sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Airbags da Takata. Há 42 milhões de carros “bomba”

SEGURANÇA


Airbags capazes de matar como uma granada convertem a Takata na maior vergonha da indústria automóvel em 2016. Há por aí 42 milhões de potenciais carros “bomba”. Saiba quais as marcas mais atingidas.
Autor
  • Alfredo Lavrador
Mais sobre
A Takata Corporation deverá assinar um acordo com o Departamento de Justiça Norte Americano, já em Janeiro, para ultrapassar as acusações criminais associadas ao fornecimento de 64 milhões de airbagsdefeituosos, que equipam 42 milhões de veículos. O crime, de que a empresa já se deu como culpada, provém do facto de os japoneses saberem desde 2004 que vários problemas (como a ferrugem, por exemplo) podiam transformar as almofadas que deveriam salvar vidas em verdadeiros projécteis assassinos e, apesar disso, terem escondido esta informação dos seus clientes, continuando a fornecer os equipamentos problemáticos até muito recentemente. Curiosamente, a assinatura da companhia é “Safety First” (a segurança primeiro).
Este acordo inicial deverá custar à Takata cerca de 1.000 milhões de dólares, mas a este montante astronómico irão seguir-se outros, a começar pela compensação aos consumidores dos EUA pelas mortes, ferimentos e danos materiais causados pelos seus produtos defeituosos, cujo valor não deverá andar longe das muitas centenas de milhões de dólares, num país onde 11 condutores pereceram e 184 ficaram feridos, muitos com gravidade.

As marcas mais afectadas nos EUA

Entre os fabricantes, destacamos os construtores que, só nos EUA, têm mais de 1 milhão de veículos equipados com airbags que podem colocar em causa a vida dos ocupantes:
Honda – 10,7 milhões de veículos
Dodge/Chrysler – 5,64 milhões de veículos
Toyota – 4,7 milhões de veículos
Ford – 2,8 milhões de veículos
BMW – 1,97 milhões de veículos
Nissan – 1,09 milhões de veículos
Mercedes – 1,04 milhões de veículos
E ainda…
Ferrari, nos modelos California, California T, 458 Italia, FF, F12 berlinetta, 458 Speciale, F12 tdf, 488 GTB, 488 Spider, F60, GTC4 Lusso
McLaren, nos modelos P1, MP4 12C, 650 S, 570, 675 LT
Tesla, no Model S
Depois de ter sido apanhada neste que passa a ser o maior recall da história da indústria automóvel, a Takata não tem hipótese de sobreviver nas mãos dos actuais accionistas, com a família do fundador da empresa em 1933, Takezo Takata, a deter mais de 55% das acções, directa e indirectamente, estando cerca de 38% disperso em bolsa. Os japoneses, especialistas em cintos de segurança, airbags, cadeiras de crianças, volantes, electrónica e revestimento interior para automóveis, com 54 fábricas e mais de 50 mil empregados divididos por 21 países e quatro continentes, já estão à procura de um comprador, o que não vai ser tarefa fácil de encontrar, pois a sua reputação junto das autoridades e dos construtores potenciais clientes já conheceu melhores dias.
E se este cenário é já por si assustador, uma fonte interna da Takata confidenciou à Bloombergque os airbags defeituosos poderão ascender a 287,5 milhões, o que levou a empresa a antecipar um valor total de 2,7 biliões de ienes (24.000 milhões de dólares) para lidar com todos os processos de que irá certamente ser alvo. Para ter uma ideia mais concreta do volume de veículos envolvidos, aqui encontra a listagem dos fabricantes, bem como da quantidade de modelos com airbags defeituosos comercializados no mercado americano.

E na Europa?

Como é habitual, a máquina judicial americana tratou rapidamente do problema provocado pelos airbags japoneses, que em vez de encherem rapidamente, como era pressuposto, explodiam, atirando pedaços de metal em todas as direcções. A Takata já aceitou o acordo, que deverá ser assinado em Janeiro, a que se seguirão os múltiplos processos de indemnização por danos.
Mas, na Europa, o tema continua a não ser uma prioridade, mesmo sabendo-se que a esmagadora maioria dos fabricantes que montaram nos seus veículos equipamento defeituoso nos EUA, fabricam e comercializam veículos similares na Europa, com airbags oriundos do mesmo fornecedor, potencialmente com defeito. Mais grave do que isto, sabe-se também que, ainda em Junho de 2016, a Takata fornecia airbagscom defeito pelo menos a quatro construtores de automóveis – obviamente sem conhecimento destes –, o que diz tudo em relação à postura responsável deste fabricante de sistemas de segurança.
A Toyota foi a primeira – e única – a anunciar publicamente que iria recolher 1,5 milhões de veículos no Velho Continente e substituir o material com defeito, sendo que 31.383 desses modelos foram vendidos em Portugal. Responsáveis da Honda, no Reino Unido, admitiram à imprensa local que há 1,2 milhões de veículos a circular na Europa com airbags problemáticos da Takata. No nosso país, esta marca nipónica iniciou há já algum tempo a chamada às concessões dos clientes com modelos afectados. Possivelmente, as restantes marcas envolvidas procederão da mesma forma. Ou talvez não. Certo é que, até agora, não houve por parte das instituições europeias a mesma transparência e rapidez a lidar com este assunto como o processo que foi desencadeado no mercado americano.
Se possui um veículo similar aos que constam da listagem de modelos equipados com airbags com defeito da Takata nos EUA, e se ainda não foi contactado para realizar a substituição, o melhor mesmo é contactar o fabricante para saber se, no centro do seu volante, está uma almofada que um dia lhe pode salvar a vida, ou uma “granada” que pode acabar com ela. Se por acaso adquiriu um automóvel usado de uma destas marcas, decididamente é preferível realizar a visita a um concessionário quanto antes, pois a probabilidade de o fabricante o encontrar, para o informar do recall, é mínima, para não dizer nula.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook