sábado, 30 de abril de 2016

ONU diz estar preocupada com a violação dos direitos humanos em Moçambique


As Nações Unidas avançaram que receberam “informações preocupantes” sobre confrontos armados em curso em Moçambique entre as forças governamentais e os homens Armados da Renamo, no final da guerra civil de 16 anos de segurança nacional em 1992.“Violações dos direitos humanos, incluindo casos de desaparecimentos forçados e execuções sumárias também foram relatados”, disse Rupert Colville, porta-voz do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos, a repórteres em uma conferência de imprensa em Genebra.

Crescentes tensões

Os conflitos armados tem aumentado em Moçambique ao longo dos últimos meses, isto após o maior partido da oposição do país ter rejeitou os resultados das eleições legislativas de 2014 e anunciou a sua intenção de tomar o poder em seis das 11 províncias do país. As operações militares do exército contra a Renamo tem afetado principalmente a província de Tete, mas parece que os confrontos estão a se espalhar para outras províncias, incluindo Sofala, Zambézia, Nampula e Manica. De acordo com a agência de refugiados da ONU, cerca de 10.000 pessoas deixaram o país desde Dezembro de 2015.
“As forças de defesa e segurança foram acusados de execuções sumárias, saques, destruição de propriedade, violação, maus-tratos e outras violações dos direitos humanos. De acordo com fontes confiáveis, pelo menos 14 funcionários locais da Renamo foram mortos ou sequestrados por indivíduos não identificados ou grupos desde o início do ano. Em 20 de janeiro, houve uma tentativa de assassinato contra o Secretário-Geral da Renamo e MP Manuel Bissopo “, disse Colville.
De acordo com o Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (OHCHR), os ataques contra a polícia e as forças militares também têm sido atribuídas a Renamo. Eles também foram acusados de realizar ataques de atiradores furtivos em algumas estradas, que resultaram em morte de civis e militares do governo.
“A falta de responsabilização por abusos e violações de direitos humanos no passado parece ser um componente-chave da situação de deterioração. Estamos particularmente preocupados com a morte do procurador Marcelino Vilankulo, e sobre a falta de progressos na investigação sobre o assassinato de Gilles Cistac, um professor de direito que tinha denunciado fraude eleitoral “, o porta-voz observou.

Defensores dos direitos humanos perseguidos e ameaçados

“Ficamos chocados ao saber que defensores dos direitos humanos que pedem manifestações públicas em favor da prestação de contas e transparência na gestão dos recursos públicos foram molestados e ameaçados”, disse Colville.
Ele acrescentou que o anúncio feito pelo chefe da polícia em 25 de abril que qualquer protesto público será reprimido levanta sérias preocupações.
“Diante de manifestações convocadas para hoje, amanhã e na próxima semana, instamos o Governo a cumprir a sua obrigação de garantir que todos os cidadãos podem exercer os seus direitos de liberdade de expressão, de associação e de reunião pacífica. Exortamos também os agentes da lei para mostrar a máxima moderação quando a manutenção da ordem pública e para cumprir em todos os momentos com as obrigações internacionais de direitos humanos e as normas internacionais de policiamento “, sublinhou o porta-voz.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook