quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Fidel Castro e as ditaduras fofinhas

Fidel Castro


17
Nos nossos jornais alegadamente credíveis, Fidel era impecável. Nos sites do DN e do Expresso, quem os lesse pensaria que tinha morrido um Gandhi. E o Público anunciava "A morte muito antes do sonho".
Que fartote de declarações de amor por ditaduras e por ditadores. Mal morreu Fidel Castro, quase todos os jornais enlouqueceram. Afinal morreu um avô fofinho que conduziu benevolentemente o seu povo à prosperidade económica, ao bem-estar social, ao mais livre ambiente onde as mais ousadas ideias e expressões artísticas floresciam, ao escrupuloso respeito pelos direitos das mulheres (que, de resto, promoveu politicamente como ninguém: é ver a quantidade de mulheres políticas high-profile da Cuba das últimas décadas) e dos homossexuais (os rumores de prisão para os gays são calúnias imperialistas, claro). Certo?
Pelo que se viu em jornais alegadamente credíveis, Fidel era impecável. Nos sites do DN e do Expresso, quem os lesse pensaria que tinha morrido um Gandhi ou outro apologista da não-violência. O carrasco de Cuba foi descrito como ‘líder carismático’, uma ‘vida histórica’, ‘o eterno revolucionário’, blablablabla. A ditadura cubana, a repressão castrista, a violência sobre os opositores políticos, os que fugiam de Cuba como se do inferno, e os milhares de vítimas, e famílias das vítimas, de Fidel Castro – esses pareciam invenções de bebedores da água suja do capitalismo: nem se notaram. O Público teve durante horas online uma manchete de um texto sobre a vida de Castro (bem expurgado de informações com bolinha, bem entendido) com o título ‘A morte muito antes do sonho’. E por baixo afiançava que era o ‘ultimo herói do socialismo ou o último pirata das Caraíbas, agora tanto faz porque, como todos os idealistas, morreu muito antes do sonho’. (Perdoem-me o vernáculo: sonho?! Herói?! Apre!)
Bom, tecnicamente em alguns textos os jornais não mentiram. Se tenho dúvidas quanto ao carisma (quando se é preso se se duvidar do carisma de um governante, geralmente age-se como se esse estivesse impregnado do mais carregado carisma), já não há dúvidas que Fidel Castro foi ‘histórico’. Da mesma maneira que, ficando pelos exemplos comunistas, o bilhetinho que o marechal Lin Biao deixou numa das reuniões do Politburo do Partido Comunista Chinês, certificando que a sua mulher era uma ‘virgem pura’ quando casaram, também foi histórico. Em boa verdade, por se situar no contínuo do espaço e do tempo, aquela vez em que me cruzei com Donatella Versace (e os seus numerosos e atraentes guarda-costas) numa sala de espera do aeroporto de Heathrow também foi histórica.
E de facto Fidel Castro foi revolucionário. Assim como a tecnologia que permitiu as bombas atómicas de Hiroshima e Kagasaki foi revolucionária. Mais: como bem se leu nos jornais, a história julgará o barbudo opressor – mas esqueceram-se de dizer que o vai condenar. Ou que nada impede adiantarmos o serviço da sentença nem tomarmos nota de quem elogiou tal criatura.
As aldrabices sobre Castro aí pelos jornais eram tantas que Henrique Monteiro teve de escrever a tentar por juízo na cabeça de colegas de profissão em processo de alucinação. E o Público lá fez por recuperar a dignidade com um editorial de Diogo Queiroz de Andrade, onde punha os tracinhos altos nos dd (de ditador), dando uma boa ideia da governação do esbirro caribenho.
As reações dos políticos foram igualmente repugnantes. Do PCP veio o gozo descarado costumeiro. Jorge Sampaio, essa insignificância política de que não rezaria a história se um dia Cavaco não tivesse perdido umas eleições, deu um testemunho (e porquê, Deus meu, alguém se lembra de pedir um testemunho a Jorge Sampaio?) onde aplaudiu a simpatia do hirsuto Castro, entre outras qualidades adoráveis. Do atual Presidente, que há pouco tempo se fez fotografar sorridente ao lado do tirano, também nada de tragável veio.
Mas o pior chegou na forma dos votos de pesar que o parlamento aprovou pela morte da criatura. E se do PS extremista se espera todos os enlevos com as ditaduras comunistas, já não se perdoa que o PSD tenha escolhido abster-se nesta votação. É por estas e por outras que a suposta direita parlamentar merece todas as geringonças que a atropelem: os eleitores não respeitam quem não se dá ao respeito.
Enfim. Para terminar com uma nota de humor, depois das entranhas revolvidas com as reações portuguesas à morte de um carrasco das Caraíbas, podemos pelo menos reconhecer que ninguém por cá foi tão ridículo como Trudeau – deu azo a uma das hashtags mais divertidas dos últimos tempos –, que produziu um tributo a Fidel Castro que até a canadiana CBC chamou de ‘deliberadamente obtuso’. Parece que Fidel amava de amor profundo o povo cubano (matou e prendeu uns tantos, mas o que interessa isso?) e criou um maravilhoso mundo com boa saúde e educação.
O que é verdade. Quem não aprecia um destino de turismo sexual com oferta de gente muito escolarizada a prostituir-se? Também me lembro do filme Guantanamera, dos idos dos anos 90, onde uma professora universitária e um seu antigo aluno referiam áreas do saber cubanas, utilíssimas em qualquer curso superior, da estirpe de ‘marxismo dialético’ ou ‘socialismo aplicado’. Quem não saliva pela oportunidade de estudar isto?
Em todo o caso, os meus pêsames à família. Desejo que não se amofinem uns com os outros à conta das partilhas. Afinal os filhos são muitos e dividir os novecentos milhões de dólares que a revista Forbes calculou como fortuna pessoal do comunista Castro não deve ser fácil. Espero que nenhum venha a passar dificuldades nem tenha de prescindir das férias no seu iate nas ilhas gregas.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook