sábado, 23 de abril de 2016

Quando aplaudimos a nossa desgraça

DÍVIDA PÚBLICA
ONDE ESTÁ A MOLA emprestada aqui ali acolá?
É minha, tua e nossa questão
1. COMO MINHA QUESTAO
Antes de me alinhar o que vem se vociferando, permitam-me trazer a minha pobre reflexão, aquela não revestida de alto conhecimento científico, para por mim mesmo, sem influência outrem analisar a minha questão.
Para começar, quando o antigo Presidente ARMANDO EMILIO GUEBUZA, foi eleito e reeleito para o segundo mandato assistimos uma alavanca económica e um movimento de infra-estruturas em todo País
(Ninguém perguntou a proveniência dos fundos)
Quando em 27 de Novembro de 2007, na voz do Presidente Armando Emílio Guebuza anuncia ao País e ao Mundo inteiro a partir da Vila de Songo, Província de Tete que o processo de reversão da hidroeléctrica de Cahora Bassa estava concluído e a CAHORA BASSA JÁ É NOSSA
(Ninguém perguntou a proveniência dos fundos)
Quando no mandato do Presidente ARMANDO EMÍLIO GUEBUZA, alocou 7 milhões de meticais em todos os distritos do País com objectivo de produzir comida e criar postos de emprego
(Ninguém perguntou a proveniência dos fundos)
Quando o governo de Armando Emílio Guebuza, reconstruiu estradas, pontes, escolas, hospitais, destruídos por alguns Moçambicanos no tempo da guerra de 16 anos
(Ninguém perguntou a proveniência dos fundos)
Quando o governo de Armando Emílio Guebuza, construiu a ponte sobre rio Zambeze apelidada pelo seu próprio nome
(Ninguém perguntou a proveniência dos fundos)
Quando o governo de Armando Emílio Guebuza, construiu o AEROPORTO INTERNACIONAL DE NACALA
(Ninguém perguntou a proveniência dos fundos)
Quando o governo de Armando Emílio Guebuza, construiu novos hospitais de raiz, como hospital distrital de Nacala
(Ninguém perguntou a proveniência dos fundos)
Quando o governo de Armando Emílio Guebuza, anuncia o Projecto Circular Maputo
(Ninguém perguntou a proveniência dos fundos)
Quando o governo de Armando Emílio Guebuza, anuncia o projecto Ponte sobre Katembe
(Ninguém perguntou a proveniência dos fundos)
Quando o governo de Armando Emílio Guebuza, tomou a decisão de Moçambique acolher jogos Africanos de 2011, onde Zimpeto tomou a categoria de vila olímpica pela dimensão das infra-estruturas desportivas erguidas naquele bairro da Cidade de Maputo
(Ninguém perguntou a proveniência dos fundos)
Quando no mandato de Armando Emílio Guebuza, anunciou que o acesso da educação da 1ª a 7ª classe seria de forma gratuita, assim como para obter livros das respectivas classes.
(Ninguém perguntou a proveniência dos fundos)
Quando no mandato de Armando Emilio Guebuza, pediam ensino superior em todas províncias e ele expandiu universidades públicas e privadas em todas as províncias até em alguns distritos, com objectivo de formar académicos que contribuiriam no desenvolvimento deste País.
(Ninguém perguntou a proveniência dos fundos)
Quando assolou a crise económica financeira e o governo de Armando Emílio Guebuza, como forma de minimizar o seu impacto ao nível da população, subsidiou as gasolineiras e panificadores para evitar a subida de combustíveis e de pão
(Ninguém perguntou a proveniência dos fundos)
Isso mesmo
Todos esses investimentos públicos e despesas que anunciei e muitos outros que aqui não mencionei, são bens públicos e não privados e muito menos não são propriedades do cidadão Armando Emílio Guebuza
Se tivéssemos a coragem e cautela de conferir o custo de cada realização, com a sua respectiva fonte de financiamento ao longo dos dez anos de governação de Armando Emílio Guebuza, julgaríamos melhor, com real conhecimento de causa e devidas evidencias.
2. AINDA SOBRE A MINHA QUESTAO
Se mais de 50% da economia de Moçambique é proveniente da ajuda externa, onde envolve um conjunto de recursos humanos, financeiros e materiais que, sob a forma de donativos ou empréstimos, são transferidos para os países necessitados, directamente pelos organismos estatais do País doador ou, de forma indirecta, através dos vários organismos multilaterais financiados pelos países doadores. Neste caso, através dos vários bancos regionais, dos múltiplos organismos das nações unidas, da comissão europeia, entre outros (Monteiro, 1997).
Quando o assunto da divida pública sobretudo do FMI, me parece que alguns compatriotas constitui novidade pela primeira vez ouvir que o País está endividado.
Será que há dúvida que Moçambique está endividado?
Sabendo-se que estávamos numa fase de reconstrução após guerra?
Se não fossem empréstimos, onde sairia o dinheiro para financiar todas infra-estruturas construídas em apenas dez anos de governação?
Será que com a governação do Presidente Armando Emilio Guebuza, o País ganhou uma elasticidade e capacidade de produtividade económica capaz de auto financiar-se sem recorrer aos empréstimos de ali aqui e acolá?
3. ONDE QUEREMOS CHEGAR?
Quando aplaudimos a nossa desgraça?
Quando sentenciamos a um individuo que não foi julgado e nem foi notificado?
O que defere com aqueles que mandaram amigos inimigos para destruir o IRAQUE por causa de supostas armas nucleares até então que o País está em cinza, não foram confirmadas?
O que defere com aqueles que mandaram amigos inimigos para destruir a LIBIA por causa de suposta ditadura de Muammar Khaddaf? Quando na verdade a Libia era o País mais seguro, socialmente e economicamente estável da África?
4. O MAIOR PROBLEMA DO PAÍS
É de produzir indivíduos intelectuais que diariamente consomem muitas páginas de vários autores de diferentes espécies de livros e no fim produzem problemas e não soluções.
5. COMO SOLUÇAO DA DÍVIDA PÚBLICA
O Governo Moçambicano já avançou, brevemente terão esclarecimentos encorajadores, ainda bem que contínua o mesmo governo da FRELIMO, porque da maneira que a coisa é interpretada por alguns compatriotas, se o assunto fosse gerido ao nível do governo de Março, esta divida sairia de pública para privado (ele mesmo, vai atrás do assunto) isso mesmo.
Agora se de facto queremos Moçambique com divida ZERO, vamos aumentar a produtividade e possuirmos todos os possíveis recursos para futuramente anunciarmos a nossa total e completa Independência Económica.
Em alguns sectores argumenta-se que há
uma campanha contra Erik Charas, vinda
de alguns círculos do regime por causa de
posicionamentos contra a administração
Guebuza que o seu jornal assumiu no passado.
Quer comentar?
Eu acredito que sim! Não acho que o presidente
Guebuza tenha algo a ver com isso, mas como diz o
Azagaia, numa das suas músicas, ele criou pelo menos
uns 40 cães de raça que até hoje atacam sem dó,
nem piedade quem eles sentem que devem atacar,
incluindo pessoas dentro do partido como já vimos
isso acontecer no passado. Falo concretamente do
G40. Esses elementos hoje estão aí, sem muito uso
e sem a gratificação que acham que merecem pelo
que fizeram e por tal continuam à procura de osso
para roer. Querem fazer valer a sua utilidade. Não
tenho dúvidas nenhumas que há uma campanha
contra mim sim, e que se intensificou nestes últimos
dias. E reparem que para derrubar Erik Charas, eles
não medem esforço, nem que isso signifique derrubar
e impedir de acabar o sonho de 600 pessoas.
Importante realçar que o meu telhado é de vidro
neste aspecto. Como expliquei antes, temos a devida
quota parte de responsabilização do projecto,
mas daí a diabolizar o projecto e o seu mentor,
considerá-lo um pesadelo ao invés de focar no que
o projecto tenha de positivo, é uma pura e absoluta
maldade, mas também uma irresponsabilidade de
dimensões titânicas. Afinal, desde quando o ataque
ao projecto irá fazer ou trazer algo de positivo, até
para os próprios clientes e trabalhadores que pensam
estar a defender. Afinal, se o projecto não avançar,
diaboliza-se Erik Charas, validam-se as teses
de que estou a soldo de influências externas, mas no
fim sou incompetente e depois? Quem vai proteger
os clientes? Quem vai acabar as casas deles? Isso
não é irresponsabilidade? Neste país temos sim pesadelos
de grande dimensão.
A pesadelos se refere?
A EMATUM. É nisso que deveríamos conscientemente
focalizar pois foi um processo deliberado,
que nos está a trazer a todos (incluindo ao projecto)
consequências nefastas. Uma fatalidade à nascença,
concebida com as piores intenções desde o início.
E pior não sabemos como acordar desse verdadeiro
pesadelo e em consciência. Estamos a tentar resolvê-
lo para que não sejam os nossos filhos a pagar
por isso.
Este projecto (Casa Jovem), no processo de turbulência
em que está, não se equipara, nem de longe
a verdadeiros pesadelos que vivemos todos os dias
neste país. O projecto de cariz privado, sem nenhum
apoio ou benesse do governo se propôs a trazer uma
solução e alternativa de habitação ao jovem. O projecto
andou e já deu provas de que é possível. Navegou
mares difíceis e seguiu em frente continuou a
produzir. Agora que finalmente começa a encontrar
mares calmos, e que estamos preparados para dar a
volta e realizar na totalidade o sonho, então é que
vem apelidá-lo de pesadelo? Só podem estar a brincar
comigo e com os 600 jovens e mais outros 300
que ambicionam ainda adquirir casas a preços que
não existem no país, nem de forma bonificada.
Este projecto está e sempre esteve munido de boas
intenções, e teve percalços no caminho, mas não
é, nem nunca foi uma fatalidade. Por isso, acredito
sim que há sim uma tentativa de distrair a sociedade
diabolizando Erik Charas. Afinal de contas é preciso
continuar a entreter né? Dhlakama já está desarmado,
agora há uma pausa e então há que encher o
espaço com outras coisas...Eu sou de uma geração
que sabe que depois de tempestades vem arco-íris, e

é para lá que caminhamos.

DÍVIDA? PARA QUÊ E PORQUÊ?
Ultimamente tem se falado da descoberta de uma dívidas aparentemente escondidas pelo Governo, e que o FMI não tinha conhecimento. Essa dívida, no total soma quase um bilião de dólares, e foi contraída junto de um banco suiço e outro russo. Isto é, não foi contraída junto do FMI.
Até aqui tudo bem. Tudo bem? Não!
Moçambique é um país do terceiro mundo, e não tem fumdos como qualquer país do terceiro mundo, mas tem necessidade de desenvolvimento como qualquer país.
Em 2008 Moçambique tinha uma dívida de 5 biliões de dólares, que foi contraída junto do FMI para a reconstrução pós-guerra, isto é, para reconstruir estradas cortadas, pontes, escolas e hospitais destruídos, entre outras coisas.
Esse valor foi a acumulação de acumulação de empréstimos que serviram para a reconstrução do país, pois este não produzia.
Ok, o que segue depois da reconstrução? Se o povo moçambicano quiser que o país fique estagnado, então não podemos, como país, contrair mais dívida, mas se quiser avançar, é imperioso que procure dinheiro para viabilizar os seus projectos.
Mas há uma forma de Moçambique parar de contrair dívidas? Claro que há. E esse caminho é ser autossuficiente, e produzir tudo o que o país precisa. E para isso precisamos de tornar robusta a nossa base produtiva, e termos capacidade de ser autossuficientes, aumentando as exportações e diminuindo as importações.
E para chegar aí temos que ter infraestruturas agrícolas como regadios, barragens para a retenção e captação de água para a agricultura e abeberamento de gado, implantar agro-indústrias e indústria transformadora, construir estradas, pontes e portos para o escoamento de produtos, comprar maquinarias agrícolas e industriais, construir mais escolas para a transmissão de ciência necessária para que tudo isso exista e funcione sem parar.
E como chegamos lá? Como chegamos a ter essas máquinas, indústrias, estradas e escolas bem apetrechadas, se o país não tem dinheiro para isso?
A resposta é que deve se ir contrair dívida. Como disse, em 2009, a dívida de Moçambique era de 5 biliões de dólares, o equivalente a quase 45% do PIB, e hoje a nossa dívida é um bilião, o equivalente a cerca de 30% do PIB.
Os Estados Unidos têm uma dívida de quase 14 triliões de dólares, e está em primeiro lugar nos países endividados; Portugal tem uma dívida de 498 biliões de dólares, e está em vigésimo lugar; a África do Sul tem uma dívida de cerca de 80 biliões de dólares e está em quadragésimo e quinto lugar, isto tudo em 2010.
Neste ano Moçambique tinha uma dívida de cerca de cinco biliões e estava no lugar 108! Sim, centésimo e oitavo lugar, e tinha uma dívida cinco vezes maior que a actual. Hoje, esta lista mudou, pois países como Portugal aumentaram a sua dívida, enquanto países como Moçambique diminuiram a sua dívida. Veja a lista e os valores:
10° Espanha – US$ 2.3 trilhões
9°Holanda – US$ 2.52 trilhões representando 344% do PIB.
8°Itália – US$ 2.65 trilhões
7°Japão – US$ 2.86 trilhões – representando 60% do PIB.
6° China – US$ 3 trilhões
4°Alemanha – US$ 5.54 trilhões
3°França – US$ 5.75 trilhões
2°Reino Unido – US$ 9.59 trilhões representando 406% do PIB.
1°Estados Unidos – US$ 17.75 trilhões
Fonte: http://top10mais.org/top-10-paises-mais-endividados-mundo/
Então vais te perguntar: SE ELES TÊM DÍVIDAS DESTE TAMANHO, PORQUÊ DIZEM QUE MOÇAMBIQUE NÃO PODE TER UMA DÍVIDA DE UM BILIÃO DE DÓLARES QUE REPRESENTA CERCA DE 30% DO PIB?
A resposta é que é para o teu país continuar a depender de fazer dívidas, ser um devedor eterno que não consegue sair de onde está, perpetuando a sua dependência.
Imagina se tu fosses como FMI, sendo um agiota, e tivesses um cliente que sempre paga as suas dívidas, darias dinheiro suficiente para ele fazer um negócio que lhe desse um bom lucro?
Claro que não. Um bom agiota deve deixar o seu cliente sempre dependente, e somente dá dinheiro para conseguir comprar pão para o chá do dia a dia e um saquito de arroz para sobreviver. E um bom agiota não gosta que o seu cliente tenha outro agiota, porque isso significa perder dinheiro. É isso que o FMI está a fazer.
Moçambique já foi cliente do FMI, e já deveu mais de cinco biliões de dólares e pagou. Pensa que o FMI vai deixar barato?
Então, pensa. Pensa muito e com lógica. Procure factos e conheça-os e depois toma a decisão.
PS: Seria muito bom se voltasses a ler isto

Saiba quais são os 10 países mais endividados do mundo atualmente. Você vai se surpreender com o primeiro país da lista. Confira!
TOP10MAIS.ORG|BY ADRIANO LUCAS


Os que endividaram o país para encher os bolsos terão de ser responsabilizados* - Por Carlos Mairoce

Onde se meteu o meu país? Moçambique já não é e nunca mais voltará a ser o mesmo. O país se tornou num centro de atenções pela negativa nos últimos tempos. A cada dia se acrescenta mais uma notícia má do que sabemos. Os ataques já nem são destaque de notícia, tornou se normal haver ataques. E o pior é que há pessoas que aplaudem pela morte dos outros. A vida tornou se banal na pérola do índico. Sequestros são o pão de cada dia e acontecem um pouco por todo o país. As execuções sumárias e assassinatos selectivos também já deixam de ser destaque das notícias devido à sua frequência. Os fantasmas da dívida da EMATUM que já iam desvanecendo ressuscitaram os moçambicanos com um pesadelo da dívida da Proindicus que não tira sono ao banco de Moçambique e ao Ministério das Finanças.
Perante esta gama de informações, o cidadão fica confuso e com a impressão de que as coisas estão mal e de facto estão. O poder de compra dos moçambicanos diminuiu. Não me refiro só ao poder de compra de viaturas usadas que baixou e continua a baixar consideravelmente, mas ao poder de compra de produtos básicos. E para piorar esta situação, produtos alimentares básicos aumentaram de preço. Moçambicanos empreendedores e sem emprego formal não podem mais viajar para certos lugares onde iam com frequência comprar produtos para posterior revenda porque as vias já não são seguras. A paz prometida pelo Presidente Nyusi não passa de palavras que o vento levou e nunca tiveram impacto. O único moçambicano que não sabe que o país está em guerra talvez seja ele e seus protegidos.
A nova dívida revelada por um jornal estrangeiro só veio agravar a situação do país. É neste cenário que o país se encontra. Nos cafés, transportes públicos, convívios, todos são unânimes em dizer que o país esta sem direcção e estamos a regredir em quase tudo. Ninguém quer ver o país retardado, mas a questão que poucos fazem é: o que eu como indivíduo posso fazer para tirar o país deste buraco? O que é que as instituições públicas e privadas têm de fazer para amainar a situação?
Como pessoas e como instituições precisamos de reformas. Quem conhece a realidade moçambicana sabe que as nossas instituições não funcionam ao nível que deveriam. A corrupção infestou todas instituições públicas, e repito, todas, desde o notariado, a justiça, os transportes, as finanças até às alfândegas, etc.
Um país que não funciona como o nosso, é como um televisor sem remote controlo, temos que nos levantar e tomar uma atitude ou então temos que nos conformar e ver o que não nos agrada. O desafio de cada moçambicano hoje e agora deveria ser lutar para impor ordem no país. Há muitas lamentações em praças públicas mas acções não existem. Há gente intelectual que está sempre certa e a apregoar suas ideias, mas nunca vão a acção. A responsabilidade de mudar o rumo do nosso país é nossa e de mais ninguém. Os outros podem dar um apoio técnico, ou estratégico, mas nós é que temos que trilhar o caminho para fazer o país que queremos
Porque é que cerca de 25 milhões de pessoas estão a assistir o país a ser sepultado por amantes das armas? É preciso agir e é já pois estamos a ficar sem tempo, o estado está capturado por gangters e nós como cidadãos temos de tomar uma atitude, não se trata de interesses individuais, mas sim os nossos interesses comuns estão ameaçados. Não se pode tolerar uma corrupção de baixo nível como a que se tem assistido. Não se pode tolerar a inactividade da Procuradoria-Geral da República. Não existe intelectualismo nenhum que possa defender tanta impunidade junta e se há algum intelectual por aí que defende estes actos deve estar fora de si. Neste preciso momento, mais do que ninguém o país precisa dos seus verdadeiros filhos, dispostos a esticar a corda de modo a repor a ordem. Intelectuais de estômago e presos a doutrinas partidárias são as piores criaturas neste preciso momento pois põem interesses individuas antes dos interesses da maioria.
Precisamos de pessoas que não têm medo de serem caladas amanhã por um tiro ou por um jato de água. O país está a se desmoronar ao olhar cobarde de pessoas que poderiam ter dado o melhor de si. Estão todos a assistir porque têm medo de perder o pão, tem medo de perder o único e pouco salário que tem, tem medo de ficar sem combustível para a sua viatura, tem medo que o chefe saiba que pensa diferente, tem medo de ser diferente, tem medo de ser igual a si mesmo. É o círculo do medo que está por detrás desta desgraça.
Já agora, onde estão as OSCs e ONGs? Por que é que os organizadores das grandes marchas não se reúnem para tomar uma atitude perante a EMATUM, a Proindicus, a Guerra e Sequestros? Será que estão a implementar projectos de emponderamento das comunidades? Como emponderar a uma sociedade em que está a sofrer de medo? Não seria viável abandonar os pequenos assuntos e tratar dos assuntos relevantes que estão a preocupar o país? Será que não há dinheiro para financiar conferências nacionais para debater a solução da crise em que o país se encontra?
Onde estão as igrejas? Não falo daquelas que andam a marchar ao reboque dos partidos, falo daquelas Igrejas destemidas da qual uma vez fiz parte? Onde estão as congregações religiosas que se dedicam a promoção da Justiça? De que estão a espera? Onde estão as Universidades que graduam milhares de mentes silenciosas ao ano? Onde estão aquelas instituições que andam a fazer barrulho por aí a dizer que estão a formar líderes do futuro? Onde estão os homens e mulheres de bom senso e de senso comum? Enfim, somos todos coniventes deste sistema, sempre fomos e somos nós que fizemos tudo para que ele chegasse aonde está hoje. Infelizmente, de lá onde o pusemos o país não saíra se não tomarmos uma atitude como cidadãos comprometidos. Temos um governo que nos merece….
O conformismo, a fraca análise crítica e o medo do activismo estão a destruir este país. A nossa decepção é o preço do nosso conformismo e do facto de esperar que alguém faça algo por nós. Não podemos ser expectadores da nossa própria vida; assistir coisas a acontecer; Nós podemos fazer muita coisa, mas o que nos falta é a coragem de sentarmos juntos e debatermos os nossos problemas e nossas dificuldades comuns. Não somos organizados e sem organização nunca haverá desenvolvimento. Há entre nós Moçambicanos pessoas que são portadoras de muito ódio, que dificilmente perdoam aos outros. A guerra dos 16 anos fez nos inimigos e nunca fomos capazes de sentar juntos e falar dos problemas do país como irmãos que desejam uma vida melhor para o seu país. Somos partidários fanáticos, individualistas, divisionistas e nunca lutamos para desenvolver o país, mas sim para enriquecer pessoas. Como país erramos porque sempre pusemos os interesses de um partido acima dos interesses do estado.
O desenvolvimento de que todos nós falamos começa com a nossa intervenção, com a nossa participação. Se deixarmos de lado as nossas diferenças partidárias, religiosas, desportivas e culturas, podemos alcançar muita coisa enquanto país. Uma luta armada não terá vencedores porque sempre fará inimigos. Pode o governo ganhar uma batalha em Gorongosa e a Renamo ganhar outra em Muxúnguè, mas isso não será garantia de eliminar os inimigos por completo. Mais cedo ou mais tarde os beligerantes terão de encontrar um meio-termo. Mais cedo ou mais tarde, os que endividaram o país para encher os bolsos terão de ser responsabilizados. Acredito que algum dia cada um terá de responder pelo que fez e pelo que deixou de fazer.
Por Carlos Mairoce
* Título da responsabilidade do @Verdade
@VERDADE – 19.04.2016
Posted at 21:28 in Opinião | Permalink ShareThis
Comments
1
http://static.typepad.com/.shared:ve5cf72d:typepad:pt_pt/default-userpics/14-50si.gif
rigthside said...
A situação bateu no fundo,ha que passar de uma economia formal ou informal para uma verdeira economia sob pena de se continuar a criar ilusões nos que em nela acreditam e participam. O Estado tem que se reorganizar, a sociedade tem que se começar a organizar-se os diferentes players têm que ter a percepção que a economia do desenrasca porque isto e aquilo tem que acabar de outra forma, golpes deste tipo correm um sério risco de continuar a existir.
E por falar em golpes, lembram-se da badalada plantação do maior eucaliptal de Africa algures em Moçambique? Vai uma aposta que dentro de alguns anos uma importante celulose vai ser criada nas proximidades? E de quem que serão os terrenos? Quem vão ser os associados? Quem vai presidir o Conselho de Administração? As apostas estão abertas! Não se abram os olhos que quando se der conta já é muito tarde.
2
http://up6.typepad.com/6a01b8d1a2226e970c01b8d1a22298970c-50si
Chuphai said...
Li atentamente o seu artigo, concordo consigo em muitos pontos, apenas quero comentar um pouco sobre o medo que existem nos Moçambicanos.
Tens muita razão quando dizes “nós os Moçambicanos…”, eu estou incluso e tu também estás incluso, em geral todos os Moçambicanos com a excepção de alguns quadros que se acham mais Frelimo que os outros.
 
Há muita ansiedade nas pessoas incluindo muitos membros do Partido no poder em querer mudar esta situação, mas esse quadros da Frelimo foram mais espertos ao promover a guerra primeiro. Mais uma vez eles que são verdadeiros bandidos foram a frente porque fizeram tudo para Dlakama fosse ao mato e iniciar uma guerra que as nossas atitudes como Sociedade Civil devem ser bem planificadas. Não podemos acordar dum dia ao outro estar na rua porque ou vamos levar o país ao caos. Posso explicar melhor o que pretendi dizer:
1. Alguma parte da Renamo está no mato e uma parte está na cidade, no caso de manifestação séria so vai ser nas cidades, as ditas FIRs vão nos matar mesmo já que defendem o regime que infelizmente já não merece ser defendido, enquanto as FIRs nos matam nas regiões onde a guerra agudiza os distritos vão sendo tomados pela Renamo armada e ai um caos autêntico neste país;
2. Digo que haverá um caos porque um país com governos improvisados por aí, para me vai ser pior. Vale pena termos um pouco de paciência, porque da forma como vejo este governo não precisa de pressa para cair, já está a cair por si mesmo. Vamos continuar a usar os meios pacíficos que temos, criticar, criticar e criticar sempre, se possível vamos manifestar mas deve ser uma manifestação bem organizada com instituições que bem mencionou: OSC, Organizações religiosas, ONGs, etc.;
3. Para me a guerra devia parar e dai fazermos a nossa parte, mas como a Frelimo foi esperta essa guerra se não para, dificilmente vamos ter coragem de ir a rua. Penso assim, porque vivo na província onde as balas estão a falar mais alto que as palavras. Província onde alguns distritos os homens da Renamo já ditam ordens, com alguns postos administrativos governados por troca, uma semana governo e outra semana Renamo.
4. Este governo vai cair, porque se alguns quadros da Frelimo de renomes já não conseguem esconder o descontentamento e as suas indignações perante a situação política actual.
Mesmo assim dou a si muita força e tenho fé que a mudança já chegou e espero que o filho mais querido do povo “Guebas” e sua família não esteja a planificar fuga para China onde acho já tem casa e hospedagem planificada.
PS. Ontem o meu primo que é militar da guarda fronteira que eu pensava que estava em Tete, ligou me dizendo que estava numa missão em Gorongosa. Disse que estavam a bombardear a serra, mas em vao porque dizem que Dlakama esta no Malawi hospitalizado. Conversamos muito mas ele disse que nenhum militar ousa subir a montanha para defender o salário mínimo…
Comments
Al-Aziz Ibn Sicapo Ate ai tudo bem! Mas o que preocupa neste momento nao é individar o país, mas a forma de como é criada essas dividas...
Se fores a ver a propria divida é feita de forma oculta, falta de informacao tudo isso, deixa uma nacao inteira mais bem preocupada!

Like210 hrs
Vasco Comé Tudo bem aqui o problema é de não esclarecer o povo moçambicano que temos tantas dívidas
Like19 hrs
Emerson Malate Bem falado, mas o que aconteceu é que esses dolares não serviram pra escolas, estradas, blablabla... E nem foi pra parte incerta, todos sabemos em que mãos anda boa parte desses milhões que teremos que pagar. Hah, agiota não empresta dinheiro a quem não tem capacidade de pagar, e os EUA e outros tem essa capacidade de individamento jà nos por cà estamos no limites.
Like15 hrs
Mateus Mucauro Passei o tempo a ler e analisar o fio condutor de quem escreveu o texto.
Acho que, para não cair em erros analistas, é importante pensar, não apenas na divida , mais sim, em para "o quê? " Moçambique contraiu a dívida, será para construir estradas, pontes ou fortalecer a economia, se assim fosse, por quê o processo passou por trâmites ilegais? Não passou pela assembleia e nem se sabe qual foi investimento, hoje data 23/04/16 já se fala de 7.5 bilhoes, e única coisa que se sabe é a história da Ematum 850 milhões e os 500 milhões, investimentos que não passaram por um concurso público e outros trâmites, e o resto?
Enfim, o relatório de FMI não foi contra a dívida , mas sim, duma dívida não assumida, por isso que o ministro saiu aos "babalasos" para explicar a dívida.
Comments
Paulo Rodrigues Assino em baixo..
Like2 hrs
Alexandre Joaquim Manhique Manhique Guebuza sempre foi Guebuza, o inimigo como ele é dificél de suspeitar hoje ja sabemos k é inimigo do seu próprio povo. O colono gente ñ tem cor mas é muito fácil discobrir através da sua própria ambição .
Like2 hrs
Paulo Rodrigues Um ambicioso eh sempre um ambicioso.. in Samora Machel..
Like2 hrs
Elmo Buene Estao malucos pk nao contou as empresas k guebuza teve durante seu mandato k antes nao tinha nao anda matrecar o povo ja abrimos o olho
Like2 hrs
Assane Nacumbe Assane Esse gatuno ja me irrita pah
Like11 hr
Zef MaCamo Xtá a lamber o kê e a kem??
Like1 hr
Elias Jo Socoia Sr,isto ai percebesse ,mas a questão é de ser dívidas secretas,coisas q não ajudam.
Like1 hr
Neclino Chaphata A questão é:

1. Porquê que esconderam as dívidas??

2. Onde é que foi usado esse todo dinheiro?

Não tendo resposta dessas perguntas, chegamos a concluir que, foi um caso flagrante de roubo.

Assim sendo como solução imediata:

1. Devolverem todo dinheiro.

2. Devolverem todo dinheiro.

E ponto final, fim da conversa!!

Like1 hr
Paulo Rodrigues em Moz ninguem responde nada..eh so deixar a caravana passar e vamos nos esquecer logo depois...esse eh o lema!
Like1 hr
Tal Mau Mas nao vamos esquecer que quem escreveu isso e um sacana da frelimo tentando defender a sua Equipa de traficantes corruptos assassinos ladroes
Like1 hr
Crimildo Orlando Dacalo Dacalo Acredito em ti Tal Mau
Like1 hr
Fernando Sousa Gatunoooooooooooooooooooo
Like1 hr
Helder Morais Magaia Ladrões e ponto final, querem
enganarem a quem? Mas porque vocês são insensíveis, defendo a imagem do partido além do povo que vos dá de comer. ? Um dia irão pagar por todo este mal que estão causando ao povo.

Comments
Miguel Cheia VAI A MERDA VC QUE ANDA A PUBLICAR ISSO. Es cego oque?
13 hrs
Samson Chambisse Chambisse Famba ti kundza gatuno d merda ta defender oque vc cao
2 hrs
Amadeus De Carlegues Seu estúpido.......Queres me dizer k as dividas contraída por este imbecil investiu nisso??
12 hrs
Miguel Cheia Quer que agente faça de conta pra uma coisa visivel. Vc e burro ou analfabeto?
12 hrs
Amadeus De Carlegues Porque E que ouve dividas secretas????
Onde foi este dinheiros????

12 hrs
Gisela Fernanda Sitoie Concordo com a reflexão
2 hrs
Pedro Rafael Sim aqui está um bom ponto de partida para meditar e buscar soluções e não confundir o pacato cidadão comum com insultos e acusações desmedidas. Parece que na enumeração, não se mencionou a ponte "Base Kassuende" que está aí. O nosso Presidente encarou o assunto da dívida com a frontalidade, esperemos.
Compatriotas, cuidado estarmos amarrados à dívida e esquecermos que temos o grande problema da renamo que está matando, está dificultando a produção agrícola, até já voltou às tácticas antigas de cavar estrada. Estamos a voltar ao estado da N1 em Mugulama, Nipiode, Chapada. .. só para citar exemplos tristes. Vamos, com a mesma força evocar o desarmamento da renamo. Se o País estiver em Paz a vida voltar à normalidade, de certeza Moçambique será o berço com que todos sonhamos. Uno, Democrático e Desenvolvido. Desarmar a renamo devia ser a maior aposta de momento.

1 hr
Miguel Cheia VAI A MERDA VC POR QUANTO SAO MILITARES QUE A MATAR DEPOIS SAI DIZ QUE E A RENAMO. Vai dormir longe pensa engana a quem pra o seu conhecimento o povo ja abriu a visao.
1 hr
Miguel Cheia Porque que fizeram a divida sem conhecimento do povo seus corruptos e ladroes.
1 hr
Germano Macário Quanta hipocresia em pessoa! Na minha probre reflexao, permita-me perguntar, se o senhor que escreve isto Comeu algum Atum???? E quantas anda o aeroporto de Na cama?? O projecto da Circular saiu do papel? Duvido da sua moçambicanidade. Nós pagamos impostos, para ter os Livros a custo gratuito.
53 mins
Afalume Husseine Concordo em 99,99% na reflexão.
O que falta é procurarmos solução. Não basta só críticas, mas sim também ideias que possam nos ajudar a superar essa dívida.

47 mins
Miguel Cheia Superar dividas que fizeram calandistinamente. Irmao se nao tens nada dizer e melhor calar assim vc so aquece as nossas cabeças.
45 mins
Miguel Cheia Ou voce e um deles diz?
Vamos lá falar com cabeça e números!

Na imagem está mostrada uma simulação das contas da dívida pública moçambicana (que é actualmente estimada como estando entre 30% e 40% do PIB). Se todos os quase 28 milhões de moçambicanos pagassem o imposto, então seria necessário que cada moçambicano contribuísse com cerca de 11 MT diariamente, durante 5 anos, para o serviço desta dívida.
Ora, já se disse que a dívida como tal não é o problema. O problema é explicar o que foi ou está sendo feito com o dinheiro pedido emprestado. Certo. Essa explicação está a ser preparada e será dada pelo Governo, muito embora isso não irá estancar o aumento do custo de vida que se está a experimentar em Moçambique. Mesmo sair para as ruas e marchar vai mudar esta situação de noite para dia. É preciso mais é ter paciência. E será mais fácil ter essa paciência, se for sabido com a maior brevidade possível qual foi o destino dado ao dinheiro que vai fazer com cada moçambicano pagador de imposto ter que contribuir com cerca de 60 MT diariamente, durante 5 anos (totalizando em todo o período aproximadamente 110.000 MT per capita), para o serviço desta dívida.
'Mbora' lá, Governo de Moçambique, explicar rápida e fielmente os contornos da dívida aos contribuintes moçambicanos, para acabarmos com o barulho! Também há-de ser melhor para quem tiver ir para a cadeia, ir mais cedo. Queremos moralizar a sociedade, que desconfia que foi defraudada pelo Governo anterior. A demora em explicar esta dívida, mormente aquela parte que foi reportada a partir do exterior, só consolida a desconfiança generalizada de que houve que houve alguém que se beneficiou sozinho do dinheiro pedido emprestado em nome do povo moçambicano. Não se deve, pois, permitir que este suspense continue por mais tempo, pois causa desconforto a todos, incluindo aos investidores e parceiros de cooperação.
Pode até ser verdade que houve descaminho de parte do dinheiro pedido emprestado secretamente pelo Governo de Moçambique. Não obstante, pessoalmente eu prefiro pensar que boa parte desse dinheiro foi bem aplicado no reforço da defesa da nossa soberania. Isto causa-me menos desconforto e me deixa com liberdade bastante para admitir outras hipóteses na tentativa de explicar porquê que este caso de repente virou um "escândalo financeiro de grande proporção".
Para mim, os sócios-accionistas do FMI ficaram irritados quando tomaram conhecimento—não hoje, mas há mais de um ano, creio—de que Moçambique contraiu com outras instituições de crédito um empréstimo para o reforço da sua capacidade de protecção e de defesa. Isto deve ter irritado os sócios-accionistas do FMI porque reforçar a capacidade defensiva de um Estado torna esse Estado mais soberano, algo que não convém aos interesses do FMI. Terá sido por saber disto—penso eu—que o Governo de Moçambique dirigido por Armando Guebuza não foi solicitar o empréstimo para esta operação de reforçar a capacidade defensiva do Estado moçambicano. Era aconselhável—creio eu—que esta operação fosse levada a cabo em segredo, ainda que fosse ilegal. A causa estava acima da lei, no legítimo interesse do Estado moçambicano de estar apto para se proteger e defender contra todo o tipo de mal.
O FMI sabia que não ia tardar que Moçambique solicitasse um empréstimo. Aí ensaiou a trama do "escândalo financeiro" para a inviabilizar a fuga de Moçambique ao total controlo por esta instituição multilateral de financiamento, que hoje funciona como instrumento de neocolonização. Deve ter sido mais ou menos assim:
«Bem, Moçambique já mudou de Governo; está na hora de agir para travar a fuga que o Governo anterior estava a tentar encetar do nosso controlo; na proximidade dos nossos encontros regulares com eles (o novo Governo de Moçambique), vamos mandar publicar aqueles créditos que o Governo anterior fez secretamente não connosco, que é para gerar uma onda de cepticismo no seio dos mercados financeiros internacionais e também gerar desconfiança no seio do próprio povo moçambicano; isso vai permitir que possamos impor condições que nos permitam voltar a ter total controlo sobre estes "malandros", quando eles vierem aflitos solicitar outro financiamento para a revitalização da sua economia…».
O resto entende-se facilmente. Portanto, o FMI só podia ter conhecimento de que Moçambique tinha títulos de crédito contraído junto a outras instituições com as quais o FMI troca informação no sistema financeiro internacional. Eu postulo que não foi dos jornais que o FMI teve informação sobre esses títulos de crédito secreto; foi o FMI que vendeu essa informação que tinha em seu poder à imprensa internacional. É por eu pensar assim que insisto que o FMI está a mentir quando diz que não sabia que Moçambique tinha uma dívida não registada no stock.
Enfim, pode ser que estejamos a vilipendiar Armando Guebuza injustamente. Pode ser que estejamos a ser muito ingratos para com o Governo que ele (Armando Guebuza) dirigiu, que tanto se esforçou em fazer na tentativa de assegurar a defesa da nossa soberania que parece que acabou cometendo erro uma crasso qual seja hipotecar a soberania que pretendia salvaguardar. Entendo que um dos maiores problemas é que as empresas criadas com os "títulos do atum" não estão a operacionais. Estou a pensar que se calhar exigirmos que sejam dadas todas as explicações necessárias por quem de direito (o actual Governo), antes de fazermos acusações, seriam o mais sensato. Que tal este Governo apressar-se a dar essas explicações? Por favor! A demora está a fazer mal à imagem da Frelimo junto do seu eleitorado e a fazer com que pessoas que aparentemente não têm demónios tenham pesadelos enquanto outras lançam alarmes de que a nossa soberania foi efectivamente hipotecada. E tudo isto num oportunismo político mal ensaiado que os tais acabam dando tiros nos seus próprios pés, qual diria o meu amigo Homer Wolf.


Julião João Cumbane's photo.
Mouzinho Zacarias Julião João Cumbane tu defendes bem esses tipos que ficaram podres de dinheiro e tu, coitado ao contentar_se com salário de professor universitário.
Like823 hrsEdited


Cleto Goncalves Estas certo
Like22 hrs
Julião João Cumbane Tu não me entendes, Mouzinho Zacarias, porque não és capaz de entender patavina sobre este texto. Que culpa tenho eu com isso?
Like322 hrs
Sergio Buque Mouzinho , não tenha tanta certeza , eu acho que o Prof teve alguma parte dos milhões , ninguém defenderia uma causa tão banal como a que ele defende . Mesmo correndo o risco de a sua reputação ir abaixo e se um dia haver convulsões ele também estar na lista atoa . Ele também deve ser investigado .
Like922 hrs
Mouzinho Zacarias Os que fizeram a dívida tem condomínios de luxo,hotéis,carros de última cilindrada,jacto,tem acções nos bancos e empresas,contas gordas,importam mulheres do Brasil e cabo_verde..e tu Julião o que tens ???ao ponto de defenderem esse tipos com unhas e dentes??
Like121 hrsEdited
Julião João Cumbane E despois, Mouzinho Zacarias? Digamos que sim, eles têm isso tudo. Achas que por causa disso que estás ou és pobre? Usa lá a tua cabeça para pensar, caramba!
Like20 hrs
Edy Manuel E dai que queremos esses tipos na prisao, bando de incompetentes.
Like111 hrs
Henrik Sam Paindane YA. Buscando razao a força Julião João Cumbane, são esses professores que deformam alunos. Quando o aluno coloca 2+2=5 esta errado e nenhum argumento torna a conta certa, senão para os alunos da turma de JJC que de "prissor" duvido que tenha algo. Renitente e prepotente. Me bloqueia, é o unico argumento que tens.
Like18 hrs
Sadoque Elias Tenho lido quase todos os seus comentários sobre o assunto do dia e as vezes me questionava sobre determinados posicionamentos... Mas com o andar do tempo e nao te dando razao na plenitude, tenho que concordar consigo em muitos aspectos.
Sobre a divida pública, realmente há que ter muita atenção e analisar com cautela os seus contornos... Também acho que há algo estranho por detraz disto tudo... Onde realmente querem nos levar com tantas bombas e tentativas de desistabilização da nossa patria amada

Like122 hrs
Nelsoncarlos Tamele Nos jovens precisamos nos formar, sim e um facto. Mas precisamos igualmente de ter condicoes mininas p q esse proposito seja concretizado ilustre. Prof. JJC, eu particularmente sou grande apreciador dos seus discurso e sobretudo a forma logica de expor os mesmos, porem, neste post quando quando diz o Jovem nao pode/deve deixar se manipular pelo sofrimento, me parece q o ilustre esta completamente equivocado! Ou talves sempre foi fidalgo, dai nunca ter provado o fel do sofrimento! O sofrimento ilustre mudo toda a estrutura de planos, desejos e sonhos! Ha pessoas q passam pelas situacoes tao criticas q as levam a projectar so o objectivo de sobrevivencia. Dai que as vezes precisamos moderar na forma como lancamos criticas ao jovem! Digo isso pq quando olha p o cenario actual do custo de vida, sinceramente falando nao ha como este jovem nao se revoltar contra os governante. Fica dificil dar o lugar da emocao a razao! O custo de vida esta insuportavel ilustre! PS: muitas vezes emitimos opinioes em funcao daquilo q e a nossa situacao socio-economica, crenca e cultura. Dai reina o egocentrismo.
Like322 hrs
Nelsoncarlos Tamele Mas contudo, gostava de partilhar este teu post ilustre, pois acho q tem mtas ideias positivas e construtivas q realmente conctituem o objecto de reflexao p muitos de nos. Principalmente aos acedemicos. Nao sei se me permite?
Like122 hrs
Álvaro Xerinda Tudo bem. E a responsabilidade em tudo isto?
Like22 hrs
Eusebio Jaime Sr JJ, não és coerente quando falas da lei, digo isto porque noutros foruns ou tvs onde comentas falas apenas de k fulano está a violar a lei e nunca procuraste a razão k hoje procuras. Imagina se isto tivesse acontecido com o partido k quando viola "viola"? Defenda lá k sejam responsabilizados os infractores, a razão será procurada no tribunal.
Like522 hrs
Toninho Tembe A criatividade dos moçambicanos de longe supera a de muitas nações, há que tirar chapéu e este post é prova disso, logo no titulo já diz “Violação justa de regras e da lei” penso que o nosso professor Juliao Joao Cumbane deve ter problemas básicos de filosofia e não é sem razão, como diz Montesquieu, as pessoas estão livres de violar uma lei quando esta fere o espírito da nação, isto é, fere a moral e a ética publicas do povo que visa normal, tal como Martin Luther King violou a lei ao marchar em Boston contra o racismo a nos anos transactos, tal como Mandela, ANC e Frelimo violaram a Lei dos colonialistas para protestar contra a colonização, ate aqui não há problema em violar a lei, porque ela é injusta e como diz Montesquieu, uma lei injusta não é lei. Parece que o nosso ilustre professor tenha-se confundido nas coisas ao longo do texto, eu até pensei que fosse apelar para a filosofia para tal mas nada procurou, e com sucesso, entrar no mato e de lá nunca mais saiu. A criatividade reside exactamente nisso procurar argumentos para negar o óbvio, eis a grande lição que o ilustre professor nos deu nesse post. Se o mais alto magistrado da nação viola a constituição e abusa o poder e as funções, poderemos dizer que abusou ou violou-as porque são injustas? Acho que não. A ordem dos advogados emitiu o seu parecer a denunciar isso, e parece que quanto mais tentamos negar o óbvio mais provamos a nossa mediocridade – com todo respeito – mas é que parece, pretender que tantos economistas, juristas, cientistas políticos, instituições internacionais e nacionais estão equivocados e só os pro-Frelimo é que são tão lúcidos ao ponto de verem justiça na violação de lei, não da para engolir. Esse argumento só é aceitável vindo dum partidário mas não dum académico, teria reticências em ser seu aluno nesse caso. Sem ofensas
Like621 hrs
Devis Gimo Obrigado ilustre, já quase me sufocava este post, chegando mesmo a questionar se este desfronto que sentia ao ler este post do Julião João Cumbane, não estaria relacionado com a formação que tive, quando se tratando de ciência lógica, não aprendi a filosofar, ainda assim considero um insulto, "violação justa da lei", vindo de quem jurou defendê lá. Ao que me lembro existe um parlamento para propor emendas na lei, é lá que se deve propor a alteração para acomodar as novas situações nas previstas e viola - lá sistematicamente, porque é justo que o faça.
Haja paciência, para terminar ainda me manda estudar.

Like17 hrs
Azarias Felisberto Tenho lido quase todos posts do prof e conclui que o prof é muito bom para ensinar boas coisas e outras muita erradas so para mostrar que ama o glorioso partidão . Não rendo quando fala''razao'' falada pelos filósofos porque ai o prof quase que sempre é contraditório, não é por falta de capacidades, mas sim desprezo pelo povo e falta de humildade . Não concordo quando manda a juventude estudar para mais tarde perceber estes escândalos práticados pelo cessante governo, fica a saber que este país é dos Moçambicanos analfabetos e alfabetizados, e nós os analfabetos somos os mais prejudicados deste drama e somos nós que fazemos funcionar a maquina deste país .
Like120 hrs
Julião João Cumbane Azarias Felisberto, nunca vais sair da pobreza, enquanto continuares a resolver problemas "zangado". Essa estória de estares a pensar que alguém te está a enganar aprisiona-te. Não podes fazer bom uso da razão com esse bloqueio que te é causado por essa crença de que alguém te está a enganar ou enganou. Quem te enganou? Como? Porquê? Vale a pena zangares por causa disso? Para ganhares o quê? E depois...nunca mais serás enganado? São estas e outras mais perguntas assim que uma pessoa que quer entender bem este assunto da dívida (e outros mais) tem que se fazer, antes de tomar uma atitude. Correr a fazer acusações só piora a tua dor, que é psicológica e devida à tua incapacidade de usares bem a tua inteligência. Esta é que é a minha mensagem.
Like120 hrs
William Damasio Mbeve Sr prof só queria lhe fazer algumas perguntas: tem certeza de que aqueles q abordam este assunto com uma visão diferente da sua estão zangados? Será que os mesmos não são moçambicanos tal e qual o Sr? Será que uma pessoa q trabalha no aparelho de Esta...See More
Like218 hrsEdited
Azarias Felisberto Obrigado prof, 1 não estou zangado mas preucupado com os problemas do país . 2 As perguntas que o prof me parece estar respondidas no comentariop.3 De pobreza não tenho nada, tenho salário, casas, carros, esposa e filhos .
Like16 hrs
William Damasio Mbeve Sr prof amigo, na verdade neste momento trata-se daquilo que está Frelimo não fez como devia ser feito. A Frelimo se fez bem o que neste país não significa que agora ou depois tem o direito de sobrecarregar o povo moçambicano retirando valores do Estado porque fez bem e defendeu-se do capital estrangeiro. A questão actual é que este partido-Estado foi buscar dinheiro em nome do povo mas que esse dinheiro,diz se, não foi aplicado devidamente, a Frelimo não deve satisfação ao povo, Sr prof? Porq não consulta ao "povo" se pode fazer este ou aquele negócio quando se trata de dinheiro do povo? Desde sempre este país foi governado pela frelimo, será que está frelimo não sabe q deveres? Por favor, prof, às pessoas não estão contra a história da felino estão sim a exigir transparência na coisa pública...
Like19 hrs
Jaime Carlos violacao justa, nuunca ouvi. senao os que roubam comida porque estao com fome nao seriam responsabilizados criminalmente.
Like218 hrs
Titos Cau Normalmente, uma pessoa que 'rouba' comida para se alimentar nao e condenada.
Like14 hrs
Julião João Cumbane Claro, Jaime Carlos, «nunca ouviste». E como nunca ouviste, não ocorre? Samora Machel falava de cabeças de galinha a referência a pessoas que pensam e agem como tu fazes aqui. Pensa mais pouco!
Like3 hrs
Titos Cau Apesar de tudo, devemos nos recordar sempre que o FMI e uma organizacao de "gangsters". Mostraram-no uma vez mais durante a crise grega. Diz-se que o mundo esta a viver uma terceira guerra mundial silenciosa. Veja-se como a China, Russia, Brasil, RSA, Eritreia sao ostracizados e atacados pelo ocidente. Mocambique e, sempre foi e sera um pais "rebelde" contra o sistema internacional de neo-colonizacao. Estejamos atentos aos inimigos da nacao.
Like114 hrs
Henrik Sam Paindane Buscando razao a força Julião João Cumbane, são esses professores que deformam alunos. Quando o aluno coloca 2+2=5 esta errado e nenhum argumento torna a conta certa, senão para os alunos da turma de JJC que de "prissor" duvido que tenha algo. Renitente e prepotente. Me bloqueia, é o unico argumento que tens.
Like8 hrsEdited
Julião João Cumbane Razão nunca se busca à força, Henrik Sam Paindane! Veja se tu sabes o que é "razão" antes de falar sobre como se "busca". Pelos vistos, este texto não para ti!
Like3 hrs
Henrik Sam Paindane Razao= verdade=demonstravel=factual=conhecimento. O senhor só engana os incautos. O texto não é para mim, pois quem o escreveu é um desvairado que precisa ser encaminhado ao infulene. A razao mostra que o governo omitiu a verdade/um facto que está sendo desvendado, bilioes de dolares para fins obscuros. O resto é filosofico.
Like3 hrs
Julião João Cumbane A tua ignorância (qualquer um de nós tem alguma, pelo menos) está aqui exposta: «Razao= verdade=demonstravel=factual=conhecimento». Razão não nenhuma destas coisas com as quais e igualas. Razão é uma faculdade—"faculdade de raciocinar, de compreender, de estabelecer relações lógicas". Nesta acepção, a razão é um recurso intelectual, usado no exercício em busca da verdade mediante argumentação. Noutros contextos, por "razão" também se entende "causa, motivo, justificação, bom senso". Todas as pessoas que andam aqui a dizer que «omitiu verdade» como tu bradas aqui, não estão a fazer uso correcto da razão, se é que usam alguma. São movidas pela ideia simplicista de que "alguém nos enganou". Esta ideia é até uma simples crença, contanto que não há prova de que assim ocorreu. Eu tenho estado a dizer que deixar que as crenças dominem a nossa imaginação causa um bloqueio ao uso correcto da razão em busca da verdade. Tu por exemplo, está a faculdade de racionar bloqueada por essa tua crença de que foste "roubado". Duvido até que tu pagues impostos. Como podes ter sido roubado? E se pagas impostos, quanto é foi roubado de ti? Sem respostas para estas perguntas, estás a falar no vazio e não adianta eu perder tempo contigo aqui. Vive tu com as tuas crenças!
Like2 hrs
Henrik Sam Paindane PRISSOR Nem sempre precisamos de ir ao diccionario para responder certas questoes, o que o senhor respondeu nao deferi da resposta que dei. Triste. Copy & Past, e isto wue queremos para o País?
Like2 hrs
Henrik Sam Paindane Nenhuma pessoa que contrariou a sua logica, respondeste com argumentos convincentes. Tchau
Like2 hrs
Henrik Sam Paindane Cansado de passar por aqui e ver discursos contraditórios. Ha meses eram apostolos da desgraça, os que hoje defendes como se defendesses as "partes" no momento de marcação do livre por parte de um jogador com um remate do "carraças".
Like8 hrsEdited
Julião João Cumbane Henrik Sam Paindane, neeste mural tudo se faz para evitar contradições. Quem chega aqui e vê contradições o mais provável é que esteja a vir de uma contradição consigo mesmo(a).
Like3 hrs
Henrik Sam Paindane Por vezes é necessario contemplar-se ao espelho do jeito como viemos ao mundo para conhecermos o nosso corpo. O vestuario nos engana e engana aos outros. Dispa-se das cores partidarias e tenta buscar a razao/verdade/logica no tema relativo aos emprestimos fantasmas do governo de AEG. Triste! Ainda bem que nao tive "prissores".
Like3 hrs
Maitu Buanango Uma colocação argumentativa muito bem conseguida e convicta. Parabéns, Prof. Continue assim. Pena que as pessoas com mentes quadradas e bloqueiadas não se dão tempo de ler e compreender a dissertação, ficando amarradas nas entranhas das suas ideias e religiosidade pre-concebidas.
Like17 hrs
Toninho Tembe caro Maitu Buanango a argumentacao obedece uma logica basica se voce comeca com violacao justa da lei entao significa que a lei e injusta e em nome da justica voce violou na, como disse ao seu prissor, deve reler "o espirito das lei" de Montesquieu para ter uma base filosofica apurada ou Luther King na carta que escreveu aos padres quando esteve preso por desobediencia civil, la ele tambem da bons argumentos sobre o porque de violar umalei injusta, quando o mais alto magistrado da nacao viola a lei isso e grave porque ele e o garante da constituicao, dilma rossef vai ser afastada por isso, se voce e o prissir estivessem no brasil ainda poderiam ajudar a ela a fazer compreender os demais o quanto estao equivocados por ha "uma violacao justa da lei"
Like15 hrs
Maitu Buanango Caro Toninho Tembe, estou certo de que acredita quanto eu que cada um percebe e interpreta um determinado fenómeno, justamente, até onde o seu intelecto permite alcançar. Por isso, desejo-te muita força e não canse de ler e reler as obras dos autores que mencionou, afinal, também aprende-se por "tentativa-erro". Aquele abraço
Like3 hrs
Azarias Felisberto Mano Maitu Buanango, devia aprender algumas coisas: respeito com a ideia do outro, saiber tambem que as divergências sao importantes para a convergência. Ao afirmar que os facefrieds tem mentes quadradas e bloqueiadas por ter uma visão diferente da tua depois assume que cada um tem a sua capacidade intelectual nao estará a contradizer se? ou por outra, o teu segundo comentario parece que''anula'' o primeiro, Enfim, tambem aprendi que o argumento é maior que a razão .
Like2 hrs
Andre Jorge Chifeche Outras coisas so dao para rir juro.
Like2 hrs
Brazao Catopola Julia, primeiro a contradição a violação não pode ser justa. O conceito de justo insere nele a noção de justiça e legitimidade e a violação insere o contrário. Não é uma questão de violação justa mas a legitimidade da violação. Segunda questão, querer forçar a entendermos que todo aquele que se manifeste contra a dívida oculta e má gestão do país é contra FRELIMO. Não. Não é isso como sabe Graça Machel, Teodado Hunguana, Tomás Salomão entre outros o fizeram e são quadros seniores e conceituados. As pessoas estão contra a governação. Repare que não é um ataque a Frelimo mesmo os vindo do mais leigo cidadão. O que as pessoas clamam é pela responsabilidade da divida (como ela foi feita e porque e ainda mais porquê terá de pagar) e responsabilização sobre a divida (cobrança a quem o fez sem o que acima descrevo como responsabilidade da divida). Vó e diz que Moçambique não beneficia e perde milhões a contratar. esta correcto. o que não está correto é imputar a razão da perda as empresas estrangeiras. As perdas são frutos dos modelos e interesses da minoria moçambicana quando fez o contrato. A quanto tempo Castel-Branco IESE e varios economistas mocambicanos vinham alertando sobre os modelos de contrato cujo benefício não era para Moçambique, mas um grupo de moçambicanos? O país decidiu criar empresas... muito bom e fe-lo com créditos. Dá para você imaginar as seguintes perguntas: como o Banco de Moçambique violou outro postulado bancário aceitando que se faça a divida? Eu explico a regra Internacional é também em mocambique nenhum banco pode dar empréstimo sem o histórico de rentabilidade do necessitado. como foi possível ceder a esse empréstimo sob sua responsabilidade se a tal empresa não tinha histórico de produção e rentabilidade? Não vê que se está a forçar uma explicação. Você diz o seguinte "quando a lei pode impedir a prática de actos justos ela pode ser violada". Vide o que você quis dizer ou pelo menos o que se pode extrair deste trecho. 1. A noção de justiça pode ser relacional, então sempre que alguém se julgar injustiçado pode violar. Ora, esta bomba que você lançou é do interesse de Djakama (pelo. menoss pode defender se usando seu argumento). É que tendo ele muitos apoiantes e seguidores, sendo ele portador da justicatsegundo os mesmos seguidores, pode ele Violar a lei, porque a noção de justiça se liga liga legitimidade. Que maldade essa frase diz. Por fim "lerdes muito". Estranho a não menos de 24 horas o ouvi maldizer das leituras...
Like1 hr
Henrik Sam Paindane Caro Brazao Catapola, o professor pensa que as pessoas devem se comportar como "sim senhor", e esquece que mesmo o esfomeado pode rejeitar a comida que lhe é servido sabendo que pode-lhe fazer mal. Houve má fé por parte das partes contratantes no que concerne as dividas contraidas pelo governo chefiado por AEG e que devem ser saldadas pelos povo. O povo é que forma o Estado e vice versa. Logo a divida deve ser paga pelo povo. Pago impostos sr. JJC e é com os impostos dos mais de 25 milhoes de moçambicanos que as dividas contraidas, em nosso nome, mas que cairam nas maos dos teus amigos serão pagas.
Like18 minsEdited
Comments
Jorge Antonio Calane Kito Você não esta bom de cabeça, afinal o que esses te deram para você andar a se fazer de advogado de meia tigila deles? Ntlan. Se todos moçambicanos pagassem impostos , você paga? Pobre dzi wena.
Like13 hrs
Julião João Cumbane Estás satisfeito que vieste "comentar" este 'post', Jorge Antonio Calane Kito?!
Like13 hrs
Rafael Ricardo Dias Machalela Um economista aqui!
Like23 hrs
Calvino Cumbe Já não se comenta muito os post's do professor porque será? Eu em particular não sou de comentar muito mas deixei de ser seu admirador por tanto defender a Frelimo.
Não sou membro mas voto na Frelimo desde 99 mas hoje é um daqueles dias q arrependo m d té-lo feito.

Like3 hrs
Alfredo Chambule Apenas algumas notas:

a) Qual é o valor total da dívida?
b) Em que foi utilizado o dinheiro?
c) Haveria quem pudesse emprestar em condições mais vantajosas?
d) Foi - o dinheiro -, correctamente utilizado?

O resto, para mim, tem muito pouco valor.

Like13 hrs
Raúl Salomão Jamisse Dinheiro aplicado no reforço à capacidade defensiva do Estado, já devo pensar que também desenvolvemos uma secreta "nuclear " com tanto balúrdio.
Like2 hrs
Zeca Becane Felisberto Sibia Se o imposto não é cobrado isso é fragilidade das instituições afins, mas a verdade é que todo moçambicano paga.

Para mim, a solução passa de devolver o poder a Guebuza para ele gerir esta situação, pois do jeito como o tipo e esperto ele pode conseguir contornar isso. Afinal e doutor honours causa em Economia e Desenvolvimento

Like12 hrs
Juma Aiuba "Também há-de ser melhor para quem tiver que ir para a cadeia, ir mais cedo."

Do tipo, acabar com a anciedade de quem irá a cadeia quanto cedo....See More

Like12 hrs
Mahiriri Ossuka Chapa custa 10 Mt, Pão custa 7.5, Tratamento de Malária 6 Mt....
Like12 hrs
Azarias Felisberto Bem pensado mas o prof esquceu que mais 9 milhões de Moçambicanos sao crianças e adolescentes, +- 10milhões economicamente não ativos ( velhos e outros''nada'' fazem )
Like12 hrs
Gaspar Americo Gove Que injustica, governo esta ser igualizinho a um chefe de familia que faz pactos com curandeiros depois diz que os filhos deve ajudar pagar, a pessoa foi provocar MULHIWA sozinho depois pra pagar envolve toda familia.consequencia Os filhos nao tem emprego, as filhas nao ficam no lar.
Like11 hr
Rafael Ricardo Dias Machalela 'Mbora' lá, Governo de Moçambique, explicar rápida e fielmente os contornos da dívida aos contribuintes moçambicanos, para acabarmos com o barulho! Também há-de ser melhor para quem tiver ir para a cadeia, ir mais cedo. Queremos moralizar a sociedade, que desconfia que foi defraudada pelo Governo anterior. A demora em explicar esta dívida, mormente aquela parte que foi reportada a partir do exterior, só consolida a desconfiança generalizada de que houve que houve alguém que se beneficiou sozinho do dinheiro pedido emprestado em nome do povo moçambicano. Não se deve, pois, permitir que este suspense continue por mais tempo, pois causa desconforto a todos, incluindo aos investidores e parceiros de cooperação. (...) Estou a pensar que se calhar exigirmos que sejam dadas todas as explicações necessárias por quem de direito (o actual Governo), antes de fazermos acusações, seriam o mais sensato. Que tal este Governo apressar-se a dar essas explicações? Por favor! A demora está a fazer mal à imagem da Frelimo junto do seu eleitorado e a fazer com que pessoas que aparentemente não têm demónios tenham pesadelos enquanto outras lançam alarmes de que a nossa soberania foi efectivamente hipotecada.
Like11 hr
Efraimo Neves Julião João Cumbane notei uma dose de seriedade neste post, embora não concorde que o antigo governo tivesse motivo aparente para contrair esta dívida e acredito que o objectivo era meter o dinheiro no bolso e tudo o resto foi um pretexto. Gostaria de houvir do actual deputado da assembleia da república o senhor Manuel Chang que disse que o único seu pecado tinha sido a EMATUM o que têm a dizer acerca da proindicus. Julião Cumbane deve conhecer um dos novos supermercados inaugurado a sensivelmente dois anos ou pouco mais que isso em Xai-xai antiga Kawena, chamado Saverite vai fechar devido à alta de preços e mais de 100 moçambicanos vão a desemprego, e no mês de Fevereiro no mesmo edifício fechou a Builders uma empresa de venda de material de construção e mais de 80 moçambicanos estão no desemprego
Like1 hr
Elson Guila Who is going to jail?
Like1 hr
Rafael Ricardo Dias Machalela You know. I know. My dog knows. Even the teacher knows
Like11 hr
Elson Guila Of course!
Like1 hr
Zefanias Augusto Namburete A única coisa posso dizer é que não vou poder pagar essas dívidas.
Like1 hr
Álvaro Xerinda O diabo também tem seguidores
Like11 hr
Daniel Augusta Zacarias Que eu saiba, para ser professor de fisica é necessario ter o dominio basico matematica. O "professor" JJC mais uma vez vem provar que nao exerce a profissao adequada. Nao percebe de matematica e muito menos de economia, para nao falar de economia politica. JJC, as tuas matematicas estao erradas. Aprenda uma pouco mas a macroeconomia e economia politica e so depois faça comentários sobre a divida pública, se faz favor!
Chipande reitera suas convicções sobre direito à riqueza
O histórico combatente da Luta de Libertação Nacional e membro da Comissão Política da Frelimo, Alberto Chipande, reiterou as suas declarações se­gundo as quais os membros do partido Frelimo têm o direito de enriquecer, porque lutaram pela independência de que os moçambicanos estão hoje a usufruir.
Em contacto com a nossa equipa de reportagem, Chipan­de não só disse reiterar as suas declarações, como também ins­tou os órgãos de comunicação social a difundirem “duas ou mais vezes ao dia” as suas decla­rações, de forma a permitir que o “povo e a sociedade” compre­endam a sua mensagem.
“Não fui mal compreendido”
Alberto Chipande disse, ain­da, que não se sente incompre­endido pela sociedade, pelo que instou os órgãos de comu­nicação social a difundirem cada vez mais as suas declara­ções. “publiquem na íntegra, duas ou mais vezes ao dia, para que o povo possa ouvir. Não estou mal compreendido, e eu quero que vocês (órgãos de co­municação social) divulguem mais as minhas declarações. Reafirmo o que disse”, vincou Chipande
Gulumba D. Mutemba O que Chipande diz é a conversa dos bastidores.
Na Comissão política e comité central da frelimo a conversa é essa,o Chipande está apenas a pensar em voz alta.
25 hrs
Thulukela Junior É lamentavel!
5 hrs
Ramesh Chiba Gatuno.
4 hrs
Julio Lacitela Verdade. Reunidos em portas fechadas esta eh a cancao so que os mais educados preferem o silencio. DIREITO DE ROUBAR
4 hrs
Manuel Jose Nao vale para estar aqui nos pais.
4 hrs
Alberto Wanderson Beto Gostei da ideia
3 hrs
Kanarere Canpeao Nomala Ja têm dinheiro é melhor procurar outro país para viverem. Não vos queremos.
1 hr
Jose Majasse Dombe Esse ditador se gana pelo enriquecimento dos 5milhões de dolares.

1 comentário:

Chuphai disse...

Oi camarada Frelimo sim. Não farias outra coisa se não defender o mano Guebas só pela maneira como analisas. Ainda bem que disse que fazes as coisas por fazer. Claro escreveste por escrever, mesmo porque os exemplos que das, digo que aplaudiu foi você mesmo com os seus camaradas lambebotas. Eu nunca aplaudi os 7 milhões porque nunca aceitei que meu imposto fosse dado a alguém que nunca iria reembolsar. Antes que eu use adjectivos que ofende, querido Frelimo sim, este artigo é pobre demais para convencer as pessoas a deixar Guebuza em Paz. Lamento… mas só pelo seu nome que não é teu, da para ver que és aspirante a promoção por parte do presidente Nyusi. Continue assim que vais ter a promoção ou para esquadrões de morte ou para o G40…

Windows Live Messenger + Facebook