sábado, 26 de novembro de 2016

Academia das Ciências vai apresentar estudo para aperfeiçoar Acordo Ortográfico

Academia das Ciências de Lisboa (ACL) apresenta este ano estudo para aperfeiçoar o Acordo Ortográfico de 1990 (AO90), sugerindo nomeadamente o regresso à utilização de algumas consoantes mudas.
JOÃO RELVAS/LUSA
Autor
  • Agência Lusa
A Academia das Ciências de Lisboa (ACL) apresenta ainda este ano um estudo para aperfeiçoar o Acordo Ortográfico de 1990 (AO90), sugerindo nomeadamente o regresso à utilização de algumas consoantes mudas.
Em declarações à agência Lusa, o presidente da ACL, Artur Anselmo, salientou que a instituição não tem qualquer tendência política e que o AO90 é “um problema científico e não político”, que deveria de ser resolvido definitivamente, e que é utópico impor uma grafia igual em todos os países que falam português.
Ana Salgado, coordenadora do novo dicionário da Academia (que deve estar pronto em 2018), disse também que o acordo não estabelece uma ortografia única e inequívoca, o que permite várias interpretações e, por isso, causa instabilidade. O estudo da Academia pretende acabar com essa instabilidade.
Também em declarações à Lusa, a responsável frisou que a ACL não defende a revogação do AO90, mas sim o seu aperfeiçoamento, sendo que o que propõe são ajustes, como de resto a Academia brasileira já fez também.
A Academia vai, por exemplo, recomendar o emprego do hífen em algumas palavras (fará uma listagem), revelou Ana Salgado, ressalvando que o não emprego do hífen “não quer dizer que seja um erro”.
Quanto às consoantes que não se pronunciam a ACL vai defender que elas só caiam nos casos em que há uma grafia única em Portugal e no Brasil (como na palavra ‘ação’). No entanto, em casos como a palavra ‘recepção’ “a nossa leitura” (da ACL) é que a escrita com o ‘p’ é “legítima no espaço lusófono”. Na palavra ‘optica’, a ACL defende também o uso do ‘p’.
Ana Salgado lembrou que o AO90 está a ser aplicado no ensino desde 2011 e que muitas crianças poderiam não entender a reposição de consoantes, pelo que o trabalho da Academia é abrir essa possibilidade, uma “via para uniformizar”, e deixar que depois a língua evolua.
A ACL, adianta, não quer impor nada, mas defende a reposição do acento na forma verbal “para” (“pára”) e em todas as propostas vai justificar cientificamente as opções.
“Estou preparada para as críticas ao novo estudo”, disse a responsável.
Artur Anselmo também admite todas as críticas e diz que não faz sentido “abrasileirar” a ortografia do português, como não faz sentido moldá-lo à ortografia de qualquer outro país lusófono.
Os ingleses nunca o fizeram em relação aos norte-americanos ou neozelandeses, nunca houve uma reunião linguística, e também, como os espanhóis, nunca tentaram impor uma ortografia única, porque isso é utópico e com o português nunca vai acontecer, diz Artur Anselmo.
“O Brasil tem autonomia cultural e tem todo o direito de divergir na maneira de falar. A língua é um corpo vivo, assassinar a língua é mudar a maneira tradicional como as pessoas a usam. A ortografia é uma convenção que tem de se aproximar da maneira de falar, é um não assunto e deve ser deixada em paz”, disse.
Artur Anselmo lamentou também que o AO90 nunca tivesse sido melhorado e o facto de a ACL não ter sido consultada, quando da aplicação do acordo, defendendo depois que se faça uma reunião de academias científicas dos países lusófonos.
Mas não tem dúvidas de que nenhum acordo vai levar os brasileiros a dizer “Você vai ao Tribunal?” e os portugueses “Cê vai no foro?”.
A aplicação do AO90 sempre gerou polémica em Portugal e até o Presidente da República falou do assunto, admitindo que o Acordo podia ser repensado em Portugal, se países como Angola e Moçambique também o fizessem.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook