sábado, 16 de abril de 2016

Quem matou Samora Machel?


NOME DE GUERRA: "RUMBA"

Quem matou  Samora Machel?
UMBERTO CASADEI 'RUMBA' APONTA O DEDO A MAPUTO
TAL COMO GRAÇA MACHEL

QUEM SÃO OS DOIS GENERAIS CITADOS NOS TEXTOS?
O acidente aéreo que em 1986 vitimou o Presidente Samora Machel terá sido comandado de Maputo, acusa o advogado italo-moçambicano Umberto Casadei, que trabalhou desde 1970 para os serviços de contra-espionagem da Frelimo.
«Eu descobri, com base nas revelações de um soviético, como tinha sido possível, tecnicamente, ao operador das ajudas de terra à navegação aérea tornar (aquelas) ineficientes, sem deixar qualquer rasto e sem sequer o controlador da torre se aperceber disso», afirmou Casadei, numa entrevista publicada  em Maputo pelo diário «Imparcial». «Adverti todas as entidades interessadas, mas ninguém quis ouvir-me, o que me deixou com a clara sensação de que eles sabiam muito mais do que eu, mas o que queriam é que eu ficasse bem calado e tranquilo», acrescentou.
Machel e a sua comitiva, bem como a tripulação soviética, perderam a vida na noite de 19 de Outubro de 1986, quando o Tupolev em que viajavam no regresso de uma cimeira em Lusaca, embateu contra uma montanha em Mbuzini, na província sul-africana do Transvaal.
Apesar de a comissão internacional de inquérito ter declarado não haver provas de que o acidente fora provocado, as autoridades moçambicanas persistiram na suspeita de que os sul-africanos tinham programado a morte de Machel, interferindo no sistema de orientação da aeronave. A versão oficial nunca teve a aprovação da viúva, Graça Machel.
Umberto Casadei decidiu fazer estas revelações pouco antes do seu regresso a Itália. Ao fim de um quarto de século de colaboração com a Frelimo, o ex-agente diz-se amargurado com as injustiças que alegadamente sofreu em Moçambique.



EXTRACTO DO LIVRO 'DAYS OF THE GENERALS"Um caso de homicídio? Presidente Samora Machel eo avião Bater em Mbuzini. O papel de
Chipande, CHISSANO, GUEBUZA, Matsinhe, Mabote

 por David Alexander Robinson - ler Documento completo em PDF

(...) Muito mais surpreendente e significativo, no entanto, foi a afirmação de Patta que ela tinha entrevistado um dos confidentes mais próximos de Machel, um residente italiano bem conhecido de Maputo chamado Casadei, que alegou que ele tinha tropeçado em um terreno pela Sul-Africano e agentes moçambicanos para matar o presidente. De acordo com Patta, aqueles no lado moçambicano tinha oferecido o seu apoio para a trama em troca de assistência na obtenção de poder, enquanto os sul-africanos iria supervisionar os aspectos técnicos da operação. Casadei afirmou que ele informou Machel das identidades dos dois generais moçambicanos que estavam envolvidos na trama, mas o presidente recusou-se a tomar medidas contra eles. Patta também sustentou que ela tinha visto um documento de inteligência que nomeou Sul Africano, de Moçambique e do Malawi agentes envolvidos no plot.9 Em seguida, em janeiro de 2003, foi relatado pela Sowetan domingo Mundial que um agente de ex-Civil Cooperação Bureau (CCB) servindo um termo de 28 anos em Baviaanspoort prisão perto de Pretória, de nacionalidade namibiana
chamado Hans Louw, alegou que ele estava envolvido na morte de Samora Machel. De acordo com Louw, agentes de inteligência militares posicionados um farol aeroporto falsa para atrair o avião fora de curso e ele era parte de uma equipe de limpeza que asseguraria o Presidente tinha morrido. Como se viu sua equipe não foi ativado. Um ex-agente Rhodesian Selous Scout, Edwin Mudingi, alegou ter sido parte da mesma operação e confirmou o envolvimento de Louw. Louw também confessou a uma série de outros crimes, incluindo uma operação semelhante que utilizou um farol VOR para atrair um avião militar angolano fora do curso em 1989 e matou um número de chave
figuras militares angolanos. Apenas alguns meses depois, em 6 de Abril de 2003, o Sowetan domingo
Mundial informou que o ex-chefe da Sul Africano da inteligência militar, o general Pieter
'Tienie' Groenewald, admitiu em uma entrevista com o jornalista Mpikelani Duma que o avião de Samora Machel tinha sido derrubado por um farol de navegação falsa. De acordo com Joseph Hanlon, o artigo divulgou que,
 Groenewald também afirmou que altos funcionários da Frelimo estavam envolvidos no assassinato, e que os indivíduos seniores 'e [então ministro das Relações Exteriores Joaquim] Chissano foram avaliados os detalhes da trama para matar Machel'.11
 Embora o artigo provocou negações furiosos de membros da liderança da Frelimo, a avaliação veterano Moçambique analista do Hanlon foi que as alegações não puderam ser tão facilmente descartado, especialmente desde que,
 Groenewald disse apenas que Chissano sabia do plano, não que ele organizou ou esteve em contato com a África do Sul ... [e] a viúva de Samora Machel, Graca Machel, agora a esposa de Nelson Mandela, acusou publicamente 'generais' moçambicanas de estar envolvido no assassinato. (...)07 de agosto de 2001. Um destinada BOMB CASADEI FAZ UM Ferido EM ITÁLIA.
-----------------------------------------------------------------------------------
Ferido um trabalhador. O homem, o autor de um artigo no qual ele relatou que ele mata os fascistas, tinha rejeitado a Forlì explode envelope bomba destinado a um ex-partidário

FORLI '- Um pacote-bomba explodiu ontem à noite em uma empresa de transporte SDA Express Courier, em Forli, enquanto um trabalhador foi manuseá-lo. O homem, Rubens Gardelli, 23, foi ferido em um tímpano e foi levado ao hospital enquanto outro funcionário, Paolo Pisu, 28, que estava com ele, a doença ilesa mas o coração, foi hospitalizado para testes. Ambos já foram descarregados e agora não tem havido reivindicações.

A bomba, que poderia matar ou pelo menos causar sérios danos, destinava-se a Umberto Fusaroli Casadei, 72, ex-guerrilheiro conhecido no noticiário por ter escrito em maio passado a um jornal dizendo que ele tinha matado fascistas depois da guerra. Casadei tinha recusado o fornecimento do pacote, porque ele tinha sido convidado a pagar dois milhões.

QUEM É UMBERTO Fusaroli CASADEI?
Segunda-feira, outubro 1, 2007 - Stefio acusados. E "Rumba" partidária? IN SANTOSEPOLCRO1.BLOGSPOT.PT
Sexta-feira eu escrevi o indiciamento de Stefio. Eu voltar, porque eu me veio à mente o caso do "Rumba" partisan, morreu 19 de setembro, em um acidente de carro na província de Forli.

Umberto Fusaroli Casadei, este era o nome real de "Rumba", de 81 anos voltou nos últimos anos para ser falado em algumas de suas cartas ou entrevistas de alguns jornais, a imprensa com o Journal. Apenas l artigo 'por Stefano Zurlo do jornal 2002 é esclarecedor. entrevistas o velho bom Nell 'relembra alguns episódios de sua guerra partidária. Como quando a sangue frio matou um oficial alemão chegou a completa parlamentar com uma bandeira branca. Pum, pum, dois tiros na cabeça, e ir. Sem remorso, nem então nem agora. Centenas de pessoas mortas, "No período da guerra e mesmo depois." No Zurlo: pergunta "E ela nunca tocou? Nunca um momento de hesitação? ", Então, disse que o bom partidária," Nunca. Nem mesmo na frente das mulheres ". Quanto ao Massacre da Schio, onde muitas pessoas estavam a morrer. Então, então, a um magistrado, Rumba negar a participação para essa página vergonhosa na história italiana:

"Eu deixei a placa companheiro para o alojamento caminhão, fora do caminho e chegou à prisão. Eu estava vestindo uma jaqueta com graus de coronel, emprestados pelo comandante que tinha sido em outros lugares, precostituirsi um álibi. Para me fazer menos reconhecível eu tinha obscurecido o rosto com ... um corante especial usado pelos ingleses durante operações noturnas também eu estava usando um chapéu e um lenço vermelho em volta do rosto, vi que os outros já tinham entrado, à frente de seus tempos determinados Então eu penetrou no interior:. havia um caos Partisans que vagando sem saber o que fazer, os prisioneiros se reuniram em uma grande sala que era necessário acelerar o processo, havia o risco de que alguém daria o alarme Então eu me virei para aquelas pessoas reunidas:.. "existe um prisioneiro comum? Ninguém respondeu. Eu dei a ordem para abrir fogo. I esvaziado três revistas de tiro com uma Sten em uma babel de gritos, gritos, lágrimas. As balas correu por todos os lados, saltou no chão, voltou. Fiquei impressionado repetidamente saltar nas pernas, sem outros danos do que a leitura estrias avermelhadas, tão grande quanto uma moeda de prata do tempo. A permanência se tornou muito perigoso e outros partidários entraram disparando rajadas descontroladamente. Ele tinha saltado a luz, nem mesmo as vítimas mais ilustres de nós que nós batemos. Eu saí. "

Bem, alguns anos mais tarde, Umberto Fusaroli Casadei será na África, em Moçambique, Samora Moisés Machel ao lado, para lutar na guerrilha comunista antiportoghese. Como ele chamou a si mesmo, "lutador contra o colonialismo em África.".

Apesar de estar de volta na década de 90 na Itália, aderindo à República Popular da China Comunista e depois sair, Rumba nunca foi investigada para o 'Art. 288 CP.
-------------------------------------------------------------------
Junho 1998 - O REPARAÇÃO A ITALY - DADOS SOBRE A MORTE DE Machel
História Licence to Kill - Cansado, depois das muitas guerras de independência lutou na África, Umberto, 72 anos de idade, ele voltou para casa. Com o segredo sobre a morte de um chefe de estado ...
Peter Veronese

O velho revolucionário voltou para casa com mais anos, mais decepção e um segredo obscuro, a chave para um grande mistério Africano: a morte violenta de um presidente.
"Não é nenhum segredo", diz ele, o aquecimento e lembrando que ele gritou aos quatro ventos, de lá, só que ninguém queria ouvir.
Aos 72 Umberto Fusaroli Casadei não é um homem fácil de dizer. Ele viveu, pelo menos, duas vidas, uma na Itália, como um partidário, o outro ao sul do equador, entre guerrilhas e revoluções africanas.
A primeira coisa que ele vê em si é o Memorial de Guerra para a Liberdade de Bertinoro (Forlì). No memorial de pedra branca são os nomes de seu pai Antonio, o tio Caetano e outros membros da família e colegas partidários massacrados pelos fascistas em 1º de maio '44.
Umberto era então dezoito anos e tornou-se por sua vez um caçador de fascistas. Ele lutou na Oitava Brigada Garibaldi e depois na Gap 29, foi promovido a comandante da companhia. "Quando nós tomamos Forli, em seguida, nos meses seguintes, ele matou centenas", ele se lembra de abrir os olhos, por trás da qual é difícil ver o carrasco. Ele não tem vergonha de afirmar que para ele a guerra acabou em 25 de abril de '45.
fascistas caça continuou, mesmo depois da Libertação. Ele continuou actividades ilegais, que estava dando origem ao nascer do sol vermelho italiano e em vez disso foi para baixo em um labirinto de problemas legais. Mas ele recursos e partiu para a sua segunda vida.
Em '70, com sua esposa Marisa, ela chegou à África dos movimentos de libertação e a nova independência. Ele se tornou um confidente e conselheiro de revolucionários jovens africanos como ele, rico em idéias e pobres de dinheiro.
Em Dar es Salaam, capital da Tanzânia, que era então um refúgio para todos os exilados da África negra, a Marisa assumiu a gestão da cantina da refinaria onde esses idealistas abatido, pagando ou não, ainda estavam a comer. Assim nascem as grandes amizades.
Alguns anos se passaram, as crianças com fome em Dar es Salaam lutou e ganhou, tornaram-se os líderes de seus países e Umberto encontrou-se um amigo de presidentes e primeiros-ministros. Mais do que qualquer outro, de Samora Machel, o carismático líder dos guerrilheiros moçambicanos e, de '75, o chefe de Estado.
Foi com ele que Umberto e Marisa mudou: em Maputo, capital de Moçambique abandonada pelo Português. Uma das mais belas cidades da África ao longo do Oceano Índico e - assim parecia então - sobre o futuro.
Mas, na noite de 19 de Outubro de 1986, o Tupolev jet-duplo em que viajava o Presidente de Moçambique caiu no chão, desintegrando-se em mil fragmentos de metal. O local do desastre foi localizado a 35 milhas náuticas (65 quilômetros) a oeste do aeroporto de Maputo, ao qual o avião foi desviada de cabeça, e 150 metros dentro da fronteira Sul-Africano.
Dez anos mais tarde, naquela mesma colina, houve uma cerimônia curta para descobrir um monumento à memória. Um tijolo monte em que você ler os nomes das vítimas e, em seguida: "Samora Machel, arquiteto independência nacional, fundador da República Popular de Moçambique, o herói de África, viva em cada um de nós." Para inaugurar veio o presidente da África do Sul, Nelson Mandela. E com ele, agora ele se divorciou de sua esposa Winnie, seu novo companheiro: Graça Machel, viúva de Samora.
"Os assassinos tinha planejado tudo", ri Umberto Casadei. "Tudo o que, a menos que este amor."
Quando o presidente de Moçambique voou para a reunião de doze anos da morte de uma noite atrás, não havia amor entre África do Sul e Moçambique. Tudo oposição, em seguida, os dois países: regimes, ideologias, alianças. O acordo de paz assinado dois anos e meio antes tinha sido repetidamente violada pelos sul-africanos e Samora tinha denunciado. O pensamento instintivo, tão logo soube que o avião caiu, era, eles estavam. Foi dito que naquela colina os serviços da África do Sul tinha instalado um farol poderoso, atraindo a Tupolev pelo caminho errado. Esta hipótese só tinha um defeito: não havia nenhuma evidência. As duas comissões de inquérito descartado tanto a pista do falso farol.
O primeiro concluiu que a responsabilidade pelo acidente foi a tripulação das nacionalidades soviéticos, que "tinha ignorado todos os procedimentos regulamentares." O piloto e os seus homens empenhados na verdade uma série de erros, sem o qual, provavelmente, Samora Machel seria salvo. Como bons russos não havia poupado as cervejas, e quando eles foram incapazes de reagir em caso de emergência. Apesar das preocupações, dúvidas e perguntas sem resposta, esta foi a versão comumente aceita do desastre. Nem todos, porém. Graça Machel've nunca aceitou. Trancado em sua casa e em sua dor, ela sabia que estava lá, em algum lugar, uma outra verdade. Seu marido tinha muitos inimigos, não só no governo da África do Sul, mas também em Moçambique.
opositores políticos, os adversários, especialmente sobre a questão moral, acredito que na equipe Machel foi o número mandamento um. Samora morreu pobre. Diz a lenda que, pouco antes do fim, movido por um pressentimento, chamou sua secretária em dar a lista de itens recebidos como presentes de dignitários estrangeiros. Alguns eram oficiais e teve que permanecer na República; outro pessoal e o presidente queria que eles têm algo para deixar para a família.
Graça Machel contactado os revolucionários da África do Sul muito antes do dia quando se tornou claro que em breve eles também iria chegar ao poder. O compromisso pediu para reabrir o dossier sobre a morte de Samora, para lançar luz sobre a possível responsabilidade do regime Sul-Africano branco. O esforço se tornou promessa pessoal quando Graça Mandela tornou-se o companheiro. O novo governo Sul-Africano já criou uma unidade especial de investigação que tem precisamente a tarefa de investigar e recolher provas sobre os crimes do antigo regime.
A Unidade de Investigação Especial é liderado por um jovem promotor, chamado Torie Pretorius, é branco e tem menos de quarenta anos. Foi ele quem reabrir em inquéritos de Maio sobre a catástrofe aérea na qual Samora Machel morreu. As pistas que se reuniram no envolvimento Sul-Africano são muitos. Acontece até mesmo o nome do código da operação: "Icarus", como o personagem da mitologia grega que tentou voar, mas caiu no mar. Nada poderia ser mais apropriado.
O esquema é apenas o que eu suspeitava desde o início: um falso farol que emite um sinal idêntico ao do aeroporto de Maputo e seqüestrar o Tupolev em direção ao seu fim. Nesta teoria, no entanto, está faltando um pedaço crucial. Para convencer o piloto e navegador avião presidencial que o sinal do falso farol era verdade, não foi o suficiente para imitar sons de frequência Maputo. Maputo também necessário que ele não enviou: caso contrário, os sinais seriam dois. Eles queriam cúmplices na torre de controle de Moçambique. Pronto para desligar a sua baliza de rádio no momento em que o outro iria começar a funcionar.

Isto é onde você insere o testemunho de Casadei. Em 1982, o companheiro Umberto é feita por outra vida italiano em Maputo, proprietário de uma empresa de construção. Sabendo de sua intimidade com o Presidente, ele pediu-lhe para ser a contratação pelos serviços de inteligência sul-Africano. Casadei refere-se a Samora e pergunta: "O que eu faço? O matá-lo?".
Machel a mão firme. "Moçambique é uma peneira para os serviços sul-Africano", penso, "esta é a nossa chance de dar o troco." Ele convence o amigo a aceitar a proposta e tornar-se, para 600 rands por mês (na altura mais ou menos meio milhão de liras), informante na África do Sul. Na verdade, Umberto faz com que o jogo duplo. A primeira reunião teve lugar em Gaborone, Botsuana, em um restaurante fora da cidade. Seu contato é uma bela morena que chama Maureen, também tem um uma caixa postal sobrenome e.
O novo "trabalho" de Umberto Casadei - que, em Maputo, como Dar es Salaam, abriu um restaurante - torna-se rotina. "Os 600 rand I entregou ao Ministério da Segurança, em troca de um recibo. Mas logo percebi que o ministério não fez uso dos meus relacionamentos. Então, comecei a reportar diretamente ao Samora". O que Maureen disse em uma de suas reuniões em Pretória, cerca de um ano antes da morte do presidente, Umberto nunca colocar por escrito. Ela perguntou o que ele achava de dois moçambicanos gerais, uma das mais altas responsabilidade das Forças Armadas, o outro desenfreada política (ainda em ótima posição de poder). Umberto exigiu saber a razão da demanda e Maureen: "Eles nos contataram Eles dizem que eles são capazes de eliminar o presidente, mas têm medo do depois, de ser isolado na frente de uma reação em favor de Samora Portanto, se queremos agir, eles perguntam.. ajudamos e cobertura. "
Mais uma vez o companheiro Casadei corre por Machel e chama-lhe uma licença para matar. Mais uma vez o outro pára-lhe: "Se você morrer, você vai entender imediatamente que você falou, você será queimado Espere, vamos levá-los para a armadilha.". Agora sabemos como terminou. De acordo com Umberto Fusaroli Casadei, portanto, não eram sul-africanos matou Samora Machel. Foi uma conspiração de Moçambique-Sul Africano, que incluiu altos funcionários do regime de Maputo.
À excepção da tripulação soviética bêbado (na verdade feito refutada pelo relatório da segunda comissão de inquérito, a oficial, com base em autópsias). Isso explica por que, naquela noite, não havia duas balizas, mas apenas um, no lugar errado. Porque mesmo o mais forte de radar militar da base aérea próxima ao aeroporto naquela noite, foi misteriosamente desligado. Porque o controlador de vôo, em vez de dar instruções claras e tripulantes de rádio forte perdeu, acrescentou confusão à confusão. Por que alguns ministros no último momento se recusou a embarcar no avião presidencial (outros foram e encontraram ali a morte).

"Em Moçambique, na época, Samora ordenada e ninguém obedeceu", lembra Casadei. "Em Maputo foi o caos, o aeroporto um hospício, eu sei que eu estava lá todos os dias. Era uma porta aberta. A corrupção reinou, tudo tinha um preço. Eles foram o tráfico de armas nas casas de banho, que era um centro de contrabando. eu vi bem as coisas estranhas daquela noite fatídica e começou agora a expressar as minhas dúvidas em voz alta ". Muito alto, talvez. Reclamações, memoriais, artigos de jornal começou a lhe tirado problemas.

Foi depois da segunda tentativa de assassinato que Umberto Casadei decidiu que a cidade de Maputo tornou-se demasiado quente para ele. Ele voltou para a Itália com as suas cartas e a amargura de ver outra revolução traída. Mesmo que, talvez, ele tinha pensado em nada, mas a chance de colocar suas últimas esperanças em um juiz Sul Africano, branco, para nada, apenas a lawman. Ele disse nomes, sobrenomes, tudo o que sabia. Agora esperando para ver o quão longe eles vão se tornar realidade.


Eu conheci Umberto Fusaroli Casadei em 2 ocasiões ...
Enviado por Lorenzo (não verificado) em Tue, 20/04/2010 - 23:18.
Eu conheci Umberto Fusaroli Casadei em duas ocasiões: a primeira, em 1976, na época em 7 anos de idade, eu fui em torno das ruas de Maputo com o meu irmão para atirar pardais com rifle de ar ... naquela manhã estávamos na Avenida Kenneth Kaunda, um carro nos vê, pregos em um grito ensurdecedor de pneus, ele cai motorista furioso, apanhamos tanto pelo braço, strattonandoci ele bate no carro e insultar-nos nos diz que agora ele entendeu que era o massacre de aves ao redor Maputo (com meu irmão, nunca conseguiu acertar um pardal em meses e meses tentando, infelizmente !!). Nós lamentamos, nós perguntar onde ele leva-nos, "Na estação de polícia para denunciá-lo" ... éramos amigos dos policiais da estação de polícia do distrito, que também havia emprestado a espingarda ... nós dizemos a ele, ele responde:? "Oh yeah Então você porta na delegacia distante, onde não conheço ninguém! "... e assim o fez ... viemos para recuperar o meu pai e a história terminou ali ... mas eu me lembro como se fosse ontem o véu terror que caiu sobre audição amigos italianos perceberam que à noite em nossa casa para nos consolar e ouvir a história da história feio: quando entre um soluço e meu outro irmão disse, "então o Sr. Casadei, então por que é mesmo o seu nome ..." ... Casadei? De repente, ele caiu gelo e depois de uma curta passagem de olhares preocupados, todos voltaram para sua casa rapidamente e em silêncio ...
A segunda vez foi tão casualmente, em dezembro de 2002, quando ele retornou a Maputo depois de 25 anos, encontrei-me no jantar na Casadei ... Villa Itália restaurante ... mas não sei ... foi uma surpresa quando ele fazendo as rondas das tabelas como qualquer bom dono de restaurante e veio ao nosso, apresentando-se: "Umberto Fusaroli Casadei, como é o ravioli?" ... olhos sgranai ... estava irreconhecível, mancando, ponderados, com sua equipe ... o Eu disse o episódio rifle, é claro que ele não se lembrava, ele se sentou na nossa mesa, nós falamos sobre política, Samora, da Frelimo, Renamo ... e me disse palavra por palavra tudo aqui mostra para cima Black_Cat ... Black_Cat parabéns ... uma contabilidade exacta e fiel das palavras que ouvi de Casadei ... mas o que falta é que Casadei me disse que era preso, ele tinha já tentou voltar para a Itália ... mas o fascista (sim, em 2002 ainda falou de "fascistas"), em sua primeira tentativa de voltar para a Itália, depois de anos de exílio, tinha imediatamente tentou matá-lo com uma bomba, em seguida, terminou com a explosão rocambolescamente a abelha é o carteiro me disse ... que os anos de chumbo na Itália não são de todo acabado ... ele, voltando para a Itália, arriscando sua vida e por esse motivo foi devido a correr de volta para Maputo ... apenas que havia tentado levá-lo para a pele .. . me mostrou os buracos de bala, ele foi baleado novamente um par de anos antes, em Maputo, Polana na rua atrás de seu restaurante ... ele me disse que seria muito terminou assassinado e ela estava prestes a decidir voltar na Itália, porque Almano lá, eles teriam matado em casa ... mas ainda não tinha decidido ... nós conversamos até tarde, nós fechado o restaurante ... Eu não acho que a máquina acidente tese ..
-------------------------------------------------------------
Então, qual a sua opinião sobre o acidente aéreo .... acidente ou assassinato?

CASSIUS (em http://www.newrhodesian.net/viewtopic.php?f=36&t=2383)
Bem, se essa pergunta é dirigida a mim, aqui é o meu ponto de vista:

A verdade está lá fora, e eu não acho que isso nunca vai sair.

Sem dúvida, a morte de Machel Samora era "boa notícia" para a África do Sul. E para os rodesianos também (embora não existisse mais). E para mim também, porque eu tive que fugir do meu país de nascimento para o simples fato de a cor da minha pele é branca.

A idéia de se livrar de Samora, germinadas em si Moçambique. Frelimo não era sofisticada o suficiente para puxar algo como isto. E África do Sul não tem conexões apropriadas dentro estruturas Moçambique Frelimo. Overtime esta conexão tem (apenas) o suficiente para moçambicano e sul-Africano agentes mais fortes para se reúnem para planejar e traçar este incidente.
Enquanto os moçambicanos e sul-africanos estão em conversações, os russos / cubanos tornou-se ciente do que está se formando. O que uma maior oportunidade para o lado russo / Cuban para assassinar Samora, e acusam a África do Sul. Eles são um passo à frente e promover Samora à condição de "homem de negócios" - fazendo tijolos 5 feet under.
Foi a conexão Russian / Cuban feliz do jeito Samora estava flertando com a África do Sul? Não.

Existe evidência concreta de que S.A fez? NÃO
Existe evidência de que a ideia foi germinado por alguns membros das estruturas da Frelimo? Sim, pergunte Mr.Casadei.
Há evidência os moçambicanos fizeram isso? Não
De acordo com todas as evidências coletadas, aponta a falta de airmanship básico e incompetência. Mas eu, pessoalmente, não estou convencido sobre isso sozinho. Sim, isso mostra uma falta de airmanship básico e incompetência. Mas a teia de mentiras é tão densa, que distorce a imagem das pessoas do outro lado - A conexão da Rússia / Cuban.

Meu veredicto: Assassínio, e olhar para o leste.

_________________
O Alterverse de ignorância deliberada.
Vamos encarar. Esta não é a realidade. É um mundo fugaz de fazerem contribuições voluntárias, crê somente adotada por drones auto-entorpecente também com medo até de fazer perguntas mais.

E fazem-no voluntariamente. Todos nós fazemos.
------------------------------
Não havia motivo para o governo então Sul-Africano para matar de Moçambique Samora Machel, e há uma abundância de evidências para apoiar essas reivindicações, escreve Debora Patta (Radio 702, África do Sul)

O artigo de Robert Kirby sobre o acidente Samora Machel (19-25 junho) é desprovida de qualquer contexto. Ele escreve como se a África do Sul em 1986 era uma sociedade perfeitamente normal, com um sistema judicial acima de qualquer suspeita e uma força de defesa, que nunca se rebaixaria a truques sujos. Aqueles que estão no fim de recepção de más ações do apartheid não precisam convincente, como o que ex-governantes deste país eram capazes.

África do Sul era perfeitamente capaz de matar presidente moçambicano Samora Machel, e de fato tinha tentado em várias ocasiões para assassiná-lo. Além disso, a Força de Defesa Sul-Africano (SADF) foi equipado com equipamento de beacon sofisticado que era parte de suas operações secretas utilizadas durante a guerra de Angola.

Deve-se perguntar por que a África do Sul sempre rebocado fora Juiz Cecil Margo sempre que necessário para conduzir um inquérito aviação sensível. No momento do acidente, as SADF estava sob suspeita. O simples facto de o juiz Margo era um coronel honorário com laços com a antiga Força Aérea Sul-Africano foi motivo suficiente para ele se desculpar-se do inquérito sobre o acidente Machel. Mas durante os dias do apartheid, era costume que o acusado para investigar a si mesmos.

Kirby deslumbra e bamboozles leitores com complicado jargão, técnico. Mas ele só tem regurgitado as conclusões de uma comissão de 12 anos de investigação que - na melhor das hipóteses - optou por ignorar evidências críticas.

O que os sul-africanos têm a ganhar matando Machel? Kirby argumenta que "com a morte de Samora Machel África do Sul foi muito diminuída. Perdemos um vizinho da imaginação, propósito e otimismo. Com o Acordo de Nkomati assinado, um novo capítulo de cooperação tinha sido aberto. Não havia nada a ganhar, mesmo para o regime de apartheid ".

Em termos do Acordo de Nkomati, o Congresso Nacional Africano foi rudemente expulso de Moçambique e África do Sul concordaram em parar todo o apoio militar e logístico para o grupo moçambicano rebelde Renamo.

Mas a história conta uma história diferente. Machel tinha entrado em um pacto com o diabo e assinou o que muitos argumentam era sua própria sentença de morte.

O acordo foi uma farsa. África do Sul não tinha intenção de viver de acordo com ele. Mesmo que os líderes dos dois países foram apertando as mãos, suprimentos estavam sendo levados para a Renamo. Pretória foi melhorando acima sua base Casa Banana na Gorongosa. E quando Casa Banana foi capturado pela Frelimo um ano depois do acordo, os documentos deixados para trás mostrou que Machel tinha sido enganado.

Fontes continuou a ser levado para a base, uma pista de pouso tinha sido construído lá e um dos seus visitantes mais freqüentes era vice-chanceler da África do Sul Louis Nel.

África do Sul também iniciou operações da Renamo a partir de bases no Malawi, que se tornou um ponto focal para a desestabilização. protestos de Moçambique para o Malawi culminou com uma visita a Blantyre em 11 de Setembro de 1986 pelo Machel, da Zâmbia Kenneth Kaunda e do Zimbábue, Robert Mugabe.

Em seu livro Machel de Moçambique Ian Christie escreve: "Quando Machel estabelecido naquela viagem ele estava com raiva. Ele detestava [presidente Malawi Hastings] Banda e, em várias ocasiões descreveu-o na minha presença como um fascista ".

Durante uma reunião de duas horas, um Machel furiosa apresentado Banda com um processo contendo evidência de apoio activo à Renamo pelo Malawi e África do Sul. A documentação incluída uma fotocópia do passaporte do Malauí emitido para o líder da Renamo Afonso Dhlakama.
No seu regresso a Maputo, Machel desabafar em entrevista coletiva onde ele disse aos jornalistas: "Vamos colocar mísseis ao longo da fronteira com o Malawi se o suporte para os bandidos não terminou. E vamos fechar a fronteira para o tráfego entre o Malawi e África do Sul passando por Moçambique "Isso foi uma séria ameaça:. Uma média de 70 caminhões por dia estavam passando pela província de Tete, em Moçambique na rota internacional para os portos de África do Sul.

Logo após a reunião, a Renamo lançaram uma invasão militar convencional em três frentes de Moçambique a partir de Malawi. As colunas militares invasoras foram conduzidos por soldados brancos que se acredita serem membros das forças especiais sul-africanas (reccies).

E isso é quando Machel levou mais um prego no seu caixão. Durante uma visita à província de Tete, que faz fronteira com o Malawi, ele disse: "As autoridades do Malawi ter feito seu país uma base para mercenários de várias nacionalidades, mas soldados, principalmente do Sul Africano. Creio que o presidente Banda não é responsável. Acho ministros, soldados, membros da polícia e a segurança do Malawi foram comprados pelos sul-africanos e de outros países que não querem nome agora, embora não haja evidência disto ".

Machel estava planejando demitir vários de seus generais para lucrar com a guerra com a Renamo, mas não viveu para realizar isso.

Em 06 de outubro de 1986, o general Magnus Malan ameaçado Machel, pessoalmente, na sequência de uma suposta explosão de minas terrestres perto da área onde o avião de Machel deixaria de funcionar 13 dias depois.

"Se o presidente Machel escolhe minas terrestres, África do Sul vai reagir em conformidade. Se ele permite que uma guerra revolucionária Moscou- inspirado contra a África do Sul, ele também deve estar preparado para assumir a responsabilidade. Se ele escolhe o terrorismo e revolução, ele irá colidir de frente com a África do Sul ", alertou o general.

O palco tinha sido definido para um atentado contra a vida de Machel, mas como sua viúva Graça Machel disse: ". Nós nunca esperamos África do Sul para atacar o avião presidencial"

E assim foi em 19 de outubro, em um escuro, ainda noite em Mbuzini, um Tupolev 134 caiu em terreno montanhoso, matando Machel e 34 outros. Apenas nove pessoas sobreviveram ao acidente.

Uma das primeiras pessoas na cena do local do acidente era um residente local, que, temendo por sua segurança, só vai dar seu nome como Mike. Porque ele conhecia bem a área e foi capaz de negociar o terreno montanhoso difícil, ele foi levado para o local do acidente pela polícia local.

Para sua surpresa, encontrou a polícia de segurança já em cena. "Os feridos estavam chorando e gemendo, a fuselagem do avião foi espalhados por todo. Eu era o único que era um civil ".

Ninguém parecia particularmente preocupado com a prestação de assistência médica tão necessária, diz ele. Em vez disso, a polícia vasculharam destroços, exigindo que os sobreviventes dizer-lhes onde Samora Machel era. "Eu não sei o que disse a eles, mas eles voltaram para os destroços e voltou com uma pasta e que colocá-lo no topo de uma das botas do carro e começou a procurar-lo. Eu sabia que se eles me encontraram eu estaria em apuros porque o que eles estavam fazendo era ilegal. Eles não deviam procurar a pasta. "

No dia seguinte, Mike foi forçado a esconder-se porque os soldados SADF visitou várias vezes a sua casa procurando por ele.

Um sobrevivente do acidente, de Machel chefe de guarda-costas Fernando Manuel João, ecoa as palavras de Mike. Ele tinha andado uma distância considerável em busca de ajuda, e à meia-noite tinha conseguido entrar em contato com a polícia Komatipoort através do rádio de uma missão religiosa local.

Quando ele retornou ao local do acidente, ele descobriu que "os sul-africanos não foram em todos preocupados com as vidas dos feridos. Eles estavam apenas brincando com as outras coisas lá. "João estava furiosa com os sul-africanos para" recusando-se a levar os feridos para o hospital. "
O ministro do Interior, em seguida, estrangeiro, Pik Botha, mais tarde admitiu documentos tinham sido removidos dos destroços, fornecendo detalhes de uma greve de Moçambique pretende contra Malawi. Botha diz: "Sim, tecnicamente, que teria sido uma violação da prática diplomática, certamente. Mas isso foi feito, provavelmente, para descobrir o que estava sendo discutido, mas com respeito isso não tem nada a ver com o acidente ou as causas do acidente. "

Coronel Des Lynch foi destacado da Força Aérea Sul-Africano para ajudar com a investigação sobre o acidente. Para o registro, ele diz que está convencido de que o acidente foi causado por erro do piloto. Mas ele tem palavras fortes sobre a forma como a polícia eo Ministério dos Negócios Estrangeiros se comportaram.

"Desde o primeiro momento em que a notícia foi quebrado pelo ministro das Relações Exteriores sobre a SABC at 7am que levou à confusão ... Mesmo o ministro ... quem chamou conferências de imprensa de improviso, quem vazou informações à imprensa, foram feitas acusações sobre ébrio comportamento e equipamentos inservíveis, coisas que ele sabia muito pouco sobre, apenas questões confusas. "

Para este dia, existem muitas pessoas que acreditam que a tripulação russa a bordo do Tupolev 134 estavam bêbados, embora não houvesse um pingo de evidência para apoiar esta. "Essas alegações fez um impacto ... Por muito tempo [que] contaminado a investigação", diz ele.

Outro ponto de discórdia foi a gravação de voz da cabine crítico, conhecida como a caixa preta. No dia do acidente, investigador da aviação civil Piet de Klerk entregou a caixa preta à polícia para a custódia. Seria quase seis semanas antes de ele viu que peça crucial de evidência novamente. A caixa preta foi repassado ao general Lothar Neethling, que chefiou a polícia laboratório forense - e é mostrado, na polícia originais imagens do acidente, vagando pelos destroços.

Nos dias e semanas que se seguiram ao acidente houve muita postura política entre África do Sul e da União Soviética, até que foi finalmente acordado que os investigadores de acidentes iria voar para a União Soviética para ouvir a caixa preta na presença dos seus homólogos russos.

Mas, diz Lynch, literalmente dias antes de serem devido a voar para Moscou, forense da polícia foram ainda se recusando a participar com a evidência preciosa. "Nós agora chegou ao estágio onde nós tivemos que processar a polícia para nos dar as caixas de volta ... Não até cartas dos advogados foram notificados à polícia que eles liberar as caixas.

"De Klerk ... descreveu como ele colocou [caixas] em sacos plásticos pretos e selou-los e eles estavam enlameados e sujos, e qualquer que seja - e no dia em que chegamos aqui que esta era impecável. Há pequenos buracos e as coisas que estão conectados com cera, ea cera havia desaparecido. Nós não sabia se eles haviam sido aberta ou radiografado e mais perguntas que colocamos à polícia o mais obtuso que se tornou. Assim, deixamos aqui apenas esperando que iria trabalhar e ... tudo o que temos a partir das caixas foi excelente. "

Portanto, temos um motivo e uma investigação contaminada. Mas vamos dar um passo adiante e procurar um suspeito, um modus operandi e uma arma fumegante. Para isso, viajar para a Itália para atender Umberto Fusaroli Casadei.
Se você viu Casadei andando pela rua, você dificilmente lhe dar uma segunda olhada. Ele se parece com qualquer outro homem italiano velho e gentil que você encontra nas aldeias da Itália, que adora seus netos e passa os dias pendurado para fora nos bares de café expresso locais ou torcendo por seu time de futebol favorito. Mas por trás dessa aparente simplicidade é uma história notável. Ele esfregou os ombros com alguns dos maiores líderes da África e sobreviveu mais do que uma tentativa de assassinato.

Casadei tinha apenas 16 anos quando foi forçado a assistir seu pai e dois tios sendo executado publicamente pelos fascistas de Franco Mussolini durante a Segunda Guerra Mundial no norte da Itália. Este marcado por toda a vida, e ele prometeu, em seguida, para lutar contra a opressão em todos os cantos do globo.

Foi isso que o levou a Samora Machel, com quem ele lutou com contra os colonialistas portugueses. Após a independência, tornou-se um dos tenentes de maior confiança de Machel, operando no perigoso mundo da espionagem horário. Casadei era um agente duplo, fingindo trabalhar para a inteligência militar sul-Africano (MI) enquanto secretamente passar informações cruciais diretamente para Machel. Ele foi pago R600 por mês pela África do Sul para a sua falsa MI relatórios, o dinheiro que, ironicamente, foi direto para os cofres do governo moçambicano.

Um dos seus contactos regulares era um agente MI feminina quem ele identificou, mas pediu que chamamos simplesmente de "Maureen". Foi durante uma reunião de rotina com Maureen que Casadei tropeçou nas informações que os sul-Africano e agentes moçambicanos estavam conspirando para matar Machel.

Ele descreveu como "ela me perguntou se os sul-africanos podia confiar os moçambicanos. Porque eles tinham pediu aos sul-africanos: se eles assistida em matar Samora, o que os sul-africanos fazer para ajudar aqueles que tinha assistido no assassinato de assumir o poder em Maputo "?

Agora que ele conhecia as identidades dos funcionários moçambicanos pensando em trair seu líder, Casadei foi direto para Machel e pediu-lhe para deixá-lo matar os dois generais. "Samora agora sabia que estava conspirando contra ele, mas ele se recusou [deixar] me matá-los, ele não me deu a autorização para matá-los. E então ele deu-lhes tempo para matá-lo. Este foi o grande problema ", disse Casadei, sacudindo a cabeça com pesar.

Não foi muito tempo depois que o acidente ocorreu.

Devastada pela perda de um de seus amigos mais queridos, Casadei dedicou-se a investigar a causa do acidente. Em 1994 ele tinha recolhido informação suficiente para ir a público com sua história, falando em entrevistas de rádio moçambicanos e artigos de jornais. Ele ligou altos funcionários do governo moçambicano e sul-Africano para a conspiração para matar Machel e forneceu informações técnicas críticas.

Ele pagou um alto preço por sua coragem. Assassinos abriram fogo sobre ele em duas ocasiões. A primeira vez, convencidos de que tinham matado ele quando ele se sentou ao volante do seu Landrover, eles zombavam dele, dizendo as balas eram uma mensagem dos generais Mozamibican ele tinha nomeado como cúmplices no assassinato do presidente. Mas ele sobreviveu, dirigindo-se, gravemente ferido, para o hospital.

Vários meses depois, uma nova rodada de balas foi esvaziado no corpo de Casadei e novamente milagrosamente sobreviveu. Mas por agora as coisas se tornou muito perigoso, e desta vez ele foi forçado a fugir Moçambique e voltar para a cidade de seu nascimento no norte da Itália.

A história de Casadei é reforçada por um documento de inteligência externa de um país vizinho, na posse de Radio 702. Os nomes de documento do Malavi, Moçambique e agentes Sul-Africano que conspiraram na trama para matar Machel. Os moçambicanos mencionados no relatório são os mesmos que enviaram assassinos para matar Casadei.

O documento afirma que a África do Sul foi carregado com a responsabilidade de supervisionar os aspectos técnicos do acidente. generais sul-Africano seniores e um ministro do gabinete são nomeados no relatório.

inteligência militar sul-Africano foi dada a tarefa de recrutar um funcionário do aeroporto de Moçambique. De acordo com o relatório, o funcionário do aeroporto foi pago um total de R1,5- milhões para ajudar os sul-africanos desligando quer o sistema de radar Maputo ou a baliza.

O relatório afirma que esta pessoa "viajou para o Zimbabwe para fechar o negócio com os seus homólogos estrangeiros, com a ajuda de um funcionário moçambicano que lhe tem um atestado médico para justificar sua ausência. Os pagamentos foram feitos em duas partes ... Depois que o negócio dos malawianos e os sul-africanos começaram a monitorar a torre de controle e as comunicações em que ".

(Radio 702 está na posse das datas desses pagamentos foram feitos e as instituições bancárias onde o dinheiro foi depositado. No entanto, isso não poderia ser verificada porque os bancos em causa não manter registros que vão tão longe para trás.)

O funcionário do aeroporto mais tarde iria garantir que o sistema beacon e radar Maputo foi / foram desligadas, tornando-o mais fácil de operar um farol chamariz transmitir um sinal no mesmo comprimento de onda como o farol Maputo.

O relatório afirma que, na noite do acidente um farol chamariz foi usada para desviar o avião para fora do curso.

O clima foi extremamente nebuloso em Mbuzini naquela noite, o que proporcionou melhores condições para um farol chamariz para trabalhar com sucesso. O documento também afirma forças especiais sul-Africano estavam em Mbuzini na noite do acidente.

Mas a pergunta Margo descobri que não havia nenhuma evidência de soldados SADF em qualquer lugar Mbuzini na noite do acidente. Juiz Margo estava convencido de que "o comandante de pelotão SADF responsável pela área no período de setembro a novembro de 1986 foi enfático em sua evidência de que nenhum pessoal SADF foram no local". O que Margo esperar - que a SADF prontamente admitir que era na área?

Um ex-membro do 32 batalhão que estava de serviço ao longo de outra parte da fronteira na noite do acidente Machel tropeçou sobre a presença de soldados em Mbuzini enquanto ele estava monitorando o rádio-hopping freqency.

Naquela noite, ele disse: "Eu era um membro das forças especiais que estava ativamente ocupado com outra operação e usando um rádio militar C21. Ouvimos pedaços de mensagens que chegam através de 1 Reccie nas imediações do local onde o avião caiu de Samora Machel "Nenhuma menção foi feita sobre o rádio da natureza da operação das forças especiais.; o soldado disse um apagão de informações sempre significava que era um "op preto" - uma operação altamente secreta, cujos detalhes só seria conhecido a nível geral presidencial e sênior.

Outro ex-funcionário nacional baseada na sede militar em Pretória se apresentou para dizer que na noite do acidente, ele foi dito que ele tinha que trabalhar até tarde. Seu trabalho era fornecer bebidas para o alto escalão militar, liderado pelo general Joubert. "Ele estava lá, [General] Kat Liebenberg chegou, Magnus Malan chegou. Era incomum porque nós tivemos de trabalhar até tarde e tomar refrescos até eles. Esses caras tinham um apetite, eles estavam com fome ", disse o militar nacional, que pediu que seu nome fosse mantido fora deste relatório.

Também lá naquela noite era ex-chefe de guerra eletrônica tenente-coronel Mossie Basson. Ele confirmou a presença de Joubert, e diz que por alguma estranha coincidência houve uma operação secreta em curso naquela noite. No entanto, ele diz que não tinha nada a ver com a queda do avião Machel.

A Força Aérea Sul-Africano admitiu que estava rastreando as aeronaves russas em seu sistema de radar naquela noite, e viu o avião fazendo uma curva errada. Um tem que saber por que ele nunca se preocupou em se comunicar com um avião inimigo dirigem para o território Sul Africano. Certamente a coisa óbvia a fazer era salientar que o avião russo tinha feito uma curva errada e avisar o piloto que estava prestes a invadir o espaço aéreo do Sul Africano.

O link Renamo e forças especiais é dado o peso por um outro pedaço de evidência de ex-agente da Renamo Paulo de Oliveira, que foi baseado em Lisboa no momento. Ele era o homem sul-africanos oficiais militares em Phalaborwa iria rádio, sempre que eles precisavam de Renamo para reivindicar a responsabilidade pelas operações realizadas pelas forças especiais sul-Africano.

Vários dias antes do acidente, o contato militar sul-Africano de De Oliveira em Phalaborwa lhe enviou uma mensagem urgente: "Preste atenção à notícia e ficar perto do telefone e assim por diante, porque algo grande vai acontecer." Isso foi há dois ou três dias antes do acidente.

Várias horas depois do acidente, De Oliveira recebeu novas ordens dizendo-lhe manter-se em modo de espera como "Renamo pode ter que assumir a responsabilidade por derrubar o avião de Machel". Ao meio-dia que a instrução tinha sido retirado e o acidente não foi falado novamente.

De Oliveira entregou-se à Frelimo em 1988, e ele forneceu detalhes de suporte contínuo da África do Sul para a Renamo muito tempo depois do Acordo de Nkomati tinha sido assinado.

Um coronel militar sênior agora aposentado do exército confirmou há também eram membros da divisão de inteligência de sinais (Sigid) em Mbuzini na noite do acidente. Ele descreve um Landrover que ele diz que estava na área durante o período do acidente, sob o comando do Sigid. Dentro do veículo foi sofisticado equipamento eletrônico usado para desembaralhar frequências, os sinais de monitor, etc. Residentes em Mbuzini falou de ver um Landrover em Mbuzini no momento do acidente.

Um ex-funcionário nacional na força aérea trabalhando em serpente Vale 4AD diz nas semanas que antecederam o acidente Machel viu um farol a ser construído. Ele descreve uma peça de equipamento accionado por um motor de Kawasaki, montado sobre um carrinho com uma klerkmast ligado a ele. Quando ele perguntou por que ele estava sendo construída, foi-lhe dito: "É uma operação secreta que não tem nada a ver com você." Ela desapareceu no fim de semana do acidente.

Compare estas descrições de sistemas de comunicações contidas dentro de um Landrover e um dispositivo eletrônico montado em um pequeno carrinho para as informações técnicas fornecidas no relatório moçambicano anexado ao inquérito Margo.

Um fabricante VOR britânica baseada afirma que a transmissão de um sinal falso que imita o farol Maputo é "uma tarefa simples e um método eficaz de aumentar a produção das radiais necessários a partir de uma determinada fonte de energia. Pode ser facilmente conseguido com uma unidade de montagem em veículo com duas baterias de veículos a motor padrão em série como uma alimentação de 24 volts e uma antena de polarização horizontal direcional ... A maneira mais simples e eficaz para produzir radiais precisas seria para desligar a Maputo DVOR durante o período de qualquer VOR chamariz móvel foi ativado. "

Kirby descarta essas informações técnicas contidas no apêndice moçambicano para o relatório Margo e lança calúnias sobre a fonte da informação, afirmando que foi "adquirida de um fabricante VOR britânico chamado-un".

Uma pergunta se Kirby realmente se preocupou em ler o relatório completo Margo. Ele afirma claramente em uma carta do Sr. R Chippendale, um investigador do acidente da Nova Zelândia, que a informação é recolhida a partir de Bill Eastwood, o diretor técnico do respeitável com sede em Londres Racal Avionics, e seu sócio, Ron Hazel. Ambas as cartas são assinadas pelos dois homens e seus endereços completos são fornecidos. Racal Avionics foi o fabricante do Maputo VOR e bem familiarizado com o produto em questão.

Ambas as alegações da Casadei e os documentos de inteligência indicam a baliza Maputo foi efectivamente desligado.

De acordo com Casadei, a equipe de controle de solo foram removidos de seus cargos pouco antes de o avião foi devido a terra, o radar não estava funcionando e que é possível que o farol Maputo foi também desligada. Se o farol Maputo e / ou o radar foi desligado e a tripulação deliberadamente confundido durante a descida, disse que teria sido fornecido Casadei, condições ideais para um farol chamariz para ser usado para atrair o avião fora do curso.

O relatório de Aviação Civil Russa apoia a teoria de um farol engodo. Ele fornece um conjunto de informações técnicas arrogantemente rejeitada pelo inquérito Margo. Ela também é descartada em um par de frases por Kirby, que parece cair nas velhas "vermelhos sob a cama" armadilha que retrata pilotos russos como estúpido e sua investigação como nada mais do que propaganda comunista.

O inquérito Margo responsabilizou o acidente Machel em erro do piloto. Um aspecto chave da investigação russo evidência documentada de que outro avião voando ao longo da mesma rota que o Tupolev interceptado o sinal de um falso farol.

O relatório afirma: "Pilotos do avião comercial Boeing 737-200 C9BAA da companhia aérea LAM afirmou que o equipamento de navegação bordo na aeronave pegou o farol Maputo muito mais cedo ... O mesmo sinal do falso VOR foi recebido pelo conselho equipamentos na aeronave Boeing 737 da companhia aérea LAM ".

Esta evidência não é conclusivo, mas lança dúvidas suficientes sobre as descobertas de Margo para pedir um novo inquérito. Ele também levanta questões sobre o fracasso da comissão para investigar adequadamente as questões-chave como a presença dos militares na Mbuzini.

Certamente não há dúvida de que a tripulação do Tupolev 134 cometeu alguns erros graves, principalmente quando eles ignoraram o sinal de alerta chão pouco antes do impacto. Mas aí já era tarde demais. Nessa fase, eles achavam que estavam a aterrar no aeroporto de Maputo, apesar de ter sido escuro. Estes pilotos, que tinham milhares de milhas de experiência de voo, foram utilizados para o desembarque na escuridão, como a eletricidade no aeroporto era frequentemente desligado pelos sul-africanos.

Mesmo que a tripulação tinha percebido que eles tinham feito uma curva errada, estou convencido de que não tinha chance de sobreviver. Há fortes evidências que sugerem a presença de membros das forças especiais altamente treinados na área. Se o avião não caiu, os militares sempre tiveram um plano B e estar preparado para qualquer contingência. Talvez eles estavam esperando para derrubar o avião se o plano de chamariz-beacon falhou.
Mas o avião caiu em território Sul-Africano e África do Sul foi então capaz de controlar a investigação de acidentes.

(1998) Debora Patta é editora de notícias e missões especiais da Rádio 702 e Cabo Talk. Ela vem investigando o acidente Samora Machel durante os últimos 10 meses, e este relatório é uma compilação de relatórios especiais transmitido em 702 e Cabo Talk a partir de outubro do ano passado.
NOME DE GUERRA: "RUMBA"

Quem matou  Samora Machel?
UMBERTO CASADEI 'RUMBA' APONTA O DEDO A MAPUTO
TAL COMO GRAÇA MACHEL

QUEM SÃO OS DOIS GENERAIS CITADOS NOS TEXTOS?
O acidente aéreo que em 1986 vitimou o Presidente Samora Machel terá sido comandado de Maputo, acusa o advogado italo-moçambicano Umberto Casadei, que trabalhou desde 1970 para os serviços de contra-espionagem da Frelimo.
«Eu descobri, com base nas revelações de um soviético, como tinha sido possível, tecnicamente, ao operador das ajudas de terra à navegação aérea tornar (aquelas) ineficientes, sem deixar qualquer rasto e sem sequer o controlador da torre se aperceber disso», afirmou Casadei, numa entrevista publicada  em Maputo pelo diário «Imparcial». «Adverti todas as entidades interessadas, mas ninguém quis ouvir-me, o que me deixou com a clara sensação de que eles sabiam muito mais do que eu, mas o que queriam é que eu ficasse bem calado e tranquilo», acrescentou.
Machel e a sua comitiva, bem como a tripulação soviética, perderam a vida na noite de 19 de Outubro de 1986, quando o Tupolev em que viajavam no regresso de uma cimeira em Lusaca, embateu contra uma montanha em Mbuzini, na província sul-africana do Transvaal.
Apesar de a comissão internacional de inquérito ter declarado não haver provas de que o acidente fora provocado, as autoridades moçambicanas persistiram na suspeita de que os sul-africanos tinham programado a morte de Machel, interferindo no sistema de orientação da aeronave. A versão oficial nunca teve a aprovação da viúva, Graça Machel.
Umberto Casadei decidiu fazer estas revelações pouco antes do seu regresso a Itália. Ao fim de um quarto de século de colaboração com a Frelimo, o ex-agente diz-se amargurado com as injustiças que alegadamente sofreu em Moçambique.



EXTRACTO DO LIVRO 'DAYS OF THE GENERALS"





A Case of Assassination? President Samora Machel and the Plane Crash at Mbuzini. O papel de
CHIPANDE, CHISSANO, GUEBUZA, MATSINHE, MABOTE

 by David Alexander Robinson - ler documento completo em PDF

(...) Far more startling and significant, however, was Patta’s assertion that she had interviewed one of Machel’s close confidants, a well-known Italian resident of Maputo named Casadei, who claimed that he had stumbled on a plot by South African and Mozambican agents to kill the President. According to Patta, those  on  the  Mozambican  side  had  offered  their  support  for  the  plot  in  exchange  for assistance in gaining power, while the South Africans would oversee the technical aspects of the operation. Casadei said that he informed Machel of the identities of two Mozambican Generals who were involved in the plot, but the President refused to take action against them. Patta  also  maintained  that  she  had  viewed  an  intelligence  document  that  named  South African, Mozambican and Malawian agents involved in the plot.9  Then in January 2003 it was reported by the Sowetan Sunday World that a former Civil Co-operation Bureau (CCB) agent serving  a 28-year  term in Baviaanspoort  Prison near Pretoria,  a Namibian  national
named Hans Louw, claimed he was involved in Samora Machel’s death. According to Louw, military intelligence operatives positioned a false airport beacon to lure the plane off-course and he was part of a clean-up team that would ensure the President had died. As it turned out his team was never activated. A former Rhodesian Selous Scout operative, Edwin Mudingi, claimed to have been part of the same operation and confirmed Louw’s involvement. Louw also confessed to a number of other crimes, including a similar operation that used a VOR beacon to lure an Angolan  military plane off course in 1989 and killed a number of key
Angolan military figures. Only a few months later, on 6 April 2003, the Sowetan Sunday
World reported  that  former  Chief  of  South  African  Military  Intelligence,  General  Pieter
‘Tienie’ Groenewald, admitted in an interview with journalist Mpikelani Duma that Samora Machel’s plane had been brought down by a false navigational beacon. According to Joseph Hanlon, the article disclosed that,
 Groenewald also claimed that senior Frelimo officials were involved in the killing, and that senior ‘individuals and [then Foreign Minister Joaquim] Chissano were appraised of the details of the plot to kill Machel’.11
 Though the article provoked furious denials from members of the Frelimo leadership, veteran Mozambique analyst Hanlon’s assessment was that the allegations could not be so easily dismissed, especially since,
 Groenewald only said that Chissano knew of the plan, not that he organised it or was in contact with South Africa… [and] Samora Machel's widow, Graca Machel, now the wife  of  Nelson  Mandela,  has  publicly  accused  Mozambican  ‘generals’  of  being involved in the assassination.(...)


CASADEI ESCAPA EM TRÊS ATENTADOS A TIRO EM MAPUTO AO DESAFIAR O CLÃ GUEBUZA
O advogado tornara-se uma espécie de estrela mediática, ao escapar com vida a três atentados à bala. Na altura, Casadei atribuiu os ataques a colaboradores do empresário António Baessa Pinto, então a monte. Em 1993, um tribunal de Maputo indigitou Casadei como gestor do Grupo Pinto, proprietário de uma dezena de restaurantes, cafés e discotecas, em Maputo, e acusado de burla por um banco. Mas constava que Pinto agia como simples figura de fachada do seu tio Armando Guebuza, um dos homens mais poderosos de Moçambique e líder parlamentar da Frelimo, e entretanto tornado presidente do país.
Nascido em Itália numa família comunista, Casadei começou a colaborar com a Frelimo em 1970. Logrou infiltrar-se nos serviços de segurança da Rodésia de Ian Smith, o que lhe permitiu prestar grandes serviços aos guerrilheiros moçambicanos, como, por exemplo, a informação de que o Exército português estava a preparar a célebre operação «Nó Górdio».
José Pinto de Sá , em Maputo


07 AGOSTO 2001. BOMBA DESTINADA A CASADEI FAZ UM FERIDO EM ITÁLIA.
Ferito un operaio. L'uomo, autore di un articolo in cui raccontava di aver uccido dei fascisti, aveva respinto la busta Forlì, esplode pacco bomba destinato a un ex partigianoFORLI' - Un pacco bomba è esploso ieri sera in una ditta di spedizioni, la Sda Express Courier, a Forlì mentre un operaio lo stava maneggiando. L'uomo, Rubens Gardelli, 23 anni, è rimasto ferito a un timpano ed è stato trasportato all'ospedale mentre un altro operaio, Paolo Pisu, 28 anni, che si trovava con lui, illeso ma cardiopatico, è stato ricoverato per accertamenti. Entrambi sono stati già dimessi e per ora non ci sono state rivendicazioni.

Il pacco bomba, che poteva uccidere o quantomeno provocare gravi danni, era destinato a Umberto Fusaroli Casadei, 72 anni, ex partigiano noto alle cronache per avere scritto nel maggio scorso a un quotidiano dicendo di aver ucciso fascisti nel dopoguerra. Casadei aveva rifiutato la consegna del pacco perchè gli erano stati chiesti due milioni per il pagamento.

QUEM É UMBERTO FUSAROLI CASADEI?
LUNEDÌ 1 OTTOBRE 2007 - Stefio sotto accusa. Ed il partigiano "Rumba" ? IN SANTOSEPOLCRO1.BLOGSPOT.PT
Venerdì ho scritto sul rinvio a giudizio di Stefio. Ci ritorno perchè mi è venuto in mente il caso del partigiano "Rumba", deceduto il 19 Settembre in un incidente stradale in provincia di Forlì.

Umberto Fusaroli Casadei, questo era il vero nome di "Rumba", 81enne tornato negli ultimi anni a far parlare di sè per alcune sue lettere od interviste su alcuni quotidiani, dalla Stampa al Giornale. Proprio l' articolo di Stefano Zurlo del Giornale del 2002 è illuminante. Nell' intervista il simpatico vecchietto ricorda alcuni episodi della sua guerra partigiana. Come quando uccise a sangue freddo un Ufficiale Tedesco arrivato a parlamentare con tanto di bandiera bianca. Pum, Pum, due colpi in testa, e via. Senza alcun rimorso, nè allora nè oggi. Centinaia le persone che ammazzò, "Nel periodo della guerra e anche dopo”. Alla domanda di Zurlo:"E lei non si commosse mai ? Mai un momento di esitazione ?", così rispose il bravo partigiano: “Mai. Nemmeno davanti alle donne”. Come per la Strage di Schio, dove a morire furono parecchie. In seguito, poi, davanti ad un Magistrato, Rumba negherà la partecipazione a quella pagina vergognosa della Storia Italiana:

"Lasciai il compagno Piastrina a custodia del camion, fuori mano, e raggiunsi il carcere. Portavo una giacca con i gradi da colonnello, prestatami dal comandante che era rimasto altrove, per precostituirsi un alibi. Per rendermi meno riconoscibile mi ero oscurato la faccia con una speciale tinta usata dagli inglesi nelle operazioni notturne. Indossavo inoltre un copricapo e un fazzoletto rosso al viso. Mi accorsi che gli altri erano già entrati, in anticipo sui tempi stabiliti. Così penetrai all'interno: c'era il caos. Partigiani che vagavano senza sapere bene cosa fare, i prigionieri radunati in uno stanzone. Occorreva accelerare i tempi, c'era il rischio che qualcuno desse l'allarme. Allora mi rivolsi a quelle persone ammassate: "C'è qualche prigioniero comune? Nessuno rispose. Diedi l'ordine di aprire il fuoco. Svuotai tre caricatori sparando con uno Sten in una babele di urla, strepiti, lacrime. I proiettili saettavano da tutte le parti, rimbalzavano sul pavimento, tornavano indietro. Fui colpito più volte di rimbalzo alle gambe, senza altro danno che leggere striature rossastre, larghe come una moneta d'argento del tempo. La permanenza si faceva troppo pericolosa e altri partigiani entravano sparando raffiche all'impazzata. Era saltata la luce, non si distinguevano nemmeno più le vittime da noi che le colpivamo. Uscii”.

Ebbene, qualche anno più tardi, Umberto Fusaroli Casadei sarà in Africa, in Mozambico, al fianco di Samora Moisés Machel, a combattere nella guerriglia antiportoghese comunista. Come si definiva lui, "combattente contro il colonialismo in Africa.".
Nonostante sia rientrato negli anni '90 in Italia, aderendo a Rifondazione Comunista per poi uscirne, Rumba non è mai stato indagato per l' Art. 288 CP.


JUNHO 1998 - O REGRESSO A ITÁLIA - DADOS SOBRE A MORTE DE MACHEL
La storia Licenza di uccidere - Stanco, dopo le molte guerre d'indipendenza combattute in Africa, Umberto, a 72 anni, è tornato a casa. Col segreto sulla morte di un capo di Stato...
di Pietro Veronese

Il vecchio rivoluzionario è tornato a casa con più anni, più delusioni e un cupo segreto, la chiave di un grande mistero africano: la morte violenta di un presidente.
"Non è un segreto", dice lui, scaldandosi e ricordando che lo ha gridato ai quattro venti, laggiù, solo che nessuno ha voluto ascoltarlo.
A 72 anni Umberto Fusaroli Casadei non è un uomo facile da raccontare. Ha vissuto almeno due vite, una in Italia, da partigiano, l'altra a sud dell'Equatore, tra guerriglie e rivoluzioni africane.
La prima cosa che fa vedere di sé è il monumento ai Caduti per la Libertà di Bertinoro (Forlì). Sul cippo di pietra bianca ci sono i nomi di suo padre Antonio, dello zio Gaetano e di altri familiari e compagni partigiani massacrati dai nazifascisti il primo maggio del '44.
Umberto aveva allora diciott'anni e diventò a sua volta un cacciatore di fascisti. Combatté nell'ottava Brigata Garibaldi e poi nella 29esima Gap, fu promosso comandante di compagnia. "Quando prendemmo Forlì, e poi nei mesi successivi, ne uccisi a centinaia", rievoca sgranando gli occhi, dietro i quali si stenta a vedere il giustiziere. Non ha pudore a rivendicare che per lui la guerra non finì il 25 aprile del '45.
La caccia ai fascisti continuò, anche dopo la Liberazione. E continuò l'attività clandestina, che doveva far sorgere in Italia il Sol dell'avvenire e invece tramontò in un dedalo di guai giudiziari. Ma lui risorse e partì per la sua seconda vita.
Nel '70, con la moglie Marisa, arrivò nell'Africa dei movimenti di liberazione e delle nuove indipendenze. Divenne confidente e consigliere di giovani africani rivoluzionari come lui, ricchi di idee e poveri di quattrini.
A Dar es Salaam, la capitale della Tanzania che era all'epoca rifugio di tutti i fuorusciti dell'Africa nera, la Marisa prese in gestione la mensa della Raffineria dove quegli smunti idealisti, paganti o no, trovavano comunque da mangiare. Così nascono le grandi amicizie.
Passò qualche anno, i ragazzi affamati di Dar es Salaam combatterono e vinsero, divennero i leader dei loro Paesi e Umberto si ritrovò amico di presidenti e primi ministri. Più di ogni altro, di Samora Machel, carismatico capo della guerriglia mozambicana e, dal '75, capo di Stato.
Fu da lui che Umberto e Marisa si trasferirono: a Maputo, la capitale del Mozambico abbandonata dai portoghesi. Una delle più belle città dell'Africa, affacciata sull'Oceano Indiano e - così pareva allora - sull'avvenire.
Ma la sera del 19 ottobre 1986, il bireattore Tupolev sul quale viaggiava il presidente mozambicano si schiantò al suolo disintegrandosi in mille schegge di metallo. Il luogo della catastrofe si trovava 35 miglia nautiche (65 chilometri) a ovest dell'aeroporto di Maputo, verso il quale l'aereo era diretto, e 150 metri all'interno della frontiera sudafricana.
Dieci anni dopo, su quella stessa collina, si è svolta una breve cerimonia per scoprire un monumento alla memoria. Un tumulo di mattoni sul quale si leggono i nomi delle vittime e poi: "Samora Machel, architetto dell'indipendenza nazionale, fondatore della Repubblica popolare del Mozambico, eroe dell'Africa, vivo in ciascuno di noi". A inaugurarlo è venuto il presidente del Sudafrica, Nelson Mandela. E con lui, ormai divorziato dalla moglie Winnie, la sua nuova compagna: Graça Machel, la vedova di Samora.
"Gli assassini avevano previsto tutto", ride Umberto Casadei. "Tutto, meno che questo amore".
Quando il presidente del Mozambico volò incontro alla morte una notte di dodici anni fa, non c'era tra Sudafrica e Mozambico amore alcuno. Tutto opponeva allora i due paesi: regimi, ideologie, alleanze. Gli accordi di pace firmati due anni e mezzo prima erano stati più volte violati dai sudafricani e Samora lo aveva denunciato. Il pensiero istintivo, appena si seppe che l'aereo era precipitato, fu: sono stati loro. Si disse che su quell'altura i servizi del Sudafrica avevano installato un potente radiofaro, per attirare il Tupolev sulla rotta sbagliata. Questa ipotesi aveva un solo difetto: non c'erano prove. Le due commissioni d'inchiesta scartarono entrambe la pista del falso radiofaro.
La prima giunse alla conclusione che la responsabilità dell'incidente era dell'equipaggio, di nazionalità sovietica, il quale "aveva ignorato tutte le procedure regolamentari". Il pilota e i suoi uomini commisero in verità una serie di errori madornali, senza i quali probabilmente Samora Machel si sarebbe salvato. Da bravi russi non avevano lesinato le birre, e quando si trovarono nell'emergenza non seppero reagire. Malgrado dubbi, perplessità e domande rimaste senza risposta, questa fu la versione comunemente accettata sul disastro. Non da tutti, però. Graça Machel non l'accettò mai. Chiusa nella sua casa e nel suo lutto, sapeva che c'era, da qualche parte, un'altra verità. Suo marito aveva molti nemici non solo nel governo del Sudafrica, ma anche in quello del Mozambico.
Avversari politici, avversari soprattutto sulla questione morale, che nel credo personale di Machel era il comandamento numero uno. Samora morì povero. Narra la leggenda che poco prima della fine, mosso da un presentimento, chiamò il suo segretario per farsi dare l'elenco degli oggetti ricevuti in dono dai dignitari stranieri. Alcuni erano ufficiali e dovevano restare alla Repubblica; altri personali e il presidente li voleva, per avere qualcosa da lasciare alla famiglia.
Graça Machel contattò i rivoluzionari del Sudafrica molto prima del giorno in cui diventò chiaro che presto anche loro sarebbero arrivati al potere. Gli chiese l'impegno a riaprire il dossier sulla morte di Samora, a far luce sull'eventuale responsabilità del regime bianco sudafricano. L'impegno divenne promessa personale quando Graça diventò la compagna di Mandela. Il nuovo governo sudafricano ha istituito già da tempo una Unità investigativa speciale che ha appunto il compito di indagare e raccogliere prove sui crimini del passato regime.
La Special Investigative Unit è guidata da un giovane sostituto procuratore, si chiama Torie Pretorius, è un bianco e ha meno di quaranta anni. È stato lui a riaprire nel maggio scorso le indagini sulla catastrofe aerea nella quale morì Samora Machel. Gli indizi che ha raccolto sul coinvolgimento sudafricano sono tantissimi. È saltato fuori anche il nome in codice dell'operazione: "Icarus", come il personaggio della mitologia greca che provò a volare, ma precipitò in mare. Nulla di più appropriato.
Lo schema è proprio quello che s'era sospettato fin dall'inizio: un falso radiofaro in grado di emettere un segnale identico a quello dell'aeroporto di Maputo e di dirottare il Tupolev verso la sua fine. A questa teoria manca però un tassello fondamentale. Per convincere pilota e navigatore dell'aereo presidenziale che il segnale del falso radiofaro era quello vero, non bastava imitare quello emesso sulla frequenza di Maputo. Bisognava anche che Maputo non trasmettesse: altrimenti i segnali sarebbero stati due. Ci volevano dei complici nella torre di controllo mozambicana. Pronti a spegnere il loro radiofaro nell'attimo in cui l'altro avrebbe iniziato a funzionare.

È qui che s'inserisce la testimonianza di Casadei. Nel 1982 il companheiro Umberto viene interpellato da un altro italiano residente a Maputo, proprietario di un'impresa edile. Conoscendo la sua intimità col presidente, gli propone di farsi assoldare dai servizi segreti sudafricani. Casadei riferisce a Samora e gli chiede: "Che faccio? L'ammazzo?".

Machel gli ferma la mano. "Il Mozambico è un colabrodo per i servizi sudafricani", ragiona, "questa è la nostra occasione di rendere la pariglia". E convince l'amico ad accettare la proposta e a diventare, per 600 rand al mese (all'epoca più o meno mezzo milione di lire), informatore del Sudafrica. In realtà, Umberto fa il doppio gioco. Il primo incontro avviene a Gaborone, nel Botswana, in un ristorante fuori città. Il suo contatto è una bella bruna che si fa chiamare Maureen, ha anche un cognome e una casella postale.
Il nuovo "lavoro" di Umberto Casadei - che a Maputo, come a Dar es Salaam, ha aperto un ristorante - diventa routine. "I 600 rand li consegnavo al ministero della Sicurezza, in cambio di regolare ricevuta. Ma presto mi accorsi che al ministero non facevano alcun uso dei miei rapporti. Così cominciai a riferire direttamente a Samora". Quello che Maureen gli disse in uno dei loro incontri a Pretoria, circa un anno prima della morte del presidente, Umberto non lo avrebbe mai messo per iscritto. Lei gli chiese che ne pensasse di due generali mozambicani, uno altissimo responsabile delle Forze armate, l'altro politico rampante (tutt'oggi in posizione di grande potere). Umberto volle sapere la ragione della domanda e Maureen: "Ci hanno contattato. Dicono che sono in grado di eliminare il presidente ma hanno paura del dopo, di trovarsi isolati di fronte a una reazione favorevole a Samora. Perciò, se vogliamo che agiscano, chiedono da noi aiuto e copertura".
Ancora una volta il compagno Casadei si precipita da Machel e invoca da lui licenza di uccidere. Ancora una volta l'altro lo ferma: "Se muoiono, si capirà subito che tu hai parlato, sarai bruciato. Aspetta, li prenderemo in trappola". Adesso sappiamo come andò a finire. Secondo Umberto Fusaroli Casadei, dunque, non furono i sudafricani a uccidere Samora Machel. Fu un complotto mozambicano-sudafricano, di cui facevano parte alti responsabili del regime di Maputo.

Altro che equipaggio sovietico ubriaco (fatto del resto smentito dalla relazione della seconda commissione d'inchiesta, quella ufficiale, basata sulle autopsie). Questo spiega perché, quella notte, non c'erano due radiofari, ma uno solo, nel posto sbagliato. Perché anche il potente radar militare della base aerea accanto all'aeroporto, quella sera, era misteriosamente spento. Perché il controllore di volo, invece di dare istruzioni chiare e forti via radio all'equipaggio smarrito, aggiunse confusione a confusione. Perché certi ministri, all'ultimo momento, rifiutarono di salire sull'aereo presidenziale (altri andarono e vi trovarono la morte).

"In Mozambico, a quell'epoca, Samora ordinava e nessuno obbediva", ricorda Casadei. "A Maputo era il caos, l'aeroporto un manicomio, lo so bene io che ci stavo tutti i giorni. Era una porta aperta. La corruzione imperava, tutto aveva un prezzo. Facevano traffico d'armi nei gabinetti, era una centrale di contrabbando. Vidi bene le cose strane di quella notte fatale e iniziai subito a esprimere i miei dubbi ad alta voce". Troppo alta, forse. Le denunce, i memoriali, gli articoli sui giornali cominciarono ad attirargli guai.

È stato dopo il secondo tentativo d'omicidio che Umberto Casadei ha deciso che Maputo era diventata una città troppo calda per lui. Se n'è tornato in Italia con le sue carte e l'amarezza di vedere un'altra rivoluzione tradita. Anche lui, forse, aveva pensato a tutto meno alla possibilità di riporre le sue ultime speranze in un magistrato sudafricano, bianco, per niente di sinistra, solo uomo di legge. A lui ha riferito nomi, cognomi, tutto quello che sapeva. Adesso aspetta di vedere fin dove arriverà la verità.


Ho incontrato Umberto Fusaroli Casadei in due occasioni: la prima, nel 1976, quando ancora ragazzino di 7 anni andavo in giro per le strade di Maputo con mio fratello a sparare ai passeri con la carabina ad aria compressa... quella mattina eravamo in Avenida Kenneth Kaunda, una macchina ci vede, inchioda in uno stridere di pneumatici assordante, ne scende furibondo l'autista, ci acchiappa ambedue per un braccio, strattonandoci ci sbatte in macchina ed insultandoci ci dice che adesso aveva capito chi faceva strage di uccelletti in giro per Maputo (con mio fratello, mai riusciti a centrare un passero in mesi e mesi di tentativi, aimé!!). Noi piangiamo, gli chiediamo dove ci porta, "Al commissariato per denunciarvi"... noi eravamo amici dei poliziotti del commissariato di quartiere, a cui avevamo anche prestato la carabina... glielo diciamo, lui risponde: "Ah si? Allora vi porto in un commissariato lontano, dove non conoscete nessuno!"... e cosi fece... ci venne a recuperare mio padre e la storia finì lì... ma ricordo come se fosse ieri il velo di terrore che calò sull'udienza di amici Italiani accorsi la sera stessa a casa nostra per consolarci e ascoltare il racconto della brutta vicenda: quando fra un singhiozzo e l'altro mio fratello disse "poi il Signor Casadei, perché cosi ha detto di chiamarsi..."... Casadei? Improvvisamente calò il gelo e dopo un breve incrocio di sguardi preoccupati, ognuno tornò a casa propria in fretta ed in silenzio...
La seconda volta fu altrettanto casualmente, a dicembre del 2002 quando, tornato a Maputo dopo 25 anni, mi ritrovai a cena a Villa Italia... il ristorante di Casadei... ma non lo sapevo... fu una sorpresa quando venne a fare il giro dei tavoli come ogni buon ristoratore ed arrivò al nostro, presentandosi: "Umberto Fusaroli Casadei, come trova i ravioli?"... sgranai gli occhi... era irriconoscibile, zoppicante, appesantito, col suo bastone... gli raccontai l'episodio della carabina, ovviamente non ricordava, si sedette al nostro tavolo, parlammo di politica, di Samora, della Frelimo, della Renamo... e mi raccontò per filo e per segno tutto quanto riporta qui sù Black_cat... Black_cat complimenti... un racconto preciso e fedele delle parole che ho sentito da Casadei... quello che manca però è che Casadei mi disse che era incastrato, che aveva già provato a rientrare in Italia... ma i fascisti (si, nel 2002 ancora parlava di "fascisti"), al suo primo tentativo di rientro in Italia, dopo anni di esilio, avevano subito provato ad ammazzarlo, con un pacco bomba, finito poi con lo scoppiare rocambolescamente nell'ape del postino... mi disse che gli anni di piombo in Italia non sono affatto finiti... che lui, rientrando in Italia, rischiava la vita e per quel motivo era dovuto ritornare di corsa a Maputo... solo che anche lì avevano tentato di fargli la pelle... mi fece vedere i buchi dei proiettili, gli avevano sparato ancora un paio di annetti prima a Maputo, nella strada del Polana, dietro il suo ristorante... mi disse che tanto sarebbe finito morto ammazzato e che stava lì lì per decidere di tornare in Italia, perché almano lì, lo avrebbero ammazzato in patria... ma ancora non si era deciso... parlammo fino a tardi, chiudemmo il ristorante... non credo alla tesi dell'incidente di macchina...


19 SETEMBRO 2007. MORTE DE CASADEI EM ACIDENTE DE VIAÇÃO EM ITÁLIA
"E' morto il Comandante Umberto Fusaroli Casadei"
E' morto oggi in un incidente stradale il partigiano Umberto Fusaroli Casadei, commissario politico e comandante nell'8° Brigata Garibaldi di Romagna, poi guerrigliero in Mozambico. Per molti versi dimenticato dalla storia ufficiale, soprattutto quella di partito, perchè uomo scomodo, spero che la sua memoria non si spenga mai nei cuori di chi lo ha conosciuto e di chi come lui combatte ancora oggi i "mostri".


Post subject: Re: A case of assassination?Posted: 2011.09.12. 15:25 
Nzhou wrote:
So whats your view on the air crash....accident or assassination?

CASSIUS (in http://www.newrhodesian.net/viewtopic.php?f=36&t=2383)
Well, if that question is directed to me, here is my view:

The Truth is out there, and I don't think it will ever come out.

No doubt the death of samora machel was "Welcome news" for South Africa. And for the Rhodesians too (although did not existed anymore). And for me too, because I had to flee from my birth country for the simple fact the colour of my skin is white.

The idea to get rid of samora, germinated in Mozambique itself. Frelimo was not sophisticated enough to pull something like this. And South Africa did not have proper connections inside Mozambique Frelimo structures. Overtime this connection got stronger (just) enough for Mozambican and South African agents to get together to plan and plot this incident.
While the Mozambicans and South Africans are holding discussions, the Russians/Cubans became aware of what is brewing. What a greater opportunity for the Russian/Cuban side to assassinate samora, and accuse South Africa. They are one step ahead and promote samora to the status of "Businessman" - making bricks 5 feet under.
Was the Russian/Cuban connection happy the way samora was flirting with South Africa? No.

Is there concrete evidence that S.A did? NO
Is there evidence that the idea was germinated by some members of the Frelimo structures? Yes, ask Mr.Casadei.
Is there evidence the Mozambicans did it? No
According to all evidence collected, it points out a lack of basic airmanship and incompetence. But I personally I'm not convinced about it alone. Yes, it shows a lack of basic airmanship and incompetence. But the web of deceit is so dense, it distorts the image of those from the other side - The Russian/Cuban connection.

My verdict: Assassination, and look east.

_________________
The Alterverse Of Willful Ignorance.
Let's face it. This isn't reality. It's a fleeting world of voluntary make believe only adopted by self-numbing drones too afraid to even ask questions any more.

And they do it willfully. We all do.


How Samora Machel signed his own death

There was motive for the then South African government to kill Mozambique’s Samora Machel, and there is plenty of evidence to back up these claims, writes Debora Patta (Radio 702, South Africa)

Robert Kirby’s article on the Samora Machel crash (June 19 to 25) is devoid of any context. He writes as if South Africa in 1986 was a perfectly normal society, with a judicial system above reproach and a defence force that would never stoop to dirty tricks. Those at the receiving end of apartheid’s evil deeds need no convincing as to what this country’s former rulers were capable of.

South Africa was perfectly capable of killing Mozambican president Samora Machel, and in fact had tried on several occasions to assassinate him. Furthermore, the South African Defence Force (SADF) was equipped with sophisticated beacon equipment that was part of its covert operations used during the Angolan war.

One has to ask why South Africa always hauled out Judge Cecil Margo whenever it needed to conduct a sensitive aviation inquiry. At the time of the crash, the SADF was under suspicion. The mere fact that Judge Margo was an honorary colonel with ties to the old South African Air Force was reason enough for him to excuse himself from the inquiry into the Machel crash. But during the apartheid days it was customary for the accused to investigate themselves.

Kirby dazzles and bamboozles readers with complicated, technical jargon. But he has only regurgitated the findings of a 12-year-old commission of inquiry that - at best - chose to ignore critical evidence.

What did the South Africans have to gain by killing Machel? Kirby argues that “with Samora Machel’s death South Africa was much diminished. We lost a neighbour of imagination, purpose and optimism. With the Nkomati Accord signed, a new chapter of co-operation had been opened. There was nothing to gain, even for the apartheid regime.”

In terms of the Nkomati Accord, the African National Congress was unceremoniously booted out of Mozambique and South Africa agreed to stop all military and logistical support for the rebel Mozambican group Renamo.

But history tells a different story. Machel had entered into a pact with the devil and signed what many would argue was his own death warrant.

The accord was a charade. South Africa had no intention of living up to it. Even as leaders of the two countries were shaking hands, supplies were being flown to Renamo. Pretoria was beefing up its Casa Banana base in Gorongosa. And when Casa Banana was captured by Frelimo a year after the accord, documents left behind showed that Machel had been cheated.

Supplies continued to be flown into the base, an airstrip had been built there and one of its most frequent visitors was South Africa’s deputy foreign minister Louis Nel.

South Africa also initiated Renamo operations out of bases in Malawi, which had become a focal point for destabilisation. Mozambican protests to Malawi culminated in a visit to Blantyre on September 11 1986 by Machel, Zambia’s Kenneth Kaunda and Zimbabwe’s Robert Mugabe.

In his book Machel of Mozambique Ian Christie writes: “When Machel set out on that trip he was angry. He detested [Malawi president Hastings] Banda and had on several occasions described him in my presence as a fascist.”

During a two-hour meeting, a furious Machel presented Banda with a dossier containing evidence of active support for Renamo by Malawi and South Africa. The documentation included a photocopy of a Malawian passport issued to Renamo leader Afonso Dhlakama.
On his return to Maputo, Machel let off steam at a media conference where he told journalists: “We will place missiles along the border with Malawi if support to the bandits is not ended. And we will close the border to traffic between Malawi and South Africa going through Mozambique.” That was a serious threat: an average of 70 trucks a day were passing through Mozambique’s Tete province on the international route to the ports of South Africa.

Shortly after the meeting, Renamo launched a three-pronged conventional military invasion of Mozambique from Malawi. The invading military columns were led by white soldiers believed to be members of the South African Special Forces (reccies).

And that’s when Machel drove another nail into his coffin. During a visit to the province of Tete, which borders Malawi, he said: “The Malawian authorities have made their country a base for mercenaries of various nationalities, but principally South African soldiers. I think president Banda is not responsible. I think ministers, soldiers, members of the police and the Malawian security have been bought by the South Africans and other countries I don’t want to name now, although there is evidence of this.”

Machel was planning to fire several of his generals for profiting from the war with Renamo, but never lived to carry this out.

On October 6 1986, General Magnus Malan threatened Machel personally, following an alleged landmine explosion near the area where Machel’s plane would crash 13 days later.

“If president Machel chooses landmines, South Africa will react accordingly. If he allows a Moscow- inspired revolutionary war against South Africa, he must also be prepared to take responsibility. If he chooses terrorism and revolution, he will clash head on with South Africa,” warned the general.

The stage had been set for an attempt on Machel’s life, but as his widow Graça Machel has said: “We never expected South Africa to attack the presidential plane.”

And so it was on October 19, on a dark, still night in Mbuzini, a Tupolev 134 crashed into hilly terrain, killing Machel and 34 others. Only nine people survived the accident.

One of the first people on the scene of the crash site was a local resident who, fearing for his safety, will only give his name as Mike. Because he knew the area well and was able to negotiate the difficult mountainous terrain, he was taken to the scene of the crash by local police.

To his surprise, he found security police already on the scene. “The injured were crying and moaning, the plane wreckage was scattered all over. I was the only one who was a civilian.”

Nobody seemed particularly concerned about providing much-needed medical assistance, he says. Instead, police combed through wreckage, demanding that survivors tell them where Samora Machel was. “I don’t know what they told them, but they went back to the wreckage and came back with a briefcase and they put it on top of one of the car’s boots and started searching it. I knew if they found me I would be in big trouble because what they were doing was unlawful. They were not supposed to search the briefcase.”

The next day Mike was forced to go into hiding because SADF soldiers repeatedly visited his home looking for him.

A crash survivor, Machel’s chief bodyguard Fernando Manuel Joao, echoes Mike’s words. He had walked a considerable distance in search of help, and at midnight had managed to contact the Komatipoort police through the radio of a local religious mission.

When he returned to the crash site, he found that “the South Africans were not at all concerned with the lives of the wounded. They were just messing around with the other things there.” Joao was furious with the South Africans for “refusing to take the wounded to hospital.”
The then foreign affairs minister, Pik Botha, later admitted documents had been removed from the wreckage, providing details of a planned Mozambican strike against Malawi. Botha says: “Yes, technically that would have been a violation of diplomatic practice, certainly. But this was done probably to find out what was being discussed, but with respect this has nothing to do with the crash or the causes of the crash.”

Colonel Des Lynch was seconded from the South African Air Force to assist with the probe into the crash. For the record, he says he’s convinced the crash was caused by pilot error. But he has strong words about the way police and the Department of Foreign Affairs conducted themselves.

“From the first moment that the news was broken by the minister of foreign affairs on the SABC at 7am that led to confusion ... Even the minister ... who called impromptu press conferences, who leaked information to the press, made allegations about drunken behaviour and unserviceable equipment, things he knew very little about, only confused matters.”

To this day there are many people who believe the Russian crew on board the Tupolev 134 were drunk, although there was not a shred of evidence to support this. “Those allegations made an impact ... For a long time [they] contaminated the investigation,” he says.

Another bone of contention was the critical cockpit voice recording, known as the black box. On the day of the crash, civil aviation investigator Piet de Klerk handed the black box over to police for safekeeping. It would be nearly six weeks before he saw that crucial piece of evidence again. The black box was passed on to General Lothar Neethling, who headed the police forensic laboratory - and is shown, in original police footage of the accident, tramping through the wreckage.

In the days and weeks that followed the accident there was much political posturing between South Africa and the Soviet Union, until it was eventually agreed that accident investigators would fly to the Soviet Union to listen to the black box in the presence of their Russian counterparts.

But, says Lynch, literally days before they were due to fly to Moscow, police forensics were still refusing to part with the precious evidence. “We’d now got to the stage where we had to sue the police to give us the boxes back ... Not until lawyers’ letters were served on the police did they release the boxes.

“De Klerk ... described how he put [the boxes] in black plastic bags and sealed them and they were muddy and dirty and whatever - and the day that we arrived here they were spotless. There are little holes and things that are plugged with wax, and the wax was gone. We did not know whether they’d been opened or X-rayed and the more questions we put to the police the more obtuse they became. So we left here just hoping they would work and ... everything we got from the boxes was excellent.”

So we have a motive and a contaminated investigation. But let’s go one step further and look for a suspect, a modus operandi and a smoking gun. For that we travel to Italy to meet Umberto Fusaroli Casadei.

If you saw Casadei walking down the street, you would hardly give him a second glance. He looks like every other kindly old Italian man you find in the villages of Italy, who adores his grandchildren and passes the days hanging out at the local espresso bars or cheering for his favourite soccer team. But behind this apparent ordinariness is a remarkable story. He has rubbed shoulders with some of Africa’s greatest leaders and survived more than one assassination attempt.

Casadei was just 16 years old when he was forced to watch his father and two uncles being publicly executed by Franco Mussolini’s fascists during World War II in northern Italy. This scarred him for life, and he vowed then to fight oppression in every corner of the globe.

It was this that led him to Samora Machel, whom he fought with against the Portuguese colonialists. After independence he became one of Machel’s most trusted lieutenants, operating in the dangerous world of counter- espionage. Casadei was a double agent, pretending to work for South African military intelligence (MI) while secretly passing crucial information directly to Machel. He was paid R600 a month by South Africa for his false MI reports, money that ironically went straight into Mozambican government coffers.

One of his regular contacts was a female MI agent whom he has identified but asked that we call simply “Maureen”. It was during a routine meeting with Maureen that Casadei stumbled on the information that South African and Mozambican agents were plotting to kill Machel.

He described how “she asked me if the South Africans could trust the Mozambicans. Because they had asked the South Africans: if they assisted in killing Samora, what would the South Africans do to help those who’d assisted in the murder to take over power in Maputo?”

Now that he knew the identities of the Mozambican officials planning on betraying their leader, Casadei went straight to Machel and begged him to let him kill the two generals. “Samora now knew who was plotting against him, but he refused [to let] me kill them, he did not give me the permit to kill them. And so he gave them time to kill him. This was the big problem,” said Casadei, shaking his head regretfully.

It was not long after this that the crash occurred.

Devastated by the loss of one of his dearest friends, Casadei dedicated himself to investigating the cause of the crash. By 1994 he had collected enough information to go public with his story, speaking out in Mozambican radio interviews and newspaper articles. He linked top Mozambican and South African government officials to the conspiracy to kill Machel and provided critical technical information.

He paid a heavy price for his courage. Assassins opened fire on him on two occasions. The first time, convinced they’d killed him as he sat at the wheel of his Landrover, they taunted him by saying the bullets were a message from the Mozamibican generals he’d named as accomplices in the president’s murder. But he survived, driving himself, badly wounded, to hospital.

Several months later another round of bullets was emptied into Casadei’s body and again miraculously he survived. But by now things had become too dangerous, and this time he was forced to flee Mozambique and return to the town of his birth in Northern Italy.

Casadei’s story is reinforced by a foreign intelligence document from a neighbouring country in the possession of Radio 702. The document names the Malawian, Mozambican and South African agents who conspired in the plot to kill Machel. The Mozambicans named in the report are the very same ones who sent assassins to kill Casadei.

The document states that South Africa was charged with the responsibility of overseeing the technical aspects of the crash. Senior South African generals and a Cabinet minister are named in the report.

South African military intelligence was given the task of recruiting an airport official from Mozambique. According to the report, the airport official was paid a total of R1,5- million to assist the South Africans by switching off either the Maputo radar system or the beacon.

The report states that this person “travelled to Zimbabwe to close the deal with his foreign counterparts with the help of a Mozambican official who got him a medical certificate to justify his absence. Payments were made in two parts ... After the deal the Malawians and the South Africans started to monitor the control tower and the communications in it.”


(Radio 702 is in possession of the dates those payments were made and the banking institutions where the money was deposited. However, this could not be double-checked because the banks concerned do not keep records going that far back.)

The airport official would later ensure that the Maputo beacon and radar system was/were switched off, making it easier to operate a decoy beacon transmitting a signal on the same wavelength as the Maputo beacon.

The report states that on the night of the accident a decoy beacon was used to divert the plane off course.

The weather was extremely cloudy in Mbuzini that night, which provided optimum conditions for a decoy beacon to work successfully. The document also claims South African special forces were in Mbuzini on the night of the accident.

But the Margo inquiry found there was no evidence of SADF soldiers anywhere in Mbuzini on the night of the crash. Judge Margo was satisfied that “the SADF platoon commander in charge of the area from September to November 1986 was emphatic in his evidence that no SADF personnel were at the site”. What did Margo expect - that the SADF would readily admit it was in the area?

A former 32 batallion member who was on duty along another part of the border on the night of the Machel crash stumbled on the presence of soldiers in Mbuzini while he was monitoring his freqency-hopping radio.

That night, he said, “I was a member of special forces which was actively busy with another operation and using a C21 military radio. We heard pieces of messages coming through from 1 Reccie in the vicinity of the place where the plane went down of Samora Machel.” No mention was made over the radio of the nature of the special forces operation; the soldier said a blackout of information always meant it was a “black op” - a highly secret operation, details of which would only be known at a presidential and senior general level.

Another former national serviceman based at military headquarters in Pretoria has come forward to say on the night of the crash he was told he had to work late. His job was to provide refreshments for the military top brass, led by General Joubert. “He was there, [General] Kat Liebenberg arrived, Magnus Malan arrived. It was unusual because we had to work late and take refreshments up to them. These guys had an appetite, they were hungry,” said the national serviceman, who has asked that his name be kept out of this report.

Also there that night was former electronic warfare head Lieutenant- Colonel Mossie Basson. He has confirmed the presence of Joubert, and says by some strange coincidence there was a secret operation under way that night. However, he says it had nothing to do with the Machel plane crash.

The South African Air Force has admitted it was tracking the Russian aircraft on its radar system that night, and saw the plane making a wrong turn. One has to wonder why it never bothered to communicate with an enemy plane heading for South African territory. Surely the obvious thing to have done was to point out that the Russian plane had made a wrong turn and warn the pilot he was about to encroach on South African airspace.

The Renamo and special forces link is given weight by another piece of evidence from former Renamo operative Paulo de Oliveira,who was based in Lisbon at the time. He was the man South African military officials in Phalaborwa would radio whenever they needed Renamo to claim responsibility for operations executed by South African special forces.

Several days before the crash, De Oliveira’s South African military contact in Phalaborwa sent him an urgent message: “Pay attention to the news and stay near the telephone and so on, because something big is going to happen.” That was two or three days before the crash.

Several hours after the crash, De Oliveira received further orders telling him to remain on standby as “Renamo might have to claim responsibility for shooting down Machel’s plane”. By midday that instruction had been withdrawn and the accident was never spoken about again.

De Oliveira handed himself over to Frelimo in 1988, and he provided details of South Africa’s ongoing support for Renamo long after the Nkomati Accord had been signed.

A senior military colonel now retired from the army has confirmed there were also members of the signal intelligence division (Sigid) in Mbuzini on the night of the crash. He describes a Landrover that he says was in the area over the period of the crash, under the command of Sigid. Inside the vehicle was sophisticated electronic equipment used to unscramble frequencies, monitor signals, etc. Residents in Mbuzini spoke of seeing a Landrover in Mbuzini at the time of the crash.

A former national serviceman in the air force working at Snake Valley 4AD says in the weeks preceding the Machel crash he saw a beacon being built. He describes a piece of equipment powered by a Kawasaki motor, mounted on a small trolley with a klerkmast attached to it. When he asked why it was being built, he was told: “It’s a secret operation that has nothing to do with you.” It disappeared over the weekend of the crash.

Compare these descriptions of communications systems contained inside a Landrover and an electronic device mounted on a small trolley to the technical information provided in the Mozambican report attached to the Margo inquiry.

A British-based VOR manufacturer states that transmitting a false signal that mimics the Maputo beacon is “a simple task and an effective method of boosting the output of the required radials from a given power source. It could be readily accomplished with a vehicle-mounted unit using two standard motor-vehicle batteries in series as a 24-volt supply and a directional horizontally polarised antenna ...The simplest and most effective way to produce accurate radials would be to switch off the Maputo DVOR during the period any mobile decoy VOR was activated.”

Kirby dismisses this technical information contained in the Mozambican appendix to the Margo report and casts aspersions on the source of the information, stating it was “acquired from an un-named British VOR manufacturer”.

One wonders if Kirby actually bothered to read the full Margo report. It clearly states in a letter from Mr R Chippendale, an accident investigator from New Zealand, that the information is gathered from Bill Eastwood, the technical director of the reputable London-based Racal Avionics, and his associate, Ron Hazel. Both letters are signed by the two men and their full addresses are supplied. Racal Avionics was the manufacturer of the Maputo VOR and well acquainted with the product in question.

Both Casadei’s allegations and the intelligence documents indicate the Maputo beacon was indeed switched off.

According to Casadei, ground-control staff were removed from their posts shortly before the plane was due to land, the radar was not working and it’s possible that the Maputo beacon was also switched off. If the Maputo beacon and/or the radar was switched off and the crew deliberately confused during descent, said Casadei, optimum conditions would have been provided for a decoy beacon to be used to lure the plane off course.

The Russian Civil Aviation report backs up the theory of a decoy beacon. It provides a body of technical information arrogantly rejected by the Margo inquiry. It is also dismissed in a couple of sentences by Kirby, who seems to fall into the old “reds under the bed” trap that portrays Russian pilots as stupid and their inquiry as nothing more than communist propaganda.

The Margo inquiry blamed the Machel crash on pilot error. A key aspect of the Russian investigation is documented evidence that another plane flying along the same route as the Tupolev intercepted the signal of a false beacon.

The report states: “Pilots of the commercial aircraft Boeing 737-200 C9BAA of the LAM airline stated that the board navigation equipment on their aircraft picked up the Maputo beacon unusually early ... The same signal of the false VOR was received by the board equipment on the Boeing 737 aircraft of the LAM airline.”

This evidence is not conclusive, but it casts sufficient doubt on Margo’s findings to call for a new inquiry. It also raises questions about the failure of the commission to adequately probe key issues like the presence of the military in Mbuzini.

Certainly there is no doubt that the crew of the Tupolev 134 made some serious errors, most notably when they ignored the ground warning signal shortly before impact. But by then it was too late. At that stage they believed they were landing at Maputo airport, even though it was pitch black. These pilots, who had thousands of miles of flying experience, were used to landing in darkness, as the electricity at the airport was frequently switched off by the South Africans.

Even if the crew had realised that they had made a wrong turn, I am convinced they had no chance of surviving. There is strong evidence to suggest the presence of highly trained special force members in the area. If the plane did not crash, the military would always have had a plan B and be prepared for every contingency. Perhaps they were waiting to shoot down the plane if the decoy-beacon plan failed.
But the plane crashed in South African territory and South Africa was then able to control the accident investigation .

(1998) Debora Patta is the news and special assignments editor of Radio 702 and Cape Talk. She has been investigating the Samora Machel crash for the past 10 months, and this report is a compilation of special reports broadcast on 702 and Cape Talk from October last year.

historial

Nascido em Lisboa em Setembro de 1959, Paulo ‘Makwákwa’ Oliveira vai com a família para Moçambique em Agosto de 1960, residindo em Lourenço Marques (Maputo) até Setembro de 1979, altura em que volta a Portugal. Praticante e instrutor de paraquedismo com licença de queda-livre no Aeroclube de Moçambique em 1978/1979, e cursou Engenharia Electrotécnica na Universidade Eduardo Mondlane.

Em Portugal integra em Agosto de 1981 a ala externa da Renamo, e é na África do Sul torna-se director da emissora rebelde Voz da África Livre. Em 1983/1984 opera em departamentos militares de Pretória ligados à guerra psicológica e análise de informação. De novo em Lisboa após o Acordo de Nkomáti entre Moçambique e a África do Sul assume a direcção da revista da Renamo, sendo nomeado depois delegado do movimento para a Europa Ocidental. Simultaneamente tem funções de jornalista e colaborador free lancer em diversos órgãos de informação portugueses.

Após sete anos abandona a Renamo em Outubro de 1987 por divergências quanto ao excessivo controlo sul-africano e à linha de actuação do grupo. Ainda em finais desse ano edita um primeiro número de um boletim independente sobre Moçambique e a África Austral. Em 14 de Março de 1988, e contando com uma certa liberalização do regime, regressa a Maputo, onde vive até finais de 1991. Além de programador de computadores tem como áreas de interesse a leitura e a escrita, versando a Teoria da Informação, e elabora textos como 'Da Suméria à era pós-moderna e à Memética', os Fractais e a Teoria do Caos. Tem alguns programas afins desenvolvidos em Visual Basic
.

 

 


368 páginas. Ilustrado. Capa mole c/badanas
Formato 16×22,5 cm Colecção HistóriaViva 
ISBN 972-559-273-5
P.V.P. € 12,00 (IVA 5% incl.)
 


 

 

Operação D7

Mak, ele mesmo se define - ‘fui apanhado no gume da História’. Partido entre dois mundos e duas ou mais épocas ele é alguém perturbado, muito perturbado.
 Perturbador sobretudo. E conhece bem como usar essa faceta nos seus intentos, feitos de uma amálgama de cinismo, loucura e aventureirismo, naquilo que, para ele, considera ser apenas a ‘verdadeira justiça’.
Teimoso e obcecado, extremamente convencido, consegue assim e a partir do seu caso e trauma pessoais, aglutinar uma horda fanática e heterogénea em autêntica cruzada revanchista anti-francesa.
Mak não deixa contudo de ser mordaz e acertar nalguns alvos ‘malditos’ - com ou sem aspas. No fundo, será difícil dizer qual a faceta de Mak que sobreviveu a todo o ritual contado nestas páginas. LER MAIS
 

 
 

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook