quarta-feira, 12 de outubro de 2016

CATANDICA/BARUE PROMETE + SANGUE


Chefiei uma ekipa d trabalho p investigar os propalados assassinatos e perseguições de pessoas n Distrito de Barue Provincia d Manica. Trabalhamos nos dias 04 a 07/10/2016 no interior do Distrito, nomeadamente em: Mpataguenha, Mussianharo, Cagole, Nhabuto e Catandica. O relatório final sera publicado e entregue ao Presidente da Republica n dia 28/11/16 na presença do representante d observador dos direitos humanos da Nações Unidas em Africa Sr. Sandro Faka. Enquanto se aguarda, kero aki lamentar pork akele distrito ja xta banhado de sangue e Barue daki em diante terá conflito inacabavel como de Israel e Palestina (sublinhe). Mesmo c acordo d Paz, os assassinatos em Catandica, nunca vão acabar/cessar. A maldade, o rancor, o ódio, a inveja....tomou conta dakele povo. O pior d tudo é k os k assassinam e os k mandam assassinar são bem conhecidos pelos lesados ou seja por akeles k hoje choram e sentem falta dos seus pais, tios, primos, irmãos ect k foram baleados ou queimados vivos. A guerra d ajuste d contas em Catandica/Barue, nunca vai terminar (sublinhe). Eu chorei quando ví crianças inocentes de um casar jovem k foram recentemente assassinados a sangue frio por AK47 n bairro militar. Pork tanta maldade meus senhores? Concluimos k cada dia k passa o distrito xta produzir muitos traidores k de dia são gente e anoite são autenticos lobos. Passou a ser normal em Catandica um tio trair seu sobrinho, pai trair seu filho, avo trair seu neto......traição entre colegas d trabalho, entre irmãos do mesmo sangue, entre amigos ect ect. Uma noite em Catandica, parece 5 dias. Pork os olhos fecham, mas a mente n adormece! O medo tomou conta das almas dakela gente. Cada dia k passa, ha uma lista d pessoas k devem ser mortas e carbonizadas. Mas pork meu Deus? Ha gente em Catandica/Barue k ao aperceber dest idiondo massacre e perseguições, abandonaram seus bens, familia, amigos p locais considerados seguro. Na vespera da nossa saida, tivemos acesso duma lista secreta onde vem nome d 4 professores k devem ser executados na calada da noite do dia 12 de Outubro e 2 empresarios de renome da praça k xtao na fila p serem assassinados ainda este mês d Outubro. Barue/Catandica virou residência do Satanas, os dias piores xtão por vir. Mas n disse, apenas fixem ok sublinei.
Jessica Alfredo in Maputo
Adere a este grupo para publicar e comentar.

Feed de Notícias

Frelimo troca diálogo pela violência
Os constantes raptos, tanto nas cidades quanto nas zonas rurais, seguidos de assassinatos de dirigentes locais da oposição, com destaque para os da Renamo, vem confirmar, com toda a nitidez, a velha vontade dos dirigentes do partido Frelimo, de modo particular militarista, do seu presidente, Filipe Jacinto Nyusi, de querer, insistentemente, dizimar a oposição pela via das armas. Para o efeito, Nyusi deslocou-se, propositadamente, à Angola a fim de aprender a tal macabra lição de como o MPLA, do velho ditador José Eduardo dos Santos, conseguiu eliminar, fisicamente, o líder da UNITA, Jonas Malheiro Savimbi.
Nyusi, por muito simpático que possa parecer, ainda não abandonar esta macabra tese de acabar com a Renamo pela via do fuzil, desta vez, a começar pelos colaboradores mais próximos do líder da Renamo, Afonso Dhlakama, a quem contra ele já montaram duas perigosas emboscadas, na província de Manica, em Setembro de 2015, e o cerca à sua residência, na Cidade da Beira, o que poderia, certamente, resultar em banho de sangue sem precedentes na história de Moçambique, se não fosse a sabedoria e o engenho de Dhlakama que impediu que a sua guarda pessoal respondesse à provocação das forças sitiantes da Frelimo.
Em Moçambique, de forma criadora, Nyusi conduz a luta contra a oposição em duas frentes – por um lado, à luz do dia e militarmente, persegue, cerca o líder da Renamo, e por outro, vai caçando, os dirigentes locais da oposição, eliminando-os como se fossem passarinhos, ao sabor dos esquadrões da morte, homens propositadamente preparados para matar a todos que tentam cruzar o caminho da “linha correcta” do partido Frelimo e dos novos ricos que transformaram o partido em agência provedora de oportunidades de negócios fáceis de deixar alguém podre de dinheiro ilícito.
Da longa lista de pessoas a eliminar constam dirigentes da Renamo, jornalistas, professores, académicos, comentadores e outros “ingratos”, como foi considerado pelo então porta-voz da Frelimo o professor e constitucionalista Gilles Cistac. Em Gaza, tudo quanto seja oposição é para abater, que o diga o MDM que viu o seu delegado provincial e o presidente da Liga da Juventude raptados a mando do primeiro secretário do distrito de Mabalane e salvaram graças à pronta denúncia da proprietária da barraca de onde haviam sido raptados.
Os assassinatos de Jeremias Pondeca, membro do Conselho de Estado e negociador da paz que decorre em Maputo, sob a mediação da comunidade internacional, é um sinal de que os dirigentes da Frelimo enlouqueceram não querem a paz. A morte de Pondeca vem a somar aos assassinatos de Manuel Lole, outro membro do Conselho de Estado, raptado em Junho deste ano, em Manica e cuja sorte se desconhece até ao presentemente momento, do bárbaro assassinato, na cidade da Beira, de José Manuel, membro do Conselho de Defesa e Segurança e do delegado distrito, Armando Mkeche, de Moatize, transmitem a mensagem de que a paz vai resultar depois do triunfo das armas, em primeiro lugar.
Ninguém está seguro fora da Frelimo. Na província de Manica, membros das assembleias municipais e provincial passaram a viver na clandestinidade porque vários colegas seus foram raptados e, mais tarde, encontrados mortos e atirados em valas comuns. Alguns atravessaram a fronteira e passaram a viver no Ziimbabwe com medo de serem mortos por esquadrões da morte da Frelimo.
Assim, fica claro que quem não quer a paz é o partido Frelimo e as conversações que, presentemente, decorrem, na Cidade de Maputo, servem, apenas, para entreter os mais distraídos. Os dirigentes da Frelimo ainda não entenderam que o diálogo seja o único caminho capaz de trazer a paz de volta. O funcionamento eficaz das instituições da justiça e repor a verdade eleitoral chamuscada por ganciosos e para capturar os gatunos que afundaram a economia nacional e o trabalho árduo dos moçambicanos nos levarão a emergir do fundo do poço para onde o país foi jogado por indivíduos que se fazem de espertos.
GostoMostrar mais reações
7 comentários
Comentários
Gloria Ubisse Disse tudo dr
Vicente Remédio Cantona Que triste realidade, mas quando é que os dirigentes africanos irão mudarem de mentalidades e deixarem de confundirem os Estados com os Partidos políticos?
Gosto15 hEditado
Arsenio Renato Aprovado
Zainadiny Abdul Satar Regime belicista.
Rrg Magaia Infelizmente mente arcàica .
Moisés Checunisse Triste cenario que vivemos.
Manuel Cardoso Tem de haver um fim para essas barbaridades.
Simone Tazondiwa RTriste isto.
Maria Manjate Trágico. A k ponto chegámos.
Joana Simeao Ntelela ESSA É CARACTERÍSTICA NATURAL DA FRELIMO
Alcidio Do Rosario Muito triste, aguardamos pelo relatório final.
GostoResponder12 h
Gulumba D. Mutemba Viver em Moz. tornou se difícil.
Maria Armando Sinceramente os rangers da Renamo não tomam medidas sobre essa situação? A Frelimo não pode fazer nada, porque está se marimbando
Curriculo Ensino Difícil de viver escondido, mas tudo com forca de Deus sera resolvido.
Bento José Quando renamo tomar poder muitos membro da frelimo vai obrigar abondonar as suas Terra por causa De odio e inveja
Ah Manhambane O mais caricato e' k os dirigentes deste pais sabem tudo o k xta acontecer mas ficam totalmente indiferentes , razao pra desconfiar sera k sao eles k mandam matar as pessoas como se fossem cabritos.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook