segunda-feira, 10 de outubro de 2016

MOÇAMBIQUE 340 - News relatórios e recortes

10 de outubro de 2016

Renamo negociador assassinado

figura sênior Renamo Jeremias Pondeca foi morto a tiros em Maputo sábado (08 de outubro). Ele era um membro da comissão mista negociar um acordo entre a Renamo e do governo. Ele era um membro do Conselho de Estado, um órgão consultivo do Presidente da República, e tinha sido um membro do parlamento 1995-2004.

Pondeca tinha duas empresas no novo mercado de peixes na Marginal e ele normalmente abriu as empresas e, em seguida, levou uma corrida ao longo da Marginal. Ele estava correndo passado a loja jogo em 07,00 quando foi baleado sete vezes por quatro homens. (AIM En 09 de outubro; Noticias & O Pais 10 de outubro) Até agora não houve nenhuma declaração do Presidente Nyusi.

fala Renamo-governamentais foram criadas para retomar esta tarde (10 de Outubro), tendo sido suspenso desde 30 de Setembro. As conversações foram suspensas pelos mediadores por duas razões. Primeiro foi para permitir que os dois lados para falar em privado para tentar encontrar alguma maneira de quebrar o log-jam negociação. Em segundo lugar ficou duas intervenções por parte dos mediadores e, especialmente, defacto mediador principal Mario Raffaelli. De uma forma muito formalista, as negociações Renamo-Frelimo sempre rigidamente seguido uma agenda acordada, lidando com apenas um ponto de cada vez. O segundo ponto da agenda é a descentralização ea procura da Renamo de nomear seis governadores. Raffaelli apresentou um documento em 27 de Setembro definindo a forma como as exigências da Renamo poderia ser alcançado sem que altera a Constituição, e, inesperadamente, no dia seguinte, o governo pediu mais tempo para analisar o papel, sugerindo que eles estavam levando isso a sério. Raffaelli também ganhou acordo para passar para o terceiro item da pauta, a integração das forças da Renamo para a polícia e os militares, antes do segundo ponto foi resolvido.



Comentário: Os negociadores criar sub-comités e Pondeca comandou a equipe Renamo na sub-comissão para elaborar legislação descentralização. Assim Pondeca foi uma pessoa chave nas negociações sobre o papel Raffaelli sobre os governadores. E em uma entrevista publicada sexta-feira, Dhlakama colocar mais pressão sobre a comissão conjunta. O assassinato de Pondeca será visto por muitos como a resposta da Frelimo para a demanda da Renamo aos governadores de nome.

Matando funcionários da Renamo tornou-se parte da estratégia militar do governo na guerra, mas a morte de um negociador é uma escalada dramática, que também parece uma mensagem clara para Dhlakama que não é seguro para ele ir para Maputo.

Quando Raffaelli disse que a Frelimo tinha pedido mais tempo para analisar sua proposta de governadores, ele deixou claro que o pedido veio do próprio presidente Filipe Nyusi, que foi pessoalmente exame da proposta. Será Nyusi, um ex-ministro da Defesa, tem o controle do esquadrão de ataque, ou é agir de forma independente de Nyusi para acabar com as negociações? Não são repetidos rumores de que Nyusi não controla os serviços de segurança militar ou, e que há uma facção que acredita Renamo só pode ser derrotado militarmente, que por sua vez requer compras de armas substanciais (ver artigo abaixo). jh

Renamo membro assembleia provincial morto a tiros

Armindo Ncuche, chefe da comissão de assuntos económicos na assembléia provincial de Tete, e delegado político da Renamo no distrito de Moatize, foi morto a tiros em plena luz do dia em 22 de setembro. Ele foi atingido por cinco tiros em cerca de 13.30 quando ele estava indo para casa de uma reunião da assembléia.

Posteriormente Renamo boicotou a assembleia provincial de Manica, por medo de assassinatos, depois de um membro da Frelimo, João Roque, foi encontrado para ter uma pistola com ele enquanto o conjunto estava em sessão. (AIM En 27, 29 Set)

Dhlakama rejeita reunião Nyusi

Em uma entrevista em Savana (07 de outubro) para marcar o 24º aniversário do acordo de paz de Roma, Dhlakama inesperadamente recusou a encontrar-se com Nyusi. Oficialmente, as negociações Comissão Conjunta só deve estar preparando uma reunião Dhlakama-Nyusi face-a-face, mas Dhlakama continuou: ". Eu acho que o nível das negociações em curso é ao mais alto nível que eu estou dizendo que eu organizou uma equipe , presidente Nyusi tem uma equipe, e eles estão negociando em Maputo com a presença de mediação internacional. Eu não acho que é importante que Nyusi e Dhlakama, duas pessoas, têm de cumprir para negociar sozinho, porque este país não pertence a Nyusi . nem Dhlakama ... Eu falo todos os dias com meus representantes na comissão mista; acredito que Nyusi também faz isso Então eu dispensado com esta reunião [Nyusi-Dhlakama] "Eles devem atender apenas para assinar um acordo final, como o.. um em Roma em 1992. "Agora, enquanto houver diálogo e delegações estão negociando na capital, não é necessário ter um encontro entre Dhlakama e Nyusi".

Dhlakama novamente expor suas demandas: "A comissão conjunta deve produzir um acordo final sobre Renamo governança das seis províncias. Os governadores devem ter seus próprios poderes, porque não vamos ser integrados no regime da Frelimo, nem haverá um governo de unidade nacional, como Quênia e Zimbábue, entre Tsvangirai e Mugabe. Nós não queremos isso. Nós vamos governar com nossas políticas. "

Finalmente, ele disse que os seis governadores deve ser nomeado pela Renamo este ano. "Este governo interino e de transição termina com as eleições de 2019, quando os governadores serão eleitos."

Comentário: Isto reflete três mudanças na posição de Dhlakama. Dhlakama sempre teve um controlo apertado sobre as pessoas que ele nomes, conversando com membros da Renamo do presidium parlamento e membros da Renamo na Comissão Nacional de Eleições no telefone móvel durante as reuniões, para dar-lhes instruções detalhadas. Assim, ele aparece para ver a comissão mista como um fórum de negociação mais útil, como durante os 1990-92 conversações de Roma. Dhlakama certamente irá ver o assassinato de Pondeca apenas um dia após a entrevista foi publicada como uma resposta Frelimo.

Em segundo lugar, ele aceitou que os governadores podem ser eleitos, e que ele só iria nomear governadores provisórias - importante porque Renamo poderia provavelmente só eleger governadores em três das seis províncias Dhlakama reivindicações.

Terceiro, ele mudou-se para uma demanda para o federalismo com muito mais autonomia para as províncias, o que é totalmente inaceitável para a Frelimo. Na verdade, aqueles em Frelimo que querem mais descentralização têm vindo a desenvolver uma posição de negociação com base em definir mais claramente o poder dos governadores e restringindo o seu atual poder defacto sem controle - que Dhlakama parece improvável a aceitar. jh

Nacala ferroviária atacada

Trens na estrada de ferro de Malawi ao porto de Nacala foram atacados duas vezes na semana passada - os primeiros ataques contra o norte ferroviária nesta fase da guerra renovada. Na quinta-feira 06 de outubro em 01.00 atiradores dispararam contra um trem de carvão Vale indo em direção Nacala. O pára-brisas locomotiva foi quebrado e cacos de vidro feriu o motorista do motor. O ataque foi em Mutuali, Malema, 40 km a leste de Cuamba.

Na segunda-feira 03 de outubro às 23:00 homens armados dispararam contra um comboio em Muriza, Niassa, 18 quilômetros a leste de Cuamba. Este foi um trem CFM com apenas dez vagões vazios indo para Nacala. Três policiais e três pilotos estavam na locomotiva, e um dos motoristas foi baleado na perna.

Enquanto isso, o governo admitiu que a Vale não tem sido o envio de qualquer carvão na linha férrea de Sena para a Beira, nos últimos dois meses, desde o último ataque a essa linha. Governo está agora a negociar com a Vale sobre como fornecer proteção na linha de Sena. (O Pais e AIM Pt 7, 8 de outubro)

Um grupo de 13 homens da Renamo atacaram a cidade de Mecua no distrito de Meconta, Nampula em 3 de Outubro, danificando o escritório do governo e queimando documentos e um carro e motocicleta, assim tomando cama do posto de saúde. (AIM Pt 03 de outubro)

$ 900 mn para os braços?

Mais de metade dos mais de US $ 2 bilhões em empréstimos secretos ao redor Ematum e segurança marítima nunca foram explicados. Africa Confidential (07 de outubro), que foi excepcionalmente bem informado sobre a dívida secreto, relata que US $ 900 milhões em empréstimos secretos foi repassado para empresas detidas por membros da elite da Frelimo para comprar rifles de assalto, carros blindados e outras armas de Israel e em outros lugares para o crescente guerra contra a Renamo. Há indícios de comissões substanciais. O relatório está enterrado em um artigo um pouco confuso, que tem sido amplamente reproduzida por Rhula (30 setembro - 7 outubro) e que acabará por aparecer no http://www.rhula.net/news-announcements.html

Vender gás com antecedência, para pagar a dívida?

Como previsto aqui em Junho, Moçambique vão tentar vender em grandes partes do avanço de sua participação de 15-20% do gás a ser produzido em Cabo Delgado, a fim de saldar a dívida secreta. Ragendra de Sousa, o recém-nomeado vice-ministro da Indústria e Comércio, disse ao jornal Publico Português (30 de setembro) "Se vender o gás de antecedência, os recibos serão muito maiores do que a dívida." (Moçambique Notícias Relatórios e Clippings 325, 8 de Junho) https://www.publico.pt/economia/noticia/nao-preciso-que-o-fmi-me-venha-dar-aulas-eu-estudei-na-mesma -escola-1745599

Moçambique já está comprometida com a venda de parte de seu gás para pagar a sua quota multibilionário das plantas de liquefação de gás. Este e de proposta de venda de Sousa, por exemplo para o gás para um gasoduto para a África do Sul, terá toda a sua quota de Moçambique durante vários anos. Isso significa que ele será pelo menos uma década antes Moçambique ganha quaisquer receitas que poderia usar.

De Sousa disse que a dívida do governo Guebuza deve ser aceite, mas renegociados. "O que o governo anterior fez, o novo governo tem de assumir", disse ele. "Defendo que o país tem de honrar os seus compromissos, mas não temos para honrar o valor nominal [da dívida] ... Temos de renegociar os termos e condições."

"Temos que ver a capacidade que temos de pagar e o tempo. Eu vou para o credor e dizer que não podem pagar, ou você renegociar ou nós padrão. Mas então eu digo que o padrão também é seu, porque você não fazer a devida diligência. o que vai agências financeiras Credit Suisse e os soviéticos [Grupo VTB] dizer? Estamos todos no mesmo barco, com margens muito pequenas. temos de pagar, mas eles também precisam que Moçambique não dizer ao seu acionistas que não eram profissionais ", disse ele.

Quão perto do governo e do FMI sobre a auditoria?

Moçambique parece ter aceitado que ele vai ficar sem dinheiro ao FMI, até uma auditoria aceitável da dívida segredo está em curso, e a lacuna financeira terá de ser preenchido pelas vendas de gás e outros ativos. Mas o governo eo FMI pode estar mais perto do que é realizado sobre a questão de como fazer uma auditoria externa independente.

"O presidente não disse que a auditoria será feita sob o comando do PRG [gabinete do Procurador Genera, Procuradoria Geral da Republica de Moçambique]; o que ele pediu é que ser feito dentro das instituições [nacionais] A equipe enviada pelo. FMI não iria funcionar no Hotel Polana, mas sim trabalhar no Ministério da Economia e Finanças ", explicou de Sousa em sua entrevista Publico. "Ele continua a ser externos, como o FMI pretende. Qual é a diferença entre fazer a auditoria no Polana Hotel ou nos escritórios da PGR? Os técnicos são os mesmos, os termos de referência da auditoria será por mútuo acordo ... Se assim for, os moçambicanos envolvidos vão aprender fazendo a auditoria na Polana ninguém aprende; fazê-lo em Londres, todos nós vamos receber é de 500 páginas de papel, enquanto o resto permanece lá parece-me justo e sensível ..... outra vantagem de ter a auditoria dentro do PGR é que, se há matéria penal, a ação pode ser tomada ali mesmo na PGR ".

Em um 08 de outubro conferência de imprensa do Departamento Africano do FMI Director Abebe Aemro Selassie disse:. "A boa notícia aqui é que não é um bom acordo entre o governo [de Moçambique] e pelo FMI em alguns dos pré-requisitos fundamentais para a auditoria que é que há será uma auditoria independente realizada sobre os empréstimos que têm sido tomadas por empresas estatais, e que esta auditoria será tornado público. será publicado. Então eu acho que isso é um entendimento muito bom. vamos esperar para ver como que evolui nos próximos meses ". E na sequência do 15 encontro de setembro em Washington entre o diretor do FMI, Christine Lagarde, eo presidente Filipe Nyusi, o FMI divulgou um comunicado dizendo que "o director-geral bem-vindas que o Presidente indicou que o Governo da disposição de Moçambique para trabalhar com o FMI sobre os termos-de -Referência para este processo - a ser iniciada pelo gabinete do procurador-geral -. e para implementá-lo "
http://www.imf.org/en/News/Articles/2016/10/08/AM16-TR100716-Transcript-of-African-Department-Press-Briefing http://www.imf.org/en/News / artigos / 2016/09/15 / PR16411-Moçambique-FMI-Statement

É evidente que há muita negociação ainda está por vir como a quantidade de energia a PRG vai ter e quão longe a auditoria vai, mas Moçambique parece ter acordo ganhou para manter a auditoria no seio das instituições nacionais - e, provavelmente, para ser capaz de impedir acusações de senior pessoas na Frelimo. Em troca, os moçambicanos parecem ter aceitado que ele vai ser um longo tempo antes de que haverá qualquer dinheiro do FMI.

Finalmente, o economista norte-americano treinado de Sousa disse que "não é para o FMI para me dar aulas. Estudei na mesma escola."

================================================== =========================================
Editor: Joseph Hanlon (j.hanlon@open.ac.uk)

MOZAMBIQUE 340 - News reports & clippings


Listen to this post. Powered by iSpeech.org
10 October 2016
Renamo negotiator assassinated
Senior Renamo figure Jeremias Pondeca was gunned down in Maputo Saturday (8 October). He was a member of the joint commission negotiating a settlement between Renamo and government. He was a member of the Council of State, an advisory body to the President of the Republic, and had been a member of parliament 1995-2004. 

Pondeca had two businesses in the new fish market on the Marginal and he normally opened the businesses and then took a run along the Marginal. He was running past the Game store at 07.00 when he was shot seven times by four men. (AIM En 9 Oct; Noticias & O Pais 10 Oct) So far there has been no statement from President Nyusi.

Renamo-government talks were set to resume this afternoon (10 October), having been suspended since 30 September. Talks had been suspended by the mediators for two reasons. First was to allow the two sides to consult privately to try to find some way to break the negotiating log-jam. Second was two interventions by the mediators, and especially defacto chief mediator Mario Raffaelli. In a very formalistic way, Renamo-Frelimo negotiations have always rigidly followed an agreed agenda, dealing with only one point at a time. The second point on the agenda is decentralization and Renamo’s demand to appoint six governors. Raffaelli tabled a paper on 27 September setting out how Renamo’s demands could be met without amending the constitution, and unexpectedly the next day the government asked more time to consider the paper, suggesting they were taking it seriously. Raffaelli also gained agreement to move on to the third item on the agenda, integration of Renamo forces into the police and military, before the second point was resolved.


Comment: The negotiators set up sub-committees and Pondeca headed the Renamo team on the sub-committee to draft decentralization legislation. Thus Pondeca was a key person in the negotiations over the Raffaelli paper on the governors. And in an interview published Friday, Dhlakama put more stress on the joint commission. Pondeca’s murder will be seen by many as Frelimo’s response to Renamo’s demand to name governors. 

Killing Renamo officials has become part of the government’s military strategy in the war, but the killing of a negotiator is a dramatic escalation, which also seems a clear message to Dhlakama that it is not safe for him to go to Maputo. 

When Raffaelli said that Frelimo had asked for more time to analyse his proposal on governors, he made it clear that the request came from President Filipe Nyusi himself, who was personally analysing the proposal. Does Nyusi, a former defence minister, have control of the hit squad, or is it acting independently of Nyusi to end the talks? There are repeated rumours that Nyusi does not control the military or the security services, and that there is a faction that believes Renamo can only be defeated militarily, which in turn requires substantial weapons purchases (see article below). jh

Renamo provincial assembly member gunned down

Armindo Ncuche, head of the economic affairs commission in the Tete provincial assembly, and Renamo political delegate in Moatize district, was gunned down in broad daylight on 22 September. He was struck by five bullets at about 13.30 as he was going home from a meeting of the assembly.

Subsequently Renamo boycotted the Manica provincial assembly for fear of assassinations, after a Frelimo member, Joao Roque, was found to have a pistol with him while the assembly was in session. (AIM En 27, 29 Sept)

Dhlakama rejects Nyusi meeting
In an interview in Savana (7 Oct) to mark the 24th anniversary of the Rome peace accord, Dhlakama unexpectedly refused to meet with Nyusi. Officially, the joint commission negotiations are only supposed to be preparing a face-to-face Dhlakama-Nyusi meeting, but Dhlakama continued: "I think the level of on-going negotiations is at the highest level. I am saying I organized a team, President Nyusi has a team, and they are negotiating in Maputo with the presence of international mediation. I do not think it is important that Nyusi and Dhlakama, two people, have to meet to negotiate alone, because this country does not belong to Nyusi nor to Dhlakama. … I speak every day with my representatives in the joint commission; I believe that Nyusi also does this. So I dispensed with this [Nyusi-Dhlakama] meeting.” They should meet only to sign a final agreement, like the one in Rome in 1992. “Now while there is dialogue, and delegations are negotiating in the capital, it is not necessary to have a meeting between Dhlakama and Nyusi”. 

Dhlakama again set out his demands: “The joint commission should produce a final agreement on  Renamo governance of the six provinces. The governors must have their own powers, because we will not be integrated into the Frelimo regime, nor will there be a government of national unity, like Kenya and Zimbabwe, between Tsvangirai and Mugabe. We do not want this. We will govern with our policies.”

Finally, he said the six governors should be named by Renamo this year. “This interim governance and transition ends with the 2019 elections, when the governors will be elected.”

Comment: This reflects three changes in Dhlakama’s position. Dhlakama has always had tight control over the people he names, talking to Renamo members of the parliament presidium and Renamo members of the National Elections Commission on the mobile telephone during meetings, to give them detailed instructions. Thus he appears to see the joint commission as a more useful negotiating forum, as during the 1990-92 Rome talks. Dhlakama will surely see the assassination of Pondeca just a day after the interview was published as a Frelimo response. 

Second, he has accepted that governors can be elected, and that he would only appoint interim governors - important because Renamo could probably only elect governors in three of the six provinces Dhlakama claims. 

Third, he has moved to a demand for federalism with much more autonomy for provinces, which is totally unacceptable to Frelimo. Indeed, those in Frelimo who want more decentralisation have been developing a negotiating position based on defining more clearly the power of governors and restricting their current defacto unchecked power - which Dhlakama seems unlikely to accept. jh
Nacala railway attacked

Trains on the railway from Malawi to Nacala port were attacked twice last week - the first attacks on the northern railway in this phase of the renewed war. On Thursday 6 October at 01.00 gunmen shot at a Vale coal train heading toward Nacala. The locomotive windscreen was shattered and shards of glass injured the engine driver. The attack was in Mutuali, Malema, 40 km east of Cuamba.

On Monday 3 October at 23.00 gunmen shot at a train in Muriza, Niassa, 18 kilometres east of Cuamba. This was a CFM train with just ten empty wagons going to Nacala. Three police and three drivers were in the locomotive, and one of the drivers was shot in the leg.

Meanwhile, the government has admitted that Vale has not been sending any coal on the Sena railway line to Beira for the past two months, since the last attack on that line. Government is now negotiating with Vale about how to provide protection on the Sena line. (O Pais and AIM Pt 7, 8 Oct)

A group of 13 Renamo men attacked the town of Mecua in Meconta district, Nampula on 3 October, damaging the government office and burning documents and a car and motorcycle, as well taking bedding from the health post. (AIM Pt 3 Oct)

$900 mn for arms?

More than half of the more than $2 billion in secret loans around Ematum and maritime security have never been explained. Africa Confidential (7 Oct), which has been unusually well informed on the secret debt, reports that $900 million of the secret loans has been passed on to companies owned by members of the Frelimo elite to buy assault rifles, armoured cars and other weapons from Israel and elsewhere for the escalating war against Renamo. There are indications of substantial commissions. The report is buried in a somewhat confusing article, which has been largely reprinted by Rhula (30 Sep to 7 Oct) and which will eventually appear on http://www.rhula.net/news-announcements.html

Sell gas in advance to pay debt?

As predicted here in June, Mozambique will try to sell in advance large parts of its 15-20% share of the gas to be produced in Cabo Delgado in order to pay off the secret debt. Ragendra de Sousa, the recently appointed Deputy Minister of Industry and Trade, told the Portuguese newspaper Publico (30 Sept) "If we sell the gas in advance, the receipts will be far greater than the debt." (Mozambique News Reports & Clippings 325, 8 June)https://www.publico.pt/economia/noticia/nao-preciso-que-o-fmi-me-venha-dar-aulas-eu-estudei-na-mesma-escola-1745599

Mozambique is already committed to selling part of its gas to pay for its multibillion dollar share of the gas liquification plants. This and de Sousa's proposed sale, for example for gas for a pipeline to South Africa, will take all of Mozambique's share for several years. That means it will be at least a decade before Mozambique gains any revenues it could use.

De Sousa said the debt of the Guebuza government must be accepted, but renegotiated. "What the previous government did, the new government must take on," he said. "I argue that the country has to honour its commitments, but we do not have to honour the face value [of the debt] … We must renegotiate the terms and conditions."

"We have to see the ability that we have to pay and the time. I go to the lender and say that I can not afford to pay, either you renegotiate or we default. But then I say that the default is also yours, because you did not do due diligence. What will financial agencies Credit Suisse and the Soviets [VTB Group] say? We are all in the same boat, with very small margins. We have to pay, but they also need that Mozambique not say to their shareholders that they were not professional," he said.

How close are government and IMF on the audit?

Mozambique appears to have accepted that it will get no money from the IMF until an acceptable audit of the secret debt is under way, and the financial gap will have to be filled by sales of gas and other assets. But the government and IMF may be closer than is realised on the question of how to do an independent external audit.

"The President did not say that the audit will be done under the command of the PRG [Attorney Genera's office, Procuradoria Geral da Republica de Mocambique]; what he asked is that it be done within [national] institutions. The team sent by the IMF would not work at the Hotel Polana but instead work at the Ministry of Economy and Finance," explained de Sousa in his Publico interview. "It continues to be external, as the IMF intends. What is the difference between making the audit in the Polana Hotel or at the offices of the PGR? The technicians are the same, the terms of reference of the audit will be by mutual agreement. If so, Mozambicans involved will learn. Making the audit in the Polana. no one learns; doing it in London, all we will receive is 500 pages of paper, while the rest stays there. It seems to me fair and sensible. … Another advantage of having the audit inside the PGR is that if there are criminal matters, action can be taken right there in the PGR."

In an 8 October press briefing IMF African Department Director Abebe Aemro Selassie said: "The good news here is that there’s a good agreement between the government [of Mozambique] and the IMF on some of the key prerequisites for the audit. That is that there will be an independent audit undertaken of the loans that have been taken up by state owned enterprises, and that this audit will be made public. Will be published. So I think this is a very good understanding. We are going to wait to see how that evolves in the coming months." And following the 15 September meeting in Washington between IMF Managing Director Christine Lagarde and President Filipe Nyusi, the IMF issued a statement saying that "the Managing Director welcomed that the President indicated the Government of Mozambique’s willingness to work with the IMF on the terms-of-reference for this process - to be initiated by the office of the Attorney General - and to implement it." 
http://www.imf.org/en/News/Articles/2016/10/08/AM16-TR100716-Transcript-of-African-Department-Press-Briefing  http://www.imf.org/en/News/Articles/2016/09/15/PR16411-Mozambique-IMF-Statement

Clearly there is much negotiation still to come as to how much power the PRG will have and how far the audit will go, but Mozambique seems to have won agreement to keep the audit within national institutions - and probably to be able to prevent prosecutions of senior people in Frelimo. In exchange, the Mozambicans appear to have accepted that it will be a long time before there will be any IMF money.

Finally, the US-trained economist de Sousa said that "it is not for the IMF to give me lessons. I studied at the same school."

===========================================================================================

Editor: Joseph Hanlon ( j.hanlon@open.ac.uk)

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook