sábado, 8 de outubro de 2016

MOÇAMBIQUE Mais armas, mais dívidas secretas

07 de outubro de 2016
Revelações sobre mais empréstimos ocultos reforçará exigências de uma investigação abrangente das finanças do Estado
Com a moeda mais rápido cair do mundo e um dos seus encargos da dívida mais prejudiciais, Moçambique enfrenta um regime ainda mais duras de austeridade económica que os créditos de outros US $ 900 milhões em empréstimos de segurança segredo surgir, desta vez para as empresas pertencentes ao Frente de Libertação de Moçambique ( Frelimo) elite para intermediar negócios de armas para o estado. altos funcionários da Frelimo enfrentam crescente pressão para explicar por que o governo escondeu seu programa de empréstimos multi-bilhões e para desvendar os beneficiários destas ofertas (AC Vol 57 No 14, o plano de avestruz da Frelimo & Vol 57 nº 17, do Ministério da confusão).
Algumas figuras seniores do governo têm tentado esconder centenas de milhões de dólares em empréstimos para comprar armas, incluindo rifles de assalto e carros blindados de, dizem as fontes, Israel, Africa Confidential aprendeu. Centenas de milhões de dólares a mais foram desperdiçados em planos grandiosos para a criação de uma indústria naval local.
Revelações sobre um outro lote de empréstimos ocultos reforçará exigências de uma investigação abrangente sobre as finanças precárias do país. Ele também envia um aviso aos bancos estrangeiros sobre o risco político. Já dois dos bancos envolvidos nos negócios, Crédit Suisse e do Grupo VTB da Rússia, investigações rosto por reguladores na Grã-Bretanha e Suíça.
Em sua viagem para os Estados Unidos em meados de setembro, o presidente Filipe Nyusi tentou diluir exigências de uma auditoria forense das finanças do Estado pelo Fundo Monetário Internacional. Nós ouvir aqueles presentes nas reuniões com diretor do FMI, Christine Lagarde, presidente do Banco Mundial Jim Yong Kim e altos funcionários dos EUA que isso nunca foi sobre os cartões. A mensagem clara em Washington na semana que terminou em 17 de setembro foi de que qualquer pacote de resgate financeiro para Moçambique seria dependente de governo de Nyusi aceitar a auditorias mais rigoroso das suas operações financeiras e as de seu antecessor no governo do presidente Armando Guebuza.
Com a depreciação da moeda de Moçambique, o metical, que agora está em torno de 80 ao dólar, dívida de Moçambique está agora mais de 100% do PIB, e continua a aumentar.
Sob esses empréstimos, o Crédit Suisse e do Grupo VTB dispostos cerca de US $ 2 bilhões. para as empresas pertencentes ao serviço de inteligência, o Serviço de Informação e Segurança do Estado. As empresas locais envolvidas são a Empresa Moçambicana de Atum (Ematum) ostensivamente criados para a pesca do atum; Gestão de Activos Moçambique (MAM) e Proindicus (AC Vol 57 No 10, dívidas à segurança secretos devastar economia). As obrigações das empresas e do governo que lhes garantidos incharam este ano.
Depois do escândalo inicial quebrou em 2013 sobre o estado empresa de pesca Ematum e sua misteriosa $ 850 mn. empréstimo garantido pelo Estado, seguido em abril deste ano por revelações sobre somas ainda maiores garantidas para Proindicus e MAM, parece provável que as irregularidades mais caros, tais como mispricing contrato, irá emergir como investigações financeiras arrancar (AC Vol 57 No 9, corte FMI -off segue choque da dívida secreta). A atenção é focada na série de despesa extraordinária antes de o presidente Guebuza escritório deixou oficialmente em janeiro de 2015.
Embora as autoridades em Ematum, MAM e Proindicus vigorosamente negar a existência de tais ofertas, altos funcionários da Frelimo agora admitem em privado que o governo estava usando essas estruturas secretas para um extenso programa de aquisição de armas. As autoridades temem mais detalhes vão surgir na auditoria.
Embora pareça que as armas foram compradas por empresas detidas por particulares, essas empresas estão ligadas às três principais empresas que receberam as garantias estatais. Do mn $ 900. em financiamentos, dizem as fontes, uma parcela foi gasta em armas e outra parcela menor gasto principalmente em veículos blindados. Esta pode ser a parte final do acordo original, que um diretor sênior de uma das empresas diz que foi inicialmente concebido para ser um US $ 3 bilhões. pacote.
Entre as mais difíceis tarefas que auditores e investigadores seria para rastrear os pagamentos não contabilizados, o que poderia totalizar tanto quanto um bilhão de dólares. Alguns desses fundos parecem ter sido on-emprestado a empresas privadas para fins não declarados para os credores originais, ou colocadas em contas bancárias offshore para atuar como garantia para as empresas pertencentes a altos funcionários da Frelimo.
Evidência para a gastos militares já era forte antes destas últimas revelações. Por exemplo, no MN $ 850. empréstimo garantido pelo Estado que Ematum tirou do Crédit Suisse e VTB, um mn $ 500. "Componente militar" foi transferido para o orçamento do Ministério da Defesa. Em teoria, isso era para barcos de patrulha militares adquiridos no âmbito do contrato, mas esses barcos custam uma fração dessa quantia e não há uma explicação sobre a forma como o excedente foi gasto.
Ambas as contas Ematum e "documentos relativos aos contratos 'visto por AC mostram que elementos militares no projeto consistir apenas de três Oceano Águia 43 trimarans, comprado da Construção mécaniques de Normandie (CMN), uma subsidiária problemática da Privinvest, de propriedade do Francês empresário -Lebanese Iskandar Safa (AC Vol 54 No 22, o navio negócio mistério). Depois que garantiu o contrato Moçambique, a receita da Privinvest saltou para cerca de US $ 120 milhões. em 2014, mais do que dobrar sua receita média dos cinco anos anteriores. Estes trimarans patrulha de três oceano, que são avaliadas em pouco menos de US $ 100 milhões. cada um em documentos oficiais, valem muito menos de US $ 100 milhões. no total, dizem os especialistas. Isso deixa mais de US $ 400 milhões. desaparecidos.
banking conflito
Fontes próximas ao Ministério da Defesa disse que os fundos obtidos por Ematum via empréstimos do Crédit Suisse e VTB Bank foram usadas para reforçar o arsenal das forças de segurança do Estado, por sua guerra de tiros com o partido da oposição, a Resistência Nacional Moçambicana (Renamo).
Não há dúvida de que o programa de segurança marítima foi sempre vai envolver navios armados. documentos da empresa afirmar que para cumprir os requisitos Ematum e Proindicus empreiteiros teriam 'permissões de acordo com o Controle de Armas Atos estabelecido na Empreiteiro de e seus sub-fornecedores dos países'. Não há nenhuma sugestão de que o contratante forneceu armas, mas os navios fornecidos foram projetados para ser armado.
As outras questões fundamentais que os investigadores e auditores incidirá sobre incluem:
• O uso de fundos por Proindicus: ela pagou US $ 366 milhões. para o seu programa de segurança marítima, mas o que aconteceu com os restantes US $ 256 milhões.?
• acordos de empréstimo Top-up com o Credit Suisse e VTB: quais foram as comissões sobre estes empréstimos? Qual é a exposição de outros bancos estrangeiros e locais, tais como Moza Banco, que está agora em administração de emergência?
• A estrutura dos contratos de Ematum: como e por que fez balão empréstimo de Ematum a partir do original $ 300 mn. para US $ 850 milhões.? Por que o aumento de preço do contrato no último minuto em US $ 51 milhões. sem razão aparente? E por que as comissões, impostos e outros encargos rodando a mais de 11% do preço do contrato, de acordo com informações confidenciais do Tribunal de Contas?
• Existem grandes inconsistências nas especificações do equipamento entre as três empresas principais envolvidos: Ematum, MAM e Proindicus. Para avaliar o valor real do equipamento, não terá que ser um inventário abrangente de todas as compras substanciais e comissões.
• O preço que Ematum pago por seus navios de pesca foi mais de 20 vezes o valor de mercado. Por que e que se beneficiaram com estas discrepâncias?
• Fontes da indústria questionar a $ 75 mn. pago pelo Proindicus para duas aeronaves de patrulha marítima Reims-Cessna F406 franco-construído e duas embarcações offshore. Eles sugerem preços de mercado seria mais perto de $ 20 milhões.
• Terá de ser uma análise financeira aprofundada da mn $ 500. que MAM alocado para construir bases marítimas para Ematum e Proindicus e estabelecer um estaleiro em Pemba para fabricar navios interceptadores altamente sofisticados.
O trabalho no estaleiro Pemba mal começou e nenhum dos 18 navios feitos localmente, como parte do contrato, parecem ter sido entregue. Uma avaliação preliminar do contrato MAM, supervisionado por Privinvest ou sub-contratada para sua subsidiária local, Privinvest Shipbuilding Moçambique, sugere perdas fenomenal para o governo, que garante pagamentos, como o pacote de treinamento e suporte agora expirou e não há nenhuma evidência de uma indústria naval próspera para mostrar para o mn $ 500.
Copyright © Africa Confidential 2016
http://www.africa-confidential.com

Mozambique
7th October 2016
Revelations about more hidden loans will reinforce demands for a comprehensive investigation of state finances
With the world's fastest falling currency and one of its most damaging debt burdens, Mozambique faces a still harsher regime of economic austerity as claims of another US$900 million of secret security loans emerge, this time for companies owned by the Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) elite to broker arms deals for the state. Top Frelimo officials face mounting pressure to explain why government hid its multi-billion borrowing programme and to unveil the beneficiaries of these deals (AC Vol 57 No 14, Frelimo's ostrich plan & Vol 57 No 17, Ministry of muddle).
Some senior government figures have tried to hide hundreds of millions of dollars of loans to buy guns, including assault rifles and armoured cars from, say sources, Israel, Africa Confidential has learned. Hundreds of millions of dollars more were wasted on grandiose plans to set up a local shipbuilding industry.
Revelations about another batch of hidden loans will reinforce demands for a comprehensive investigation into the country's precarious finances. It also sends a warning to foreign banks about political risk. Already two of the banks involved in the deals, Crédit Suisse and Russia's VTB Group, face investigations by regulators in Britain and Switzerland.
On his trip to the United States in mid-September, President Filipe Nyusi tried to dilute demands for a forensic audit of the state finances by the International Monetary Fund. We hear from those present at meetings with IMF Managing Director Christine Lagarde, World Bank President Jim Yong Kim and senior US officials that this was never on the cards. The clear message in Washington in the week ending 17 September was that any financial rescue package for Mozambique would be contingent on Nyusi's government accepting the most rigorous audits of its financial operations and those of its predecessor under President Armando Guebuza
With the depreciation of Mozambique's currency, the metical, which is now around 80 to the US dollar, Mozambique's debt is now over 100% of GDP and still rising.
Under those loans, Crédit Suisse and VTB Group arranged some $2 bn. for companies owned by the intelligence service, the Serviço de Informação e Segurança do Estado. The local companies involved are the Empresa Moçambicana de Atum (Ematum) ostensibly set up for tuna fishing; Mozambique Asset Management (MAM) and Proindicus (AC Vol 57 No 10, Secret security debts devastate economy). The obligations of the firms and the government which guaranteed them have ballooned this year.
After the initial scandal broke in 2013 over state fishing company Ematum and its mysterious $850 mn. state-guaranteed loan, followed this April by revelations about even larger sums guaranteed for Proindicus and MAM, it seems likely that more expensive irregularities, such as contract mispricing, will emerge as financial investigations get under way (AC Vol 57 No 9, IMF cut-off follows secret debt shock). Attention is focused on the extraordinary spending spree before President Guebuza officially left office in January 2015. 
Although officials in Ematum, MAM and Proindicus strenuously deny the existence of such deals, senior Frelimo officials now privately concede the government was using these secret structures for an extensive arms procurement programme. Officials fear more details will emerge in the audit.
Though it seems that weapons were purchased by companies owned by private individuals, these companies are linked to the three main companies which received the state guarantees. Of the $900 mn. in financing, sources say, one tranche was spent on guns and another smaller tranche spent mainly on armoured vehicles. This may be the final part of the original deal, which a senior director of one of the companies says was initially intended to be a $3 bn. package.
Among the toughest tasks facing auditors and investigators would be to track down the unaccounted payments, which could total as much as a billion dollars. Some of these funds appear to have been on-loaned to private companies for purposes not declared to the original lenders, or placed in offshore bank accounts to act as collateral for companies owned by senior Frelimo officials.
Evidence for the military spending was already strong before these latest revelations. For example, in the $850 mn. state-backed loan that Ematum took from Crédit Suisse and VTB, a $500 mn. 'military component' was transferred to the Defence Ministry budget. In theory, this was for military patrol boats purchased under the contract but those boats cost a fraction of that sum and there is no explanation on how the surplus was spent.
Both the Ematum accounts and 'documents relating to procurement' seen by AC show that military elements in the project consist only of three Ocean Eagle 43 trimarans, bought from the Construction mécaniques de Normandie (CMN), a troubled subsidiary of Privinvest, owned by French-Lebanese businessman Iskandar Safa (AC Vol 54 No 22, The mystery ship deal). After it secured the Mozambique contract, Privinvest's revenue jumped to some $120 mn. in 2014, more than double its average revenue for the five previous years. These three ocean patrol trimarans, which are valued at slightly under $100 mn. each in official documents, are worth far less than $100 mn. in total, say experts. That leaves more than $400 mn. unaccounted for.
Conflict banking
Sources close to the Defence Ministry say that funds obtained by Ematum via loans from Crédit Suisse and VTB Bank were used to bolster the arsenal of the state security forces, for its shooting war with the opposition party, the Resistência Nacional Moçambicana (Renamo).
There is no question that the maritime security programme was always going to involve armed vessels. Company documents state that to fulfil the Ematum and Proindicus requirements contractors would need 'permissions according to Arms Control Acts established in the Contractor's and its sub-suppliers' countries'. There is no suggestion that the contractor supplied weapons but the vessels supplied were designed to be armed.
The other key issues which investigators and auditors will focus on include:
• The use of funds by Proindicus: it paid $366 mn. for its maritime security programme but what happened to the remaining $256 mn.?
• Top-up loan arrangements with Crédit Suisse and VTB: what were the commissions on these loans? What is the exposure of other foreign and local banks such as Moza Banco, which is now in emergency administration?
• The structure of Ematum's contracts: how and why did Ematum's loan balloon from the original $300 mn. to $850 mn.? Why did the contract price increase at the last minute by $51 mn. for no apparent reason? And why are commissions, taxes and other charges running at more than 11% of the contract price, according to confidential information from the audit court?
• There are big inconsistencies in equipment specifications between the three main companies involved: Ematum, MAM and Proindicus. To assess the real value of the equipment, there will have to be a wide-ranging inventory of all substantive purchases and commissions.
• The price that Ematum paid for its fishing vessels was more than 20 times the market value. Why and who benefited from these discrepancies?
• Industry sources question the $75 mn. paid by Proindicus for two French-built Reims-Cessna F406 maritime patrol aircraft and two offshore vessels. They suggest market prices would be closer to $20 mn.
• There will have to be a thorough financial analysis of the $500 mn. that MAM allocated to build maritime bases for Ematum and Proindicus and establish a shipyard in Pemba to manufacture highly sophisticated interceptor vessels. 
Work on the Pemba shipyard has barely started and none of the 18 locally made vessels, as part of the contract, appear to have been delivered. A preliminary assessment of the MAM contract, overseen by Privinvest or sub-contracted to its local subsidiary, Privinvest Shipbuilding Mozambique, suggests phenomenal losses to the government, which guaranteed payments, as the training and support package has now expired and there is no evidence of a thriving shipbuilding industry to show for the $500 mn.
Copyright © Africa Confidential 2016
http://www.africa-confidential.com


Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook