domingo, 23 de outubro de 2016

Kagame amanhã em Maputo

Kagame amanhã em Maputo

O Presidente do Ruanda, Paul Kagame, chega amanhã a Maputo para uma visita de Estado a Moçambique. No âmbito da deslocação, que se prolonga até a próxima terça-feira, dia 25, o estadista ruandês manterá conversações oficiais com o Chefe de Estado moçambicano, Filipe Jacinto Nyusi, no Gabinete da Presidência da República.
Segundo um comunicado do Gabinete de Imprensa da Presidência da República, a visita do Chefe de Estado ruandês, que se faz acompanhar da esposa, Jeannette Kagame, insere-se no quadro do reforço das relações de amizade, solidariedade e cooperação existentes entre Moçambique e Ruanda, nos domínios bilateral e multilateral.
De acordo com a mesma nota, no quadro da visita, Kagame vai à Assembleia da República e fará a deposição de uma coroa de flores na Praça dos Heróis Moçambicanos. Visitará também o Porto de Maputo, além de participar numa palestra com a sociedade empresarial e académicos, subordinada ao tema “Contributo do sector privado no desenvolvimento económico de Ruanda”.
      Paul Kagame em Maputo.
      O presidente de Ruanda 🇷🇼 Paul Kagame estará entre nós a partir de amanhã até terça feira.
      Kagame é dos presidentes africanos muito sérios e dos mais reputados mundialmente. É uma honra recebê-lo e na terça-feira irá proferir uma palestra junto da sociedade Empresarial no Centro de Conferências Joaquim Chissano.
      Paul Kagame é um tutsi, etnia minoritária ruandesa (20%) que em 2004 acabou com o genocídio no seu país, por via armada. Ou seja, a partir de Uganda 🇺🇬, encetou uma insurreição armada que terminou com o assalto a Kigali, tendo daí se estabelecido um processo de transição democrática. Concorreu e ganhou e dirigiu o país para uma verdadeira reconciliação nacional.
      Algumas qualidades de Kagame: mata bandidos armados, prende corruptos, promove a boa-governação, dirige o país, promove o desenvolvimento nacional, elimina as assimetrias regionais e defende o seu povo.
      Portanto, esta é uma das poucas visitas de estado muito esperada pelo exemplo e inspiração que nos proporciona.
      Kagame vem com a esposa. Eles têm uma linda filha que a partir dos EUA 🇺🇸 promove acções sociais em prol da reconciliação nacional.
      Existem muitas coisas que podemos simplesmente copiar. São boas experiências.
      Assassins ligada ao regime de Kagame

      presidente de Ruanda está implicado no financiamento esquadrão de ataque de quatro homens condenados por tentar matar seu chefe do Exército, exilado na África do Sul. países ainda ocidentais, incluindo a Grã-Bretanha, continuam a agradar à déspota assassino

          Ian Birrell
          @ianbirrell
          Sexta-feira 29 de agosto de 2014

      Seis homens acusados ​​de tentar matar ex-chefe do Exército Faustin Kayumba Nyamwasa de Ruanda sentar-se no tribunal, em Joanesburgo. Quatro deles foram condenados por tentativa de assassinato ontem Getty Images

      Faustin Kayumba Nyamwasa só tinha sido na África do Sul por alguns meses quando, voltando para casa de uma viagem de compras com sua esposa e filhos, um homem armado tentou matá-lo.

      O general ruandês, exilado depois de cair com o presidente Paul Kagame, sobreviveu depois de ser levado para a UTI. Ontem, ele viu quatro homens condenados por tentar assassiná-lo.

      "O magistrado observou corretamente que a conspiração para me matar foi politicamente motivada", disse Nyamwasa, após o veredicto em Kagiso, perto de Joanesburgo.

      A resolução deste caso de 2010 é um momento histórico. É a primeira vez que um esquadrão de ataque de Ruanda foi capturado e condenado depois de deixar um rastro de sangue e terror em todo o mundo.

      chefe do Exército Sr. Nyamwasa fugiu para a África do Sul depois de entrar em oposição com três outros ex-aliados próximos de Kagame. Outro foi Patrick Karegeya, um chefe ex-espião encontrada estrangulada em um hotel de Joanesburgo deste ano.

      Stanley Mkhair, o magistrado, disse que estava claro que os quatro homens condenados - um Ruanda e três tanzanianos - reuniu várias vezes para planejar o atentado Nyamwasa e foram pagos 80.000 Rand (£ 4.540) em dinheiro por "pessoas em Ruanda". Um homem de negócios ruandês de 33 anos de idade chamado Pascal Kanyandekwe foi inocentado de oferecer grandes subornos à polícia Sul Africano depois que o prenderam. Itens encontrados em sua posse provou suas ligações com a trama, mas não havia provas suficientes para condená-lo, disse Mkhair.

      Rwanda.jpg
      Geral Faustin Kayumba Nyamwasa quase morreu na tentativa de assassinato (Getty Images)

      O motorista do geral também foi liberado depois que os promotores não conseguiram provar além de qualquer dúvida que ele estava envolvido.

      Significativamente, o Sr. Mkhair concluiu o plano para matar o Sr. Nyamwasa veio "a partir de um determinado grupo de pessoas de Ruanda". É evidente que ele estava apontando para o regime de Kagame, que detém a sua nação em um aperto de vice-like.

      Ainda assim este governante repressivo continua a ser o queridinho de muitos admiradores ocidentais, apesar de nunca esconder seu desprezo letal para os críticos.

      Dias após a morte de Karegeya, o Ruanda ministro da Defesa - referindo-se ao estrangulamento - disse: "Quando você optar por ser um cão, você morrer como um cão, e os limpadores enxugará o lixo para que ele não fede para eles."

      No dia seguinte, o próprio Presidente Kagame, esteve próximo de apologia do crime. "Quem trai o país vai pagar o preço, eu lhe garanto," ele disse num comício. "Quem quer que seja, é uma questão de tempo."

      A tragédia de Ruanda é como esse déspota iludido se vê como a personificação da sua nação - e como ele é encorajado pela bajulação conselheiros ocidentais, como Tony Blair e doadores que escorar seu regime assassino, fornecendo 40 por cento do seu orçamento.

      "Este é um caso significativo porque a vítima era um adversário de alto nível", disse Carina Tertsakian, pesquisador sênior sobre o Ruanda da Human Rights Watch. "Ele se encaixa um padrão bem documentado contra adversários e críticos que passou desde que este governo está no poder."

      Claro Ruanda negou envolvimento no atentado contra a vida do Sr. Nyamwasa, como sempre faz quando dissidentes morrer em circunstâncias misteriosas. "O governo ruandês não sair por aí atirando cidadãos inocentes", disse Louise Mushikiwabo, o ministro das Relações Exteriores.

      Rwanda-3.jpg
      Geral Kayumba Nyamwasa assiste ao julgamento de seis homens acusados ​​de sua tentativa de assassinato (Getty Images)

      Mas tais afirmações parecem absurdas, quando uma sucessão constante de críticas, juízes e jornalistas foram ameaçados, perseguidos e assassinados depois de atravessar Kagame. As vítimas foram espancados, decapitados, tiro, esfaqueado e estrangulado tanto em casa como no exterior.

      Mesmo Paul Rusesabagina, cuja postura corajosa durante o genocídio de 1994 salvou tantas vidas e levou ao filme Hotel Ruanda, foi intimidado depois de falar contra desgoverno de Kagame.

      A Human Rights Watch documentou detenções arbitrárias, detenções, assassinatos, tortura e desaparecimentos forçados desde Kagame assumiu o poder. Muitos casos são semelhantes em estilo.

      Em 1998, um ex-ministro do Interior, que criticou abusos dos direitos humanos foi morto a tiros no Quênia, depois de ter sobrevivido a uma tentativa de assassinato anterior. Um juiz da Alta Corte de Nairóbi encontrou a matança era política - mas Rwanda frustrado investigações ao recusar o levantamento da imunidade diplomática para um suspeito que trabalha em sua embaixada.

      Últimas vítimas incluem o ex-guarda-costas de Kagame Joel Mutabazi, que sobreviveu a duas tentativas de assassinato e abdução antes de ser arrancado de Uganda e levado a julgamento por "terrorismo" em Kigali. Os promotores estão exigindo uma sentença de prisão perpétua.

      Kagame.jpg
      Presidente Paul Kagame do Ruanda (Getty Images)

      África do Sul recusou um pedido da França para extraditar o Sr. Nyamwasa para responder a perguntas sobre o suposto fim de Kagame para abater um avião que transportava os presidentes de Ruanda e Burundi, que desencadeou o genocídio de 1994.

      Depois de mais um atentado contra a vida do Sr. Nyamwasa em março, o ministro da Justiça Africano Sul Jeff Radebe advertiu Ruanda que sua nação "não será usado como um trampolim para fazer atividades ilegais". Isto levou a uma onda de tit-for-tat expulsões de diplomatas.

      Mesmo os EUA, por tanto tempo fazendo vista grossa às atrocidades de Kagame e seu pilhagem da República Democrática do Congo, bateu para fora em "assassinatos politicamente motivados de exilados ruandeses proeminentes".

      No entanto, a Grã-Bretanha saudou esta criminoso de guerra no Commonwealth e continua a bombear enormes somas de ajuda para o seu país - cerca de £ 400m ao longo da coalizão - enquanto hipocritamente falando de promover a democracia e os direitos humanos.

      Mesmo um aviso da Scotland Yard em 2011 que um esquadrão de ataque ruandês tinha sido enviado para assassinar dois exilados que vivem na Grã-Bretanha não conseguiu parar a torrente de ajuda no bolso deste regime.

      "Este é um veredicto muito importante", disse Rene Mugenzi, um ativista liberal-democrata, que foi um dos alvos. "Qualquer oposição a Kagame e fazer qualquer coisa para aumentar a consciência sobre o que está acontecendo em Ruanda tem uma sentença de morte colocar sobre eles."

      Assassins linked to Kagame regime

      Rwandan president is implicated in funding hit squad of four men convicted of trying to kill his exiled army chief in  South Africa. Yet Western countries, including Britain, continue to pander to the murderous despot

      Faustin Kayumba Nyamwasa had only been in South Africa for a few months when, returning home from a shopping trip with his wife and children, a gunman tried to kill him.
      The Rwandan general, exiled after falling out with President Paul Kagame, survived after being rushed to intensive care. Yesterday he saw four men convicted of trying to assassinate him.
      “The magistrate has correctly observed that the conspiracy to kill me was politically motivated,” said Mr Nyamwasa, after the verdict in Kagiso, near Johannesburg.
      The resolution of this 2010 case is a landmark moment. It is the first time a Rwandan hit squad has been caught and convicted after leaving a trail of blood and terror around the world.
      Army chief of staff Mr Nyamwasa fled to South Africa after joining in opposition with three other former close allies of Kagame. Another was Patrick Karegeya, an ex-spy chief found strangled in a Johannesburg hotel this year.
      Stanley Mkhair, the magistrate, said it was clear the four convicted men – one Rwandan and three Tanzanians – met several times to plan the Nyamwasa assassination attempt and were paid 80,000 Rand (£4,540) in cash by “people in Rwanda”. A 33-year-old Rwandan businessman named Pascal Kanyandekwe was cleared of offering big bribes to South African police after they arrested him. Items found in his possession proved his links to the plot but there was insufficient evidence to convict him, said Mr Mkhair.

      Rwanda.jpg
      General Faustin Kayumba Nyamwasa nearly died in the assassination attempt (Getty Images)
      The general’s driver was also cleared after prosecutors failed to prove beyond doubt he was involved.
      Significantly, Mr Mkhair concluded the plot to kill Mr Nyamwasa came “from a certain group of people from Rwanda”. Clearly he was pointing at the regime of Kagame, who holds his nation in a vice-like grip.
      Yet still this repressive ruler remains the darling of many Western admirers, despite never hiding his lethal contempt for critics.
      Days after Karegeya’s killing, the Rwandan Defence Minister – referring to the strangling – said: “When you choose to be a dog, you die like a dog, and the cleaners will wipe away the trash so that it does not stink for them.”
      The following day President Kagame himself came close to condoning the murder. “Whoever betrays the country will pay the price, I assure you,” he told a rally. “Whoever it is, it is a matter of time.”
      The tragedy of Rwanda is how this deluded despot sees himself as the embodiment of his nation – and how he is egged on by fawning Western advisers such as Tony Blair and aid donors who prop up his murderous regime by providing 40 per cent of its budget.
      “This is a significant case because the victim was such a high-profile opponent,” said Carina Tertsakian, senior researcher on Rwanda at Human Rights Watch. “It fits a well-documented pattern against opponents and critics that has gone on as long as this government has been in power.”
      Of course Rwanda denied involvement in the attempt on Mr Nyamwasa’s life, just as it always does when dissidents die in mysterious circumstances. “The Rwandan government does not go around shooting innocent citizens,” said Louise Mushikiwabo, the Foreign Minister.

      Rwanda-3.jpg
      General Kayumba Nyamwasa attends the trial of six men accused of his attempted assassination (Getty Images)
      But such claims look absurd when a steady succession of critics, judges and journalists have been threatened, harassed and murdered after crossing Kagame. Victims have been beaten, beheaded, shot, stabbed and strangled both at home and abroad.
      Even Paul Rusesabagina, whose brave stance during the 1994 genocide saved so many lives and led to the film Hotel Rwanda, was intimidated after speaking out against Kagame’s misrule.
      Human Rights Watch has documented arbitrary arrests, detentions, killings, torture and enforced disappearances since Kagame took power. Many cases are similar in style.
      In 1998 a former Minister of Interior who criticised human rights abuses was shot dead in Kenya, having survived a previous murder attempt. A high court judge in Nairobi found the killing was political – but Rwanda frustrated investigations by refusing to waive diplomatic immunity for a suspect working at its embassy.
      Latest victims include Kagame’s former bodyguard Joel Mutabazi, who survived both assassination and abduction attempts before being snatched from Uganda and put on trial for “terrorism” in Kigali. Prosecutors are demanding a life sentence.

      Kagame.jpg
      President Paul Kagame of Rwanda (Getty Images)
      South Africa has refused a French request to extradite Mr Nyamwasa to answer questions over Kagame’s alleged order to shoot down a plane carrying the presidents of Rwanda and Burundi, which sparked the 1994 genocide.
      After another attempt on Mr Nyamwasa’s life in March, South African Justice Minister Jeff Radebe warned Rwanda that his nation “will not be used as a springboard to do illegal activities”. This led to a spate of tit-for-tat expulsions of diplomats.
      Even the US, for so long turning a blind eye to Kagame’s atrocities and his pillaging of the Democratic Republic of Congo, has hit out at “politically motivated murders of prominent Rwandan exiles”.
      Yet Britain welcomed this war criminal into the Commonwealth and continues to pump huge sums of aid into his country – nearly £400m over the course of the coalition – while hypocritically talking of promoting democracy and human rights.
      Even a warning from Scotland Yard in 2011 that a Rwandan hit squad had been sent to murder two exiles living in Britain failed to stop the torrent of aid into this regime’s pocket.
      “This is a very important verdict,” said Rene Mugenzi, a Liberal Democrat activist who was one of the targets. “Anyone opposed to Kagame and doing anything to raise awareness about what is happening in Rwanda has a death sentence put on them.”





    Comentários
    Tesoura Júlio Tuboy Pensei que fosse Alexis Kagame.
    Fauzio Mussagy Fernandes Grande político... Gosto dele, sua calma e visão... Apoiado
    Júlio Mutisse Simplesmente copiar não concordo.
    Inspirar nos nisso e adaptar ao nosso contexto sim.
    Antonio Mondlane Estive em Ruanda Kigali, pela segunda vez este ano. Kigali e uma cidade a crescer a olhos vistos...muito limpa...nivel seguranca alto...e com muitos eventos internacionais. So este ano Ruanda adquiriu dois Airbus A330.
    Gosto32 h
    Edgar Mario Mario Ele e um exemplo de lider africano da actualidade grande figura u exemplo a seguir
    Olegàrio Samuel Muando ... tem uma ''linda'' filha... Kkkk
    Kuyengany Produções First of all them Mozambique Politicians need to Be Fit.......Ver Tradução
    Gosto12 h
    Zefanias Augusto Namburete ?! Kagame tem o processo criminal aguardado pelo genocídio que o seu regime comenteu. Agora qual é o exemplo temos para apreender dele excia Egidio Vaz?
    Tocova Amisse Entre ns devemos perdoar, afinal ns estados unidos nao ha presidentes q cometeram crimes? As armas no iraque ja foram encontradas? Afinal qm foi o culpado da quelas mortes!
    Gosto11 h
    Rutuane Valgy Devia visitar a Serra d gorongo.
    André Fumo Maza Rutuane bem que podias lhe acompanha na dia à serra.
    Gosto11 h
    Jac Constantino Fonte de inspiração sobretudo para os lideres Africanos
    Gosto12 h
    Zefanias Augusto Namburete Como assim excia fonte de inspiração? !
    Jac Constantino É minha opinião!
    Ribeiro Mafavisse Hehehehehehe.... Apenas opinião!!!
    Jac Constantino Lembro me do actual presidente Malawiano,no princípio do seu mandato...mudanças drásticas verificadas ,sao esses que devemos "tirar chapeu"
    Joseph Mateus Zebzono Vem fazer o que?
    Navalha Agnaldo Navalha Grupo de genocidio devemos emitar
    Paulo Araujo Nao temos cultura de aprender com os bons. os seus ensinamentos serao ignorados milimetricamente. Tambem ja estive em Ruanda e confirmo tudo que foi escrito sobre ele e o seu pais e acrescento. Baniu o uso de plasticos no pais dele tanto que se chegas em Kigali com a tua mala embrulhada num plastico a policia manda te tirar e meter na lixeira. Nao se rouba ou seja nao ha ladroes de carteiras nas ruas. Baniu organizacoes nao governamentais sem fins lucrativos(ongs e o ocb) porque nao acredita que uma organizacao nao faça lucros para os seus membros em substituicao todas que la existem sao lucraticas ou cooperativas. etc etc etc
    Gosto72 hEditado
    Andre Gandi Sempre os bons exemplos são bem vindos .
    Deverá ajudar nos a levar corruptos e bandidos para cadeia.
    Tomará näo venha por mais gasolina no nosso lume.
    Gosto12 h
    Carlos Felisberto Sozinho Doutor Gidio vaz nos traz umas qualidades de um presidente onesto!
    Gosto12 h
    Mauro Pacule Gostei das qualidades dele...!
    Alvaro Fausto Taruma Pois! E promove a perseguição aos seus oposicionistas à moda "esquadrões de morte". Os serviços secretos do seu país são famosos por eliminar dissidentes mesmo em terras estrangeiras.
    Kito Etava Certo...de unidade nacional nao existe nenhuma, todos dias recebemos no nosso Paīs irmaos Burundeses e Ruandeses procurando asilo.
    Jeck Alcolete "Eles têm uma linda filha que a partir dos EUA promove acções sociais em prol da reconciliação nacional". Esta parte do texto touch me a lot. Bem a filha do PR Paul Kagame.
    Gosto12 h
    David Ferreira Duf Sem esquecer também que ele recusa-se a sair do poder e criou manobras que o permitem governar até 2034...
    Gosto72 h
    Tsutsi Fumo TF Podemos nos inspirar no seu lado interessante.
    Lyndo A. Mondlane Elimina opositores tambem, participou nos massacres de 1994 com o FPR.
    Alvaro Fausto Taruma Ou seja: não é flor que se cheire.
    Andre Gandi Verdade
    Lyndo A. Mondlane É outro ditador.. So q um pouco melhor q os outros
    Gosto22 h
    Alvaro Fausto Taruma Ditador ntsém. O vaz que vá mentir para outros.
    Egidio Vaz Kagame salvou Rwanda 🇷🇼 do genocídio
    Gosto21 h
    Alvaro Fausto Taruma E promove o desenvolvimento económico mas usa manobras que incluem silenciar opositores para se perpetuar no poder.
    Gosto11 h
    Lyndo A. Mondlane Sim aplicando genocidio tambem.. Veja q prefiro o kagame q muitos, más ele nao é trigo limpo, recordas aquele vice presidente é mao direita delw assassinado ha uns anos em jburg??
    Roberto Adalmeida Não foi ele k mandou espancar e prender vàrias veses o seu opositor maioritario nas eleições passadas?è um criminoso não respeita os direitos humanos.numa coisa sim acredito è calmo e humilde mas muito silêncioso
    Xavier Antonio Exagero! Dr Egidio Vaz ultimamente está decepcionar muito os seus seguidores por ser demasiado subjectivista, qualidades que não caracteriza um académico. Está me parecer que perdeu a faculdade de raciocinar com lógica e dedica-se a agradar os poderosos, como um algemado mental. ...Pepani
    Heleno Bombe no campo de Maratane em Nampula acolhemos cerca de 4 mil requerentes de asilo e refugiados provenientes do Rwanda vitimas de perseguição politica, perseguição devido a etnia e outros e apontam o Kagame como um dos crueis monstro e assasino que detém esquadrões de mortes denominado Scorpion e que são enviados apartir do pais para assasinar opositores políticos em varios campos de refugiados na região austral incluindo Moçambique! os refugiados nas suas entrevistas apontam terem fugido do seu pais devido a assasinatos selectivos comandados por esse homem!
    Mauro Pacule Aceito tudo que falou, apenas não concordo que acredite nos refugiados porque estes são na sua maioria mentirosos! Por exemplo alguns estão aqui em Maputo mas com documento de refugiado dando conta que ele esta em Nampula!
    Heleno Bombe caro Mauro Pacule você quer me dizer que os cerca de 4 mil requerentes de asilo e refugiados que residem no campo de Maratane são todos mentirosos durante as entrevistas sobre o motivo da fuga dos seus paises de origem? quais são esses indicadores que apontam isso?
    Heleno Bombe caro Mauro Pacule repito apenas refugiados Rwandeses no campo de Maratane são 4 mil
    Tocova Amisse E porq ns nao acreditamos q aguerra da renamo é pela mudança da governaçao q estamos sendo imposto plo regime? Aguerra sempre foi mal mas se formos a ver os nsos problemas nao estam sendo resolvido pacificamente.
    Gosto21 h
    Azarias Chihitane Massingue Ou não sabe o que a Renamo quer neste momento? Só para refrescar a tua memória, a Renamo luta pela governação de seis provincias entre as que teve maioria parlamentar e as que simplesmente esta escolhendo(não teve maioria em todas as seis reveindicadas), portanto não luta para mudar o regime mas para a partilha de governação entre ela e o actual regime. É diferente da luta de Kagame. Ele na verdade não é o que o Dr. Egidio diz ser, mas é forçado demais comparar a sua luta com a do nosso “Pai de democracia”.
    Gosto11 h
    Tocova Amisse Mano Azarias, certo e bem reconhecido esse merido,as temos que saber q se a renamo pede 6 provincias é uma soluçao encontrada por eles porq tbm o governo do dia nao ganhou eleiçoes apenas esta por meio de força e por essa razao estamos mergulhados numa crise q so pode vir acabar se formos capazes de mudar as nossas mentalidades. Por mais que isto pareça pesado o governo emtregar as tais 6 provincias mas nao vejo uma governaçao de nivel gigante pela parte da renamo. Esta governaçao pode vir afudar apropria renamo.
    Gilberto Foguete Salgado Mocambicano nao tem medo de copiar boas experiencias
    Gilberto Foguete Salgado Keria dizer, tem medo de copiar boas experiencias
    Sergio Fernando Mondlane Kkkk, é uma praga em Africa perpetuar se. Quando existe um bom bife na mesa, bom whiski, regalias d todo tipo, filhos nas melhores Universidades d mundo, ai dói deixar pra outro, nao pra roubar, mas pra bem servir o povo
    Gosto11 h
    Eddy Lumasai Não seria 1994 no lugar de 2004?

    Quando eu conheci a história via lhe como um dos mocinhos bons, mas agora?
    Apenas aprecio a filha.
    Gosto31 h
    Lyndo A. Mondlane 1994 po 1995, abril
    Lyndo A. Mondlane Bom os hutus eram piores isso esta claro, más veja q a maior parte das desgracas do leste do congo, ele as fomentou é apoiou, o congo ja te mais de 5 milhoes de víctimas, e uma pequena parte, senao a metade é responsabilidade de Kagame por suas ambicoes imperiais
    Eddy Lumasai Esse foi um dos motivos que me fez perder a ideia de bom mocinho nele.
    Lyndo A. Mondlane Porque faustin twagiramungo ex PR no governo de Paul, vive em bruxelas????
    Gosto149 minEditado
    Innocent H. Ab Se fosse so esse Faustin. Africa do Sul esta full dos seus ex camaradas de guerra. Aqueles que ele manda matar la mesmo. O ex chefe de SISE de rwanda foi assassinado em johanesburgo no ano ante passado. Um outro ja escapou mais antentados (em Jbg) do que Dhakama..kkkkk
    Frederico Pereira caro Egidio podes acrescentar que persegue todos ruandeses, que estiveram no poder em 1994 e mata os. os tribunais populares por ele criados, para denunciar as atrocidades...e mais outras atrocidades nesta tua lista
    Gosto21 h
    Yan De Narvik Milange Eu quero ver a foto dele Dr Vaz!
    Tomás Guimarães Eu so quero conher a filha dele em,pessoa ja vi varias fotos kkkkk
    Rai Morrumbene Ruanda e Kenya são países africanos inspiradores de boa governação e desenvolvimento econômico e sustentável.
    Gosto21 h
    Raul Junior Mas sao paises de alta violencia e pertubacao seria dos direitos humanos. sao paises altamente sanguinarios. Claramente estao alinhados as politicas dos patroes que consiste em exterminar os povos pretos. Exemplos para copiar?
    Gosto11 h
    Jemusse Abel A Temos que copiar mesmo. Kk a filha é uma especie rara mano.!
    Cristovao Mario Matusse A filha, a partir dos EUA promove accoes de reconciliacao. " a partir dos EUA" . Que bipolaridade!
    Gosto434 minEditado
    Xavier Jorge Uamba Mano Egidio Vaz nao percebo quando diz que eles têm um filha linda.
    Mas em todo caso, acho que é um exemplo por copiar, alias ate pode partilhar a sua exoeriência com Enginheiro Nhusy sobre resolução de conflitos.
    Valdano Tchaka Implantou um regime hostil e autoritário em Ruanda ,e campeão na violação dos direitos humanos,reprime a liberdade de imprensa,persegui os opositores,patrocina grupos rebeldes para desestabilizarem governos em territórios alheios...Herói para alguns vilão para outros.
    Muhamad Yassine Me parece ter sido ele que avançou para o terceiro mandato e obrigou a alteração constitucional
    Gosto41 h
    Innocent H. Ab Isso mesmo Sheikh. E isso tendo influenciado o Nkurunziza do Burundi visinho, o Kabila da visinha RDC, o Sassou Nguesso e muitos outros da regiao.
    Domingos Dimande Ilustre, exemplos de boa governação existem em Africa, não precisamos de ir longe...o que nos falta seguirmos esses exemplos e sairmos deste marasmo de Guerra versus Pobreza?
    Tomás Guimarães Pai e filha Ange Kagame
    Gosto11 h
    Innocent H. Ab Esqueeu dizer que SADC virou cural dos seus esquadroes que destabilizam RSA e ja actuaram em Maputo tendo matado alguns refugiados ate o ex vice reitor da USTM, tendo deixado viuva uma mocambicana e com alguns orfaos provavelmente. Tambem esqueceu acrescentar que as milicias criadas e armadas por ele para pilhar a RDC ja decimaram mais de seis milhoes de congoleses onde a violacao sexual virou uma arma de guerra para expulsar a populacao nas zonas mineiras onde as empresas multinacionais operam sem controlo so pagando ou dividindo com ele e com suas capangas generais.
    Acho que a melhor forma de receber o tipo era uma manifestacao porque de bom exemplo ele nao nos traz nada.
    Gosto339 min
    Julio Messa Esta lá tudo no tio Google, safest in Africa, cleanest in Africa, first Pan African University, education system, health care, fastest data, doing business and and and. Só não vê quem não quer e Palestras desse Presidente enchem até nos EUA.
    Gosto138 min
    Innocent H. Ab Ele obriga os empresarios do seu pais para lhe acompanhar nessas palestras. Quem nao faz cai na desgraça. Ele é pior do que o Mr 5%
    Julio Messa Quem enche as palestras são os empresários dele pelo mundo e nas universidades onde vai?
    Gosto227 min
    Alvaro Fausto Taruma O google é editado por humanos, ora essa! Do mesmo modo que o Vaz escreveu aqui no fb. Entretanto, o "safest" é para alguns, se o fosse na sua totalidade não teríamos campos a abarrotar de refugiados vítimas do próprio Kagame
    Gosto116 min
    Innocent H. Ab Sim, Sr Julio Mesa. E sao empresarios provenientes do ruanda alem dos estudantes que estao nessas universidades e devem participar. Se fores ao CCJC vas ver que mais de 50% do auditorio sera ruandes.
    Vasco Jose Kagame tambem persegue seus opositores e ruandeses na diaspora. Claro sem tirar merito ao trabalho que ele tem desenvolvido no Ruanda. O Ruanda e hoje um dos melhores destinos para investimento.
    Gosto132 min
    Innocent H. Ab Tendo ja a informacao confirmada que o municipio de Maputo autorizou a comunidade ruandesa em Maputo para manifestar contra esse presudente na terca feira no troço entre o aeroporto e a praça dos herois.
    Innocent H. Ab E ele paga muito bem, amigo Egidio Vaz. Se googlares vas saber o quanto ele pagam bons milhoes as midias que fazem publicidade para ele. Diz se que a Jeune Afrique e outros recebem bons cheques.
    Gosto119 minEditado
    Novais Jose Angolano Angolano Ummm seja bem vindo a Moz.
    Carlos Domingos Diria que ele tem 3 lados, que vou chamar de quadrantes. Primeiro quadrante é aparte que ele se conhece pessoalmente quem ele é , e as outras pessoas não conhecem, 2° quadrante ele não se conhece mas as outras pessoas conhecem dele , e o 3° e último quadrante né ele pessoalmente se conhece muito menos as outras pessoas.
    Atenção meu irmãos não se sabe qual é o lado (_quadrante ), que pretende transmitir nós na sua vinda e que possa servir de fonte de inspiração
    Gulumba D. Mutemba Depois do li,desejo o boas vindas.
    São esses que merecem boas vindas,não malta Zé Du e seu MPLA,esses sim,são maus exemplos,porque ao invés de ensinar malta Nyusi como se faz reconciliação,ensinam como se livrar dos adversários políticos.

    Eddy Prínce Simbine Imfelizmente nós que temos boms olhos para ver, e boas intensões para copiar o que é positivo do Ruanda estamos cá do lado d fora no Capitólio reina a família dos facoceros e macacos chipanzés, temos muitos boms exemplos(Ruanda, Botswana, Kenya, Cabo-Verde, Namíbia,etc) que poderiamos copiar e sairmos da margem para o melhor e navegável mar, mas cmo? se a gestão do Estado está entregue a gangsters que até preferem tirar as preciosas vidas dos seus concidadãos so porque querem vender tudo a favor dos seus bolsos.

    Sem comentários:

    Windows Live Messenger + Facebook