terça-feira, 15 de novembro de 2016

“Moçambique deve seguir exemplo de Angola para alcançar a paz”, Diz Mário Andrade

nício Política Política  
Reitor da Universidade Lusíada de Angola falava numa palestra sobre a passagem dos 41 anos de independência de Angola, em Maputo
O reitor da Universidade Lusíada de Angola, Mário de Andrade, defende que Moçambique deve seguir o exemplo de Angola, para o alcance da paz efectiva. Andrade, que falava numa palestra sobre a passagem dos 41 anos de independência de Angola, instou o governo e a Renamo a privilegiarem o interesse nacional acima dos que dividem as duas partes.
“A primeira ética da paz é salvar o seu adversário. Trazê-lo para negociar, dando-lhe dignidade. é considerá-lo um parceiro para discutir as divergências, de modo a encontrar pontos de união. Esse é o exemplo que o presidente José Eduardo dos Santos deu”, disse Mário de Andrade.
O académico angolano sublinhou que Angola conseguiu, através da inclusão das forças residuais da UNITA nas forças de defesa e segurança, resolver um dos maiores problemas pós-guerra. Como prova viva da inclusão, o académico aponta o caso do actual chefe do Estado-maior angolano, que vem das forças militares do antigo movimento de guerrilha, a UNITA.
Após a independência, Angola passou por uma guerra civil que durou 27 anos, mais 11 que Moçambique. Nos dois países, o conflito foi movido por grupos armados ligados ao então sistema de Apartheid, que vigorava na vizinha África do Sul, nomeadamente, União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) e Resistência Nacional Moçambicana (Renamo). Alcançada a paz, os dois países tentam consolidar a unidade nacional, com mais incidência para o nosso país, onde se vive momentos de tensão.
Mário de Andrade reafirma a necessidade de se cumprir os acordos, eliminar todos os focos de tensão e os respectivos factores de conflito, para evitar o recrudescimento da guerra, tal como acontece neste momento em Moçambique.
Um dos factores contraproducentes para a paz apontados pelo académico é a “ganância pelo poder”. No seu entender, esse é um dos maiores problemas em África, tendo em conta que os líderes africanos constantemente violam as suas constituições para se manterem no poder. O académico diz que a ganância pelo poder está directamente ligada ao acesso aos recursos, pois, muitas vezes, apenas uma parte que detém o poder político é que tem acesso ao “bolo”.
“A riqueza tem de ser distribuída”, diz o académico, acrescentando que se cria um ciclo vicioso de conflito quando existe exclusão no acesso às oportunidades de riqueza. “A riqueza não é distribuir dinheiro pelas pessoas, é em função do desenvolvimento económico. O Estado deve fazê-lo construindo escolas, hospitais, promovendo investimento, entre outras coisas”.
Para o académico, o governo deve responder aos desafios da paz com boa governação, respeito pelos direitos humanos e acabar com a desconfiança, tudo em nome da reconciliação nacional.
Na ocasião, Mário de Andrade desmentiu informações sobre alegada instabilidade em Cabinda provocada pelo movimento independentista Frente de Libertação do Estado de Cabinda (FLEC).

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook