quinta-feira, 27 de outubro de 2016

‘Putas’ com Hillary Clinton em Nevada


Campanha das prostitutas acontece no único estado norte-americano onde a prostituição é reconhecida legalmente


Carson City (Nevada) 
Para quem não está acostumado, entrar em um brothel (literalmente um bordel) já é, em si, uma bela experiência. Em Nevada, único estado norte-americano onde a prostituição é reconhecida legalmente, esses estabelecimentos ganham destaque. Em Carson City, a desconhecida e pequena capital do estado, localizada bem no centro da região cowboy, a maioria dessas “casas de prazer” se comunicam entre si por um hangar de helicóptero e pertencem ao septuagenário Dennis Hof, conhecido pelo seu reality show Cathouse.

Sable Renae e Andine Desire em um dos bordeis. J. C



Do Moolite Bunny Ranch ao SagerBrush, esses motéis decorados com painéis de gosto duvidoso ficam nas laterais de uma estrada muito frequentada, onde o vaivém dos veículos é interrompido diariamente pela passagem do gado e dos cavalos que andam à solta.
É proibido fazer publicidade desse negócio carnal, mas nem por isso as meninas deixam de se fazer notar pelos seus próprios meios, através do movimento Hookers for Hillary (na tradução literal, Putas com Hillary). “Fui criada em um lar republicano de Oklahoma, mas vou votar nela”, afirma Sable Renae, de 45 anos, em seu quarto decorado com chicotes e chapéus de cowboy. “Trump continuará a praticar a reaganomics [política econômica de Ronald Reagan] e já sabemos que isso não funciona”, detalha essa ex-funcionária de arrecadação do HSBC. “Estudei história e explico para as meninas como funciona o sistema político”, acrescenta ela, que é avó de quatro crianças.
Essas mulheres avaliam que Clinton defenderá melhor o sistema de saúde e os direitos das trabalhadoras do sexo. Em Nevada, elas são submetidas a um exame médico semanal, com testes de HIV periódicos, e o uso de preservativo é obrigatório. “Meninas, chegou visita”. A voz do garçom ressoa pelo quarto por um interfone. O aviso chama as prostitutas a se apresentarem para o seu próximo cliente.
“As meninas criticam muito o Trump e seu lado macho branco dominante”, conta Ondine Desire, de 30 anos. Eu apoiei Bernie Sanders, mas estou convencida de que com Clinton estarei segura como mulher, explica essa assistente social de Chicago. “Trump vê as mulheres como objetos, mas sou eu mesma que decido quando quero ser tratada ou não como objeto”.
Na penumbra do SageBrush, nem todas têm a mesma opinião. O proprietário se candidatou ao Senado sob com o rótulo de libertário, depois de ter apoiado Ron Paul nas presidenciais de 2008 e 2012. Dennis Hof afirmou que apoia Trump, mas estimula “suas meninas” a continuarem sua campanha em favor de Hillary. Sable e Ondie vão às urnas em 8 de novembro e, como o seu quarto não tem televisor, Sable acompanhará as apurações pelo computador portátil.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook