sexta-feira, 13 de maio de 2016

Enquanto as autoridades contam o aumento do custo das dívidas ocultas, presidente Nyusi enfrenta perguntas difíceis de investidores e doadores

Vol 57 No 10
Publicado 13 de maio de 2016 Versão para impressão RSS
Moçambique
MOÇAMBIQUE
dívidas à segurança secretos devastar economia 13TH maio 2016
Enquanto as autoridades contam o aumento do custo das dívidas ocultas, presidente Nyusi enfrenta perguntas difíceis de investidores e doadores

Como montanha de dívidas duvidosas de Moçambique encabeça US $ 2 bilhões, há apelos crescentes para uma auditoria forense e uma sonda de polícia internacional para as autoridades e entidades envolvidas nesta fraude maciça. Os negócios e os empréstimos realizados no âmbito do Presidente Armando Guebuza, e em grande parte mantido em segredo com o seu sucessor Filipe Nyusi, significa que os moçambicanos agora enfrentam a perspectiva de penúria sob o jugo das amortizações de dívida em uma escala épica. O papel dos bancos envolvidos nos negócios, cujos termos foram muito acima das taxas de mercado, também está atraindo o interesse de regulamentação e crítica.

Moçambique Gráfico de Copyright © Africa Confidential 2016

É claro que o empréstimo secreto foi realizado pelos serviços de segurança do Estado e de inteligência do país, e Africa Confidential aqui revela ainda mais detalhes da prevaricação surpreendente no coração do Estado e quem foi o responsável. O Fundo Monetário Internacional lidera uma comunidade financeira internacional horrorizados com a enormidade dos enganos de líderes da governante Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) e ainda está a ponderar a sua resposta. É a certeza de ser grave e doadores já estão suspendendo os fundos de apoio orçamental e subvenções.

níveis de dívida em relação ao PIB atingirá em breve 100% eo metical está em 55 ao dólar americano, e ainda está indo para o sul. As reservas cambiais estão em uma crítica $ 1,8 bilhões., podemos revelar, depois de $ 1,4 mil milhões. foi haemorrhaged no esforço do ano passado-e-um-metade para manter o valor da moeda e saldar dívidas incobráveis.

Fontes próximas ao Rosário Fernandes, ex-chefe da autoridade de receita, a Autoridade Tributária de Moçambique, disseram-nos de desvios sistemáticos de impostos diretamente para os bolsos da elite da Frelimo, especialmente nos últimos anos de mandato do Presidente Guebuza, quando exerceu enorme patrocínio. Massively contratos inflacionados eram comuns. O mais recente a surgir é o extravagante quase completa, Banco de Moçambique edifício, em Maputo, que possui uma almofada de aterragem do helicóptero no telhado. Originalmente orçado em $ 90 mn., O custo final é calculado em pelo menos US $ 300 mn., Com propinas e "comissões" contabilidade para a inflação de custos, dizem fontes da Frelimo.

esquemas de bronze
Guebuza envolvido em uma tentativa última instância condenado a estender seu mandato, que terminou em outubro de 2014, e isso explica em parte a escala extraordinária de sua liberalidade para com os legalistas, fontes anteriormente próximas a ele nos disse (AC Vol 53 No 18, a opção de Putin ). Os esquemas tornou-se cada vez mais descarada, ea criação em 2013 e 2014 de três empresas - Empresa Moçambicana de Atum (Ematum), Proindicus e Gestão de Activos Moçambique (MAM) - foi o culminar deste programa. As empresas, que receberam a totalidade dos US $ 2 bilhões. agora devido pelo Estado, foram principalmente no domínio da segurança marítima, apesar de ter sido os serviços de inteligência e segurança que forneceram a gestão. Eles contornado parlamento, de forma ilegal, e contratos de defesa, efetivamente privatização, como disse um comentarista, a segurança nacional, enquanto enchendo os bolsos da elite no negócio. No entanto, as empresas mal equipadas não poderia lidar e rapidamente entrou em colapso. Ematum, que originalmente alegou estar focado na pesca de atum, não é mais operacional suas poucas embarcações licenciadas, porque não pode pagar salários (AC Vol 56 No 24, o pesadelo de Nyusi).

As três empresas também possuem VIPAS (VIP e gestão de activos), que foi criado em fevereiro deste ano para fornecer serviços de proteção às embaixadas. Não está claro o que o outlook é para o VIPAS inexperiente, mas é difícil imaginar diplomatas de Maputo sendo aguçada.

O único rosto público comum a todas as empresas é o seu presidente-executivo, António Carlos do Rosário, um diretor anteriormente pouco conhecido do Serviço de Informação e Segurança do Estado (SISE, serviço de inteligência de Moçambique). Atrás dele estão os políticos da Frelimo seniores e pessoal de defesa e segurança. Do Rosário é a janela de loja, mas ele responde ao actual Director SISE Gregório Leão José, que foi nomeado pelo Guebuza, em 2005, nossas fontes dizem. A mulher de Leão, Ângela Diniz Buque Leão, está no negócio com Do Rosário, um legalista Guebuza confiável.

Muitos têm sempre quis saber como presidente Nyusi, que era ministro da Defesa na época, poderia ter permanecido sem envolvimento - que foi a impressão de público como o escândalo Ematum quebrou. No entanto, o CEO da empresa fornecendo os barcos de patrulha, Iskandar Safa, comentou que a empresa-mãe do seu estaleiro, Construções mécaniques de Normandie (CMN), tinha atingido outros negócios com Moçambique. Um deles estava com Proindicus, um dos títulos de detentores de enormes anteriormente secretos, que é meia de propriedade da empresa de Defesa Ministério prazo Monte Binga. Comentaristas observaram que teria sido impossível para Nyusi não ter tido conhecimento de acordos de tal magnitude. Isso poderia muito bem explicar sua relutância em mover contra seu predecessor ao longo dos títulos Ematum e dívidas opacos semelhantes (AC Vol 57 No 6, a determinação de Nyusi em dúvida).



Moçambique Timeline de Copyright © Africa Confidential 2016



A questão alemã
Alguns membros da Frelimo que se opõem a Guebuza, no entanto, tem pouca simpatia por Nyusi. Veterano membro sênior Sérgio Castel Branco da Silva Vieira disse, 'Eu e meus filhos e netos, não vão pagar a dívida deste roubo'. Ele acrescentou que Nyusi 'humilhou' durante suas recentes visitas à Alemanha e Bruxelas, onde tentou agarrar-se o apoio dos doadores.

A chanceler alemã Angela Merkel pediu Nyusi quando a conheceu em Berlim em 19 de abril: "Onde está o dinheiro? e também: 'Você é o responsável? ", de acordo com uma fonte na delegação do Nyusi - que também incluiu cabeça SISE evasivo Leão. Alemanha fornecido equipamento de radar para o programa de segurança marítima, assim como a França ea Suíça.

Riqueza em exposição
questões de Merkel ir para o centro do escândalo, como o peso da dívida externa está obscurecendo a questão de onde o dinheiro acabou. Há um medo generalizado de que, com a sua insistência na unidade em todos os custos e seu longo histórico executando um Estado de partido único, a Frelimo é constitucionalmente incapaz de perseguir os generais, espiões e quadros do partido que ganhou o equivalente a jackpots. A riqueza de muitos deles - sob a forma de entretenimentos luxuosos, carros de luxo e casas deslumbrantes - está em exibição visível em cidades de Moçambique. Por enquanto, Nyusi está levando a culpa. O primeiro-ministro Carlos Agostinho do Rosário ainda falou recentemente da administração Nyusi como um "governo de transição", em reconhecimento tácito da longa sombra Guebuza lança.

Na falta de ação do governo - embora o gabinete do Procurador-Geral anunciou uma investigação sobre as ilegalidades - os Estados Unidos podem ter um interesse, uma vez que tem de facto jurisdição dado o dólar denominação da dívida dos EUA. É o maior doador bilateral de Moçambique, em US $ 400 milhões. da ajuda por ano, o que está agora sob o que ouvimos será review 'muito difícil'. O cheiro de um de vários bilhões de dólares negócio de armas envolvendo a Rússia poderia facilmente despertar o interesse americano. Dado o secretismo até à data, dificilmente seria surpreendente se mais desvios, e mais empréstimos secretos, virou-se.

Após conversações com o FMI em Washington, terminando em 21 de Abril, o primeiro-ministro confirmou os empréstimos adicionais: $ 622 mn. para Proindicus (que foi coberto até US $ 900 mn., embora a linha extra de crédito não foi ativado) e US $ 535 milhões. a Moçambique Asset Management (MAM - ver quadro).

De Proindicus '$ 622 mn., Africa Confidential aprendeu com fontes bancárias seniores que apenas US $ 311 mn. é mostrado para ter ido para a empresa. A outra metade pode ter sido desviado para outros projectos e, possivelmente, para mãos privadas. As mesmas suspeitas se aplicam a MAM, que não explicou seus planos de aquisição. A empresa pretende operar instalações portuárias para Proindicus, inclusive em Pemba - e para compensar Geral Alberto Chipande para ser cortado fora do negócio Pemba original, entendemos (AC Vol 55 No 16, Contratos em abundância na nova ordem).

Finalmente, Moçambique confessou o IFIs que ele estava segurando outros empréstimos com garantia estatal para o Ministério do Interior. Eles se recusaram a citar o credor bilateral, ou detalhe a finalidade dos empréstimos. Eles totalizam US $ 221,4 milhões. e foram obtidos entre 2009 e 2014.

É claro que o projeto de segurança marítima afirmado previamente pelas autoridades como sendo o componente militar da Ematum é realmente Proindicus, como Africa Confidential pode ver a partir do documento de estudo de viabilidade Credit Suisse produzido em fevereiro de 2013. Isto significa que o dinheiro Ematum alocados para a Defesa orçamento provavelmente foi utilizado para outros fins. Na verdade, o valor total dos activos de pesca de Ematum não pode valer mais de US $ 100 milhões. - Provavelmente muito menos - para que a soma inexplicável pode chegar a mais de US $ 700 milhões. (AC Vol 56 nº 14). Mas desde que as três empresas efetivamente possui um ao outro, é mais difícil de rastrear dinheiro e ativos, que pode ser facilmente movido de uma forma opaca.

As autoridades, incluindo António Carlos do Rosário e militares de alto nível, estão agora a tentar dar a impressão de que grandes quantidades de equipamentos de defesa foram comprados, nós ouvimos. Mas fontes de segurança no terreno ver pouca evidência de que, embora os gastos com defesa e segurança em Moçambique agora equivale a cerca de um quarto do orçamento nacional, Africa Confidential pode revelar. Como percentual do produto interno bruto, o montante destinado à defesa está entre as mais altas do mundo, com um escalonamento de 5%. Mas tem pouco a mostrar para o seu dinheiro, e um cenário mais provável é que o dinheiro indivíduos enriquecido.

Mais para vir
Ainda mais dívida pode ser no pipeline. AC aprendeu que a China se acredita ter feito como empréstimos ainda não divulgadas ao SISE, que sofreu uma expansão significativa nos últimos anos. SISE faz parte do Ministério do Interior. Quarta-feira passada, o jornal independente moçambicano Canalmoz informou que empresa chinesa ZTE, desde que o serviço de inteligência com um amplo conjunto de vigilância de telefone em um negócio que rendeu o filho de Guebuza Mussumbuluko uma comissão de 8%, o equivalente a US $ 11 milhões. Fontes de segurança também relatam dois novos centros de formação fora de Maputo, onde os israelenses também estão ajudando.

Fala-se também de empréstimos de Portugal para Moçambique, e figuras seniores da Frelimo nos dizer que, em geral, os empréstimos bilaterais para ministérios específicos às vezes não são devidamente declaradas ao Ministério das Finanças.

Possivelmente, o nível absoluto de abuso no sistema fez com que o Ministério das Finanças para perder o controle de dívidas de Moçambique. Ele ainda pode ser inseguro em si se revelou tudo. Mas três anos é um longo tempo em que para esconder $ 2 bilhões. valor da dívida, eo Primeiro-Ministro mendigos a crença de muitos em chamando-o de um «erro». "Cover-up" é amplamente considerado uma descrição mais precisa.

Tem havido muita especulação sobre o que poderia ter acontecido se o FMI tinha tomado uma posição mais dura em Ematum depois de dezembro de 2013 e insistiu em examinar os livros. Muitos doadores apoiada boas intenções do FMI em confiar os seus interlocutores em Maputo, mas os dissidentes como a Dinamarca - que sempre acreditou que havia muitas perguntas sem resposta (AC Vol 55 No 3, Doadores em pé de guerra) - ter sido justificada pelas revelações sobre Proindicus . SISE até criou MAM após o escândalo Ematum, em abril de 2014 - ironicamente, um pouco antes sempre otimista conferência do FMI, internacional 'Africa Rising' em Maputo, em 29-30 de maio daquele ano.

Fé misplaced
A fé do FMI no momento em torno Moçambique como a estrela em ascensão da região não foi facilmente abalado, e foi com alguma ingenuidade que, depois, colocado suas esperanças na integridade de renome do novo ministro das Finanças da Nyusi, Adriano Maleiane.

Em última análise, Maleiane, como seu antecessor Manuel Chang, tinha pouca escolha, mas para proteger a parte. fontes de doadores confirmam que em dezembro passado Maleiane mesmo assinaram uma carta a uma FMI suspeito que negou a existência do MAM, Proindicus ea dívida adicional, apesar de já estar em conversações com os bancos sobre os empréstimos.

O Banco Central também foi cúmplice, mesmo forçando os bancos locais para emprestar dólares para esconder níveis inadequados de reservas estrangeiras, dizem fontes bancárias seniores em Maputo. Em março, Moçambique reembolsados ​​$ 25 mn. da dívida Proindicus das reservas - um fato que governador do Banco Central Ernesto Gove deve ter tido conhecimento, apesar de seus apelos de ignorância. Agora, Moçambique deve encontrar $ 134 mn. para pagar a primeira parcela da dívida MAM em maio. Além disso, ele deve cerca de US $ 80 milhões. para os investidores em Proindicus e MAM que não renunciar ao seu direito ao reembolso imediato quando Moçambique foi rebaixado (AC Vol 57 nº 9, do FMI de corte segue choque da dívida secreta). Alguns falam espero de dinheiro ainda sentado em contas offshore, ou liquidar ativos. Mas, dado os seus compromissos atuais, Moçambique está a caminho de perder pelo menos mais US $ 400 milhões. a partir das reservas em reembolsos de dívida este ano.

bancos nervosos
Os bancos estão preocupados com a perspectiva de litígio sobre as modalidades de empréstimo, a partir do qual eles colheram invulgarmente grandes taxas, dizem fontes envolvidas nas operações. investidores agitados culpa banqueiros por enganá-los sobre as atividades originais de Ematum, e a não divulgação da dívida adicional. O título soberano Moçambique, que substituiu o vínculo Ematum, tomou um mergulho acentuado desde o escândalo estourou no início de abril e agora vale 77 centavos de dólar.

Enquanto uma FMI taciturno bides seu tempo, os mercados continuam nervosos e preocupações de um default iminente estão crescendo. serviço da dívida anual multiplicado para mais de US $ 600 milhões, uma figura totalmente insustentável, especialmente se, como tem vindo a considerar, ouvimos, o Fundo cancela seu programa.

Credit Suisse e VTB também pode precisar de responder a perguntas difíceis de as autoridades do Reino Unido porque eles usaram os seus escritórios de Londres para os negócios. Fontes do governo Senior Maputo dizem as autoridades britânicas foram alertados para a controvérsia em torno dos empréstimos.

situação de Moçambique não passou despercebido pela China, que rapidamente fez propostas para Nyusi com US $ 16 milhões. na assistência e se oferece para financiar grandes investimentos em novos projetos.

O Oriente é Vermelho
Nyusi é para visitar a China de 15 a 17 de Maio. Enquanto a ajuda da China vem em seu próprio preço, e Nyusi não tem sido tão enamorado da China como Guebuza, é difícil para o governo de ignorar tais ofertas em um momento de crise. Algumas fontes da Frelimo temem que uma excessiva dependência da China pode significar permitindo a superpotência para efetivamente "comprar o país ', mas dá-lhes algumas opções.

Maputo está ciente de alguns doadores não vão querer empurrar Moçambique longe demais para os braços da China, e poderia usar isso como moeda de troca, embora o perigo de exagerar a sua mão é forte. Desde que o escândalo Ematum começou, cinco membros já deixaram o que era o grupo G19 de doadores.

O FMI continua a ser fundamental. A confiança dos investidores, já baixo, seriam ainda mais danificada por um voto de não confiança do FMI, arriscando o desenvolvimento do sector do gás em que o país se colocou todas as suas esperanças. Mas Maputo é que precisam de mais do que um sorriso do diretor do FMI, Christine Lagarde, nós aprendemos. Assim como seu downgrade de crédito desencadeada uma cláusula em seus contratos de empréstimos que significaram os investidores tinham o direito ao reembolso imediato, então não há outra cláusula que podem agora aplicar.

Pelo menos na medida em que o empréstimo Proindicus está em causa, a validade da garantia do Estado é dependente de Moçambique cumprir as suas obrigações em relação aos seus programas do FMI e do Banco Mundial. As suspensões atuais do programa poderia invalidar a garantia, que já poderia estar em causa por ter sido concedido em violação da lei do orçamento de Moçambique. Moçambique, e os bancos, estão em uma posição muito precária.
A podridão: se quiser entender como os moçambicanos foram baralhados, enganados, roubados e "endividados", leia o artigo a seguir, da autoria da insuspeitável Africa Confidential. Se não consegue ler da fonte original, fiz um pdf.
Secret security debts devastate economy: http://goo.gl/f3MuLB
Se não consegue baixar do link original, fiz um pdf que pode ser descarregado aqui: https://goo.gl/GSAnqG
A foto torna-se nítida quando imprimida. Ou lida on-screen.
LikeShow more reactions
Comments
Watongui Wa Moçambique Wassanhepadi ok,tentarei pk a curiosidad me killer
Like13 hrs
Ivan Maia Espero que o link acima acrescente valor ao post. Um abraço.
Like2 hrs
Maria Lucia Rodrigues Francisco A coisa esta complicada. Nyusi vai ter que limpar a casa, como? não se sabe.... neste caso e melhor destituir todo o Governo e ir-se mesmo para novas eleições embora estas custem dinheiro....
Like1 hr
Felix Junior Eish socorro! Inglês acabou no meio da leitura' alguma recomendação?
Like1 hr
Egidio Vaz Podes usar o translator, ou seja, traduzir o texto de ingles para portugues. Nao é 100% certo mas pode perceber o sentido. Va para translate.google.com e traduza o website ou copeie para dentro da caixa o texto
Google's free service instantly translates words, phrases, and web pages between English and over 100 other languages. English, Afrikaans, Albanian, Amharic, Arabic, Armenian, Azerbaijani, Basque, Belarusian, Bengali, Bosnian, Bulgarian, Catalan, Cebuano, Chichewa, Chinese, Corsican, Croatian, Czech...
TRANSLATE.GOOGLE.COM
Like11 hr
Nelson Junior Caro Sr.Egidio,parabens em tentar dia por dia em "abrir" os olhos dos mocambicanos...talvez, o senhor nao se aparceba, mas as suas publicacoes sao validissimas, pois sejam o governo e a oposicao sao relativamente hipocritas..O senhor com coragem apresenta os facots e cabe a cada mocambicano de tirar suas conclusoes...bravo!..os factos,mais uma vez nos provam de que o governo eh inefecaz e nao consegue eliminar a grande pobreza...por outro as oposicoes ou a grande oposicao (a Renamo) nao quer jogar um papel construtivo...
Like1 hr
Nelson Junior Ps!...enquanto se fala de billioes de dolares, desperdicados ou escondidos, a maioria do povo mocambicano vive numa triste e vergonhosa pobreza...e os dirigentes continuam com a mesma forma de diriger o Pais...eh incompreensivel inaceitavel...deshumano e imoral
Like1 hr
Felix Junior Muito obrigado, já li todo o artigo. A questão é: como sair desta?
Euclides Flavio Já consigui baixar o texto. Obrigado pelo café manu Egídio. Agora estou a degustar embora seja muito amargo.

Há muitos "Judas" entre nós.
Like1 hr
André Thomashausen Segundo este relato, a Merkel perguntou a única questão principal: onde está o dinheiro?
Like11 hr
Egidio Vaz Kkkkkk-e ninguem "sabia" onde estava.
Like1 hr
Tony Simon II Nahhh, simplesmente nao responderam...ou mudaram o mote da conversa!
Yaqub Sibindy GUN ou eleições gerais antecipadas!
Like1 hr
Maria Lucia Rodrigues Francisco Precisamos de uma consciência clara do que queremos..... eleições ajudariam talvez a resolver isso. Esperar que Nyusi limpe a casa não vai ser possível.... ou ele morre ou então vamos para uma guerra sem tréguas.... o que queremos eh paz e depois resolveremos o problema da divida. Ha muitos corruptos por ai...... Judas sem vergonha.
Like1 hr
Nelo Txuma o sr,ja não tem papas na lingua!
Egidio Vaz As dividas. E dividas
Like21 hr
Patrona Jery As leis só são passadas por cima quando os governos negam a civilização, o caso de Moçambique!
Like1 hr
Tony Simon II Os nossos dirigentes...têm serios problemas quando se trata de lidar com a verdade. Por motivos meramente politicos nem conseguem responder a uma pergunta clara e directa...atitudes dessas ja nos estao a custar as almas...porque o tal corpo para nos mantermos em pe,ja nem temos!!
Like1 hr
Nelson Junior ...analisando este grafico, facilmente se nota a presenca de certos paises e de certas instituicoes financeiras famosos a nivel mundial em "lavagens" de dinheiros..,tirem vossas conclusoes...a pergunta eh:...quem sao os mocambicanos que participaram nesta jogada???.,.
Like159 mins
Nelo Txuma não consegui baixar!ou já introduziram o virus!?
Egidio Vaz voce tem duas alternativas. ou do meu dropbox ou directamente da fonte. do meu dropbox (pdf) é impossivel infecta-lo. da fonte, os donos podem restringir. verifica se tens megas suficientes.
Cleto Goncalves Well done Egidio Vaz for sharing this....o.povo de Pebane agradece
Neto Ndzawana é muito revoltante. nos esforçamos tanto para um grupinho deitar tudo abaixo
Copyright © Africa Confidential 2016
http://www.africa-confidential.com

Vol 57 No 10

Published 13th May 2016


Mozambique


Secret security debts devastate economy


As officials count the rising cost of the hidden debts, President Nyusi faces awkward questions from investors and donors

As Mozambique's mountain of dubious debts tops US$2 billion, there are growing calls for a forensic audit and an international police probe into the officials and entities involved in this massive fraud. The deals and loans arranged under President Armando Guebuza, and largely kept secret under his successor Filipe Nyusi, mean that Mozambicans now face the prospect of penury under the yoke of debt repayments on an epic scale. The role of the banks involved in the deals, whose terms were far above market rates, is also attracting regulatory interest and criticism.
Mozambique Chart Copyright © Africa Confidential 2016
It is clear that the secret lending was undertaken by the country's state security and intelligence services, and Africa Confidential here reveals yet more detail of the astonishing malfeasance at the heart of the state and who was responsible. The International Monetary Fund leads an international financial community aghast at the enormity of the deceptions of leaders of the governing Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) and is still pondering its response. It is sure to be severe and donors are already suspending budget support funds and grants.  
Debt-to-GDP levels will soon hit 100% and the metical stands at 55 to the US dollar, and is still heading south. Foreign exchange reserves are at a critical $1.8 bn., we can reveal, after $1.4 bn. was haemorrhaged in the last year-and-a-half's effort to maintain the value of the currency and pay off bad debts. 
Sources close to Rosário Fernandes, ex-head of the revenue authority, the Autoridade Tributária de Moçambique, have told us of systematic diversions of taxes straight into the pockets of the Frelimo elite, especially in the later years of President Guebuza's term of office, when he exercised enormous patronage. Massively inflated contracts were commonplace. The latest to emerge is the extravagant, nearly complete, Bank of Mozambique building in Maputo, which boasts a helicopter landing pad on the roof. Originally estimated to cost $90 mn., the final cost is reckoned at at least $300 mn., with kickbacks and 'commissions' accounting for the cost inflation, say Frelimo sources. 
Brazen schemes
Guebuza engaged in an ultimately doomed attempt to extend his term of office, which ended in October 2014, and this partly explains the extraordinary scale of his liberality towards loyalists, sources formerly close to him told us (AC Vol 53 No 18, The Putin option). The schemes became increasingly brazen, and the creation in 2013 and 2014 of three companies – Empresa Moçambicana de Atum (Ematum), Proindicus and Mozambique Asset Management (MAM) – was the culmination of this programme. The companies, which received the totality of the $2 bn. now owed by the state, were mainly in the field of maritime security, even though it was the intelligence and security services that provided the management. They bypassed parliament, illegally, and defence procurement, effectively privatising, as one commentator put it, national security while lining the pockets of the elite into the bargain. Yet the ill-equipped companies could not cope and quickly collapsed. Ematum, which originally claimed to be focused on tuna fishing, is no longer operating its few licensed vessels because it cannot pay salaries (AC Vol 56 No 24, Nyusi's nightmare).
The three companies also own VIPAS (VIP and asset management), which was created in February this year to supply protection services to embassies. It's unclear what the outlook is for the fledgling VIPAS, but it is hard to imagine Maputo's diplomats being keen. 
The only public face common to all the companies is their chief executive, António Carlos do Rosário, a previously little-known director of Serviço de Informação e Segurança do Estado (SISE, Mozambique's intelligence service). Behind him stand senior Frelimo politicians, and defence and security personnel. Do Rosário is the shop window, but he answers to the current SISE Director,Grégorio Leão José, who was appointed by Guebuza in 2005, our sources say. Leão's wife, Ângela Diniz Buque Leão, is in business with Do Rosário, a trusted Guebuza loyalist.
Many have often wondered how President Nyusi, who was Defence Minister at the time, could have remained uninvolved – which was the public impression as the Ematum scandal broke. However, the CEO of the company supplying the patrol boats, Iskandar Safa, commented that the parent company of his shipyard, Constructions mécaniques de Normandie (CMN), had struck other deals with Mozambique. One of them was with Proindicus, one of the previously secret massive debt-holders, which is half-owned by the Defence Ministry-run company Monte Binga. Commentators have remarked it would have been impossible for Nyusi not to have been aware of deals of such magnitude. This could well explain his reluctance to move against his predecessor over the Ematum bonds and similar opaque debts (AC Vol 57 No 6, Nyusi's resolve in doubt). 

Mozambique Timeline Copyright © Africa Confidential 2016

The German question
Some Frelimo members who are opposed to Guebuza nonetheless have little sympathy for Nyusi. Veteran senior member Sérgio Castel Branco da Silva Vieira said, 'I, and my children and grandchildren, are not going to pay the debt of this robbery'. He added that Nyusi 'humiliated himself' during his recent visits to Germany and Brussels, where he tried to cling to donor support. 
German Chancellor Angela Merkel asked Nyusi when he met her in Berlin on 19 April, 'Where is the money?' and also, 'Are you in charge?', according to a source in Nyusi's delegation – which also included elusive SISE head Leão. Germany supplied radar equipment for the maritime security programme, as did France and Switzerland
Wealth on display
Merkel's questions go to the heart of the scandal, as the heaviness of the external debt is obscuring the question of where the cash ended up. There is widespread fear that, with its insistence on unity at all costs and its long record running a one-party state, Frelimo is constitutionally incapable of pursuing the generals, spies, and party cadres who won the equivalent of lottery jackpots. The wealth of many of them – in the form of lavish entertainments, luxury cars, and stunning homes – is on conspicuous display in Mozambique's cities. For now, Nyusi is taking the blame. Prime Minister Carlos Agostinho do Rosário even spoke recently of the Nyusi administration as a 'transition government', in tacit acknowledgement of the long shadow Guebuza casts. 
In the absence of action by the government – although the Attorney-General's office has announced an investigation into the illegalities – the United States may take an interest, since it has de facto jurisdiction given the US dollar denomination of the debt. It is Mozambique's largest bilateral donor, at $400 mn. of aid per year, which is now under what we hear will be 'very tough' review. The whiff of a multi-billion dollar arms deal involving Russia could easily pique American interest. Given the secretiveness to date, it would hardly be surprising if more diversions, and more secret loans, turned up. 
Following talks with IMF in Washington, ending on 21 April, the Prime Minister confirmed the additional loans: $622 mn. to Proindicus (which was topped up to $900 mn., although the extra line of credit was not activated) and $535 mn. to Mozambique Asset Management (MAM – see table).
Of Proindicus' $622 mn., Africa Confidential has learned from senior banking sources that only $311 mn. is shown to have gone to the company. The other half may have been diverted to other projects and possibly into private hands. The same suspicions apply to MAM, which has not explained its procurement plans. The company is meant to operate port facilities for Proindicus, including in Pemba – and to compensate General Alberto Chipande for being cut out of the original Pemba deal, we understand (AC Vol 55 No 16, Contracts galore in the new order). 
Finally, Mozambique confessed to the IFIs that it was holding other state-backed loans to the Ministry of Interior. They have refused to name the bilateral lender, or detail the purpose of the loans. They total $221.4 mn. and were obtained between 2009 and 2014.
It is clear that the maritime security project previously claimed by the authorities as being the military component of Ematum is actually Proindicus, as Africa Confidential can see from the Credit Suisse feasibility study document produced in February 2013. This means the Ematum money allocated to the Defence budget was probably used for other purposes. Indeed, the total value of Ematum's fishing assets cannot be worth more than $100 mn. – probably far less – so the unexplained sum may reach over $700 mn. (AC Vol 56 No 14). But since the three companies effectively own each other, it is harder to trace money and assets, which can be easily moved in an opaque manner.
The authorities, including António Carlos do Rosário and senior military personnel, are now trying to give the impression that large amounts of defence equipment were purchased, we hear. But security sources on the ground see little evidence of that, even though Mozambique's defence and security spending now equates to around a quarter of the national budget, Africa Confidential can reveal. As a percentage of gross domestic product, the amount allocated to defence is among the highest in the world, at a staggering 5%. But it has little to show for its money, and a more probable scenario is that the money enriched individuals. 
More to come
Yet more debt may be in the pipeline. AC has learned that China is believed to have made as yet undisclosed loans to SISE, which has undergone significant expansion in recent years. SISE is part of the Interior Ministry. Last Wednesday, Mozambican independent newspaper CanalMozreported that Chinese company ZTE provided the intelligence service with an extensive telephone surveillance suite in a deal which netted Guebuza's son Mussumbuluko an 8% commission, equivalent to $11 mn. Security sources also report two new training centres outside Maputo, whereIsraelis are also assisting. 
There is also talk of loans from Portugal to Mozambique, and senior Frelimo figures tell us that in general, bilateral loans to specific ministries are sometimes not properly declared to the Ministry of Finance. 
Possibly, the sheer level of abuse in the system caused the Ministry of Finance to lose track of Mozambique's debts. It may still be unsure itself whether it has disclosed everything. But three years is a long time in which to conceal $2 bn. worth of debt, and the Prime Minister beggars the belief of many in calling it an 'error'. 'Cover-up' is widely thought a more accurate description. 
There has been much speculation about what might have happened if the IMF had taken a tougher stance on Ematum after December 2013 and insisted on examining the books. Many donors supported the IMF's good intentions in trusting its interlocutors in Maputo, but dissenters such asDenmark – which always believed there were too many unanswered questions (AC Vol 55 No 3,Donors up in arms) – have been vindicated by the revelations about Proindicus. SISE even created MAM after the Ematum scandal, in April 2014 – ironically, just before IMF's ever-optimistic, international 'Africa Rising' conference in Maputo, on 29-30 May that year.
Misplaced Faith
The IMF's faith in the momentum around Mozambique as the rising star of the region was not easily shaken, and it was with some naivety that they then placed their hopes on the reputed integrity of Nyusi's new Finance Minister, Adriano Maleiane
Ultimately, Maleiane, like his predecessor Manuel Chang, had little choice but to protect the party. Donor sources confirm that last December Maleiane even signed a letter to a suspicious IMF that denied the existence of MAM, Proindicus and the additional debt, despite already being in talks with the banks over the loans. 
The Central Bank was also complicit, even forcing local banks to lend it dollars to hide inadequate levels of foreign reserves, say senior banking sources in Maputo. In March, Mozambique repaid $25 mn. of Proindicus debt from the reserves – a fact that Central Bank Governor Ernesto Gove must have been aware of, despite his pleas of ignorance. Now, Mozambique must find $134 mn. to pay the first tranche of MAM debt in May. In addition, it owes about $80 mn. to investors in Proindicus and MAM who did not waive their right to immediate repayment when Mozambique was downgraded (AC Vol 57 No 9, IMF cut-off follows secret debt shock). Some talk hopefully of money still sitting in offshore accounts, or liquidating assets. But given its current commitments, Mozambique is on course to lose at least another $400 mn. from the reserves in debt repayments this year.
Nervous banks
Banks are worried about the prospect of litigation over the loan arrangements, from which they reaped unusually large fees, say sources involved in the transactions. Agitated investors blame bankers for deceiving them over the original activities of Ematum, and the non-disclosure of the additional debt. The Mozambique sovereign bond, which replaced the Ematum bond, has taken a sharp dive since the scandal broke in early April and is now worth 77 US cents. 
While a taciturn IMF bides its time, the markets remain jittery and concerns of a looming default are growing. Annual debt servicing has multiplied to more than $600mn, a totally unsustainable figure, especially if, as it has been considering, we hear, the Fund cancels its programme. 
Credit Suisse and VTB may also need to answer tough questions from the United Kingdomauthorities because they used their London offices for the deals. Senior Maputo government sources say the British authorities have been alerted to the controversy surrounding the loans. 
Mozambique's plight has not gone unnoticed by China, which quickly made overtures to Nyusi with $16 mn. in assistance and offers to finance large investment in new projects. 
The east is red
Nyusi is to visit China from 15 to 17 May. While China's help comes at its own price, and Nyusi has not been as enamoured of China as Guebuza, it is hard for the government to ignore such offers at a time of crisis. Some Frelimo sources fear that too great a reliance on China could mean allowing the superpower to effectively 'buy the country', but it gives them some options. 
Maputo is aware some donors won't want to push Mozambique too far into the arms of China, and could use this as a bargaining chip, although the danger of overplaying its hand is strong. Since the Ematum scandal began, five members have already left what was the G19 group of donors. 
The IMF remains key. Investor confidence, already low, would be further damaged by a vote of no confidence from the IMF, risking the gas sector development on which the country has pinned all its hopes. But Maputo is in need of more than a smile from IMF director Christine Lagarde, we have learned. Just as its credit downgrade triggered a clause in its loan agreements that meant investors had the right to immediate repayment, so there is another clause that may now apply. 
At least as far as the Proindicus loan is concerned, the validity of the state's guarantee is dependent on Mozambique meeting its obligations regarding its IMF and World Bank programmes. The current programme suspensions could invalidate the guarantee, which could already be in question for having been granted in violation of Mozambican budget law. Mozambique, and the banks, are in a very precarious position.


Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook