sábado, 5 de novembro de 2016

Partido curdo diz que detenção dos seus líderes é o fim da democracia turca


PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail
Destaques - Internacional
Escrito por Agências  em 04 Novembro 2016
Share/Save/Bookmark
A detenção dos dois principais líderes e de outros onze deputados do Partido Democrático dos Povos (HDP), da esquerda pró-curda, significa "o fim da democracia na Turquia", segundo denunciou hoje esse partido em comunicado.
A finalidade das detenções "é enclausurar o terceiro partido do parlamento", assegura o texto, que classifica as detenções de "uma purga" do presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, contra este partido, que dispõe de 59 cadeiras no parlamento.
"É um dia escuro, não só para o nosso partido mas para toda a Turquia e a região, dado que significa o fim da democracia" no país, assevera o comunicado.
O HDP acusa Erdogan de tentar expulsar do parlamento os deputados do HDP porque são os que se opõem com mais firmeza à sua pretensão de transformar a Turquia num sistema presidencialista, no qual ele mesmo iria reunir todos os poderes executivos, algo que só se poderia fazer mediante uma reforma constitucional.
O Governo assegurou que as detenções produzem-se porque 53 deputados do HDP se negaram a comparecer ao tribunal para testemunhar num julgamento relacionado com a guerrilha curda. O social-democrata CHP, o maior partido da oposição, também mostrou uma enérgica rejeição às detenções.
"O que aconteceu ontem à noite não é só um novo golpe de Estado, mas além disso é um movimento para fragmentar o país", disse Tanri Sezkulu, deputado do CHP por Istambul, na sua conta em Twitter.
"Voltaram a bombardear o parlamento", acrescentou, em referência ao bombardeamento da noite de 15 de Julho durante o fracassado golpe militar. "É uma provocação muito perigosa", advertiu.
A Polícia turca deteve ontem à noite Selahattin Demirtas e Figen Yüksekdag, co-presidentes do HDP, e outros onze legisladores desse partido de esquerda, conhecida pela sua defesa dos direitos da minoria curda.
A investigação judicial que envolve os deputados centra-se nos protestos de outubro de 2014 nas quais se enfrentaram ativistas da esquerda curda e simpatizantes islamitas por causa do assédio do Estado Islâmico à cidade curdo-síria de Kobani.
Os deputados do HDP são acusados de ter incitado à violência durante estes protestos, que deixaram várias dezenas de mortos.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook