sábado, 19 de novembro de 2016

AINDA SOBRE FUNERAIS NO CEMITÉRIO DE HLANGUENE

AINDA SOBRE FUNERAIS NO CEMITÉRIO DE HLANGUENE

E tenho por justo, enquanto estiver neste tabernáculo, despertar-vos com admoestações (…) depois da minha morte, tenhais lembranças destas coisas” 2Pedro 1:13-15
Com todo o respeito, solicito a todos os que se sentirão ofendidos com este meu desabafo para que sejam lenientemente indulgentes e compreensivos para comigo, pois não consigo disfarçar a raiva que sinto por aqueles que, tendo perdido os seus entes queridos, usam todos os meios para conseguir um espaço para depositá-los no já cansadíssimo e perigoso Cemitério de Hlanguene, nem que para tal tiverem de desenterrar os corpos dalguns desgraçados cujos familiares, por vários motivos, não visitam as campas. Que coragem e falta de respeito pelos mortos têm esses!? Chegam a subornar coveiros no Hlanguene para a todo custo nem que tenham de torcer o pé por passar por cima de muitas campas, mas deixar os corpos dos seus “amados” lá!? É caso para perguntar: o que fazem com as ossadas dos desgraçados desenterrados antes da sua putrefacção!? Parece-me que todos os que assim procedem acreditam religiosamente que só no Cemitério de Hlanguene é que os mortos, mesmo que mal sepultados, sairão de lá directamente para o céu. Não entendo nada deste fanático apego e frenesim pelo Hlanguene! Muitos de nós batemos as palmas de alívio quando há coisa de dois anos a edilidade anunciou o encerramento daquele cemitério e em seu lugar brindou-nos com um novo, num lugar bem amplo e arejado em Michafutene, distrito de Marracuene, a poucos quilómetros de Hlanguene. Porém, a procura por um lugar no Hlanguene continua a ser de loucos! Que segredos encerra aquela sinistra “cidade!?”. Diariamente, mas com maior loucura aos fins-de-semana, o Hlanguene continua a ser palco de uma romaria religiosa por multidões que se pode ler nos seus semblantes a tal ideia de que os enterrados ou depositados naquela “cidade celestial” serão os primeiros a receber Jesus Cristo na sua segunda vinda! Não resisto transcrever para aqui a homilia proferida durante a missa dedicada ao dia dos Finados (1 de Novembro), pelo Sumo Pontífice que lidera a Igreja Católica Apostólica Romana do mundo inteiro desde o dia 13 de Março de 2013. Com o título “O ser humano é estranho”, Sua Santidade Papa Francisco,que tem vindo a dar verdadeira dor de cabeça aos seus correligionários conservadores, por acabar com as mordomias excessivas e não ser refém da cúria onde encontrou muita corrupção, em cada homilia tem vindo a deixar “recados” de mudanças na Igreja Católica a todo o mundo. A seguir tomo a liberdade de transcreverum extracto das palavras do Santo Padre na homilia, segundo a Rádio Vaticano.“O Dia de Finados tem esse duplo sentido: primeiro, o sentido da tristeza. O cemitério é triste, nos lembra os nossos entes queridos  que morreram e nos recorda o futuro: a morte. A esta tristeza nós trazemos flores como sinal de esperança. O Homem briga com os vivos, e leva flores para os mortos; Lança os vivos na sarjeta, e pede um “bom lugar para os mortos”; Se afasta dos vivos, e se agarra desesperado quando estes morrem; Fica anos sem conversar com um vivo, e se desculpa, faz homenagens, quando este morre; Não tem tempo para visitar o vivo, mas tira o dia todo para ir ao velório do morto; Critica e ofende o vivo, mas o santifica quando este morre; Não liga, não abraça, não se importa com os vivos, mas se autoflagela quando estes morrem… Aos olhos cegos do homem, o valor do ser humano está na sua morte, e não na sua vida. É bom que repensemos isto, enquanto estamos vivos! O Ser humano é estranho”. Sem conhecer Hlanguene, o Papa Francisco tirou-me as palavras da boca, como sói dizer-se. Eu sempre que tiver de demandar Hlanguene sinto um calafrio. Mas muitos dos que lá frequentam riem-se a “bandeiras desfraldadas”! Que espírito de humor negro! Que horror!
Kandiyane Wa Matuva Kandiya
nyangatane@gmail.com

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook