sábado, 1 de outubro de 2016

"Presidente filipino não elogiou Hitler, mas quer matar milhões"





REUTERS/LEAN DAVAL


Porta-voz do Presidente filipino diz que Rodrigo Duterte não quis elogiar Adol fHitler nem destacar o Holocausto como modelo para a sua violenta campanha contra o narcotráfico, que em três meses causou milhares de mortos.

Duterte gerou uma nova polémica ao declarar na sexta-feira que "gostaria de massacrar" os três milhões de toxicodependentes no país, tal como o líder nazi fez com milhões de judeus "para salvar a próxima geração da perdição".

As declarações provocaram a apresentação de um protesto formal da Alemanha na Embaixada das Filipinas em Berlim, a condenação da ONU e críticas dos Estados Unidos, que as classificou de "profundamente perturbadoras".

O porta-voz da presidência filipina, Ernesto Abella, disse que as palavras de Duterte eram uma referência "oblíqua" a Hitler e ao Holocausto.

"As Filipinas reconhecem o profundo significado da experiência judaica e a sua trágica e dolorosa história. No queremos menosprezar a profunda perda de seis milhões de judeus no Holocausto", disse Abella à emissora da rádio estatal DZRB.

"A referência do Presidente ao massacre foi uma deflexão oblíqua à forma como tem sido retratado como um assassino em massa, um Hitler, um rótulo que rejeita", acrescentou o porta-voz.

"Da mesma maneira traça uma conclusão oblíqua na qual, se o Holocausto foi uma tentativa de exterminar a futura geração de judeus, as mortes (da campanha antidrogas) que lhe é atribuída, resultará, de qualquer forma, na salvação da próxima geração de filipinos",concluiu Abella.

Duterte defende como necessária a campanha que iniciou em junho para acabar com o tráfico de drogas no país, que segundo dados oficiais já causou mais de 3.500 mortos, apesar das críticas da ONU, Estados Unidos, União Europeia e organizações de defesa dos direitos humanos.

Duterte ganhou folgadamente as eleições presidenciais com a promessa de acabar com a droga e a delinquência nos primeiros seis meses de mandato.

Desde então, instou, por inúmeras vezes, a polícia e os próprios cidadãos a matar traficantes e consumidores de droga.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook