segunda-feira, 29 de agosto de 2016

NYUSI QUESTIONA REIVINDICAÇÕES DA RENAMO


"O Presidente da República, Filipe Nyusi, questiona a pretensão da Renamo, o maior partido da oposição em Moçambique, de querer governar a força as províncias onde alega ter ganho nas eleições gerais de 2014.
O Chefe de Estado deplorou a postura da Renamo durante um encontro mantido sexta-feira, em Nairobi, com a comunidade moçambicana residente no Quénia, sublinhando que em nenhum momento a Renamo ganhou seis províncias.
Não é verdade que a Renamo ganhou seis províncias. Apenas teve mais votos relativamente a outros partidos, disse Nyusi, que se encontra na capital queniana para participar na VI Conferência Internacional de Tóquio para o Desenvolvimento de África (TICAD VI), um evento que conta com a presença de mais de três dezenas de Chefes de Estado e de Governo do continente africano.
Nyusi explicou que a Renamo continua a invadir hospitais, atacar e matar civis inocentes, acções que levaram as autoridades governamentais a introduzir colunas com escolta militar para garantir a circulação de pessoas e bens em algumas regiões do país.
Tudo isso porque o líder da Renamo, Afonso Dhlakama, quer governar as seis províncias onde ele diz que ganhou as eleições, disse o estadista moçambicano.
Fazendo uma analogia com um campeonato de futebol, Nyusi disse que apenas uma equipe pode ganhar.
Quando termina o campeonato é apenas uma equipe que ganha, e é essa mesma equipe que representa o país no mundo inteiro, disse Nyusi, em resposta a preocupação apresentada pela comunidade moçambicana sobre o actual clima de tensão militar que se vive no país.
Na sua mensagem, lida por Rafael Mazula, a comunidade moçambicana disse que o agravamento da tensão político-militar no país mina o desenvolvimento económico e social registado ao longo dos últimos anos.
Por isso, refere a mensagem, repudiamos e condenamos o recurso a força militar para a resolução dos nossos problemas. A guerra provoca luto e destruição de infra-estruturas económicas e sociais, como estradas e pontes, a rede comercial, as escolas e hospitais.
A comunidade reitera que a violência da Renamo apenas retarda e impede a exploração efectiva dos recursos naturais e, consequentemente, o desenvolvimento de Moçambique.
Na ocasião, a comunidade enalteceu as iniciativas para o restabelecimento da paz em Moçambique, afirmando que o Chefe de Estado é o exemplo de tolerância política e um caso único em África e no mundo que permite a convivência entre irmãos mesmo os que cometem tamanha brutalidade.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook