quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

UP “cresceu muito” e agora será dividida em quatro universidades


O Conselho de Ministros aprovou, no ano passado, a restruturação desta instituição

É uma questão de tempo. A Universidade Pedagógica - que já foi instituto superior - deixará de ser uma universidade com delegações em todas as províncias. O Conselho de Ministros aprovou, no ano passado, a restruturação desta instituição, que implicará a sua divisão em quatro universidades: uma no norte, uma no centro, uma no sul e a quarta na cidade de Maputo.
As comissões criadas pelo governo para trabalhar na restruturação da UP já estão no terreno e até Março deverão apresentar uma proposta concreta de divisão da universidade. “As comissões já se apresentaram na UP e tivemos várias reuniões de coordenação”, disse José Castiano, assessor da reitoria para pós-graduação, pesquisa e expansão. Falando em conferência de imprensa, na manhã de ontem, José Castiano fez notar que o debate sobre a descentralização/restruturação da UP começou há um ano em várias unidades orgânicas da instituição, nomeadamente delegações e faculdades.
Durante as discussões, foram traçados vários cenários de restruturação e enviados para o Ministério do Ensino Superior, representante do governo no processo. Apesar de reclamar que o debate iniciou internamente, o facto é que a universidade não tem nenhum estudo que indica para a restruturação como caminho a seguir, muito menos os problemas que serão resolvidos com a medida. A falta de estudo deixa transparecer a ideia de que a restruturação é mais uma decisão política sem fundamento académico. Aliás, em resposta a uma pergunta do jornal, José Castiano afirmou que a restruturação resultou do “espírito geral da descentralização em Moçambique”. “O governo manifestou o interesse de que a UP reflectisse sobre a melhor forma de se restruturar no contexto da descentralização em Moçambique. Essa manifestação foi feita em reuniões directas entre o governo, Presidente da República e os directores da UP”, acrescentou.
Entretanto, o assessor da reitoria fez notar que a universidade já descentralizou algumas competências para as delegações e com abertura de tribunais administrativos nas províncias, muitos processos burocráticos passaram a ser decididos a nível local. Ainda no contexto da descentralização, o orçamento de cada delegação da UP passou a ser integrado no orçamento da respectiva província e a contratação de professores para os cursos pós-laborais é feita localmente.
UP veda novos ingressos à Faculdade de Ciências de Saúde em Inhambane
PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail

Destaques - Nacional
Escrito por Emildo Sambo  em 12 Janeiro 2017
Share/Save/Bookmark
A partir deste ano, a Universidade Pedagógica (UP) não admite novos ingressos ao curso de Ciências Médicas, actualmente frequentado por 96 estudantes, na Faculdade de Ciências de Saúde, na cidade da Maxixe, província de Inhambane, por alegada questões de restruturação institucional.
A UP irá iniciar o ano lectivo 2017 a 13 de Fevereiro próximo. Os sues gestores não aprofundam as razões que levaram à referida reorganização.
José Castiano, assessor de Reitoria para área de Pós-graduação, Pesquisa e Extensão, limitou-se a afirmar que “decidimos não admitir novos ingressos porque estamos a restruturar este curso. A formação médica é muito diligente e sensível (...)”. Para o efeito, está-se a trabalhar com os ministérios da Saúde (MISAU), Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional (MCTESTP) e a Ordem dos Médico de Moçambique (OrMM).
“Estamos a continuar um investimento de recursos humanos para garantir uma boa formação médica”, disse José Castiano, em conferência de imprensa, esta quarta-feira (11), em Maputo.
No evento, a UP tornou público que ainda a partir do presente ano, todos os cidadãos que eram orientados àquele estabelecimento de ensino superior no âmbito de parcerias criadas com diferentes instituições, passam a ser submetidos aos exames de admissão. Neste momento foram inscritos 521 candidatos.
Uma outra novidade diz respeito à capacitação a que serão submetidos os professores que leccionam sem formação pedagógica ou psico-pedagógica. Segundo José Castiano, a medida visa munir os visados de ferramentas que lhes permitam transmitir conhecimentos de acordo com os preceitos exigidos.
A UP, que lecciona 39 cursos, será restruturada para dar lugar a quatro novas universidades, nomeadamente “UP Sede, UP Zona Sul, UP Zona Centro e UP Zona Norte”.
As equipas da Comissão Instaladora para a materialização do plano já colocaram mãos à obra e o processo é encabeçado pelo MCTESTP, disse Castiano.
Em 2015, a UP tinha 52.801 estudantes (45% do sexo feminino), dos quais 7.120 foram graduados. O número cresceu para 7.631 alunos que concluíram os seus cursos, em 2016. Desses, 204 são mestres e o remanescente licenciados.
A instituição conta com cerca 2.300 docentes, 189 dos quais com o grau académico de doutorados (8%), 797 mestres (35%) e os restantes com licenciatura, disse Castiano.
O rácio estudante-professor é de 23.1, ou seja, um docente dá aulas a 23.1 alunos por turma.

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.