segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Exuberante: Ana Paula dos Santos


NOTÍCIAS

Balanço controverso: Dlamini-Zuma na União Africana

Depois de quatro anos de mandato, a sul-africana Nkosazana Dlamini-Zuma deixou a presidência da Comissão da União Africana (UA). Mas poucos lamentam a sua saída. A organização nunca esteve tão dividida como agora.
Os ingredientes para uma história de sucesso estavam todos lá: a primeira mulher a chefiar a Comissão da UA vinha do sul de África e tinha combatido pela liberdade do seu país. Não havia, por isso, qualquer presságio negativo.
No entanto, quatro anos depois do seu mandato à frente da Comissão da UA, é difícil ouvir opiniões positivas sobre Nkosazana Dlamini-Zuma, tanto na sede da organização em Addis Abeba, a capital da Etiópia, como noutros locais no continente.
default Dlamini-Zuma já foi casada com Jacob Zuma
Dlamini-Zuma foi eleita em 2012, à terceira tentativa, depois de uma agressiva campanha de lobby levada a cabo pelo Governo sul-africano. Nessa altura, perde simpatias, especialmente dos países francófonos.
"Dlamini-Zuma precisou de muito tempo para fazer esquecer o legado e as reservas originadas pela sua eleição. Quando assumiu funções, já vinha em desvantagem e tinha os países francófonos contra ela", explica em entrevista à DW a especialista Liesl Louw-Vaudran. Mas até hoje, sublinha, "Dlamini-Zuma não se esforçou muito para superar essas diferenças."
"Não era o que pensávamos"
Médica de formação e antiga ministra do Interior, Nkosazana Dlamini-Zuma tinha boa reputação local. E muitos esperavam que a ex-mulher do atual Presidente sul-africano, Jacob Zuma, trouxesse "mais eficiência e produtividade" para a União Africana. lembra Liesl Louw-Vaudran.
Também o politólogo camaronês Alphonse Zozime Tamekamta tinha grandes expectativas em relação à sul-africana, "uma mulher forte, que vem de um grande país africano, a África do Sul, que durante muito tempo foi considerado um país forte em temos políticos e económicos".


Ouvir o áudio 03:28

Balanço controverso: Dlamini-Zuma na União Africana

Segundo o especialista, "o povo esperava mais dela: mais visão, mais competências de gestão, maior liberdade de expressão e uma grande capacidade de influência em decisões importantes que afetam diferentes partes do continente africano". Por isso, conclui, "deixa um balanço incompleto."
Muitos pensavam que Dlamini-Zuma era "a mulher certa no lugar certo." Mas, no final do seu mandato, "fica a impressão de que não era o que pensávamos", sublinha Alphonse Zozime Tamekamta.
Além disso, sublinha também Liesl Louw-Vaudran, os poderes da presidente da Comissão foram muitos limitados. "No final, as decisões da União Africana acabaram por ser tomadas pelos chefes de Estado e de Governo africanos.", lembra a especialista.
Ambições políticas
Para trás, Dlamini-Zuma deixa também uma longa lista de crises negligenciadas: desde guerras civis no continente à epidemia de ébola, passando pelas mortes em massa de imigrantes africanos no Mediterrâneo ou o El Niño e a fome em África.
A ex-ministra preferia ou ficar em Addis Abeba ou ir até à África do Sul promover a sua candidatura à sucessão do ex-marido, Jacob Zuma, na presidência do país.
O politólogo Siaka Coulibaly, do Burkina Faso, não tem dúvidas sobre as suas ambições políticas. "A senhora Zuma quer ter um papel político no seu próprio país no futuro. Por isso, teve de se manter em silêncio sobre muitas questões importantes - e a culpa foi completamente sua", diz.
Também na luta contra o grupo radical Boko Haram não houve grandes esforços de negociação ou de financiamento por parte da UA, diz o especialista camaronês Alphonse Zozime Tamekamta. Pelo contrário, têm sido organizações regionais a entrar em cena na luta contra o terrorismo, sublinha.
O sucessor de Nkosazana Dlamini-Zuma na presidência da Comissão da UA deverá ser nomeado na cimeira anual da organização, em Addis Abeba, prevista para 30 e 31 de janeiro. A reintegração de Marrocos é outro dos temas em cima da mesa.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados

Balanço controverso: Dlamini-Zuma na União Africana

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook