quarta-feira, 16 de novembro de 2016

UBA, o próximo a cair? Economia aos trapos e crise na banca nacional

O Moza foi intervencio­nado. O “Nosso Banco” foi extinguido e o processo liquidatário está a correr. Publi­camente, se sabe que a situação de muitos outros bancos a operar no país, também não é boa. Muitas andam com uma situação prudencial no vermelho e a vassourada do Banco de Moçambique contra instituições financeiras “tóxicas” continua em curso. Nisso, a pergunta é: quem será o próximo?

O sector empresarial moçambicano também não tem dúvidas de que a mão dura e necessária de Rogério Zandamela, governador do Banco de Moçambique, vai, nos próximos dias, atingir outros bancos.
Nisto, falando a jornalistas, esta terça-feira em Maputo, após um encontro com uma delegação do Fundo Monetário Internacional (FMI), chefiada pelo director adjunto do departamento africano do FMI, David Owen, o presidente da Confederação das Associações Económicas de Moçambi­que (CTA), o empresário Rogério Manuel, anunciou que o banco de origem nigeriana, United Bank for Africa em Moçambique (UBA), poderá ser o próximo a falir, ou a ser anunciado oficialmente como falido.
“Se formos a olhar para aquilo que é o índice que fez com que o Nosso Banco fosse à falência, tem um neste momento, que é o UBA, que está a mais ou menos ao nível. Digamos com uma diferença de 1% ou 2% do Nosso Banco. Este pode ser o próximo, como outros também que estão na praça, podem ser os próximos”, anotou presidente da CTA, sublinhando que muitas empresas estão seriamente prejudicadas por esta situação. Segundo Rogério Manuel, a situação está a criar insegurança e instabilidade total para o sector empresarial.

Segundo a fonte, diariamente empresas  estratégicas estão a encerrar no país. Deste modo, disse o presidente da CTA, dentro de algumas semanas, a CTA irá manter um encontro com o Primeiro-ministro, para analisar o que está a ser feito e o que pode ser feito para dar um rumo diferente à economia nacional. Rogério Manuel não poupou críticas ao regulador do sistema bancário nacional, neste caso, o Banco de Moçambique.
“O que podemos dizer é que as empresas estão sendo prejudicadas. Prejudicadas porque temos um fiscalizador, ou regulador chamado Banco de Moçambique, mas ao longo dos últimos dez (10) anos, os bancos projectaram lucros que de uma forma incentivaram as empresas a fazerem depósitos nesses bancos comerciais e em um (01) ano esses bancos foram à falência”, lamentou Rogério Manuel. Em resultado desta situação, o responsável da CTA considera que todas as empresas estão prejudicadas, tendo em conta que nem um Metical de tantos milhões que depositaram naquele banco, terão.
Segundo se sabe, os depositantes individuais terão somente um reembolso máximo de 20 mil Meticais, que significa que quem tinha um depósito acima, vê também o seu dinheiro perdido.Nisto, o presidente da CTA revelou que a organização que dirige já tem agendado e já confirmado um encontro, na próxima semana, com o governador do Banco de Moçambique, Rogério Zandamela, para clarificar estas questões e reclamar em relação a estas questões.
“Queremos saber onde é que estamos, o que queremos fazer e como é que queremos fazer”, apontou Rogério Manuel, numa clara declaração de insatisfação pela actual situação de falência de instituições bancárias sem aviso prévio e em claro prejuízo de terceiras pessoas singulares e colectivas.
E se o BM manter a posição?
Instado a pronunciar-se sobre a questão acima, o presidente da CTA disse que as empresas irão decidir sobre o que poderão fazer seguidamente. “Se é essa uma forma de se tirar o dinheiro ou desincentivar as empresas a fazer depósitos nos bancos nacionais, isso vai acontecer, porque ninguém, mas ninguém mesmo, irá querer fazer depósitos em bancos comerciais para depois acordar no dia seguinte dizerem que já não tem dinheiro”, lamentou sem esconder a sua insatisfação com a actual situação.
Relatórios bancários falseados
Questionado sobre se alguns bancos comerciais que operam no país não estarão a apresentar relatórios falsos sobre a sua situação económica no sentido de convidar mais e novos clientes, o presidente da CTA começou por dizer que não sabia, mas logo de seguida disse crer que não podia ser esse o problema, uma vez que os relatórios desses bancos são publicados nos jornais e, pela leitura feita dos referidos relatórios, tudo deixava garantias a qualquer empresário de que os bancos estão numa situação saudável financeiramente.
Segundo Rogério Manuel, muito antes do final do presente mês, a CTA irá se pronunciar, com mais propriedade, a volta da situação financeira e económica nacional.Refira-se que o actual rácio de solvabilidade do UBA situa-se na casa dos 9.5 por cento e, segundo dados em nosso poder, o Nosso Banco foi decretado como falido com um rácio de solvabilidade de 9.1 por cento . (B. Luís)
MEDIA FAX – 16.11.2016
Os Ratos Roeram tudo ..
Os ratos roeram tudo, alguém me recordou que no passado um outro cidadão foi levado ao campo de reeducação (para ser reeducado) por causa desses dizeres. Mas na verdsde os ratos já eram bons de roer nessa altura. Não vamos esquecer o tempo que passou...quem pode esquecer o que passou, não vamos .
Os ratos são simplesmente terriveis, quando pensas que já os entendeste na cozinham logo aparecem a roer a tua melhor roupa de saída. Lá fora as pessoas notam que os ratos roeram- te a roupa sem seu consentimento. Agora estás exposto. Todos sabem que tens ratos em casa.
Mas os sábios alertam que não adianta tentar queimar o rato dentro de casa, pois ele irá correr de um lado para o outro e vai queimar- te as cortinas, o pouco que ainda resta do teu tecido dentro de casa e fazer te partir o que restou da loiça. Os ratos podem te dar um baile e não conseguires apanhar nenhum se não tiveres uma estratégia clara de combater essa Praga.
Melhor é tirar os ratos para fora da casa e deixar os vizinhos e amigos de fora lidarem com eles, não vai ser vergonha nacional e muito menos falta de patriotismo. Nem sera tirar o teu problema para fora de casa; todos conseguem ver te a andar roto e sabem que os ratos dentro de casa roeram tudo.
Os ratos roeram tanto dentro de casa que passaram a ir buscar lá no vizinho para virem roer cá. O vizinho até pensou que o dono da casa sabia disso. Agora tens que pagar o que os ratos de casa roeram. Enquanto pagas as gotas vais sofrendo em casa.
Os ratos roeram tudo. Nossa vergonha é geral o impacto é geral, nosso choro é geral e os ratos estão numa boa . Prendam esses tipos pah.
Volto já.....
Estou aqui a pensar, essa coisa do Banco Central estar a aumentar esta taxa mais aquela taxa, e no dia seguinte malta BIM, BCI e companhia apertarem o cinto do pessoal com aquela outra taxa, é mesmo a mais esperta, inteligente e única saida que o mais velho Zandamela encontrou para combater a crise?
Sinto que o BM pode aumentar todas taxas possíveis, mas enquanto os políticos - todos, sem cores aqui - continuarem a dizer "para combater a crise é preciso produzirmos mais", o mesmo papo dado pelos economistas da praça, ate repetido pelos agrónomos, então podemos ter certeza que não serão as taxas altas ou baixas que nos vão tirar do marasmo.
Precisamos produzir, isso é certo, mas, porque ninguém diz como, com que e com quanto vamos num ápice virar de um país consumidor - que importa até água para beber - para uma sociedade produtora?
Eu nem me importo quando Nyusi diz isso de "vamos produzir", mas fico preocupado quando os nossos "activistas sociais" daqui, os nossos cientistas e intelectuais da praça repetem as palavras e vírgulas do PR - e nem o citam (também fizeram o mesmo com o visionário e mestre de desenvolvimento, o próprio doutor Armando).
Falando de Guebuza, este distribuiu 7 milhões de Meticais para cada distrito rural e depois urbano (a cifra subiu), para criar mais oportunidades de desenvolvimento local, fundamentados na criação de (auto)emprego, produção de alimentos, de bens e serviços, e 10 anos depois, continuamos no fundo do poço, e continuamos com o mesmo papo: produzir mais.
Afinal, vamos produzir mais o que? Mais doutores? Mais analistas? Produzir mais chapeiros? Mais endividados? Mais pedintes de megas? Produzir mais celas para "guardar" os malandros que vão ressurgindo de forma vertiginosa - já não se roubava Corolla, mas que o digam alguns irmãos.
Nyusi confiado, vem aqui explicar, porque eu quero produzir e mandar esse assunto de crise e taxas para os historiadores :P 
_______
PS: podem rir a vontade aqueles que acham que só eles podem falar de solvabilidade... mas vale sublinhar que lá em casa somos economistas natos, de gema. 
***me txunaram megas.
GostoMostrar mais reações
Comentar
Comentários
Salvador Mandlate
Salvador Mandlate Minha mae quer tanto produzir, mas ela confia a chuva e ja faz tres anos que ela nao chove...ainda bem que minha mae nao costuma ouvir o PR a fazer esse apelo, pois ela ia ficar muito brava para ele...
Ja quanto as taxas, ainda bem que guardo meu tako no frasco kkkkkk
Gosto · Responder · 1 · 6 h
Jemusse Abel
Jemusse Abel Eu ate agora nao sei o que produzir.kk
Gosto · Responder · 1 · 5 h
Ser - Huo
Ser - Huo Alguém tem de nos responder. Eu já estou em prontidao produtiva, só me falta a ordem.
Gosto · Responder · 5 h
Pedro Mendes Alberto
Pedro Mendes Alberto 100 palavras!
Gosto · Responder · 5 h
Jemusse Abel
Jemusse Abel Ahh sim Ser - Huo talvez agente nao imagina a dimensao. Fui pensando no que te referes aqui. Veja tudo subiu de preço eu e tu nada temos a subir de prečo pra sobrevivermos e aproveitar as oportunidades da cries como dizem. Precisamos de resposta sim!

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook