quinta-feira, 12 de maio de 2016

EMPRÉSTIMOS do Credit Suisse ENVOLVIDOS CONFLITO DE INTERESSES

Aqui estão as últimas revelações sobre o escândalo dos empréstimos garantidos pelo governo moçambicano que empurraram a dívida pública do país para níveis insustentáveis. Agora sabemos por Credit Suisse estava tão ansioso para organizar os empréstimos - porque um banqueiro sênior do Credit Suisse beneficiadas diretamente. O país tem sido, assim, empurrou para a falência por uma quadrilha de políticos moçambicanos, banqueiros europeus e construtores navais libanesas ..
47516E EMPRÉSTIMOS do Credit Suisse ENVOLVIDOS CONFLITO DE INTERESSES
Maputo, 11 de maio (AIM) - Os empréstimos do banco suíço Credit Suisse para as empresas estatais moçambicanas EMATUM e Proindicus envolvido um conflito bruto dos juros, uma vez que o banqueiro que organizou os empréstimos imediatamente depois foi trabalhar para o empresário libanês Iskander Safa, que é dono do estaleiro que construiu 24 navios de pesca de atum e seis barcos de patrulha para EMATUM.
EMATUM em 2013 emitiu títulos de empréstimo para 850 milhões de dólares, garantidos pelo governo moçambicano, que foram vendidos no mercado europeu de obrigações pelo Credit Suisse, BNP Paribas e do banco russo VTB. Credit Suisse e VTB concedeu um empréstimo à Proindicus, também em 2013, e também garantidos pelo governo moçambicano, por 622 milhões de dólares. Grande parte deste dinheiro também deveria ser gasto em navios militares para proteger as empresas de petróleo e gás que trabalham na Bacia do Rovuma, ao largo da costa norte da província de Cabo Delgado.
Um terceiro empréstimo, de 535 milhões de dólares, foi para Moçambique Assets Management (MAM), uma empresa praticamente ninguém tinha ouvido falar até o mês passado, e que supostamente foi formada para fornecer serviços de reparação e manutenção para o transporte no Canal de Moçambique.
Juntos, estes três empréstimos ascendeu a mais de dois mil milhões de dólares, e acrescentou 20 por cento para a dívida externa de Moçambique, tornando-se claramente insustentável.
Embora a emissão de obrigações na Europa garantiu que EMATUM tornou-se conhecido, os empréstimos Proindicus e MAM não foram divulgados, quer para o público moçambicano ou aos parceiros do país. O resultado tem sido uma crise nas relações com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e do grupo de 14 doadores e agências financeiras que prestam apoio directo ao Orçamento do Estado moçambicano. Todos estão retendo mais apoio financeiro para o governo moçambicano.
À medida que mais informação está se tornando disponíveis, por isso torna-se claro que os culpados desta saga não são encontrados apenas em Maputo. Na verdade, os empréstimos provavelmente nunca teria acontecido sem que se parece com a corrupção massiva e conflito de interesses no Credit Suisse.
De acordo com uma investigação da agência independente Zitamar News, o banqueiro do Credit Suisse, que ajudou a estruturar os empréstimos EMATUM e Proindicus foi uma Nova Zelândia nacional chamado Andrew Pearse, que entrou no negócio com Iskander Safa, imediatamente após os empréstimos tinha sido arranjado.
Safa é diretor administrativo e CEO da Abu Dhabi Mar, um grupo de construção naval com base nos Emirados Árabes Unidos, que detém 100 por cento das construções Mechaniques de Normandie (CMN), o estaleiro no porto francês de Cherbourg, onde os vasos EMATUM foram construídos. Abu Dhabi Mar é propriedade da família real de Abu Dhabi e pela companhia de Safa Privinvest construção naval.
Zitamar diz que, assim que os acordos de empréstimo tinha sido finalizado, Pearse assumiu funções de administração em empresas de propriedade da Safa, e agindo sob o nome Palomar. Por exemplo, em setembro de 2013 (muito ao mesmo tempo que o empréstimo EMATUM estava se tornando de conhecimento público em Moçambique). Pearse estabelecida "Palomar Recursos Naturais", com um executivo de petróleo e gás americano chamado John Buggenhagen.
No mês seguinte, foi nomeado diretor de uma empresa de consultoria financeira com sede em Zurique, Palomar Capital Advisers. Ele se tornou presidente da empresa em novembro, assumindo o lugar de Christopher Langford, um advogado britânico, que é diretor de várias outras empresas Iskander Safa, incluindo Abu Dhabi Mar Europa e Abu Dhabi Mar Reino Unido.
Entre suas diversas atividades Palomar Capital Advisers informa sobre a reestruturação da dívida - incluindo a dívida Proindicus, o que sugere que Pearse ainda tem laços, ainda que indirectamente, a Credit Suisse.
Pearse e Langford também são mencionadas no agora famoso "Papers Panamá", a massa de documentos que vazaram do escritório de advocacia Panamá Mossack Fonseca. Estes documentos mostram que eles são diretores e acionistas de Palomar Holdings Ltd, registadas nos paraíso fiscal das Ilhas Virgens Britânicas. Outros acionistas incluem a empresa de Safa Privinveste Shipbuilding, um dos proprietários de Abu Dhabi março
Zitamar também tem visto as contas EMATUM, que mostram que a grande maioria dos 850 milhões de dólares foi rapidamente despachado para Abu Dhabi Mar em Setembro e Outubro de 2013. Abu Dhabi Mat recebeu 836,3 milhões de dólares do EMATUM. O resto do dinheiro - 13,7 milhões de dólares - aparentemente cheio bolsos dos banqueiros, a ser gasto em taxas bancárias e comissões.
Mas essas contas são muito suspeito. Pois quando a imprensa francesa informou sobre EMATUM, ele disse que os 30 barcos custar 200 milhões de euros, o que representa cerca de 230 milhões de dólares. Mas o valor pago pela EMATUM para Abu Dhabi Mat é mais de três vezes esse valor.
O governo de Moçambique não consultar os números apresentados pela imprensa francesa. Em dezembro de 2013, os deputados da oposição no parlamento moçambicano, a Assembleia da República, citando a cifra de 200 milhões de euros, pediu ao governo que tinha acontecido com o resto do dinheiro.
Longe de contestar a figura, o então ministro das Pescas Victor Borges disse que o resto do EMATUM dinheiro (cerca de 620 milhões de dólares) foram gastos em itens como treinamento, comunicações via satélite, radares, on-shore instalações, licenças e afins.
Em 2015, o ministro das Finanças Adriano Maleiane esquematicamente dividido o empréstimo EMATUM em 350 milhões de dólares para ativos de pesca e 500 milhões para o componente de defesa. Mas se os números citados pela Zitamar estão corretas, então a maioria dos 850 milhões de dólares foram gastos em ativos de pesca.
Não temos uma subdivisão exacta de quanto o custo de cada barco - mas mesmo se cada um dos seis barcos de patrulha custar três vezes mais do que cada um dos barcos de pesca 24, os ativos de pesca ainda custaria 608 milhões de dólares, e os meios de defesa 228 milhões.
Uma explicação alternativa, é claro, é que os números EMATUM dadas a Zitamar são fictícios, e grande parte do dinheiro foi desviado.
(ALVO)
pf / (956)

Here are the latest revelations on the scandal of the loans guaranteed by the Mozambican government that have pushed the country's public debt to unsustainable levels. Now we know why Credit Suisse was so eager to arrange the loans - because a senior Credit Suisse banker benefitted directly. The country has thus been pushed towards bankruptcy by a cabal of Mozambican politicians, European bankers and Lebanese shipbuilders..
47516E LOANS FROM CREDIT SUISSE INVOLVED CONFLICT OF INTERESTS
Maputo, 11 May (AIM) – The loans from the Swiss bank Credit Suisse to the Mozambican state companies EMATUM and Proindicus involved a gross conflict of interest, since the banker who organized the loans immediately afterwards went to work for the Lebanese businessman Iskander Safa, who owns the ship yard that built 24 tuna fishing vessels and six patrol boats for EMATUM.
EMATUM in 2013 issued loan titles for 850 million dollars, guaranteed by the Mozambican government, that were sold on the European bond market by Credit Suisse, BNP Paribas and the Russian bank VTB. Credit Suisse and VTB granted a loan to Proindicus, also in 2013, and also guaranteed by the Mozambican government, for 622 million dollars. Much of this money was also supposed to be spent on military vessels to protect oil and gas companies working in the Rovuma Basin, off the coast of the northern province of Cabo Delgado.
A third loan, for 535 million dollars, went to Mozambique Assets Management (MAM), a company virtually nobody had heard of until last month, and which was supposedly formed to provide repair and maintenance services for shipping in the Mozambique Channel.
Together these three loans amounted to over two billion dollars, and added 20 per cent to Mozambique’s foreign debt, making it clearly unsustainable.
Although the bond issue in Europe ensured that EMATUM became well known, the Proindicus and MAM loans were not disclosed either to the Mozambican public or to the country’s partners. The result has been a crisis in relations with the International Monetary Fund (IMF) and the group of 14 donors and financial agencies who provide direct support for the Mozambican state budget. All are withholding further financial support for the Mozambican government.
As more information is becoming available, so it is becoming clear that the guilty parties in this saga are not to be found only in Maputo. Indeed, the loans would likely never have happened without what looks like massive corruption and conflict of interest at Credit Suisse.
According to an investigation by the independent agency Zitamar News, the banker at Credit Suisse who helped structure the EMATUM and Proindicus loans was a New Zealand national named Andrew Pearse, who went into business with Iskander Safa, immediately after the loans had been arranged.
Safa is managing director and CEO of Abu Dhabi Mar, a shipbuilding group based in the United Arab Emirates, which owns 100 per cent of Constructions Mechaniques de Normandie (CMN), the shipyard in the French port of Cherbourg where the EMATUM vessels were built. Abu Dhabi Mar is owned by the Abu Dhabi royal family and by Safa’s company Privinvest Shipbuilding.
Zitamar says that, once the loan arrangements had been finalized, Pearse took up directorships in companies owned by Safa, and trading under the name Palomar. For example, in September 2013 (much the same time that the EMATUM loan was becoming public knowledge in Mozambique). Pearse established “Palomar Natural Resources”, with an American oil and gas executive named John Buggenhagen.
The next month he was appointed director of a Zurich-based financial advisory company, Palomar Capital Advisers. He became chairperson of this company in November, taking over from Christopher Langford, a British lawyer, who is a director of several other Iskander Safa companies, including Abu Dhabi Mar Europe and Abu Dhabi Mar UK.
Among its various activities Palomar Capital Advisers advises on debt restructuring – including the Proindicus debt, which suggests that Pearse still has ties, albeit indirectly, to Credit Suisse.
Pearse and Langford are also mentioned in the now notorious “Panama Papers”, the mass of documents leaked from Panama based law firm Mossack Fonseca. These documents show that they are directors and shareholders of Palomar Holdings Ltd, registered in the tax haven of the British Virgin Islands. Other shareholders include Safa’s company Privinveste Shipbuilding, one of the owners of Abu Dhabi Mar.
Zitamar has also seen the EMATUM accounts, which show that the vast bulk of the 850 million dollars was speedily dispatched to Abu Dhabi Mar in September and October 2013. Abu Dhabi Mat received 836.3 million dollars from EMATUM. The rest of the money – 13.7 million dollars – apparently filled bankers’ pockets, being spent on bank fees and commissions.
But these accounts are very suspicious. For when the French press reported on EMATUM, it said that the 30 boats cost 200 million euros, which is about 230 million dollars. But the amount paid by EMATUM to Abu Dhabi Mat is well over three times that amount.
The Mozambican government did not query the figures given by the French press. In December 2013, opposition deputies in the Mozambican parliament, the Assembly of the Republic, citing the figure of 200 million euros, asked the government what had happened to the rest of the money.
Far from disputing the figure, the then Fisheries Minister Victor Borges said the rest of the EMATUM money (about 620 million dollars) had been spent on such items as training, satellite communications, radars, on-shore installations, licences and the like.
In 2015, Finance Minister Adriano Maleiane schematically divided the EMATUM loan into 350 million dollars for fishing assets, and 500 million for the defence component. But if the figures cited by Zitamar are correct, then most of the 850 million dollars was spent on fishing assets.
We do not have an exact breakdown of how much each boat cost – but even if each of the six patrol boats cost three times as much as each of the 24 fishing boats, the fishing assets would still cost 608 million dollars, and the defence assets 228 million.
An alternative explanation, of course, is that the EMATUM figures given to Zitamar are fictitious, and much of the money was siphoned off.
(AIM)
pf/ (956)

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook