terça-feira, 4 de outubro de 2016

Moza Banco na berlinda: reservas sobre Joao Figueiredo e interrogacoes sobre quem vai tapar o buraco...



Qualquer que seja o merito da intervencao do Banco de Mocambique no Moza Banco, uma coisa esta a suscitar um certo torcer de narizes nos corredores da financa local: a indicacao de Joao Figueiredo nao caiu la muito bem. Principalmente porque ele eh accionista de um banco (o Banco Unico) que concorre para destronar o Moza do seu estatuto de quinto maior banco de Mocambique. O Unico eh sexto do ranking. E chegou a sexto dois anos depois de ter sido fundado e dirigido por Figueiredo em 2011, quando ele terminou uma longa passagem pelo BIM. Em 2015, o Nedbank sul africano passou a controlar 36% do Unico e Figueiredo saiu.
Uma fonte bem colocada no sector diz que o facto de ele continuar accionista do Unico nao levanta questoes de conflito de interesse. Isso so se colocaria, assevera a fonte, se ele fosse ainda parte dos orgaos sociais do Unico. Seja como for, a questao que se levanta nos corredores eh: como he que um accionista de um banco vai administrar outro banco concorrente que deve ser vendido?
Pode ser que do ponto de vista estritamente legal nao haja qualquer entrave mas ha quem coloca reservas de ordem etica e moral, estabelecendo esta nomeacao como "infeliz". Nao se coloca aqui em causa suas credenciais de gestor competente. Ele deu cartas por onde passou. Figueiredo foi eleito o melhor CEO de África, na categoria de Banqueiro Africano do Ano 2013, no âmbito do “African Bank Awards 2013”.
Mas levanta-se um debate sobre um certo potencial inside trading. Ok...a ver vamos...
No passado, aquando do colapso do Banco Austral, o Banco de Mocambique nomeaou um tecnico da Supervisao Bancaria, Siba Siba Macuacua, para colocar cobro ao descalabro. Siba foi assassinato quando comecou a visar os detentores do credito mal-parado do banco.
Figueiredo assumiu hoje as redeas do Moza e a primeira coisa que fez foi enviar mensagens de calma e confiana a clientes e colaboradores. Ele acredita no Moza e em dar a volta a crise, como se pode ler no texto ilustra este artigo.
A queda do Moza foi tao abrupta mas a digestao das suas causas e consequencias vai levar algum tempo. Sobretudo porque o banco tem um buraco enorme e o mandato de Figueiredo eh o de vende-lo. Mas por regra, para que essa venda seja feita, alguem vai ter de tapar esse buraco. Quem? O Estado? Eis a questao.
E o contexto actual difere do contexto em 2002/2003, em que o Estado recapitalizou o Banco Austral para ele poder ser vendido ao ABSA. Na altura, os doadores fecharam os olhos e permitiram que parte do Orcamento do Estado, que eles apoiavam, fosse drenado para tapar o buraco do Austral. E hoje?
GostoMostrar mais reações
Comentar
Comentários
Aristides A. Penisela Guirrugo Vamos ver até onde termina isto!
Benny Matchole Khossa Uma fonte faz "jurisprudência"? Não se entende bem o sentido do teu texto. Primeiro questiona o Dr. João Figueiredo, com base numa única fonte (que pode ser o seu subconsciente), para depois questionar, e bem, a forma de tapar o tal buraco do Moza (que há meses juravas de pés juntos não existir)... Qual é a finalidade do texto mesmo?
Leo D. P. Viegas Infelizmente tornou-se tao normal no seio dos nossos jornalistas produzirem textos bombasticos, manchetes nos media e redes sociais na base de uma unica fonte e muitas vezes anonima. Tipo confidencias de cafe de manha feitas por um insider descontente. Nao se cruzam as fontes! Jornalismo pauperrimo. Ha muito trabalho ainda pela frente na nossa terra. Podem ser sintomas do **breaking news**.
Marcelo Mosse Ainda anda obcecado pelo meu texto de ha meses? Jurisprudencia? Questionar o Joao Figueiredo? Leu bem o artigo? Oh ja leu com pre-conceitos. Bom acontece...E por acaso a fonte de opiniao que refiro diz que nao ha nenhum problema ele ser accionista do Unico e ir admnistrar o Moza. Cruzar fontes de opiniao? Pois bem... ha quem pensa que ha questoes de etica, como o texto frisa e bem. O sentido do texto? Nao percebe que ele levante questoes para debate? Breaking news? Espero que nao confunda isto com uma "news". Nao gosta da abordagem? Esta livre de ir ler onde goste.
GostoResponder3Ontem às 0:31Editado
Benny Matchole Khossa Acho mau responder pergunta com outra pergunta. Ora bem, 1) Não ando obcecado com o texto, mas tenho um fascínio por bipolares; 2) Sim, questionar João Figueiredo. Suas motivações (inside man?), sua verticalidade; 3) Sim, li bem o artigo. Bem, penso ser esta a parte que me cabia. A outra penso que cabia aoLeo D. P. Viegas.
Marcelo Mosse Bom acho que isto acaba sendo uma desconversa. Nao nao falei em "inside man"... e Joao Figueiredo foi nomeado pelo Banco Central. Nao se nomeiou sozinho. Bom, nao eh meu habito andar aqui em discussao com que anda lendo estas "minhas bipolaridades". Se quer debater as questoes que o artigo suscita, bem vindo. Se nao quer, tambem continua bem vindo, se quiser vir vindo pastar nestes recantos.
GostoResponder3Ontem às 0:41Editado
Benny Matchole Khossa O que é que faz um inside man se não inside job (trading)? Está no teu texto, Mosse, não inventei, nas podemos saltar esse ponto. Mas reitero tudo o que disse acima...
Matin Sabin
Escreve uma resposta...
Rui Costa Numa equipe onde jogam todos incluindo o presidente,massagista e roupeiro , não temos stocks de gestores para deitar 3 fora e fazer de conta que agora vem aí Houdini.
Acho que a supervisão bancária fez bem em alterar quem capitania o team, mas passar o apagador em nomes com provas dadas não ficou bem.nao há Houdinis neste mundo Bancário.
Marcelo Mosse O CA do Moza era de 7 pessoas e nao apenas 3. Havia tambem o Paulo Ratilal mais 3 portugueses que representavam o Novo Banco.
GostoResponder1Ontem às 0:48Editado
Matin Sabin
Escreve uma resposta...
Roland Brouwer Quem foi que há uns meses questionou a viabilidade dos bancos a expandir e abrir agências em zonas com baixa bancabilidade? Acho que o Mozbanco simplesmente cresceu depressa demais e por isso ficou insolvente. Seguir uma estratégia de rápida expansao em tempos de crise se calhar nao foi suficientemente prudente. Estou tb bastante curioso em relaçao ao bci e bim. Sao esses bancos que financiam empresas em crise como a mcel e as LAM. Espero que tenham os seus rácios bem organizados.
Marcelo Mosse A Feira das Vaidades...
Matin Sabin
Escreve uma resposta...
Rachid Joao Tayob Certo mais gostaria felicitar mais nao fazer como antiga administracao cliente paga letra fica intiado outro que nao cumpre e filho e ainda goza prevelegio porque
GostoResponder11 h
Carlos Viegas Nunes A banca moçambicana esta toda falida ! Numa economia que depende de doadores que fecharam a torneira e do investimento externo que desapareceu , o que é que se pode esperar da Banca ? O Povo Moçambicano foi aprisionado pelos politicos e está algemado . Nao pode emigrar como os Sirios. A sua moeda depreciou 100 %. O Estado não tem dinheiro para pagar salários. As empresas estão falidas ! Este cenário é uma bomba com um rastilho muito curto ! Vêm ai pilhagens e violência generalizada nas zonas densamente povoadas ! Não é guerra politica mas fome ! Moçambique vai entrar em guerra por causa da fome e não por causa da Renamo ! A Renamo irá apenas capitalizar o resultado dessa fome e tristeza que habitam no estomago e nos coraçoes dos Moçambicanos, que foram traidos pelos seus irmãos !
GostoResponder2 h
Hermes Sueia Amigo Nunes as coisas por cá não estão a correr bem mas não concordo com a sua visão tão catastrófica do futuro de Moçambique. Haja esperança.........
GostoResponder1 h
Carlos Viegas Nunes Amigo Hermes Sueia Nao vale a pena meter panos quentes na ferida ! Todos estamos tristes com a situaçao mas nao podemos meter a cabeça na areia como faz a avestruz ! Infelizmente todos ja viram esse filme no Zimbabue ai bem pertinho. Pessoas sem comida para dar aos filhos é um problema muito pior que divergencias politicas ou de opinião !
GostoResponder1 h

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook