sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Rússia quer expulsar 35 diplomatas americanos em resposta aos EUA

RÚSSIA


EM ATUALIZAÇÃO
5
O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Sergei Lavrov, diz que já fez uma proposta formal ao presidente Vladimir Putin para que sejam expulsos 35 diplomatas norte-americanos.
O ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, já fez a proposta ao presidente Vladimir Putin
CHRISTIAN CHARISIUS/EPA
O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Sergei Lavrov, apresentou uma proposta formal ao presidente Vladimir Putin para que sejam expulsos 35 diplomatas norte-americanos, em resposta às sanções anunciadas pelos EUA esta quinta-feira. A informação está a ser avançada pela imprensa internacional. A medida surge na sequência da expulsão de 35 diplomatas da embaixada da Rússia em Washington.
Esta quinta-feira, Barack Obama anunciou um conjunto de sanções à Rússia devido à alegada interferência no resultado eleitoral de novembro: 35 diplomatas declarados personae non gratae, a quem foram dadas 72 horas para abandonar o país; dois edifícios utilizados pelos serviços secretos russos encerrados; e ainda sanções individuais contra entidades russas, incluindo duas agências de inteligência — GRU e FSB.
Não podemos, obviamente, deixar estas sanções sem resposta. A reciprocidade é a lei da diplomacia e das relações entre países”, destacou Sergei Lavrov, citado pela imprensa internacional.
Obama sublinhou, na quinta-feira, que os norte-americanos “devem ficar alarmados com as ações da Rússia”, e garantiu: “Emiti uma ordem executiva que dá autoridade adicional para responder a determinado tipo de atividades cibernéticas que procurem interferir ou minar os nossos processos e instituições eleitorais”.
Os serviços secretos norte-americanos acreditam que a Rússia possa estar por trás dos ataques cibernéticos ao Comité Nacional Democrático, à campanha presidencial de Hillary Clinton e a outras organizações políticas, pelo que Obama salientou que estas ações não compreendem a resposta total dos EUA face à intervenção “agressiva” da Rússia.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook