ser definido na sexta avaliação do PSI depois de as autoridades rever a definição.
2
Avaliado numa base contínua.
18
Tabela 2. Moçambique: Indicadores de Referência Estruturais para 2015-16
Indicadores de Referência estruturais
Data de
Implementação
Comente
macroeconômico
Relevância
O Governo vai finalizar e
operacionalizar plenamente o TI
pedido de pagamentos de IVA,
ISPC e corporativa e pessoal
O imposto de renda através dos bancos. (¶29
do MPEF de 12 de dezembro,
2014)
End-junho 2015
Não conheceu. concluído
com atraso em
Novembro 2015.
fiscal fortalecimento
administração
O Governo irá incluir no
projecto de orçamento 2015 uma regra fiscal sobre
a utilização de apenas receitas excepcionais
para as despesas de investimento, a dívida
redução e necessidades excepcionais.
(¶26 do MPEF datado de Dezembro
12, 2014)
End-junho 2015
Conheceu
Garantir fiscal
sustentabilidade
O Governo vai emitir orçamento
diretrizes que exigem um obrigatória
avaliação técnica pela
Comissão de Avaliação de Investimento
para os novos projectos de investimento público
para ser incluído no 2016 e
orçamentos subsequentes de um valor de
$ 50 milhões ou mais. (¶17 do
MPEF datado de 12 de dezembro de 2014)
End-julho 2015
Conheceu
fortalecimento
investimento público
gestão
O uso de T-bonds como garantia em
operações de mercado monetário será
tornar operacional. (¶41 do
MPEF datado de 12 de dezembro de 2014)
Final de Setembro
2015
Não conheceu. concluído
com atraso em
Novembro 2015.
aprofundamento de capital
mercados
Produzir uma avaliação sobre fiscal
riscos para inclusão no 2016
documentos orçamentais. (¶21 do
MPEF datado de 12 de junho de 2015)
End-out 2015
Não conheceu. concluído
com atraso em
Novembro 2015.
Melhorar a
gerenciamento de
riscos fiscais (PFM)
O projecto de lei sobre a criação
de um registro de garantias móveis vai
ser apresentada ao Conselho de
Ministros. (¶47 do MPEF datado
12 de dezembro de 2014 e ¶44 da
MPEF datado de 12 de junho de 2015)
o final de novembro
2015
Não conheceu. proposto
a ser remarcado para
Março 2016.
aprofundando
mercados financeiros
19
Tabela 2. Moçambique: Indicadores de Referência Estruturais para 2015-16 (conclusão)
Indicadores de Referência estruturais
Data de
Implementação
Comente
macroeconômico
Relevância
avaliações completas obrigatórios
pela Avaliação de Investimento
Comissão (ou qualquer outro
órgão do governo criado para substituir
esta Comissão na nova MEF
estrutura) do investimento público
projetos acima de US $ 50 milhões, que
estão incluídas no orçamento de 2016
e / ou a revista integrada
programa de investimentos (PII). (¶12 do
MPEF datado de 12 de junho de 2015)
Final de Dezembro
2015
Aprovado em 4
º
revisão
fortalecimento
público
investimento
gestão
(PFM)
Apresentar ao Conselho de Ministros
Inclusão Financeiro Nacional
Estratégia do Banco de
Moçambique. (¶44 do MPEF
datado de 12 de junho de 2015)
Final de Dezembro
2015
Aprovado em 4
º
revisão
Aumentar
aceder a
serviços financeiros
Emitir um decreto ou administrativa
Para que faz com que o tempo real
gravação do empenho e
verificação das despesas
obrigatória para todas as unidades operacionais
dentro e-SISTAFE. (¶17 do MPEF
datado de 12 de junho de 2015)
Final de Janeiro
2016
Não se espera que
ser conhecido. proposto
a ser remarcada
de Junho de 2016.
fortalecimento
despesa
cobertura e
rastreamento (PFM)
Cumprir a lei que exige 20
retenção na fonte por cento em interesses
ganho em T-bills, OTs, garantidos e
operações interbancárias sem garantia.
(¶38 do MPEF datado de 12 de junho,
2015)
Final de Janeiro
2016
Conheceu
desenvolver a
interbancário
Mercado monetário
Fontes: os técnicos do FMI e as autoridades de Moçambique.
20
Tabela 3. Moçambique: Medidas de Política corretivas implementadas em novembro e
dezembro 2015
Medidas de Política
Data de aplicação
Aprovação pela Assembleia Nacional de uma revista Budget 2016
coerente com o quadro fiscal acordado no âmbito do 5
º
PSI
avaliação.
13 de dezembro de 2015
requisitos de aumento de reservas em 150 pontos base e do PFC
taxa de referência em 50 pontos base ea taxa da DPF em 75 bases
pontos da reunião de Novembro da política monetária
Comissão.
17 de novembro de 2015
Garantir que as intervenções do banco central ter lugar no
interbancário taxa efectiva de mercado de câmbio.
30 de novembro de 2015
Fontes: os técnicos do FMI e as autoridades moçambicanas.
21
Tabela 4. Moçambique: Proposta de Nova indicadores de referência estruturais para 2015-2016
Indicadores de Referência estruturais
Data de
Implementação
Comente
macroeconômico
Relevância
Criar uma subconta dedicado a
pagar os reembolsos do IVA, para ser regularmente
reabastecido pelos pedidos de reembolso
recebida para evitar a acumulação
de novos pagamentos em atraso. (¶23 deste MPEF)
Final de Dezembro
2015
proposto
fortalecimento
PFM e fiscal
administração
O BM irá aprovar e publicar o
regulamentos sobre a lei em particular
agências de registro de crédito. (¶43 desta
MPEF)
End-março 2016
proposto
Aumentar
acesso ao crédito
O BM irá aprovar um plano de acção
destinado a abordar as questões
observado durante a simulação
exercício sobre o Sector Financeiro
Plano de Contingência em Abril de 2015 e
melhorar a legal e operacional
quadro de gestão de crises.
(¶41 deste MPEF)
End-março 2016
proposto
Melhorar
estabilidade do
sistema financeiro
Adoptar um plano de acção que visa
melhorar a rentabilidade da EMATUM.
(¶32 deste MPEF)
End-abril 2016
proposto
Melhorar a
gerenciamento de
riscos fiscais (PFM)
Fontes: os técnicos do FMI e as autoridades moçambicanas.
22
Anexo II. Memorando Técnico de Entendimento
02 de dezembro de 2015
1.
Este Memorando Técnico de Entendimento (MTE) define o quantitativo
critérios de avaliação, metas indicativas e indicadores de referência estruturais com base na qual o
implementação do programa apoiado pelo Fundo no âmbito da Política de Apoio Instrument (PSI) vai
ser monitorizado. Além disso, o MTE estabelece os termos e prazos para a transmissão do
dados que os técnicos do Fundo para monitorar a implementação do programa.
definições
A. O crédito líquido ao governo central
2.
O crédito líquido ao governo central (CLG) pelo sistema bancário é definida como a
diferença entre o saldo do crédito bancário ao governo central eo
depósitos do governo central com o sistema bancário, excluindo depósitos em contas de projeto
com o sistema bancário, os títulos de recapitalização emitidos ao Banco de Moçambique (BM), e
a comissão de assinatura dos acordos para a exploração de recursos minerais. O crédito abrange os empréstimos bancários,
avanços para o governo central e as detenções de títulos do governo central e
notas promissórias. O CLG será calculado com base em dados dos balanços das políticas monetária
autoridade e bancos comerciais como por a síntese monetária. Os limites para a variação do NCG por
o sistema bancário será cumulativo desde o final de dezembro do ano anterior.
3.
O governo central abrange todas as instituições cujas receitas e despesas são
incluída no orçamento do Estado ( Orçamento do Estado) : ministérios do governo central, agências
sem autonomia financeira, ea administração das 11 províncias. Embora os governos locais
(43 municípios ou autarquias ) não estão incluídos na definição, porque eles são independentes,
parte de sua receita é registada no orçamento do Estado como transferências aos governos locais.
4.
Para fins do programa, os desembolsos líquidos sobre a linha de crédito não concessional Português
são excluídos do critério de avaliação de NCG uma vez que a despesa correspondente não é
abrangidos pela definição de governo central especificada no parágrafo 3.
receitas e financiamento B. Governo
5.
A definição da receita engloba todos os recebimentos da Direcção Geral de Impostos ( Direcção
Geral dos Impostos , DGI), a Direcção-Geral das Alfândegas ( Direcção Geral das Alfândegas,
DGA), e as receitas não tributárias, inclusivamente algumas receitas próprias geradas pelos distritos e alguma linha
ministérios, conforme definido no orçamento. Receita líquida é uma receita bruta de pedidos de reembolso do IVA verificada
Pedidos verificadas de reembolsos solicitados ). As receitas líquidas de privatização recebidos pelo
Direcção Nacional do Património do Estado ( Direcção Nacional do Património do Estado ) e não realizados
lucros transferidos pelo Banco Central para o Tesouro não serão considerados como receita (acima
a linha) e serão contabilizados como outro financiamento interno (abaixo da linha).
23
6.
Para efeitos do acompanhamento do programa, a receita é considerado como coletada no momento
quando é recebido pelas agências de coleta governamentais relevantes, em dinheiro ou cheques, ou através
as transferências para a respectiva conta bancária.
gastos sociais C. Prioridade
7.
gastos sociais prioridade baseia-se nas categorias do PARPA expandidos para
incorporar todas as áreas sob o novo PARP. Assim, ele irá incluir a despesa total no
seguintes setores: (i) educação; (Ii) saúde; (Iii) HIV / AIDS; (Iv) o desenvolvimento de infra-estrutura;
(V) a agricultura; (Vi) o desenvolvimento rural; a (vii) governação e sistema judicial, e (viii) sociais
ação, trabalho e emprego.
dinheiro D. Reserve
8.
Para efeitos de monitorização dinheiro programa de reserva é definido como a soma de
emissão de moeda pelo BM e os haveres dos bancos comerciais no BM. A meta é definida em
termos da média dos stocks diários de fim de dia no mês da data de teste, e seu estrangeira
componente de moeda é avaliada pela taxa de câmbio programa especificado na Tabela 1. A reserva
estoque de dinheiro serão monitorados e relatado pelo BM.
E. As reservas internacionais líquidas
9.
As reservas internacionais líquidas (RIL) do BM são definidas como activos de reserva menos de reserva
passivos. activos de reserva do BM incluem (a) ouro monetário; (B) haveres em DSE; (C) Reserva
posição no FMI; (D) haveres em divisas; e (e) crédito a não residentes, como
depósitos no exterior (excluindo poupança do governo central de contas relativas ao mineral
recursos concessões de extração). Os activos de reserva excluem os activos dados em garantia ou
sobrecarregados (como swaps) e incluem, mas não estão limitados a activos utilizados como garantia ou
garantia de um passivo externo de terceiros (activos não prontamente disponíveis). A reserva do BM
passivos incluem: passivos (a) todas curto prazo cambial a não residentes com originais
prazo até um ano, inclusive; e (b) todas as obrigações com o FMI.
F. Dívida
Definição de dívida
Para os fins do programa, a definição de dívida está estabelecido no parágrafo 8 (a) das orientações para
Público Condicionalidade da dívida em Arranjos Fundo anexa à Decisão Conselho Executivo
No. 15688- (14/107), adotada 05 de dezembro de 2014.
1
(uma)
Para efeitos da presente orientação, o termo "dívida" será entendido como um
atual, ou seja, não contingente, a responsabilidade, criado ao abrigo de um acordo contratual através do
provisão de valor na forma de activos (incluindo moeda) ou serviços, e que exige que o
devedor realize um ou mais pagamentos na forma de activos (incluindo moeda) ou serviços, em
1
24
algum momento futuro (s) no tempo; Tais pagamentos serão de liquidação do capital e / ou juros
incorridos nos termos do contrato. As dívidas podem assumir várias formas, os primários sendo tão
segue:
(Eu)
empréstimos, ou seja, os avanços de dinheiro ao devedor pelo credor feita na
base de uma empresa de que o devedor irá reembolsar os fundos no futuro
(Incluindo depósitos, títulos, obrigações, empréstimos bancários e créditos de compradores)
e troca temporária de activos que são equivalentes totalmente garantido
empréstimos em que o devedor é obrigado a reembolsar os fundos, e, geralmente, pagar
juros, readquirindo a garantia ao comprador no futuro (por exemplo,
acordos de recompra e acordos oficiais de troca);
(Ii)
créditos de fornecedores, ou seja, contratos em que o fornecedor permite ao devedor
adiar os pagamentos até algum tempo após a data em que as mercadorias são entregues
ou serviços são prestados; e
(iii)
arrendamentos, isto é, acordos através dos quais é fornecido o qual o
locatário tem o direito de usar para um ou mais períodos especificados (s) de tempo que são
geralmente mais curto do que o total esperado a vida da propriedade de serviço, enquanto o
locador mantém o título de propriedade. Para o objectivo da orientação, a dívida
é o valor presente (no início do arrendamento) de todos os pagamentos de locação esperados
a ser feita durante o período do contrato excluindo os pagamentos que
cobrir a operação, reparação ou manutenção da propriedade.
(b)
Sob a definição de dívida estabelecido neste parágrafo, mora, penalidades e
concedido judicialmente danos decorrentes do incumprimento do pagamento ao abrigo de um contrato
obrigação que constitua dívida, são dívida. O não pagamento de uma obrigação que não é
dívida segundo a presente definição (por exemplo, pagamento na entrega) não gera uma dívida.
Cobertura da dívida
10.
Para efeitos do presente teto limite da dívida, a dívida do setor público cobre pública e publicamente
dívida garantida contraída ou garantida pelo setor público. Contratação de linhas de crédito com
não predeterminado cronogramas de desembolso ou com múltiplos desembolsos serão também
considerado como contratação de dívida.
11.
O setor público compreende o governo central, o BM, o Fundo de Estradas, a água
autoridades (FIPAG), a empresa de electricidade (EDM), ea empresa de hidrocarbonetos (ENH), ou por
empresas e agências em que as entidades acima deter uma participação maioritária. O teto limite da dívida
também se aplica à dívida contraída por estas quatro empresas estatais de bancos nacionais ou
de outras empresas estatais que está contratualmente inter-relacionados a externa
empréstimos não concessionais.
12.
Para os fins do programa, a garantia de uma dívida surge a partir de qualquer legal explícita ou
obrigação contratual do sector público para atender a uma dívida de um terceiro devedor partido
(Envolvendo pagamentos em dinheiro ou em espécie).
25
concessionalidade
Para os fins do programa, uma dívida é concessional caso inclua um elemento de doação de pelo menos 35 por cento,
calculado da seguinte forma: o elemento de doação de uma dívida é a diferença entre o valor presente
(VA) da dívida e seu valor nominal, expresso como uma percentagem do valor nominal da dívida.
O VA da dívida no momento da sua contratação é calculado descontando o futuro fluxo de
pagamentos do serviço da dívida a vencer em esta dívida.
2
2
Para dívidas com um elemento de subvenção iguais ou abaixo de zero,
o PV será definido igual ao valor nominal da dívida. A taxa de desconto utilizada para este fim
é a taxa de desconto unificado de 5 por cento estabelecido na Decisão Conselho Executivo n.º 15248- (13/97).
13.
Para dívidas carregando uma taxa de juro variável sob a forma de uma taxa de juro de referência, mais uma
spread fixo, o PV da dívida seria calculado usando uma taxa de referência do programa mais o
spread fixo (em pontos base) especificado no contrato da dívida. A taxa de referência para o programa
seis meses USD LIBOR é 3,02 por cento e permanecerá fixa para a duração do programa.
Se a taxa variável é ligado a uma taxa de juro de referência que não seja o de seis meses USD
LIBOR, um spread reflete a diferença entre a taxa de referência e de seis meses USD
LIBOR (arredondado para o mais próximo 50 bps) será adicionado. Especificamente, a propagação de seis meses Euro
LIBOR mais de seis meses USD LIBOR é -250 pontos base. A propagação de seis meses JPY LIBOR mais
seis meses USD LIBOR é -250 pontos base. A propagação de seis meses GBP LIBOR mais de seis meses
USD LIBOR é -100 pontos base. Para as taxas de juros em moedas diferentes do euro, iene e PIB,
o spread sobre a seis meses USD LIBOR é -200 pontos base.
23
critério de avaliação sobre o PV de nova dívida externa
14.
Um critério de avaliação (teto) aplica-se ao PV de nova dívida externa. O conceito de
A dívida externa é definida com base na residência do credor. O teto também se aplica a
dívida contraída ou garantida para os quais o valor ainda não foi recebida, incluindo dívida privada
para os quais as garantias oficiais foram alargados. Esse critério de avaliação será avaliado em um
base contínua. O limite está sujeito a um ajustador definido abaixo.
Estoque da dívida externa de curto prazo contraída ou garantida pelo
governo central
15.
O governo central não contrairá ou garantirá dívida externa com originais
prazo inferior a um ano. O conceito de débito externo é definida com base do
residência do credor. Excluem-se desse critério de avaliação são de curto prazo, importação e afins
créditos comerciais. Esse critério de avaliação será avaliado numa base contínua.
Atrasados ​​de pagamentos externos do governo central
2
2
O cálculo de concessionalidade leva em conta todos os aspectos do acordo da dívida, incluindo a maturidade, a graça
período, a programação de pagamento, comissões iniciais e taxas de administração.
3
3
A taxa de referência do programa e os spreads são baseadas na "taxa projetada média" para o de seis meses USD LIBOR
nos próximos 10 anos a partir do outono de 2015 World Economic Outlook (WEO).
26
16.
O governo se compromete a não incorrer em atrasados ​​de pagamentos sobre a dívida externa contraída ou
garantida pelo governo central, com excepção dos pagamentos externos em atraso decorrentes
da dívida do governo central que está sendo renegociada com os credores. Esse critério de avaliação
serão avaliados em uma base contínua.
G. assistência externa ao programa
17.
assistência externa ao programa é definido como doações e empréstimos recebidos pelo Ministério da
Finanças através das contas do BM, excluindo os relacionados a projectos (Tabela 1).
Pagamentos efectivos do serviço da dívida externa H.
18.
pagamentos do serviço da dívida externa reais são definidos como pagamentos em dinheiro na dívida externa
obrigações de serviço do governo central e do banco central, incluindo as obrigações para Paris
Clube e outros credores bilaterais que foram reescalonadas nas reforçada ponto de conclusão da Iniciativa HIPC
termos, credores multilaterais e credores privados, mas excluindo as obrigações com o FMI (Tabela 1).
ajustadores
I. As reservas internacionais líquidas
19.
As metas quantitativas (pisos) das reservas internacionais líquidas (RIL) serão ajustadas:
para baixo pela queda na ajuda externa ao programa os pagamentos do serviço da dívida menos (até
US $ 200 milhões), em comparação com a linha de base do programa (Tabela 1);
para cima por quaisquer receitas fiscais ganho de capital inesperados em excesso de US recolhidos $ 30 milhões durante
o período do programa;
baixo / para cima para acompanhar quaisquer ajustamentos nos números do fim do ano fiscal correspondente ao
ano anterior; e
para baixo para acomodar elevar os gastos externos por causa de desastres naturais, até
US $ 20 milhões.
Ascendente para qualquer reembolso implícita ou explícita da dívida pública ou com garantia pública passado
serviço como resultado de refinanciamento de obrigações. Isto aplica-se em particular a um potencial
refinanciamento da ligação internacional emitida originalmente por EMATUM.
J. O crédito líquido ao governo central
20.
As metas quantitativas (valores máximos) para o crédito líquido ao governo central (CLG) serão
ajustado:
para cima pela carência no valor de MT de recibos de ajuda externa ao programa menos do serviço da dívida
pagamentos (até o equivalente MT de US $ 200 milhões em taxas de câmbio da
respectivas datas de teste), em comparação com a linha de base do programa (Tabela 1);
descendente por quaisquer receitas fiscais ganho de capital inesperados em excesso de US recolhidos $ 30000000
durante o período do programa;
27
baixo por receitas de privatizações que excedam os previstos no programa, salvo
se este for depositado na conta de poupança do governo no exterior;
para baixo (para cima) para qualquer aumento (redução) na quantia descontada do
títulos públicos emitidos por atrasos no reembolso do IVA em comparação com a linha de base do programa
(MT 8.200 milhões) para dezembro de 2015;
para baixo (para cima) para qualquer aumento (diminuição) no financiamento interno proveniente do não financeiro
setor privado; e
para cima, para acomodar os gastos mais elevados localmente financiados por causa de desastres naturais, até
para o equivalente MT de US $ 20 milhões a taxas de câmbio vigentes nas respectivas teste
Encontros.
K.
reserva
dinheiro
21.
O teto base monetária a cada data de teste será ajustado para baixo / para cima para
refletir diminui / aumenta na exigência de reserva legal sobre os passivos em bancos comerciais.
O regulador será calculada como a mudança no coeficiente de reservas obrigatórias multiplicado por
a quantidade de passivos dos bancos comerciais sujeitos a exigência de reserva, considerada no final
do período de constituição das reservas obrigatórias antes da mudança na regulamentação.
EU.
Governo
receita
22.
As metas quantitativas (andares) para as receitas do governo serão ajustados para cima por qualquer
inesperados receitas fiscais ganho de capital em excesso de US $ 30 milhões arrecadados durante o período do programa.
M.
Dívida
23.
Um ajustador de até 5 por cento do limite máximo da dívida externa definida em termos de VA se aplica a este
teto, em desvios de caso do critério de desempenho no PV de nova dívida externa são
motivada por uma mudança nas condições de financiamento (juros, maturidade, período de carência, cronograma de pagamento,
comissões iniciais, taxas de administração) de uma dívida ou dívidas. O ajustador não pode ser aplicado
quando os desvios for solicitado por um aumento no valor nominal da dívida total contratado ou
garantido.
Dados e outros relatórios
24.
O Governo irá fornecer aos técnicos do Fundo:
dados mensais e trimestrais necessários para monitorizar a implementação do programa em relação ao
metas quantitativas e evolução económica mais ampla do programa;
actualização semanal dos dados diários descritos na Tabela 1;
dados semanais estabelecidos no quadro 4 do MTE datado de 26 de maio de 2005;
actualizações mensais do fluxo de caixa de câmbio da BM;
dados mensais sobre as receitas do governo (em detalhe de acordo com o quadro fiscal) com um desfasamento não
superior a um mês;
28
dados mensais sobre os pedidos de reembolso do IVA verificada;
informação mensal sobre o saldo de poupança do governo no exterior;
dados mensais sobre os atrasados ​​internos;
dados mensais sobre atrasados ​​externos;
relatórios mensais de execução orçamental (que também será publicado) com um desfasamento não superior a
45 dias;
o "mapa fiscal" com um intervalo de tempo não superior a 60 dias;
dados da pesquisa monetária mensais com um intervalo de tempo não superior a 30 dias;
dados mensais sobre as reservas internacionais brutas, com a composição por moeda original,
convertida para dólares americanos pela taxa de câmbio real; e
trimestrais da balança de pagamentos dados com um intervalo de tempo não superior a 65 dias;
desembolsos mensais sobre a linha de crédito não concessional Português com um desfasamento não
superior a 30 dias.
25.
A síntese monetária disponibilizada pelo BM identificará claramente financiado por doadores
depósitos de projeto (com uma repartição entre moeda estrangeira e nacional) incluída na net
crédito para o governo nos balanços dos bancos, tanto do banco central e comercial ».
26.
O Governo fornecerá ao Fundo a documentação relativa a empréstimo externo
acordos uma vez que estes foram assinados e se tornar eficaz.
27.
O Governo submeterá ao Fundo com um Plano Anual de Financiamento para a dívida externa
contração para o próximo ano, bem como quaisquer atualizações para o plano de financiamento para o curso
ano. O Plano Anual de Financiamento deve listar individualmente todos os novos empréstimos que são planejadas para ser
contratado com suas condições de financiamento potenciais (valor nominal, juros, a maturidade, a graça
período, a programação de pagamento, comissões iniciais, taxas de administração, os subsídios incluídos).
29
Tabela TMU 1. Moçambique: Assistência Externa Líquida, 2015Q1-2016Q4
Q1
Q2
Q3
Q4
Q1
Q2
Q3
Q4
Proj.
projeções
assistência líquida externa ao programa (US $ milhões)
47
-36
-2
105
-62
27
-72
59
assistência externa ao programa Gross
91
5
110
140
54
66
43
98
programa de subsídios
67
5
63
66
43
66
43
48
empréstimos dos programas
24
0
48
74
12
0
0
50
serviço da dívida externa
44
41
112
34
116
39
115
38
assistência externa ao programa líquido acumulado em dólares dos EUA
47
11
9
114
-62
-35
-107
-48
assistência externa ao programa Gross
91
96
206
346
54
120
163
260
serviço da dívida externa
44
85
197
232
116
155
270
308
assistência líquida externa ao programa (mn MT)
1654
-1348
-78
4690
-2802
1224
-3275
2721
assistência externa ao programa Gross
3182
181
4507
6218
2442
2.972
1968
4469
programa de subsídios
2343
181
2555
2948
1918
2.972
1968
2.179
empréstimos dos programas
840
0
1951
3271
523
0
0
2289
serviço da dívida externa
1528
1528
4.585
1528
5244
1748
5244
1748
assistência externa ao programa líquido acumulado em milhões MTN
1654
307
229
4919
-2802
-1578
-4853
-2132
assistência externa ao programa Gross
3182
3363
7870
14088
2442
5414
7.382
11.851
serviço da dívida externa
1528
3056
7641
9169
5244
6991
12235
13.983
taxa de câmbio programa para o cálculo monetária
...
...
...
45,0
45,9
45,9
45,9
45,9
Fonte: Autoridades moçambicanas e estimativas dos técnicos do FMI

1 comentário:

Terra Queimada disse...

O DOCUMENTO É LONGO (32 PÁGINA) E NÃO ME FOI POSSÍVEL VISUALIZÁ-LO. SÓ QUE TEM USANDO SISTEMA DE ESCUTA DA VOZ PODERÁ ACOMPANHAR NA SUA ÍNTEGRA (OBRIGADO)MTQ

Windows Live Messenger + Facebook