sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Argentina tem 1,4 milhão de novos pobres desde que governa Macri


Uma em cada três pessoas vive abaixo da linha da pobreza, de acordo com a Universidade Católica Argentina

Moradores da Favela 31, no centro de Buenos Aires. RICARDO CEPPI
Mauricio Macri se tornou presidente da Argentina com a “pobreza zero” entre suas prioridades, mas o início da sua gestão avança na direção oposta. Nos primeiros três meses do ano, há mais 1,4 milhão de novos pobres na Argentina, 5,5 pontos, de acordo com estimativas do Observatório da Dívida Social da Universidade Católica Argentina (UCA). Na ausência de números oficiais, este organismo, muito respeitado neste assunto até pelos macristas, assegura que em meados de março cerca de 13 milhões de pessoas não tinham renda suficiente para satisfazer suas necessidades básicas, 34,5% do total argentinos.
A causa principal é o forte aumento dos preços, especialmente de alimentos, que dispararam cerca de 10% nos primeiros três meses do ano. É o índice de pobreza “mais alto dos últimos sete anos”, disse o diretor do observatório, Agustín Salvia, em entrevista coletiva. Salvia manifestou preocupação com a “difícil” situação econômica que atravessa a Argentina, devido ao rápido aumento do custo de vida e as consequências sobre os mais vulneráveis.
O organismo prevê que a pobreza vai diminuir ligeiramente este mês, para 32,6%, graças à expansão da assistência social aprovada pelo Governo para as famílias com rendimentos mais baixos. Estas famílias se beneficiam de um aumento nas aposentadorias e ajudas por filho, e também terão tarifas reduzidas nos transportes públicos, nas contas de água, luz e energia elétrica. Mesmo assim, Salvia acredita que os planos sociais não são suficientes para cobrir o forte aumento no custo de vida registrado este ano.
“Essas projeções não levam em conta as perdas de emprego ocorridas no contexto de uma economia inflacionária e afetada por ajustes macroeconômicos, nem os recentes anúncios de aumento de transportes e serviços residenciais”, alertou o especialista, que acredita que os dados finais serão ainda piores.
O plano oficial de aumentos começou em fevereiro, pouco mais de um mês do Governo Macri, com a eletricidade tendo aumentos médios de 250% e, em casos específicos, de até 700%. Ontem a passagem de ônibus e ferrovias duplicou. E hoje foi a vez do gás e da água, os dois serviços públicos que faltavam, com aumentos ao redor de 300%. O impacto dos aumentos será sentido nos primeiros dias de maio, quando vão chegar as primeiras contas.
Os combustíveis, por sua vez, sofreram aumentos menos espetaculares 15%, em média, mas ao contrário da água, luz e gás, já estavam altos. O de hoje foi o terceiro aumento desde que Macri chegou ao poder em dezembro e desde janeiro os postos de gasolina ajustaram seus valores em 12%. As petroleiras, com a estatal YPF à frente, justificaram os aumentos pela desvalorização de 40% do peso, anunciada por Macri assim que assumiu o cargo para liberar as restrições do câmbio.
O Governo insiste que é preciso um “sinceramento das tarifas” depois de mais de uma década de serviços com tarifas muito subvencionadas, mas cada vez há mais vozes que pedem a redução do ritmo de ajustes, já que outros bens básicos como alimentos ou roupas já estão com os preços muito elevados, prejudicando o orçamento familiar.
A pobreza já era uma pedra no sapato para a presidenta anterior, Cristina Kirchner (2007-2015), especialmente a partir de 2014, quando uma forte desvalorização reverteu os progressos feitos em anos anteriores.
Em 2013, o organismo oficial de estatísticas deixou de publicar os questionados dados oficiais – para os quais apenas 5% da população estava em situação de pobreza – e o apagão continua nos primeiros meses do novo Governo, que decidiu refazer os índices do zero.
A pobreza foi uma das questões que Macri mais usou para atacar o Governo quando estava na oposição. O Executivo de Cristina Kirchner negava os dados da Universidade Católica, que eram defendidos por Macri. O então chefe de gabinete, Aníbal Fernández, chegou a dizer que a Argentina estava melhor que a Alemanha, que tem 8% dos cidadãos em situação de pobreza. A tensão foi enorme e o macrismo conseguiu usar isso, mas agora esses dados se voltam contra ele. O Governo insiste que precisa de mais tempo, que agora está trabalhando para voltar ao normal, mas por enquanto os primeiros meses estão sendo mais duros do que o esperado.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook