terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Mercados moçambicanos ainda sem farinha de milho e açúcar fortificados mas já se pode consumir óleo e trigo


PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail
Destaques - Nacional
Escrito por Emildo Sambo  em 13 Dezembro 2016
Share/Save/Bookmark
Dos cinco alimentos abrangidos pelo Programa Nacional de Fortificação de Alimentos, iniciado em 2011, para o combate à desnutrição crónica em Moçambique, três estão já vitaminados e disponíveis nos mercados, nomeadamente o óleo alimentar, a farinha de trigo e o sal. Na farinha de milho e no açúcar, a adição de vitaminas e minerais prevê-se que comece em meados de 2017.
A desnutrição crónica permanece um problema de saúde pública no país e afecta 43 porcento da população, incluindo milhares de crianças com menos de cincos de idade.
Aliás, de 2008 a 2015, a desnutrição crónica no país só reduziu 1%, segundo dados do Governo, que aponta a falta de vitaminas A e B12, ferro, iodo, zinco e ácido fólico, como a causa da desnutrição em mulheres grávidas e lactantes, crianças e idosos.
As autoridades governamentais indicam que a importação de equipamentos para o início da fortificação da farinha de milho e do açúcar já está em curso, de modo que o processo comece em meados de 2017.
Trinta e nove indústrias foram seleccionadas e algumas delas já tinham máquinas própria para o efeito, tendo sido testadas antes de incorporarem micronutrientes no óleo alimentar, trigo e sal.
Segundo Eduarda Mungoi, coordenadora do Comité Nacional de Fortificação de Alimentos (CONFAM), a adição de vitaminas e minerais não altera o sabor nem a cor dos alimentos abrangidos.
A campanha de consumo massivo dos cinco produtos em questão é liderada pelos ministérios da Saúde (MISAU) e da Indústria e Comércio (MIC). A informação foi avançada na semana finda, em Maputo, num seminário destinado a jornalistas.

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.