terça-feira, 22 de novembro de 2016

Mohamed Morsi já não vai enfrentar prisão perpétua por espionagem


Primeiro presidente egípcio eleito democraticamente foi condenado em quatro julgamentos desde a destituição

A justiça do Egipto anulou, hoje, a pena de prisão perpétua a que foi condenado o ex-Presidente Mohamed Morsi e ordenou um novo julgamento do caso em que foi acusado de espionagem em benefício de organizações estrangeiras, informa Notícias ao Minuto, citando à Lusa.
Além da de Morsi, o Supremo Tribunal do Egipto também anulou a condenação do líder da Irmandade Muçulmana, Mohamed Badia, e a de outros 15 dirigentes e membros da organização.
A decisão de hoje refere-se à condenação por espionagem em benefício do movimento islamita palestiniano Hamas, do movimento xiita libanês Hezbollah e do Irão.
A 15 de Novembro, o mesmo tribunal anulou a pena de morte à qual o antigo Presidente islamita também foi condenado, em Junho de 2015, pelo seu papel nas evasões em massa de prisões e em ataques contra a polícia durante a revolta que afastou Hosni Mubarak do poder, em 2011.
No próximo dia 27, o mesmo tribunal de recurso deve começar a analisar uma outra condenação à pena de prisão perpétua imposta a Morsi num outro caso em que foi acusado pelo roubo de "documentos relativos à segurança nacional" e à sua entrega ao Qatar, um apoiante de longa data da Irmandade Muçulmana.
No total, Morsi, o primeiro presidente egípcio eleito democraticamente, foi condenado em quatro julgamentos desde a sua destituição pelo exército, em 2013.
Morsi está detido na prisão de Borg-el-Arab, perto de Alexandria.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook