domingo, 21 de agosto de 2016

Polícia deprecia depoimentos dos sobreviventes do fuzilamento em Sofala e acusa Renamo de se fazer passar pelas forças governamentais


PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail
Destaques - Nacional
Escrito por Emildo Sambo  em 17 Agosto 2016
Share/Save/Bookmark
A Polícia da República de Moçambique (PRM) desvaloriza as declarações dos sobreviventes da execução militar de seis pessoas, na passada sexta-feira (12), no distrito de Cheringoma, na província de Sofala, e acusa os guerrilheiros da Renamo de recorrer a artifícios para se fazer passar pelas Forças de Defesa e Segurança (FDS) com o intuito de cometer desmandos e confundir a opinião pública e as vítimas da guerra que segue sem fim à vista.
Questionado pelo @Verdade que elementos a Polícia usa para imputar à Renamo o assassinato de seis pessoas a tiro e os seus corpos posteriormente carbonizados, naquele ponto do país, Inácio Dina, porta-voz do Comando-Geral da PRM, afirmou que “não se trata de atribuição, é um facto que são os bandidos armados da Renamo que cometem as atrocidades” que o país regista.
Segundo ele, os tais malfeitores “procuram confundir a opinião pública, os moçambicanos e as suas vítimas fazendo-se passar por Forças de Defesa e Segurança durante os ataques. As populações devem manter-se vigilantes em relação ao recurso à alegada artimanha.
Entretanto, António Muchanga, porta-voz da formação política visada, considerou que não haver provas que garantam que o ataque em alusão tenha sido realizado pelos homens armando da “Perdiz”. E observou que no seio das FDS reina muita indisciplina.
Desacreditando os depoimentos dos sobreviventes que asseguram ao canal privado de televisão STV que o crime foi cometido por elementos das FDS, Inácio Dina insistiu que a equipa que esteve no local onde as seis pessoas foram mortas “teve informações claras” de que os responsáveis são os guerrilheiros do partido liderado por Afonso Dhlakama.
Outrossim, Inácio Dina disse ainda não haver dúvidas porque, há semanas, na mesma zona, três camiões transportando madeira foram assaltados e os seus ocupantes espancados, retirados os seus pertences e deixados à sua sorte. “Não se pode pensar em nenhuma constatação senão um acto cometido pelos bandidos armados da Renamo. Já tínhamos tidos outras ocorrências na mesma região”.
É normal, de acordo dom Dina, que alguém submetido ao pânico e sobreviva duma atrocidade similar a de Cheringoma tenha uma conclusão diferente das autoridades policiais. Porém, “interessam-nos aquelas pessoas para nos fornecer informações úteis que nos possam ajudar a chegar aos banidos que cometeram o acto e evitar acontecimentos similares”.
Agentes da Polícia matam dois cidadãos em Nampula
PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail
Destaques - Nacional
Escrito por Júlio Paulino  em 16 Agosto 2016
Share/Save/Bookmark
Dois cidadãos, acusados de serem perigosos malfeitores, perderam a vida vítimas de disparos efectuados pelos agentes da Polícia da República de Moçambique (PRM), no último fim-de-semana, na província de Nampula.
Um dos casos deu-se na cidade de Nampula e o outro em Nacala-Porto. Ussene Nacute, porta-voz do Comando Provincial da Policia da PRM naquela parcela do país, disse que os malogrados tinham aparentemente idades que variam de 27 a 30 anos.
O agente da Lei e Ordem alegou, durante o briefing à imprensa, que o indivíduo morto em Nacala-Porto era um cadastrado perigoso e protagonizava roubos com recurso a arma de fogo. Os seus alvos eram motociclistas.
Na noite de sábado passado, prosseguiu Ussene Nacute, o finado fez-se passar por passageiro e chegado algures na zona alta da cidade de Nacala-Porto atirou contra o motociclista que o transportava e exigiu as chaves do meio circulante.
Apercebendo-se da confusão, alguns populares fizeram-se ao local. Esta multidão estava um agente da Polícia de Trânsito, que ma altura encontrava-se em serviço. Na tentativa de imobilizar o jovem supostamente assaltante, disparou contra a vítima e não para o ar.
No domingo (14), na cidade de Nampula, um outro cidadão foi baleado mortalmente por um agente da PRM, no mercado grossista do Warresta. As causas do acidente fatal estão ainda por esclarecer.
A Polícia está também no encalço de um indivíduo desconhecido que na semana passada, assaltou um centro de saúde localizado no bairro de Namicopo, onde se apoderado um número considerável de computadores.
Ainda em Nampula, na semana entre 06 e 12 de Agosto corrente, a PRM interpelou 7.813 cidadãos, dos quais 109 detidos por se acreditar que estão envolvidos em vários crimes.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook