sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Temos de continuar a dar o benefício da dúvida ao Presidente Filipe Nyusi, professor Luís de Brito

Temos de continuar a dar o benefício da dúvida ao Presidente Filipe Nyusi, professor Luís de Brito
PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail
Tema de Fundo - Tema de Fundo
Escrito por Adérito Caldeira  em 27 Janeiro 2017
Share/Save/Bookmark
Foto cedida pelo Instituto de Estudos Sociais e EconómicosApós dois anos de Presidência de Filipe Jacinto Nyusi, temos de continuar a dar-lhe “o benefício da dúvida (…) acho que podemos dar o benefício da dúvida aos que são mais jovens, os que não venderam o país, mas que têm agora a difícil tarefa de resgatar o País e a sua dignidade”, afirma Luís de Brito, professor de Antropologia e Sociologia da Política, em entrevista ao @Verdade onde ainda chama a atenção para o facto de embora a história mostrar-nos que é impossível prever futuro, "também mostra que lá onde a insatisfação popular é muito grande há mais probabilidades de explosões de violência. E nós sabemos que a insatisfação popular em Moçambique é grande e tem estado a crescer”.
“Em 2015, o Presidente Nyusi disse que não estava satisfeito com o estado da nação e esse discurso foi bem acolhido na altura porque dava a entender que tínhamos virado a página do triunfalismo sem base que se vinha manifestando nos anos anteriores, quando se sabia bem que o crescimento económico não se estava a reflectir na melhoria das condições de vida da maioria dos Moçambicanos. Curiosamente, agora, em 2016, o Presidente usou a imagem de que o país estava firme para enfrentar os desafios. Não disse que o estado da nação estava bom, nem sequer razoável, mas evitou, com essa fórmula, ter que dizer claramente que a situação do País está péssima e que os próximos tempos serão difíceis, sobretudo para a maioria pobre da população, mas também para as camadas médias”, começa por declarar o professor universitário quando instado pelo @Verdade a comentar o segundo discurso sobre Estado da Nação que Filipe Nyusi proferiu em Dezembro na Assembleia da República.
Na óptica de Luís de Brito, “Embora não se possa dizer que voltou o discurso triunfalista, nota-se que há uma grande dificuldade em chamar as coisas pelos seus nomes, e que reconhecer abertamente as dificuldades é qualquer coisa que não está no ADN da Frelimo. Ora, numa sociedade em que a informação circula muito mais do que há alguns anos e em que o nível geral de educação está a subir, essa atitude é contraproducente e provoca uma maior rejeição do poder por parte dos cidadãos porque eles sabem que a sua vida não está nada firme, pelo contrário. Então, o que é que significa dizer que o país está firme?”.
Acho que podemos dar o benefício da dúvida aos que não venderam o País
O @Verdade perguntou ao professor da Faculdade de Letras e Ciências Sociais da Universidade Eduardo Mondlane(UEM) se, tal como em 2015, continuava a dar o benefício da dúvida ao quarto Presidente de Moçambique. “Temos que dar o benefício da dúvida, mesmo se estamos intimamente convencidos que, até agora, os caminhos escolhidos para a governação do país nos levam para cada vez mais longe do ideal da luta pela independência”.
“Temos que dar o benefício da dúvida também porque não foi o Presidente Nyusi quem criou esta crise enorme. Ele herdou os problemas criados pelos outros. E isso me faz recordar que quando a Frelimo discutia quem deveria ser o seu candidato presidencial para 2004 e apareceram uma série de "jovens" candidatos, como Hélder Muteia, Eduardo Mulembwe, etc, esses não tiveram nenhuma chance, porque apareceram algumas figuras a dizer que os jovens iriam vender o País... Afinal quem vendeu o País? Portanto, acho que podemos dar o benefício da dúvida aos que são mais jovens, os que não venderam o país, mas que têm agora a difícil tarefa de resgatar país e a sua dignidade. Não vai ser fácil”, aclarou Luís de Brito neste entrevista feita por correio electrónico.
Relativamente ao poder que Filipe Nyusi não tinha dentro do partido Frelimo, quando assumiu a chefia do Estado moçambicano, o professor continua a pensar que continua sem tê-lo. “Claro que, do ponto de vista formal, Nyusi tem todos os poderes. Na realidade, isso não é bem assim”.
“Ele tem ainda que desenvolver a sua base de apoio, tem que vencer muitas resistências e interesses instalados no seio do seu partido e do Estado. É por isso que não sabemos ainda o que se vai passar com o processo das dívidas ocultas, como e quando é que o país vai voltar a poder contar com o apoio do FMI e dos doadores. Todas essas indefinições, na minha opinião, mostram que o Presidente ainda não tem o espaço suficiente para implementar a sua política. Nem em relação à crise da dívida, nem em relação à guerra interna. Vamos ver o que se passa no próximo congresso da Frelimo, mesmo se sabemos que muita coisa se joga fora desse órgão”, disse Luís de Brito, que é também director de investigação e coordenador do Grupo de Investigação sobre Cidadania e Governação no Instituto de Estudos Sociais e Económicos(IESE).
“A miséria vai aumentando, o povo vai apertando o cinto, mas a revolta está lá”
Foto cedida pelo Instituto de Estudos Sociais e EconómicosSobre a guerra, que desde final de Dezembro entrou em tréguas, o nosso entrevistado afirma que “Não conheço nenhuma guerra que tenha sido resolvida com um telefonema e não me parece que isso seja possível. Temos uma trégua, o que é muito melhor do que estarmos no conflito armado, mas ainda não há nenhuma garantia que as negociações resultem numa paz acordada entre as partes e definitiva”.
Segundo o professor Luís de Brito, “Já vimos pela experiência que a paz de Roma, de 1992, afinal não era mais do que um adiamento da guerra, embora tivesse podido ser uma paz definitiva se tivesse havido a vontade e o interesse de todos nisso. Não sei se em Março vamos voltar a ouvir o canto das armas, espero que não, mas sei que restabelecer as condições de convivência democrática entre todos os Moçambicanos é um grande desafio. E em grande parte o problema é: como se pode fazer a democracia sem democratas e como se pode edificar um Estado democrático sem cidadãos? É quase como querer fazer a omelete sem ovos. Vamos então esperar que a galinha ponha os ovos rapidamente”.
No que a crise económica diz respeito, particularmente sobre o custo de vida que já estava insustentável quando Nyusi assumiu o cargo, e tornou-se muito pior desde então, o professor da Faculdade de Letras e Ciências Sociais da UEM declara que “a situação continua explosiva”.
“O facto de as pessoas irem sobrevivendo e enfrentando todas as dificuldades e aumentos do custo de vida não significa que o problema esteja resolvido. O problema continua e até se vai agravando. Por isso em qualquer momento pode acontecer a explosão. Isso não quer dizer que seja inevitável. Quer dizer apenas que as condições para isso acontecer estão todas reunidas”, explicou.
Além disso, “A miséria vai aumentando, o povo vai apertando o cinto, mas a revolta está lá. Se a ocasião se proporcionar essa revolta vai-se exprimir. Pode ser uma expressão violenta, como já vimos no passado, mas também pode ser uma expressão de uma forma cívica e pacífica nas eleições, o que seria o cenário ideal”.
“Também podemos ter violência pós-eleitoral de novo, se as eleições não decorrerem de forma satisfatória. A história mostra-nos que é impossível prever futuro, mas também mostra que lá onde a insatisfação popular é muito grande há mais probabilidades de explosões de violência. E nós sabemos que a insatisfação popular em Moçambique é grande e tem estado a crescer”, prognosticou o professor Luís de Brito.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook