sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Ministério Público brasileiro investiga negócios de Donald Trump

LUSA

29/10/2016 - 00:49


Estão a ser investigados "investimentos, possivelmente criminosos", que envolvem o grupo The Trump Organization no Brasil.
AFP/SARAH RICE


O Ministério Público Federal (MPF) do Brasil confirmou esta sexta-feira que investiga "investimentos, possivelmente criminosos", que envolvem o grupo The Trump Organization, do candidato republicano às presidenciais norte-americanas, Donald Trump, no país.

A investigação em causa envolve também o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FI-FGTS) - um fundo de investimento que usa recursos de trabalhadores para aplicar em projectos de infraestruturas - e entidades de previdência (reforma), de acordo com uma nota do MPF.

A investigação insere-se na Operação Greenfield, que apura fraudes em fundos de pensão, e desdobra-se num procedimento investigatório criminal e num inquérito civil.

Os investigadores suspeitam de ilegalidades no aporte de recursos do Instituto Serpro de Seguridade Social e do Instituto de Gestão Previdenciária do Estado do Tocantins num fundo de investimentos que participou da edificação do Trump Hotel, no Rio de Janeiro.

Juntos, Serpros e Igeprev investiram mais de 131 milhões de reais (37,2 milhões de euros) no projecto do hotel.

As investigações apontam também que o grupo económico ligado a Donald Trump pode ter sido beneficiado com recursos do FI-FGTS.

"É necessário ainda verificar se o favorecimento pelas entidades de previdência da empresa LSH Barra Empreendimentos Imobiliários e do grupo empresarial The Trump Organization deu-se por meio de pagamento ilícito de comissões e propinas [subornos]", tais como noutros casos apurados na Operação Greenfield, devido à "grande grande similitude do 'modus operandi' [modo de actuação]", escreveu o procurador no despacho, apontando uma das linha de investigação.

Em comunicado, o MPF sublinhou que a investigação "não significa a antecipação de culpa dos envolvidos" e nem "posição final" da instituição sobre a ilegalidade dos fatos sob investigação.

A confirmação chegou a cerca de uma semana e meia das eleições presidenciais de 8 de Novembro.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook