segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Contagem de tempo de serviço do empregado do povo



I. Dados
1. Nome abreviado: Filipe Nyusi.
2. Função: Presidente da República de Moçambique.
3. Data de investidura: 15 de Janeiro de 2015.
4. Tempo de mandato: 5 anos (1.826 dias, completos no futuro dia 15 de Janeiro de 2020).
5. Tempo de mandato cumprido até hoje (dia 16 de Outubro de 2016): 1,75 anos (640 dias ou 35% do tempo total do mandato).
6. Tempo de mandato que sobra por cumprir: 3,25 anos (1.186 dias ou 65% do tempo total do mandato).

II. Realizações negativamente marcantes no tempo do mandato já cumprido
1. Um discurso inaugural muito aplaudido.
2. Um Governo estruturado e composto de formado não inteligente, porque privilegiou amizades e interesses de grupo em vez de competências, qual prometido no discurso inaugural. Aqui o "empregado do povo" perdeu uma soberba oportunidade para mudar os "status quo of affairs" na governação de Moçambique.
3. Dois encontros com Afonso Dhlakama para dialogar sobre pacificação de Moçambique, que redundaram em fracasso.
4. Uma tentativa fracassada para desarmar compulsivamente da guarda armada ilegal da Renamo e impor o cumprimento da lei.
5. Duas tentativas fracassadas para livrar Moçambique e a região da África de um bandido armado mal convertido em político, levadas a cabo por desconhecidos, à margem da lei. Aqui o "empregado do povo" mostrou ineficácia na sua qualidade de Comandante-em-Chefe das forças de defesa e segurança da República de Moçambique.
6. Reinício das hostilidades militares com a guarda privada armada ilegal da Renamo, comandada por Afonso Dhlakama.
7. "Descoberta" de «dívidas ocultas»...
8. Congelamento do apoio externo, por parte dos "parceiros de cooperação".
9. Acentuada desvalorização do metical e queda de reservas internacionais líquidas, e consequente aumento da inflação e desaceleração do crescimento económico...
10. Gestão de algumas manifestações pacíficas e ordeiras, de rua, pela paz e contra a subida galopante do custo de vida para o cidadão.

III. Epílogo
A lista de realizações negativamente marcantes poderia continuar, mas preferi parar em dez, inspirados na máxima dos "dez mandamentos". Estas coisas negativamente marcantes ofuscam o que há de bom que "o empregado do povo" fez nestes 1,75 anos de mandato cumpridos até hoje (16/10/2016). Entre essas coisas boas, lembro-me, por exemplo, da rápida reposição da circulação rodoviária nas estradas do Centro e Norte do país (Moçambique) que tinham sido cortadas pelas enxurradas de 2015. Lembro-me também das visitas de Estado que "o empregado do povo" realizou à Tanzânia, África do Sul, Portugal, Índia, China, Alemanha, Bélgica, Estados Unidos da América, entre outros países, em resultado das quais se abriram novas janelas de oportunidade para negócios entre Moçambique e aqueles países. Também estou lembrado de que nas visitas "que o empregado do povo" realiza pelo país adentro, ele tem estado a inaugurar novas infraestruturas sociais e económicas, incluindo estradas, pontes, centros de saúde, hospitais, escolas e sistemas de electrificação, de regadio e de abastecimento de água potável, erguidas em resposta às solicitações das populações.
Portanto, coisas boas existem que ocorreram nestes 1,75 anos de mandato já cumpridos pelo "empregado do povo". Mas o que se faz bem é sempre o que se evidencia. E é assim naturalmente, porque é o que precisa de ser melhorado. São os desafios não vencidos que mais ocupam as mentes das pessoas, não os vencidos. O maior de todos eles é a pacificação efectiva de Moçambique, porque sem paz não é possível fazer bem nada. As conversações que decorrem actualmente em Maputo, entre as delegações do Governo e da Renamo, com mediação internacional, devem decorrer séria e rapidamente para que a paz efectiva seja uma realidade imutável em Moçambique. Por isso encorajo o "empregado do povo" a usar de toda a sua inteligência e poder, nos limites da lei, para fazer cumprir o que prometeu no seu discurso inaugural logo após a sua investidura no cargo de Presidente da República de Moçambique.
Com a Frelimo no poder, Moçambique avança. Que não haja dúvida sobre isto! Mas novos métodos de governação se impõem. Eu desafio, pois, o "empregado do povo" a ousar usar do poder que detém para influenciar positivamente os processos, em vez de os influenciar negativamente. Moçambique já tem muitos quadros competentes à espera de uma oportunidade para servir na função de comandar o desenho e execução de políticas públicas, para o que o Estado possa elevar o seu desempenho económico e servir cada vez melhor o cidadão.
Enfim, o paradigma de privilegiar amizades pessoais e interesses de grupo—em detrimento da competência técnicas combinada com aptidão política—na selecção de quadros para preencher vagas nas instituições do Estado é que está na origem das dez marcas negativas alistadas acima e compromete a eficiência e eficácia da acção do Estado na organização da sociedade para dinamizar o progresso de Moçambique. Discursar bonito é comummente apanágio dos incompetentes. Os competentes produzem ideias e orientam a execução das acções requeridas para a sua materialização. É a isto que se chama boa liderança. O carisma não é pré-requisito indispensável. Boas ideias e capacidade de mobilização de recursos necessários para a sua materialização é que distinguem entre boa e má liderança.
GostoMostrar mais reações
26 comentários
Comentários
Mussá Roots Professor, com todo o respeito, este é o presidente mais "atrapalhado" que poderíamos ter para o nosso azar...contradição em pessoa...consegue até fazer o mais difícil, fazer-nos ter saudades de Guebuza...que enquanto não se descobrira a roubalheira oculta, até era um verdadeiro presidente, com defeitos mas nada atrapalhado, firme, e sobretudo líder...

Este...just talk,talk,and talk...
Julião João Cumbane Essa tua avaliação está viciada por aquilo que fazem crer Marcelo Mosse, Samolmão Moyana e Fernando Lima. Estes são os que podem estar com a missão de atrapalhar o Presidente Filipe Nyusi. Mas ainda não lograram sucesso. Há sinais bem claros de que Filipe Nyusi está bem lúcido, sobretudo ultimamente. No início até posso aceitar ser facto que ele ficou atrapalhado. Vamos lá confiar nele!
Gosto122 h
Dyne Silver O Professor, aqui nesta plataforma, já lhe fez tantas perguntas. Será que realmente o confia??
Ou o Presidente já lhe respondeu àquelas questões!?
Gosto122 h
Domingos Feniasse Boa reflexão. Realçar que alguns destes pontos negativos que ensombraram a primeira fase do novo ciclo de governação, são conjunturais; outros, herdados. Entretanto, na pacificação efectiva do país, o Excelentíssimo Presidente, pode ainda mostrar o seu saber e inteligência. Que continuemos a dar o nosso apoio e colaboração através das várias formas possíveis de cidadania responsável e patriótica. E continuemos a confiar nele. Ainda nos pode surpreender e vai nos surpreender...
Julião João Cumbane «continuemos a dar o nosso apoio e colaboração através das várias formas possíveis de cidadania responsável e patriótica. E continuemos a confiar nele. Ainda nos pode surpreender e vai nos surpreender...» (sic). Partilho desta tua opinião construtiva e responsável, ó Domingos Feniasse!
Gosto222 h
Isaias Adelino Joao Estou perder por completo admiracao que eu tinha por certas pessoas que foram meus idolos. Sempre com posicoes ambiguas.
Julião João Cumbane Só os tolos não mudam de opinião, ó Isaias Adelino Joao! O termo "ambiguidade" tem vários significados: dúvida, incerteza, hesitação são alguns desses significados. Em todas as nossas acções há uma dúvida ou incerteza associada. É por isso que é preciso fazer avaliações, qual feita nesta 'post', para verificar se estamos indo bem, e acertar o curso quando for necessário. Quem sabe disto, é um tolo.
Isaias Adelino Joao Ee mesmo pela tolice que me faz retirar os 5% de admiracao que me faltavam em certos idolos. Aposto nos que tem firmeza capazes de me transmitir forca, confianca e garras na caminhada. Aos cagaos e aos que teem um pe no acucar e outro no sal nao nos levam a lugar nenhum. Eu que era solidario, agora dou razao aqueles telespectadores da TIM. Vou com os melhores.
Gosto119 h
Julião João Cumbane Eu não abri esta conta (do Facebook) à busca de admiração de quem quer que seja, ó Isaias Adelino Joao. Não estou, por isso arrependido que me tenhas retirado 5% de uma admiração que nem se quer tinha noção que tinha por mim. Eu estou pena de ti, por causa desse teu gesto.

Agora, com quem ficas ou deixas de ficar, isso não é da minha conta, meu caro. Fica com que quiseres ficar. Neste mural tu aportas voluntariamente. Eu permito isso. O que não posso permitir é que venhas aqui para pregar o teu evangelho sem o meu aval.

Uma coisa que aparentemente não percebes é que padeces de intolerância, mas pensas que esse problema é dos outros. Eu não me lembro de aportar no teu mural para pregar o meu evangelho. Faço isso aqui no meu mural. E tu vens aqui com as tuas crenças para mudar a minha agenda e me forçar a ver ambiguidades nos meus actos, e só que só tu vês, por sinal.

Eu considero coerente as minhas opiniões sobre os assuntos que atraem a minha atenção, mas não me esforço por ser imparcial. Eu considero inútil, e por isso ridículo, o esforço que algumas pessoas fazem por ser imparciais. E pior: a exigência que algumas pessoas fazem para outras pessoas serem imparciais é simplesmente descabida.

Aprecio pessoas que aportam neste mural para discutir proficuamente ideias suscitadas por aquilo que aqui partilho. Detesto pessoas que aportam aqui para "mandar bocas" contra quem quer que seja. Este mural é meu! Se alguém quiser "mandar bocas", então que faça isso no seu próprio mural, que irei lá "comentar", se julgar útil. Esses é que são para mim os "melhores".
Gosto118 h
Isaias Adelino Joao Ohhh....! Palavras para que? Esta consumado!
Julião João Cumbane Fica com a tua "riqueza" pobre que estou na minha "pobreza" rica. Interessante que nem consegues notar que quem está a gastar tempo e palavras és tu mesmo, ó Isaias Adelino Joao. Eu estou no meu mural!
Mussá Roots Isso é que dá idolatrar pessoas...agora está frustrado,por culpa própria, afinal não assinou contrato algum com seu ídolo, e já está esperneando...quer oquê já? Que o ídolo pense em tí sempre que tenha algum pensamento a partilhar?
Heelio Sive Marcos A caminho da lucidez.
Julião João Cumbane Estás a insinuar que alguma vez eu estive nas trevas, ó Heelio Sive Marcos? Se sim, eu até poderia levar ofensa com esta tua insinuação. Mas, felizmente, não sou mesquinho. Sou quem ignora que TODOS nascemos das trevas é que pode fazer um comentário como este teu; esse é um IGNORANTE armado em erudito. É o teu caso, Heelio!
Efraimo Neves Não consigo meu carro Julião João Cumbane vislumbra aspectos positivos nessa governação, pois os aspectos que mencionou todos foram implementados no mandato do presidente anterior. Portanto inaugurar não significa ser o mentor. GUEBAS sou pecou nas dívidas, mas fez algo de positivo embora tenha havido muita negociata a mistura ou a questão das prioridades
Julião João Cumbane Estás a ser injusto contigo próprio, Efraimo Neves! Armando Guebuza não planificou a emergência causada pelas cheias de 2015. Foi uma emergência bem gerida por Filipe Nyusi. Filipe Nyusi já cumpriu 1,75 anos do seu mandato e durante este período está a implementar o seu "próprio" programa de governação...
Yaqub Sibindy Nyusi sofre de uma doença maligna: MIOPIA POLÍTICA!

Confunde amigos e compatriotas que lhe prezam respeito e consideração dedicando lhe todos os apoios políticos e económicos para o triunfo do seu mandato, como seus inimigos que mesmo nas barbas do seu Conselho de Ministros e da Comissao Politica do partido no poder, pupulam gente-camarada que dia e noite estão lhe rogar pragas para provar à sua incompetência para dirigir à Nação!

Nyusi está a destruir à cultura de respeito e humidade dos cidadãos com boas maneiras de ser para aconselhar gratuitamente o Presidente da República e prefere prestar melhor atenção a aqueles que com ferro e fogo optaram por fazer guerra contra o chamado empregado do Povo, para lhe obrigar a fazer o bem ao povo e o eleitorado que lhe ajudaram a ascender ao posto de Estrela que pode disputar o melhor brilho d'entre às lideranças das Nações!
Boavida Antonio Matavele Este e presidente de todos moçambicano o meu e seu assim haja respeito
Julião João Cumbane Não vale a pena lançar pedras contra Filipe Nyusi, ó amigo e compatriota Yaqub Sibindy. Ele está rodeado de pessoas que confundem a confiança com competência. Ele próprio parece que faz essa confusão. É, pois, natural que algumas coisas não lhe tenham ...Ver mais
Gosto222 h
Mateus Mateus Jr. Eh muito complicado gerir uma mudança geracional mantendo o mesmo ideal com seus progenitores de olho. Dos 4 presidentes que te(i)mos(vemos) vejo que Joaquim Chissano no seu mandato "correu" muitas vezes alterar "alguma coisa" na nossa constituição antes do AGP e depois.
Heelio Sive Marcos Sr yaqub oque é miopia politica?
Julião João Cumbane Heelio Sive Marcos, para já vou te retirar amizade, porque não sabes ser e estar neste espaço. Tu consideras-te mais iluminado ou visionário do que quem aqui? Seu delinquente armado em intelectual!

Homer Wolf, este elemento da turma que tu lideras já "acumulou dois amarelos" na mesma partida!
Gosto322 hEditado
Homer Wolf Yuuuu... eu náo, eu não lidero turma nenhuma Profe...
Gosto122 h
Ricardino Jorge Ricardo Kkkkk acumulou dois amarelos em menos de 15 minutos na 1ª parte da partida. As novas normas do FB só admite expulsão depois de 7×70.
Gosto15 h
Efraimo Neves Explicou no segundo parágrafo Heelio Sive Marcos
Álvaro Xerinda O PR tem que perceber que tem poder para mudar o andamento das coisas
Julião João Cumbane Isso mesmo, Álvaro Xerinda! O PR tem TUDO o que precisa, e até mais, para endireitar o que anda torto. Só vejo falta de coragem a emperrar as mudanças que se impõem.
Gosto121 h
Álvaro Xerinda "Coragem" palavra-chave
Dyne Silver Com certeza, 640 dias (35%)! E já vamos para 40%. É muito tempo de "fumo preto". Vamos ver se os 1186 restantes sejam de fumo branco.
O Professor já fez chegar ao Presidente a sua proposta para a mudança deste cenário???
Julião João Cumbane Essa não é única responsabilidade minha, ó Dyne Silver. É tua também. Com este 'post', eu estou a dar sinal de estar a fazer a minha parte. O presidente Filipe Nyusi tem acesso à esta plataforma, para medir parcialmente o pulso do país que governa.
Elvira Chauque De facto prof, quem sabe um dia os camaradas comungarao a mesma comunhao????? viveremos a paz???? e as dividas niku sweeeee???? Etc alguem de direito no verdadeiro sentido pode nos trazer as respostas em actos???? Pedido
Julião João Cumbane Camarada Elvira Chauque, o importante é continuarmos cada um a sua parte. Sozinho o Presidente Filipe Nyusi não pode mudar, mesmo todo o poder que precisa. Os cidadãos têm a responsabilidade de indicar onde é que é preciso fazer mudanças de rumo e para que direcção é preciso rumar.
Raul Junior Eu So Posso Conversar Com O Meu Confiado Presidente Nyusi Via Espiritual. Sei que Mocambique Ficara uma Nacao Muito Rica, Onde Pretos, Brancos, Mulatos, Amarelos, Governantes, Governados... Viverao Juntos em Harmonia. Eu Ja vi Essa Nacao Chamada Mocambique Desenvolvida.
Julião João Cumbane Partilho da tua crença, ó Raul Junior. E creio que todos os moçambicanos de bem partilham desta mesma crença.
Joao Matlombe Meu caro e respeitado amigo e meu professor de Física.
Desta vez pisou fundo na sua análise, pois não analisaste as questões estruturais que impedem ou podem estar a contribuir para que o Presidente tire do papel o seu discurso para a pratica.
Na verdade, se estivesse no seu lugar iria preferir explorar mais os pontos estratégicos para uma governação, abstraindo me do nosso Presidente, pois qualquer governação só é bem sucedida com o suporte e capacidade de gestão do partido de suporte. Esse é, e deve ser o primeiro suporte de governação política de qualquer governo, o suporte político!
A análise feita, peca por insolar o PR do seu Partido. Partido que é dono do programa e do Manifesto Eleitoral, o que significa na minha óptica, que o fracasso não é só do Presidente, mas sim de quem foi ao eleitorado prometer, neste caso o Partido.
Portanto, concordo com sua análise, mas creio que, estamos muito longe de atingir o discurso inaugural do PR.
Creio que se a tomada de posse fosse hoje, o discurso seria bem diferente, claro, porque a situação é condições objectivos são outras.
Seja como for, é dever o PR fazer valer o seu discurso. Aguardemos, pelo balanço oficial no comunicado sobre o estado da nação.
Julião João Cumbane «A análise feita, peca por insolar o PR do seu Partido. Partido que é dono do programa e do Manifesto Eleitoral, o que significa na minha óptica, que o fracasso não é só do Presidente, mas sim de quem foi ao eleitorado prometer, neste caso o Partido.» (sic). Meu caro Joao Matlombe, neste relfexão não há pretensão alguma de isolar o Presidente Filipe Nyusi do seu partido. Aliás, Filipe Nyusi é também o Presidente da Frelimo. Neste 'post' o que faço é alertar para a necessidade de o Presidente Filipe Nyusi auto-avaliar a sua liderança (do Estado e da Frelimo) dentro dos limites fixados pela Constituição da República e pelos Estatutos da Frelimo (Frelimo Moçambique), e ter coragem de fazer as mudanças que se impõem para endireitar o que anda torto.
Gosto121 h
Lúcio Langaa Tirou me as palavras N boca Joao Matlombe.

Afinal "Nyusi fora/sem do/ a Frelimo é igual a Raul Domingos"
Julião João Cumbane Filipe Nyusi é o Presidente da Frelimo (Frelimo Moçambique). Logo, não HÁ como ele, agora, pode ser isolado do seu partido. Eu até gostaria que houvesse uma separação nítida entre o Filipe Nyusi Presidente da República de Moçambique e Filipe Nyusi Presidente da Frelimo. Tenho em mim que muitas das dificuldades que Filipe Nyusi encontra para no exercício do seu mandato resulta desta acumulação de cargos no contexto do Moçambique actual.
Lúcio Langaa ...e o antecessor não os teve mesmo que tenha acumulado.
Julião João Cumbane Disseste NADA inteligente, neste teu comentário acima, ó Lúcio Langaa!
Dias Manuel Sobre amizades vs competencias: dá um exemplo de quem está num posto que devia ser ocupado por quem!...
Julião João Cumbane Estás a fazer-me um desafio, Dias Manuel?!... Este desafio é uma canja. Minha filha de 15 anos de idade pode responder-te prontamente, dizendo, por exemplo, que os pelouros que superintendem as áreas de ambiente, cultura, saúde, turismo, comunicações, recursos minerais, entre outros, poderiam ter sido melhor empacotados e os seus titulares poderiam ter sido melhor escolhidos. Ser um bom "business man" ou "lobbyist" não implica necessariamente ser bom estruturalista ou gestor de políticas públicas sectoriais.

Exemplos de boas escolhas existem, claro. O pelouro da economia e finanças, por exemplo, está melhor empacotado e a escolha do titular foi feliz. Voltou em breve com detalhes de um pensamento que até já partilhei aqui neste mural...
Gosto223 h
Dias Manuel Obrigado, mas nao respondeu integralmente a minha inquietaçao: eu queria era ouvir quem deveria estar no lugar de quem no teu ponto de vista (com base a "competencias"). Isto nao quer dizer que eu acho que as pessoas escolhidas pelo "empregado do povo" sejam as mais "indicadas", queria é apenas explorar mais o que te motiva a concluir que a "amizade" esteve em causa nas escolhas do "empregado do povo".
Agora, quanto a relaçao entre "bom businessman" e estruturaçao e/ou gestao de politicas publicas, deixo em aberto, por uma simples razao: o entendimento diversificado do que é "bom businessman".
Eu acho que para se ser "bom businessman" passa-se por se ser pelo menos:
1- Bom na liderança
2- Bom na gestao estrategica de recursos humanos
3- Bom na estrategia organizacional; entre outras áreas que nao têm muito a ver com o contexto do post.
Um individuo dotado de conhecimentos que acima mencionei, acho que está em condiçoes de colocar as "peças de xadrez" como deve ser!!!!! Acho eu!
Julião João Cumbane Dias Manuel, essa pretensão de querer orientar o debate por mim sugerido para a satisfação do teu interesse pessoal é abominada neste mural. Na minha resposta ao teu primeiro comentário, eu dei exemplos de pelouros onde estão titulares que na minha opinião não são competentes como timoneiros; dei exemplos de um pelouro que está bem configurado e a escolha do seu titular foi feliz. Isto, para mim, responde ao desafio que me colocaste.

Para mim, o líder de pelouro técnico tem que ter, necessariamente, sensibilidade técnica relevante. Não basta ter boas qualidades de liderança para liderar BEM qualquer pelouro; é preciso também ter alguma sensibilidade técnica com os alguns dos assuntos de cariz técnico sob a alçada do pelouro. Por exemplo, o pelouro dos recursos minerais dificilmente pode ser bem dirigido por alguém que não tenha sensibilidade técnica no domínio das negociações de contratos de exploração destes recursos. Se colocares um economista com excesso de zelo a dirigir este pelouro, muito provavelmente vai inviabilizar o desenvolvimento de projectos de exploração comercial dos recursos minerais.

Outro exemplo: o pelouro que superintende o ambiente, dificilmente pode ser bem dirigido por alguém que não tenha sensibilidade técnica no domínio dos compromissos a fazer entre as necessidades mutuamente conflituantes de desenvolvimento industrial e de defesa da qualidade ambiental. Se colocares um activista ambiental liderar este pelouro, muito provavelmente vai inviabilizar o desenvolvimento de projectos de industrialização, que SEMPRE têm impactos negativos para o meio ambiente.

Enfim, só alguém com sensibilidade técnica adequada pode dirigir bem pelouros que lidam com assuntos reciprocamente conflituantes, onde é preciso fazer "trade-offs" inteligentes. Não basta ter um acervo de diplomas de mérito ou de participação em cursos sobre gestão ou liderança. É um erro crasso, por exemplo, pensar-se que um historiador pode dirigir bem uma agência de energia atómica, só porque comprovada ou aparentemente liderou bem uma Universidade ou uma Comissão da UNESCO. Também é um erro pensar-se que um bom artista pode dirigir bem o pelouro da cultura, ou que um bom economista pode dirigir bem um pelouro que superintenda assuntos do ambiente, da saúde ou de energia. Saber quem se enquadra bem em cada um dos sectores onde se quer sensibilidade técnica adequada passa por saber fazer a prospecção de quadros que servem nas diferentes frentes dentro e fora do país. É esta abordagem de liderança que está a catapultar a República Popular da China. Confiança política, afinidades pessoais ou a ideia de que basta saber liderar pessoas e processos para ser um bom dirigente é o paradigma de usado na selecção de quadros para a gestão de políticas públicas nos 41 anos de Moçambique independente e que constitui a causa fundamental do atraso do desenvolvimento deste país.
Gosto120 h
Narcísio Mula Prof Julião João Cumbane, fez uma análise bem acertada do trabalho do Nyussi que me faz perdoar aquelas achegas a Renamo e seu lider.
Julião João Cumbane Narcísio Mula, eu dispenso o teu perdão, porque estou a perceber que tens dificuldade de fazer distinção entre o bem e o mal. Não quero convívio com pessoas que não se empenham em ultrapassar essa dificuldade. Com este teu comentário, acabo de concluir que tu és uma dessas pessoas. Ciao.
Gosto120 h
Desidério Manuel Doarte Visão dos acontecimentos que estão a colocar o país em abismo. No entanto enumerou se várias falhas da Boa governação e o professor não está a deixar os leitores nos seus pontos de vista e vai atacando na comparação dos outros analistas Salomão Moyana, Fernando Lima e outros que eu acho neste poste inútil uma vez estamos apreciar a governação do presidente. O meu ver professor tem problema com as pessoas e não com as ideais. Em todo caso o seu post leva a reflexão sobre o país.
Julião João Cumbane «... professor tem problema com as pessoas e não com as ideais.» Desidério Manuel Doarte, esta é a tua opinião sobre mim. Eu não tenho a mesma sobre mim mesmo. Compreendo inclusive a dificuldade que emperra o debate profícuo de ideias na nossa esfera pública, nomeadamente confundir questionamentos de pessoas e suas ideias por outras pessoas com ataques pessoais. É meu entendimento que estás a enfrentar esta dificuldade.
Heelio Sive Marcos Hehehe,percebo que o ilustre Julião João Cumbane.não chegou ao fundo do meu comentário.
Julião João Cumbane Heelio Sive Marcos, tens uma oportunidade, aqui deste outro lado da minha "sala de visitas", para aclarar o fundo do teu comentário.
Gosto119 h
Heelio Sive Marcos Não me considero iluminado mais que ninguem,porém o ser visionário é comum a todos os homens.mas alguns não manifestam.

Ignorância é falta do conhecimento da causa será o meu caso Ó prof.Cumbane?

Ao que tudo indica não o ofendi apenas estive a elogiar a sua reflexão.oque entendeu pela lucidez? Digo isso porque muita das vezes o ilustre mesmo que imbuido de RAZÃO.tem feio reflexões guiadas pelo fanatismo politico..mas quanto a essa de hoje fiquei em agrado porque reflectiu academicamente.
Julião João Cumbane «muita das vezes o ilustre mesmo que imbuido de RAZÃO.tem feio reflexões guiadas pelo fanatismo politico..mas quanto a essa de hoje fiquei em agrado porque reflectiu academicamente.» (sic).

São estas "análises" que não permito que alguém venha fazer no meu mural. Estás a entender, ó Heelio Sive Marcos? Não te permito vir a minha casa (este mural é comigo minha sala de visitas) para me qualifica como "fanático" e para avaliar se estou a ser "académico" ou não. Não estás outorgado dessa autoridade quando estiveres aqui. Comenta os assuntos que partilho, e as minhas posições perante eles. Não veja aqui para me avaliar, porque não és chamado aqui para isso. Não é ético, tampouco é aconselhável, ir à casa de alguém para lhe dizer o que deve ou não fazer ou ser; quem é ou não é, na tua opinião. Podes fazer isso com o teu Presidente da República, porque ele é teu servidor, mas não tens legitimidade para fazer isso comigo, porque não fizeste NADA para eu ter esta conta aqui no Facebook. Podes policiar o que faço aqui e reportar ao Facebook, se achares que estou a ofender a "política do utilizador" desta plataforma. Mas eu não estou disponível para interagir contigo quando tu vens aqui com ares de pedante.
Gosto119 h
Heelio Sive Marcos Perfeito.entendo e respeito a sua posição.
Gosto119 h
Julião João Cumbane Razoável. Obrigado, ó Heelio Sive Marcos!
Gosto119 hEditado
Heelio Sive Marcos Quanto à questão moral ora invocada percebo que esteja coberto se razão.
Madudo Chaguala Darei a minha contribuição brevemente.
Ocupado parei no ponto "5" ponto esse que desacordo completamente.
Heelio Sive Marcos Kkkk.eish.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook