sábado, 15 de outubro de 2016

Mozambique peace setback

O recente assassinato de um membro sênior da oposição moçambicana Nacional de Resistência do equipe de negociação (da Renamo) e ataques de militantes incansáveis ​​pelos militantes do partido estão a dificultar ainda mais os esforços para recuperar a paz e a estabilidade na nação sul Africano.

O conflito civil está colocando pago para as perspectivas de Moçambique a cumprir o seu potencial como uma fonte de casa-económico no continente, já que tem vastos recursos naturais, tais como petróleo, gás, minerais de carvão e de energia hidro-elétrica gerada a partir do seu fluxo de água abundante .

A região sul Africano, na extrema necessidade de energia para impulsionar economias em dificuldades, é indiretamente sofrer os problemas que afligem a Moçambique, que foi cotado para ser uma história de sucesso económico, em particular nos últimos anos, com a descoberta de gás natural.

Os esforços para recuperar a paz sofreu um revés no fim de semana com a morte de Renamo negociador James Pondeca, que foi morto a tiros por pistoleiros desconhecidos em uma praia na capital, Maputo.

As longas negociações com a Frente governando para a Libertação de Moçambique (Frelimo) foram programadas para retomar na segunda-feira, mas foram adiadas para uma data ainda a ser confirmada.

As negociações pela Comissão Conjunta foram posteriormente arquivado, mais um revés, considerando nada tinha saído da mediação liderado pelo ex-presidente da Tanzânia, Jakaya Kikwete, enviado italiano Mario Raffaelli, eo ex-presidente de Botsuana Quett Masire.

Esta semana, a Comissão Europeia pediu calma na ex-colônia Português de mais de 25 milhões de pessoas.

    "Todas as partes moçambicanas desejar paz para Moçambique e deve ficar comprometidos com as negociações de paz e se abstenham de qualquer acção que ponha em perigo um processo apoiado pelo povo de Moçambique", disse um porta-voz.

O ministro do Interior Basilio Monteiro disse que a polícia iria garantir assaltantes de Pondeca foram trazidos para livro.

    "Todo esforço será feito para que os autores sejam encontrados e levados à justiça", Monteiro disse em Maputo esta semana.

O assassinato de Pondeca coincidiu com suspeita de homens armados da Renamo a realização de uma série de ataques. Quinta-feira passada, eles atacaram um comboio que pertence a empresa de mineração de carvão Vale-Moçambique, na província nortenha de Nampula.

O porta-voz da polícia provincial Zacarias Nacute ataques confirmados foram realizadas em Mutuali no distrito de Malema.

    "A polícia está no local de trabalho para avaliar as circunstâncias do ataque e descobrir o paradeiro das pessoas a realização de ataques armados em nossa província, para que possam ser tomadas para a justiça", disse ele.

militantes da Renamo suspeitos também atacaram um comboio de mercadorias entre as cidades de Cuamba e Nampula.

O pomo da discórdia é a eleição geral realizada em 2004, quando a Frelimo, no poder desde a independência em 1975, manteve o controle. Renamo, liderado por Alfonso Dhlakama, afirmou que as pesquisas foram manipuladas.

A festa é exigente para governar as províncias ricas em minerais de Manica, Nampula, Niassa, Sofala, Tete e Zambézia, onde ele afirma ter vencido.

Presidente Felipe Nyusi e Frelimo têm resistido isso.

Em desafio, a Renamo desencadeou um reinado de terror, matando dezenas de civis e enviar mais de 100 000 refugiados correndo para a segurança nos países vizinhos Malawi, África do Sul, Tanzânia e Zimbabwe, que estão enfrentando a seca e desafios económicos.

Nyusi condenou a violência recorrente que deixou o país à beira da guerra civil que lembra o que custou a vida de mais de 1 milhão de pessoas entre 1977 e 1992.

    "Numa altura em que o governo de Moçambique escolheu o caminho do diálogo para acabar com a guerra de desestabilização provocada pela Renamo, que representam a vontade do povo moçambicano para encontrar maneiras de resolver nossas diferenças", disse Nyusi.

Ele permaneceu confiante de paz. "O Acordo de Paz Global assinado em Roma (Itália, em 1992) mostrou a vontade do governo e do povo para abrir uma nova agenda de desenvolvimento, porque a paz é a condição mais importante para a prossecução das políticas económica e social desenvolvimento."

O analista político Domingues Machaisse também culpou Renamo para a crise.

    "Eu acredito fortemente Renamo não está interessado qualquer em busca de soluções, e que eles (dissidentes) estão a ser apoiados por uma terceira força para provocar o caos", disse Machaisse.

Maputo empresário Reginaldo Telinho apontou que a convulsão foi nanismo growth.This económicos, juntamente com a seca e recuo dos preços das commodities, viu o investimento estrangeiro direto queda de 20 por cento, as exportações em declínio em 14 por cento eo crescimento econômico em desaceleração em mais de 6 por cento no ano passado, o níveis mais baixos desde que a recessão global em 2009.

Renamo esta semana prometeu compromisso com o diálogo, apesar da morte de Pondeca.

    "A coisa mais importante é continuar a viagem", disse o porta-voz Antonio Muchanga.

Resumo
Nome do artigo
Moçambique revés paz
Descrição
O recente assassinato de um membro sênior da oposição moçambicana Nacional de Resistência do equipe de negociação (da Renamo) e ataques de militantes incansáveis ​​pelos militantes do partido estão a dificultar ainda mais os esforços para recuperar a paz ea estabilidade na nação sul Africano.
Autor
perk Brown
Nome Publisher
Nkhani Mchitumbuka
Logo Publisher
Comentários




img_5611

Mozambique peace setback

The recent assassination of a senior member of the opposition Mozambican National Resistance’s (Renamo’s) negotiation team and relentless militant attacks by the militants of the party are further hindering efforts to regain peace and stability in the southern African nation.
The civil strife is putting paid to prospects of Mozambique fulfilling its potential as an economic power-house on the continent, as it has vast natural resources, such as crude oil, gas, coal minerals and hydro-electric power generated from its abundant water flow.
The southern African region, in dire need of energy to boost struggling economies, is indirectly suffering from the problems afflicting Mozambique, which was tipped to be an economic success story, particularly in recent years, with the discovery of natural gas.
Efforts to regain peace suffered a setback at the weekend with the killing of Renamo negotiator James Pondeca, who was shot dead by unknown gunmen at a beach in the capital, Maputo.
The lengthy negotiations with the ruling Front for the Liberation of Mozambique (Frelimo) were scheduled to resume on Monday but were put off to a date yet to be confirmed.
The negotiations by the Joint Commission have subsequently been shelved, a further setback, considering nothing had come out of the mediation led by former Tanzanian president, Jakaya Kikwete, Italian envoy Mario Raffaelli, and former Botswanan President Quett Masire.
This week, the European Commission appealed for calm in the former Portuguese colony of over 25 million people.
“All Mozambican parties wish for peace for Mozambique and must stay committed to the peace negotiations and refrain from any action that endangers a process supported by the Mozambican people,” a spokesperson said.
Interior Minister Basilio Monteiro said police would ensure Pondeca’s assailants were brought to book.
“Every effort will be made so the perpetrators are found and brought to justice,” Monteiro said in Maputo this week.
Pondeca’s murder coincided with suspected Renamo gunmen carrying out a series of attacks. Last Thursday, they attacked a train belonging to coal mining company Vale-Mozambique in the northern province of Nampula.
Provincial police spokesman Zacarias Nacute confirmed attacks were carried out in Mutuali in Malema district.
“Police are on the spot working to assess the circumstances of the attack and discover the whereabouts of those carrying out armed attacks in our province, so that they may be taken to justice,” he said.
Suspected Renamo militants also attacked a goods train between Cuamba and Nampula cities.
The bone of contention is the general election held in 2004 when Frelimo, in power since independence in 1975, retained control. Renamo, led by Alfonso Dhlakama, claimed the polls were rigged.
The party is demanding to rule the mineral-rich provinces of Manica, Nampula, Niassa, Sofala, Tete and Zambezia, where it claims to have won.
President Felipe Nyusi and Frelimo have resisted this.
In defiance, Renamo has unleashed a reign of terror, killing scores of civilians and sending more than 100 000 refugees scurrying for safety in neighbouring countries Malawi, South Africa, Tanzania and Zimbabwe, which are facing drought and economic challenges.
Nyusi has condemned the recurrent violence that has left the country on the brink of civil war reminiscent of the one that claimed the lives of over 1 million people between 1977 and 1992.
“At a time when the government of Mozambique has chosen the path of dialogue to end the war of destabilisation brought about by Renamo, we embody the will of the Mozambican people to find ways to resolve our differences,” said Nyusi.
He remained confident of peace.“The Comprehensive Peace Agreement signed in Rome (Italy, in 1992) showed the will of the government and the people to open a new development agenda, because peace is the most important condition for the pursuit of economic and social development.”
Political analyst Domingues Machaisse also blamed Renamo for the crisis.
“I strongly believe Renamo is not interested whatsoever in solution finding, and that they (dissidents) are being backed by a third force to cause mayhem,” said Machaisse.
Maputo businessman Reginaldo Telinho pointed out that the upheaval was stunting economic growth.This, coupled with drought and receding commodity prices, saw foreign direct investment falling by 20 percent, exports declining by 14 percent and economic growth decelerating by over 6 percent last year, the lowest levels since the global recession in 2009.
Renamo this week pledged commitment to dialogue, despite the killing of Pondeca.
“The most important thing is to continue the journey,” said spokesman Antonio Muchanga.
Summary
Article Name
Mozambique peace setback
Description
The recent assassination of a senior member of the opposition Mozambican National Resistance’s (Renamo’s) negotiation team and relentless militant attacks by the militants of the party are further hindering efforts to regain peace and stability in the southern African nation.
Author
Publisher Name
Nkhani Mchitumbuka
Publisher Logo

Comments

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook