segunda-feira, 29 de agosto de 2016

persuadir a PGR para sugerir a ilegalização do partido Renamo


Tenho notado que algum sector da opinião pública não resiste à tentação de persuadir a PGR para sugerir a ilegalização do partido Renamo por causa daquilo que anda a fazer. Na verdade, a lei é clara e, ao não pô-la em funcionamento, a PGR está mais uma vez a provar que está à reboque do poder político. Só que desta vez, para um bem maior. Eu endosso a decisão da PGR em não sugerir a ilegalização do partido Renamo por meras razões de coerência.
Comecemos pelas simples perguntas:
• Alguém já viu um único “homem armado” detido ou capturado a enfrentar a barra da justiça? Eu não vi.
• Alguém já ouviu o governo da República de Moçambique a declarar que a Renamo já não é parceira da Paz? Eu não vi.
• Alguém já ouviu um dirigente deste estado a instruir publicamente as autoridades da justiça a perseguirem os que se dedicam a desestabilização do país? Eu não ouvi.
O que estou a querer dizer aqui é que a PGR, estando à reboque da política, vai querer a instrução do estado para agir. E, tratando-se da política, seguramente vai esperar até que tal ordem seja dada. E mesmo assim; vai precisar de material:
• Se as FDS não conseguem capturar se quer um único homem armado, onde é que a PGR vai pegar e acusar um? É para a PGR também entrar no mato em busca dos HAR (homens armados da Renamo)?
• Se o governo engaja-se em negociações com a Renamo, o que vai encorajar a PGR a sugerir a retirara da Renamo da lista dos partidos políticos?
Atenção, não estou a insinuar nenhum apoio à continuidade dos ataques da Renamo. Pelo contrário. Estou a dizer que em nome da coerência, temos que ser sérios. As mesmas pessoas endossam a decisão do governo e do partido Frelimo e do seu presidente a continuar a envidar esforços na busca pela paz, pela via do diálogo. Não devem por isso ser as mesmas pessoas a sugerirem que a PGR ilegalize a Renamo pelo mesmo motivo. Talvez seja esta incoerência que complica o processo de paz. Existem dois “pacotes” de solução: uma negocial e outra militar. A militar envolve a ilegalização da Renamo, captura e detenção dos prevaricadores e julgamento de todos aqueles que se envolvem no conflito. Isto foi tentado nos últimos anos e parece que se chegou a conclusão que não era possível ou se fosse, era oneroso e envolvia outro tipo de condições, aparentemente indisponíveis por agora. O outro pacote é negocial, que inclui a tolerância e paciência que nos permite chegar a termos sobre as razões fundamentais da nossa desgraça. Enveredemos então, por ele. De forma coerente.
O nosso semanário levantou, na edição passada, um debate sobre a iniciativa de partidos extraparlamentares que propõem a revisão da actual lei dos partidos,…
JORNALDOMINGO.CO.MZ|BY IDNORCIO MUCHANGA
LikeShow more reactions
Comments
Rutuane Valgy Reflexoes....
Like1 hr
عبدالرحمن بن سعيد سعيد Uma postagem imparcial. Amei. Nao sou plitico,mas quando as coisas estao mal ou bem temos que dizer. Portanto,parabens Dr Egidio vaz. E peguei esta sigla agora,HAR. Kkkkkk
Like11 hr
David Ferreira Ferreira meu carro a inercia sim da PGR

1 comentário:

Anónimo disse...

Este não é efeito do virus de Estocolmo! É pensamento medieval ou SIMNISMO. Quem iria pedir a ilegalização da Renamo, a Frelimo ou o Governo? Na europa, isso seria natural porque nenhum partido estaria armado por via do Estado. Os dois partidos deveriam acantonar as suas tropas e formar-se um exército republicano. As FADM estão no conflito com os HAR em defesa do Estado?

Windows Live Messenger + Facebook