sábado, 19 de novembro de 2016

Três jornalistas condenados a dois anos de prisão

Egito


Líder de um sindicato de jornalistas e dois diretores condenados a dois anos de prisão no Egito. Amnistia internacional condena opressão a jornalistas e ataque à liberdade de expressão.
AFP/Getty Images

O líder de um sindicato de jornalistas e dois membros da direção foram condenados no Egito a dois anos de prisão, por alegadamente terem dado guarida a dois colegas de profissão que eram procurados pelas autoridades e por espalharem notícias falsas, avançou este sábado o advogado dos três.
Numa altura em que a economia egípcia se vai deteriorando, a pressão sobre a imprensa vai aumentando. O regime do general que virou presidente Abdel Fattah al-Sisi tem castigado severamente quem o critica.
Os três jornalistas – o líder do sindicato Yehia Qalash e os dois diretores, Khaled al-Balshy e Gamal Abdel Rahim – ainda podem recorrer da decisão. Até lá, ficam detidos a menos que paguem uma fiança de 10 mil libras egípcias (cerca de 623 dólares).
“Nós fomos julgados, mas o alvo é todo o sindicato”, disse Yehia Qalash, citado pela Reuters,
O presidente do Egito estará em Portugal na próxima semana, em visita oficial.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook